Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
>>> Sobre palavras mal ditas
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
Mais Recentes
>>> Uma breve história das guerras
>>> Uma breve história da ciência
>>> Uma breve história da riqueza
>>> Uma breve história do cristianismo
>>> Uma breve história do mundo - 3° edição
>>> Uma breve história do século XX - 2ª edição
>>> Uma saga na Toscana - Uma história de amor e conspiração
>>> Família é assim - Meu avô desparafusado
>>> Automação Brasileira de Tecnologia
>>> Time Riders 1
>>> Time Riders 2 - O dia do predador
>>> Time Riders 3 - O código do apocalipse
>>> Rangers - A origem 01 - O torneio de Gorlan
>>> Rangers - A origem 02 - A batalha de Hackham
>>> Meu Amicão - Uma policial de quatro patas
>>> Automação Aplicada - Descrição e Implementação de Sistemas Sequenciais com PLCs
>>> A política
>>> A Privataria Tucana
>>> Relações internacionais do Brasil - de Vagas a Lula
>>> As cidades e as Serras
>>> O diário de Anne Frank
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas
>>> Cândido ou o otimismo
>>> O Primo Basílio
>>> Vidas Secas
>>> Mímesis e modernidade: Formas das sombras ( 2ª ed.atualizada)
>>> Guia ilustrado da Guitarra - Manual de conhecimentos e reparos essenciais
>>> Como Desenhar em Perspectiva
>>> Quando a Onça Ganhou suas Pintas (Como Virou Onça Pintada)
>>> A Cidade Perdida
>>> Cultura da Terra
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 10: Após-Guerra
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 9: Tempo de Crise
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 8: no Limiar do Século XX
>>> O Peregrino: a História da Viagem de um Cristão à Cidade Celestial
>>> Dom Casmurro
>>> O Futuro da Liderança
>>> Lolita
>>> A Bolsa ou a Vida - a dívida externa do Terceiro Mundo: As finanças contra os povos
>>> A arte de produzir efeito sem causa
>>> O menino do pijama listrado
>>> O príncipe
>>> A miséria do mundo
>>> A República de Weimar (1919 - 1933)
>>> Las Venas Abiertas de America Latina
>>> O símbolo perdido
>>> Cuidando de quem cuida: capacitação dos profissionais da rede socioassistencial do Distrito Federal
>>> A hora da estrela
>>> Comércio internacional e desenvolvimento - do GATT à OMC: discurso e prática
>>> Mundo Perdido
COLUNAS

Segunda-feira, 25/5/2015
Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos

"O principal conhecimento que se adquire lendo livros é o de que poucos livros merecem ser lidos."
H.L. Mencken

* Para um leitor de verdade, ler é uma grande aventura ― se não for a maior de todas. Você lê, lê, até que, um dia, percebe que não vai ler tudo. Ler o quê, então? As grandes obras. As grandes obras são poucas. E são os grandes desafios de qualquer leitor. Tem gente que gostaria de escalar o Everest. Eu gostaria de ler as grandes obras da literatura. Acredite, é uma grande ambição para um leitor de verdade. Se não for a maior de todas.

* Nesse sentido, quando eu li Homero, achei que havia atingido um "marco" na minha carreira de leitor. Pois, de certo modo, Homero é o começo de tudo. Homero é o "Gênesis". Homero está na fronteira entre a língua escrita e a língua falada. Homero compilou a tradição oral de sua época e deu forma "literária" a ela. Homero é quase a Pré-História que virou História. Ou, naquela piada do Millôr, é "o analfabeto que criou o alfabeto". Homero está na origem da nossa civilização. Homero é o DNA da nossa literatura.

* Mas o desafio das grandes obras ― para nós ― é a tradução. Como a nossa nação é jovem, e a maioria das grandes obras não foi escrita na nossa língua, nosso desafio, também, é o de encontrar uma boa tradução. Legível. Quando terminei de ler Homero, me senti órfão. Não queria abandonar aquele mundo. Mas qual a continuação? Virgílio. OK, Virgílio ― mas em que tradução?

* Eu tive a sorte de frequentar o mesmo Starbucks que um dos nossos maiores helenistas, o professor Antonio Medina Rodrigues. Um dia eu entrei nesse Starbucks com a minha edição da Odisseia ― com o desejo de escrever uma resenha (que nunca escrevi) ― e lá estava o professor com uma edição da... Odisseia! A diferença é que eu havia acabado de ler e ele estava revisando o prefácio de uma edição que seria relançada (e que ele, originalmente, prefaciou...).

* Eu perguntei: "Professor, qual é o maior poeta? Homero, Virgílio, Dante ou Shakespeare? O Harold Bloom diz que é Shakespeare, o senhor concorda?". Ele me respondeu: "Ah, é Homero! O Harold Bloom floreia muito. Aquele negócio de 'angústia da influência'... Aquilo sempre existiu!". Continuei com as minhas indagações: "Professor, o senhor acha que Platão se igualou a Homero, criando a filosofia, uma vez que ele percebeu que não ia conseguir ser tão grande poeta?". E ele: "Acho que sim. Mas Platão falando de Homero é como um economista falando de futebol... É outra coisa!".

* Acho que querendo ler a Ilíada ― que ainda não havia saído na tradução do Frederico Lourenço ― pedi ajuda ao professor: "Qual é a boa tradução da Ilíada, professor?". Ele, sem pestanejar: "Pega a do Odorico Mendes". E eu, titubeante: "Putz, eu tenho, mas achei muito difícil, muitos neologismos, parece Guimarães Rosa". E ele, me corrigindo: "Guimarães Rosa, não! O Odorico fazia o que podia. Insiste mais um pouco... O Odorico é o melhor de todos".

* Tive a sorte de pegar a Ilíada do Frederico Lourenço e lê-la foi uma das grandes emoções ― ou aventuras ― da minha vida de leitor. Mas foi frustrante descobrir que o cavalo de Troia não aparece no principal livro sobre Troia. Ilíada vem de "Ilium", que é outro nome para Troia. A rigor, nem a queda de Troia aparece na "Troiana" (minha adaptação para Ilíada). O poema acaba junto com os funerais de Heitor. E eu pensei: "Cadê o cavalo? Cadê o incêndio? Cadê a Cassandra? Cadê o calcanhar de Aquiles? Onde eu encontro a continuação dessa história?".

* Foi quando eu pensei em Virgílio. E descobrir uma tradução foi outra odisseia. Tanto que no meio ― entre Homero e Virgílio ― eu acabei lendo o Ulisses de Joyce. (Para vocês terem uma ideia de como foi difícil e de como demorou.) Na realidade, eu encontrei uma boa tradução, em francês, prefaciada por ninguém menos que Sainte-Beuve (procurando na internet). É uma edição do começo do século XX, mas não consegui descobrir o tradutor ― nem se foi reeditada. Tenho o PDF e comecei a imprimir. Mas senti que estava "perdendo" alguma coisa...

* Tentei, então, a tradução daquela coleção da Oxford, Loeb Classical Library. Coleção bilíngue, que eu sempre namorei, e que achei que havia chegado a hora de comprar (Virgílio merecia). Acho que li todas as Bucólicas e um pouco das Geórgicas, mas, quando chegou na Eneida propriamente dita, empaquei de novo. Até a edição do Odorico Mendes, que também traduziu a Eneida, eu tentei ― mas, igualmente, não consegui. Meu tio Papi me mandou, da França, a edição da Belles Lettres, de aniversário, mas só consegui mesmo na tradução do Carlos Alberto Nunes, pela editora 34 (sorry, Tio Papi).

* O Carlos Alberto Nunes eu conheci pelas traduções dos Diálogos de Platão, que a editora da Universidade Federal do Pará reedita. Sua tradução do Fédon me impressionou enormemente. Sobretudo a descrição do que acontece com a alma depois que o corpo morre. Que ― talvez, não por acaso ― coincide com a descrição que os espíritas fazem do "processo". Que coincide, também, com a descida de Ulisses à mansão do Hades (na Odisseia). E coincide, ainda, com a visita de Eneias ao reino dos mortos (na Eneida)...

* Virgílio é o principal discípulo de Homero. Ou ― dos que chegaram até nós ― o que chegou mais perto dele. Virgílio é o Homero romano. É talvez o maior poeta depois de Homero. Se é que Homero de fato existiu ― ou se é que foi um "único" Homero. Me disse o professor: "Homero foi quem deu a última mão estilística". Homero é uma força da natureza. Como algo que brota da terra. Virgílio tinha um plano: contar a História de Roma, através de um épico, que fosse tão grande quanto os de Homero...

* A Eneida foi ainda mais ambiciosa, porque fundiu a Odisseia com a Ilíada. Até a metade, é a viagem de Eneias, um dos sobreviventes de Troia, em busca da terra prometida (para usar uma imagem fora de contexto). Quando ele, finalmente, chega à Itália, ou ao Lácio, tem de conquistar a região ― então começa a segunda metade da Eneida, que se inspira na Ilíada. Virgílio demorou pouco mais de uma década para escrever a obra toda. E o mais irônico é que morreu na viagem que fez à Grécia, para conferir alguns locais onde a ação se passa. Doente, pediu que a Eneida, não totalmente revisada, fosse destruída. (Não obedeceram, graças a Deus.)

* A parte da guerra, eu achei muita guerra. (Mais que a Ilíada.) A parte da viagem, da Odisseia, eu gostei mais. Tem até um certo lirismo, belíssimo, que eu adorei ― que é a visita de Eneias a Cartago, governado pela rainha fenícia Dido. Que se apaixona por Eneias, que havia perdido a mulher, Creúsa, ainda em Troia... A paixão da Dido é uma das maiores histórias de amor de toda a literatura. E esse trecho já vale pela Eneida inteira. É como o monólogo da Molly Bloom, no Ulisses, de Joyce, que vale o livro todo. (Aliás, se você for começar o Ulisses, comece de trás para frente...)

* Lendo os romanos, eu não me conformo com a frase de Heidegger que diz que o latim não acrescentou "nada" (que os gregos criaram "tudo"). Acho que ele falava de filosofia. Mas, mesmo assim, acho injusto. Depois que eu li o Dom Quixote, que é talvez o primeiro romance moderno, eu cheguei na Antiguidade graças aos romanos. Não foi graças a Heidegger. Graças à filosofia, talvez. Mas nada a ver com Heidegger.

* Em 1999, na virada do milênio, eu estava lendo um livro sobre Hobbes, de um autor contemporâneo, e ele passava por Cícero. Como eu estava na França, comprei o volume dedicado aos estoicos, da biblioteca da Pléiade. Anos depois ― aproximadamente uma década depois ― me deparei com o volume da Marilena Chauí, pela Companhia das Letras, dedicado a esse período da filosofia, o helenismo. E me encantei. Lembro que no começo de 2011 eu estava lendo Cícero, Sêneca, Marco Aurélio, no volume da Pléiade, e me transportei para outra época...

* Também li Ovídio, a Arte de Amar, na coleção da Penguin Companhia. E, na época em que a Mamãe se foi, eu li as Cartas Pônticas, que é a correspondência do exílio de Ovídio, e me identificava completamente, porque me sentia "exilado" da vida. Os autores romanos sempre me tocaram muito. E há muito tempo eu acalento o sonho de estudar letras clássicas. E, um dia, lê-los no original. Até mais que os gregos...

* Eu tenho enorme respeito por essa época e fico imaginando um tempo em que convivam Ovídio, Virgílio e Horácio... Este um dos preferidos de Fernando Pessoa, modelo para Ricardo Reis. Cujas "odes" o Tio Papi também me mandou, pelas Belles Lettres, mas nas quais tampouco engrenei (sorry, Tio Papi, de novo). A vida de leitor pode ser de grandes realizações ― Homero, Virgílio, Joyce ―, mas é de frustrações também. Quando João Ubaldo Ribeiro morreu, estava em mais uma tentativa de ler Virgílio ("agora, quem sabe", declarou). Luiz Schwarcz, o editor da Companhia das Letras, outro dia confessou que nunca leu o Ulisses...

* Agora quero ler Dante. Eu digo "agora", mas não é agora agora. Quando for a hora. O que eu quis dizer é que "meu próximo passo", digamos assim, é Dante. Até porque o guia de Dante, na Divina Comédia, não é ninguém menos que Virgílio... Depois de Dante? Shakespeare, que eu precisava ler direito. Só aí poderei responder quem é "o maior poeta" ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 25/5/2015


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2015
01. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos - 25/5/2015
02. Regras de civilidade (ou de civilização) - 21/9/2015
03. Por que a discussão política tem de evoluir - 24/8/2015
04. 10 coisas que a Mamãe me ensinou - 10/5/2015
05. Mais uma crise no jornalismo brasileiro - 3/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




URINOTERAPIA (XIXI) - O MEIO DE SAÚDE MAIS EXTRAORDINÁRIO QUE EXISTE
DR CHRISTIAN TAL SCHALLER E OUTROS
MADRAS
(1999)
R$ 26,00



AGUAPÉS - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO
JHUMPA LAHIRI
FOLHA DE SÃO PAULO
(2017)
R$ 12,00



POESIA BRASILEIRA - ROMANTISMO
CASTRO ALVES / OUTROS
ÁTICA
(2006)
R$ 10,00



O GOLPE DO ANIVERSARIANTE
WALCYR CARRASCO
ÁTICA
(2011)
R$ 17,00



OS PADRES DA IGREJA - VOLUME 1 - SÉCULOS I-IV
JACQUES LIÉBAERT
LOYOLA
(2013)
R$ 24,40



ESPIRITUALIDADE UMA APLICAÇÃO PRÁTICA
LUCIA DE B BIDART
GRYPHUS
(2003)
R$ 12,00



EU EXISTO ASSIM
BANDEIRA DE MELLO
LG
(2009)
R$ 33,00



NO CORAÇÃO DA TEMPESTADE, VOL. 1
WILL EISNER
ABRIL JOVEM
(1996)
R$ 39,00



IMORTAL - HISTÓRIAS DE AMOR ETERNO
ORG: P. C. CAST
PLANETA
(2010)
R$ 12,00



O CLIENTE
JOHN GRISHAM
ROCCO
(1994)
R$ 8,90





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês