Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/5/2015
Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
Julio Daio Borges

+ de 6000 Acessos

"O principal conhecimento que se adquire lendo livros é o de que poucos livros merecem ser lidos."
H.L. Mencken

* Para um leitor de verdade, ler é uma grande aventura ― se não for a maior de todas. Você lê, lê, até que, um dia, percebe que não vai ler tudo. Ler o quê, então? As grandes obras. As grandes obras são poucas. E são os grandes desafios de qualquer leitor. Tem gente que gostaria de escalar o Everest. Eu gostaria de ler as grandes obras da literatura. Acredite, é uma grande ambição para um leitor de verdade. Se não for a maior de todas.

* Nesse sentido, quando eu li Homero, achei que havia atingido um "marco" na minha carreira de leitor. Pois, de certo modo, Homero é o começo de tudo. Homero é o "Gênesis". Homero está na fronteira entre a língua escrita e a língua falada. Homero compilou a tradição oral de sua época e deu forma "literária" a ela. Homero é quase a Pré-História que virou História. Ou, naquela piada do Millôr, é "o analfabeto que criou o alfabeto". Homero está na origem da nossa civilização. Homero é o DNA da nossa literatura.

* Mas o desafio das grandes obras ― para nós ― é a tradução. Como a nossa nação é jovem, e a maioria das grandes obras não foi escrita na nossa língua, nosso desafio, também, é o de encontrar uma boa tradução. Legível. Quando terminei de ler Homero, me senti órfão. Não queria abandonar aquele mundo. Mas qual a continuação? Virgílio. OK, Virgílio ― mas em que tradução?

* Eu tive a sorte de frequentar o mesmo Starbucks que um dos nossos maiores helenistas, o professor Antonio Medina Rodrigues. Um dia eu entrei nesse Starbucks com a minha edição da Odisseia ― com o desejo de escrever uma resenha (que nunca escrevi) ― e lá estava o professor com uma edição da... Odisseia! A diferença é que eu havia acabado de ler e ele estava revisando o prefácio de uma edição que seria relançada (e que ele, originalmente, prefaciou...).

* Eu perguntei: "Professor, qual é o maior poeta? Homero, Virgílio, Dante ou Shakespeare? O Harold Bloom diz que é Shakespeare, o senhor concorda?". Ele me respondeu: "Ah, é Homero! O Harold Bloom floreia muito. Aquele negócio de 'angústia da influência'... Aquilo sempre existiu!". Continuei com as minhas indagações: "Professor, o senhor acha que Platão se igualou a Homero, criando a filosofia, uma vez que ele percebeu que não ia conseguir ser tão grande poeta?". E ele: "Acho que sim. Mas Platão falando de Homero é como um economista falando de futebol... É outra coisa!".

* Acho que querendo ler a Ilíada ― que ainda não havia saído na tradução do Frederico Lourenço ― pedi ajuda ao professor: "Qual é a boa tradução da Ilíada, professor?". Ele, sem pestanejar: "Pega a do Odorico Mendes". E eu, titubeante: "Putz, eu tenho, mas achei muito difícil, muitos neologismos, parece Guimarães Rosa". E ele, me corrigindo: "Guimarães Rosa, não! O Odorico fazia o que podia. Insiste mais um pouco... O Odorico é o melhor de todos".

* Tive a sorte de pegar a Ilíada do Frederico Lourenço e lê-la foi uma das grandes emoções ― ou aventuras ― da minha vida de leitor. Mas foi frustrante descobrir que o cavalo de Troia não aparece no principal livro sobre Troia. Ilíada vem de "Ilium", que é outro nome para Troia. A rigor, nem a queda de Troia aparece na "Troiana" (minha adaptação para Ilíada). O poema acaba junto com os funerais de Heitor. E eu pensei: "Cadê o cavalo? Cadê o incêndio? Cadê a Cassandra? Cadê o calcanhar de Aquiles? Onde eu encontro a continuação dessa história?".

* Foi quando eu pensei em Virgílio. E descobrir uma tradução foi outra odisseia. Tanto que no meio ― entre Homero e Virgílio ― eu acabei lendo o Ulisses de Joyce. (Para vocês terem uma ideia de como foi difícil e de como demorou.) Na realidade, eu encontrei uma boa tradução, em francês, prefaciada por ninguém menos que Sainte-Beuve (procurando na internet). É uma edição do começo do século XX, mas não consegui descobrir o tradutor ― nem se foi reeditada. Tenho o PDF e comecei a imprimir. Mas senti que estava "perdendo" alguma coisa...

* Tentei, então, a tradução daquela coleção da Oxford, Loeb Classical Library. Coleção bilíngue, que eu sempre namorei, e que achei que havia chegado a hora de comprar (Virgílio merecia). Acho que li todas as Bucólicas e um pouco das Geórgicas, mas, quando chegou na Eneida propriamente dita, empaquei de novo. Até a edição do Odorico Mendes, que também traduziu a Eneida, eu tentei ― mas, igualmente, não consegui. Meu tio Papi me mandou, da França, a edição da Belles Lettres, de aniversário, mas só consegui mesmo na tradução do Carlos Alberto Nunes, pela editora 34 (sorry, Tio Papi).

* O Carlos Alberto Nunes eu conheci pelas traduções dos Diálogos de Platão, que a editora da Universidade Federal do Pará reedita. Sua tradução do Fédon me impressionou enormemente. Sobretudo a descrição do que acontece com a alma depois que o corpo morre. Que ― talvez, não por acaso ― coincide com a descrição que os espíritas fazem do "processo". Que coincide, também, com a descida de Ulisses à mansão do Hades (na Odisseia). E coincide, ainda, com a visita de Eneias ao reino dos mortos (na Eneida)...

* Virgílio é o principal discípulo de Homero. Ou ― dos que chegaram até nós ― o que chegou mais perto dele. Virgílio é o Homero romano. É talvez o maior poeta depois de Homero. Se é que Homero de fato existiu ― ou se é que foi um "único" Homero. Me disse o professor: "Homero foi quem deu a última mão estilística". Homero é uma força da natureza. Como algo que brota da terra. Virgílio tinha um plano: contar a História de Roma, através de um épico, que fosse tão grande quanto os de Homero...

* A Eneida foi ainda mais ambiciosa, porque fundiu a Odisseia com a Ilíada. Até a metade, é a viagem de Eneias, um dos sobreviventes de Troia, em busca da terra prometida (para usar uma imagem fora de contexto). Quando ele, finalmente, chega à Itália, ou ao Lácio, tem de conquistar a região ― então começa a segunda metade da Eneida, que se inspira na Ilíada. Virgílio demorou pouco mais de uma década para escrever a obra toda. E o mais irônico é que morreu na viagem que fez à Grécia, para conferir alguns locais onde a ação se passa. Doente, pediu que a Eneida, não totalmente revisada, fosse destruída. (Não obedeceram, graças a Deus.)

* A parte da guerra, eu achei muita guerra. (Mais que a Ilíada.) A parte da viagem, da Odisseia, eu gostei mais. Tem até um certo lirismo, belíssimo, que eu adorei ― que é a visita de Eneias a Cartago, governado pela rainha fenícia Dido. Que se apaixona por Eneias, que havia perdido a mulher, Creúsa, ainda em Troia... A paixão da Dido é uma das maiores histórias de amor de toda a literatura. E esse trecho já vale pela Eneida inteira. É como o monólogo da Molly Bloom, no Ulisses, de Joyce, que vale o livro todo. (Aliás, se você for começar o Ulisses, comece de trás para frente...)

* Lendo os romanos, eu não me conformo com a frase de Heidegger que diz que o latim não acrescentou "nada" (que os gregos criaram "tudo"). Acho que ele falava de filosofia. Mas, mesmo assim, acho injusto. Depois que eu li o Dom Quixote, que é talvez o primeiro romance moderno, eu cheguei na Antiguidade graças aos romanos. Não foi graças a Heidegger. Graças à filosofia, talvez. Mas nada a ver com Heidegger.

* Em 1999, na virada do milênio, eu estava lendo um livro sobre Hobbes, de um autor contemporâneo, e ele passava por Cícero. Como eu estava na França, comprei o volume dedicado aos estoicos, da biblioteca da Pléiade. Anos depois ― aproximadamente uma década depois ― me deparei com o volume da Marilena Chauí, pela Companhia das Letras, dedicado a esse período da filosofia, o helenismo. E me encantei. Lembro que no começo de 2011 eu estava lendo Cícero, Sêneca, Marco Aurélio, no volume da Pléiade, e me transportei para outra época...

* Também li Ovídio, a Arte de Amar, na coleção da Penguin Companhia. E, na época em que a Mamãe se foi, eu li as Cartas Pônticas, que é a correspondência do exílio de Ovídio, e me identificava completamente, porque me sentia "exilado" da vida. Os autores romanos sempre me tocaram muito. E há muito tempo eu acalento o sonho de estudar letras clássicas. E, um dia, lê-los no original. Até mais que os gregos...

* Eu tenho enorme respeito por essa época e fico imaginando um tempo em que convivam Ovídio, Virgílio e Horácio... Este um dos preferidos de Fernando Pessoa, modelo para Ricardo Reis. Cujas "odes" o Tio Papi também me mandou, pelas Belles Lettres, mas nas quais tampouco engrenei (sorry, Tio Papi, de novo). A vida de leitor pode ser de grandes realizações ― Homero, Virgílio, Joyce ―, mas é de frustrações também. Quando João Ubaldo Ribeiro morreu, estava em mais uma tentativa de ler Virgílio ("agora, quem sabe", declarou). Luiz Schwarcz, o editor da Companhia das Letras, outro dia confessou que nunca leu o Ulisses...

* Agora quero ler Dante. Eu digo "agora", mas não é agora agora. Quando for a hora. O que eu quis dizer é que "meu próximo passo", digamos assim, é Dante. Até porque o guia de Dante, na Divina Comédia, não é ninguém menos que Virgílio... Depois de Dante? Shakespeare, que eu precisava ler direito. Só aí poderei responder quem é "o maior poeta" ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 25/5/2015


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2015
01. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos - 25/5/2015
02. Regras de civilidade (ou de civilização) - 21/9/2015
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) - 30/11/2015
04. 10 coisas que a Mamãe me ensinou - 10/5/2015
05. Por que a discussão política tem de evoluir - 24/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês