Eu e as Copas | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Sexta-feira, 2/6/2006
Eu e as Copas
Julio Daio Borges

+ de 4400 Acessos

Não, não adianta, não lembro nada da Copa de 1978.

* * *

Em 1982, eu tinha um tio fanático por futebol que morava em casa. Eu ia com ele ao supermercado, passar na banca de jornal e comprar figurinhas ou o próprio álbum de figurinhas — não lembro mais.

Não estou certo mas, se não me engano, era um álbum que você completava com figurinhas que vinham dentro dos chicletes Ping Pong. Um colega sortudo, na escola, comprou uma caixa de chicletes de hortelã e saíram vários "Canarinhos" de uma vez, uma das figurinhas mais difíceis. Também comprei uma caixa na padaria perto da minha casa — com esse meu tio, é claro — mas não tive a mesma sorte.

O duro, depois, foi dar conta dos chicletes sem embalagem, que tinham de ser mastigados rápido para não endurecer e estragar. Eu e meu irmão fazíamos competição: chegávamos a mastigar seis chicletes ao mesmo tempo cada um. Lembro do gosto doce até hoje. Acho que nunca mais comi chiclete de hortelã...

Ainda na escola, a onda era o "bafo": bater figurinhas com a mão em forma de concha; cada um (cada competidor) colocava uma figurinha sua no bolo; quem virasse as figurinhas "batendo", levava.

Eu não sei se era "bom de bafo". Não lembro mais. Acho que não era, não. Os meninos chegavam com aqueles bolos de figurinhas, presas com elástico e era como num jogo de cartas: as figurinhas mais raras só podiam ser "batidas" com figurinhas da mesma raridade.

Os meninos se juntavam em volta e torciam. Ou apenas comentavam.

Lembro mais do meu tio me explicando quem eram os jogadores. Quem era ruim; quem era bom. Ríamos da feiúra alheia ou até elogiávamos a beleza de algum jogador. Eu acho que não completei nenhuma seleção no álbum. Devo tê-lo guardado.

Lembro pouco do fatídico jogo do Brasil contra a Itália, que desclassificou nossa seleção... O Éder, que era bom de escanteio, mas que não adiantou... O Telê Santana, que também não adiantou — que foi muito xingado na época, mas que agora, depois de morto, parece que se santificou...

* * *

De 1986, eu lembro mais.

Acompanhava mais os jogos, graças ao meu melhor amigo, que era um palmeirense, digamos, roxo. Comentava os jogos televisionados todos os dias na escola. Quase todos os jogos. Ou, pelo menos, assim me parecia.

Era a onda da "Laranja Mecânica", a seleção da Dinamarca, e esse meu amigo imitava os trejeitos do Silvio Luiz na transmissão. Ele e um outro amigo — de quem sou amigo até hoje — adoravam as piadas do Silvio Luiz durante o jogo. (Acho que gostavam até mais que do jogo...) Depois, na outra escola, estudei com o filho do Silvio Luis, o Souza — mas aí não fiz amizade.

A Dinamarca dava de goleada nas outras seleções, mas, de repente, perdeu de goleada para a Espanha (que, depois, perdeu para o Brasil) — e aí acabou.

Uma das noites de que mais me lembro daquele ano foi a da festa junina, que coincidiu, justamente (ou injustamente), com a derrota do Brasil para a França. Lembro, vivamente, da cara da menina por quem eu era apaixonado — embora ela tivesse me dado um fora no ano anterior — triste. Todo mundo, na realidade, estava com cara de velório. Fazia frio e tivemos uma festa junina mixuruca. (Minha musa, ainda assim, estava linda para o meu gosto e usava uma malha verde... Lembro do tom.)

Para completar a melancolia: depois o Fantástico transmitiu o clipe do Araquém — o showman —, caso o Brasil tivesse vencido a França. O Araquém deu azar — e mandaram ele pro espaço depois.

* * *

Em 1990, eu lembro de assistir aos jogos na casa dos meus novos amigos, da nova escola. Inexplicavelmente para mim, o Brasil usava branco — e eu nunca vi muito carisma naquela seleção. Outro dia — agora — vi o Bebeto numa revista e continuei achando ele sem sal. Só que agora com cabelos brancos...

Em 1990 — na casa de um primeiro amigo —, nós tentávamos montar uma banda de rock, que, no final, nunca se juntou. Era o Paul no teclado, o Henrique no baixo, eu na guitarra, alguém mais na outra guitarra, acho que o João na bateria e o Marcelo no vocal. Ficou só nessa "formação". Não batia nunca nosso repertório e ninguém se sentia muito à vontade para se apresentar...

Já na casa de um segundo amigo, o Alemão — que às vezes, ainda hoje, me aparece pelo Skype —, ele e o pai dele, alemães ou descendentes, obviamente, tiravam o maior sarro do futebol da República de Camarões. (Não vou transcrever aqui as piadas porque elas envolvem bananas e são racistas...)

Num desses jogos, da casa do Alemão, que também morava perto da escola, nós seguimos direto, mais uma vez, para a festa junina. Já era a época de eu "pegar" alguém — só que, nessa festa junina específica, eu me juntei ao time dos que só se empanturravam de comida ao longo da noite... Bola fora.

* * *

De 1994, eu me lembro bem mais.

Nunca vou esquecer do Jô Soares acabando com o time do Dunga (nos dois sentidos). Tirou sarro dele o quanto pôde e o Dunga deve ter sofrido porque, quando empunhou o caneco, para o mundo inteiro ver, bradava, sem som: "Filme essa p...! Filma essa p...!". O Jô Soares não se fazia de rogado: ria dele mais. Nunca fui com a cara do Dunga desde então, e continuo não indo — mas a maioria dos brasileiros aprendeu a engoli-lo (e ao Zagallo).

E ao Parreira — até hoje. Até hoje!

Lembro de um jornalista, do SBT, que toda vez terminava o jornal com uma ameaça: "O Brasil ainda vai ser campeão — apesar de você, Parreira!". Hoje o Parreira vai no Jornal Nacional e é recebido com os salamaleques da Fátima Bernardes. (Não vejo diferença nenhuma entre a atitude dos dois jornalistas.)

Em 1994, eu também era apaixonado por uma menina, mas estava longe dela quando o Brasil ganhou...

Estávamos na Fazenda e eu lia assiduamente as crônicas do João Ubaldo Ribeiro e do Luis Fernando Verissimo. Gostei muito daquela cobertura por escrito. Depois, na faculdade, um amigo veio me empurrar um livro de crônicas do Verissimo, sobre essa temporada nos Estados Unidos, mas eu não quis...

O Ubaldo estava particularmente inspirado, e falar que podiam providenciar seu caixão — se o Brasil perdesse — foi interessante. E o Brasil ganhou de raspão. Graças ao Roberto Baggio. E não graças a você, Parreira! (Nem a você, Dunga! Nem a você, muito menos, Zagallo.)

A galera se esbaldou pelas ruas da cidade. Eu — não sei por quê —, não. (Ah, porque estava fora da cidade, é claro!) Inclusive a Carol, que eu namoraria só na Copa de 1998...

* * *

Em 1998, eu já trabalhava no banco e tinha aquela palhaçada de "trabalhar" até o meio-dia, em dia de jogo do Brasil. Não existia Messenger ainda naquela época — não como hoje —, mas você pode imaginar a concentração...

Eu passei nove meses nesse emprego e — entre treinamentos (eu era "trainee"), jogos do Brasil e meu namoro com a Carol — foi um ano, profissionalmente, pouco produtivo, eu admito. E, ah, eu já exercia a minha atividade de colunista independente. (Se eu não me engano, escrevi dois textos sobre a Copa de 1998: aqui e aqui.)

Enfim, era uma correria para chegar em casa a tempo de ver o jogo... A cidade, é claro, travava. Eu lembro de atravessar ainda mais a cidade para chegar na casa da Carol. Saíam altas brigas no trânsito, por causa da sobrecarga de adrenalina... Lembro de um sujeito na avenida República do Líbano, com a adrena lá em cima, saindo do próprio carro para chutar — sim, chutar — o carro do próximo.

Lembro muito da Vó da Carol com seu lenço verde-amarelo no pescoço que, na Copa, ela sempre gosta de usar.

Assim como o Dunga, nunca engoli o Ronaldinho. Falo do "Fenômeno". Não entendo nada de futebol — acho que deu pra perceber já... — mas fiquei com a impressão de que ele não jogou nada. Jogou?

A queimada de filme, jornalística, foi, desta vez, do Pedro Bial. (Quem sabe, sabe...)

Acreditei que, por causa da Nike, o Brasil vendeu a Copa.

* * *

Em 2002, o que eu mais lembro é de ler a biografia do Garrincha, pelo Ruy Castro. Para mim, é seu melhor livro. Então as Copas de 1958, 1962 e 1970, a meu ver, foram muito mais emocionantes.

O jogo da final, pra variar, foi chocho. Segundo a teoria da conspiração — a da Nike —, estava tudo programado para o Brasil ganhar. E eu acreditei de novo.

Mas fui comemorar na rua, porque ninguém é de ferro, claro.

Os primos da Carol, dos Estados Unidos, estavam em São Paulo e trouxeram um gringo que se esbaldara na balada da noite anterior. Passou mais de 24 horas com a mesma camisa preta — camisa de manga, fazia calor — até embarcar à noite...

Nós pulávamos na avenida Europa, que foi fechada por um trio elétrico, em que encontramos vários amigos nossos. (E olha que eu nem gosto de axé e nunca passei o carnaval em Salvador...) O gringo, de repente, apareceu deitado na sarjeta — e não era apenas uma imagem poética...

A casa da Carol era um entra-e-sai de pessoas. Um amigo nosso, meio briaco, disparou a falar inglês, e não parava nunca mais. Ia chegando gente atrás de gente, parece que de diversos pontos da cidade, de tal maneira que iam emendando almoço com jantar...

Foi uma das Copas mais divertidas da História. Apesar de que as outras também foram.

* * *

Sobre esta Copa de 2006, não sei o que esperar. Nunca estive tão "por fora". Nunca achei as pessoas tão por fora...

Jornalisticamente falando, vi blogs pipocarem sobre, no mundo todo — e no Brasil, ainda, nada. Apesar de uma revista, que recebi na semana passada, sobre... (Aguarde Comentários nos próximos Digestivos...)

Repito que não acredito que vamos ter de agüentar o Parreira de novo (e o espírito, de porco, do Zagallo). E o Galvão Bueno. E o Pelé. Talvez o Dunga...

Um dos meus colegas, da escola de 1990, inaugurou um site e — desde o ano passado — já estão torcendo todos... (Update: o Globo Esporte, quando foi fazer seu novo site, roubo dele o slogan...)

2006 é o ano.

E eu ando tão ocupado que... se o Brasil ganhar, vocês me chamam?


Julio Daio Borges
São Paulo, 2/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês