Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
Mais Recentes
>>> Sonhos Lúcidos - uma Iniciação ao Mundo dos Feiticeiros de Carlos castaneda pela Nova Era (1993)
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 28/4/2020
Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2100 Acessos

Cada obra de arte nos dá uma forma, paradigma ou modelo de conhecimento de alguma coisa.” (Susan Sontag)

Não é comum na pintura de Elias Layon a representação da cidade totalmente solitária, tomada por aquele silêncio dos lugares inabitados. Em geral, na soma de suas obras, há sempre um personagem aqui e outro ali, gente perambulando pela cidade, casais de mãos dadas, como também pessoas em suas tarefas cotidianas ou eventos importantes para a cidade como procissões religiosas, festas populares ou a apresentação pública da Banda da cidade.

No entanto, agora, um silêncio eloquente e ressoante invade as suas telas. A cidade se impõe de forma total a partir da ausência do murmúrio humano. Nessa visão, o silêncio da cidade, com suas árvores, arquitetura, praças e ruas abandonadas se dá a pressentir através de pinceladas e espatulados de cores e formas que adensam o tom solitário de cada espaço urbano representado por Elias Layon.

Há um ou outro quadro de Layon onde o silêncio se apresenta, mas o tema parece mais próprio a uma metáfora da solidão. Como na belíssima tela abaixo, onde em um banco vazio de praça se encontra encostado um guarda-chuva abandonado. Quem esteve ali? Esperava por alguém que não apareceu? Porque o esquecimento do guarda-chuva? O abandono do guarda-chuva assemelha-se ao abandono a que todos nós podemos estar condenados em algum momento da vida. A neblina que se adensa sobre a cidade amplia o tom poético do tema da solidão no quadro.



Em algumas das telas recentemente pintadas por Layon, a praça principal da cidade de Mariana (M.G) é o espaço onde vai se dar a poética do silêncio. Coincidentemente, o mesmo espaço da solidão do quadro anteriormente comentado. Sendo o lugar por excelência dos encontros dos moradores da cidade, a praça é o lugar onde bares movimentam ruidosas conversas, sempre ao som de música alta e estando cercada pelo ruído de automóveis de cortam ininterruptamente a cidade.

Em contraste com esse barulhento espaço onde a vida humana se reúne quase que diariamente, as pinturas que Layon agora nos apresenta devolve à praça um silêncio diante do qual sentimos algo que é a combinação de angústia, isolamento e, ao mesmo tempo, temor.

Como podemos ver nas telas que se seguem, a presença da natureza parece tomar o espaço da praça, acentuando uma espécie de temporalidade para o abandono. Folhas ao chão, ressecadas, galhos de árvores sem poda, árvores quase sempre maiores que os elementos da arquitetura. Junte-se a isso o fato das pinceladas serem mais carregadas de tinta, com um espatulado que dá corpo à matéria da natureza, fazendo-a impor-se sobre os outros elementos. A tonalidade das cores, sempre fortes e espessas, nos faz pensar em como a natureza tomou a historicidade da arquitetura em assalto.

Na tela abaixo, o espaço dos caminhantes que frequentam a praça está solitário, as folhas caídas não foram retiradas do chão e a arquitetura, na sua cor esmaecida, quase desaparece sob o peso das árvores, com seus troncos, folhagens e galhos poderosamente coloridos. Nenhuma vida humana cruza a praça. Há quase que um fechamento das árvores sobre ela que impõe um silêncio de templo religioso.



No próximo quadro, como uma das partes principais da praça, o lago, centralizado na tela, reflete delicadamente o céu e algumas árvores. Sem também nenhuma possibilidade de ruído humano, as frondosas árvores envolvem a praça como num abraço mudo. O peso das pinceladas se repete nessas telas. As cores dominam o espaço numa representação próxima ao expressionismo. O empastamento das pinceladas pesa... porque o silêncio pesa. O lago aparece como o centro dominante da tela, por que a sua importância na praça é fundamental, pois ali, outrora, seus peixinhos coloridos chamavam a atenção das crianças e dos adultos que se divertiam vendo-os ou alimentando-os com nacos de pão. Essa lembrança das pequenas alegrias cotidianas agora desaparecidas, aumenta ainda mais o silêncio que desce sobre a praça.

Na tela temos o reflexo de um casarão colonial. Hoje esses casarões se transformaram em bares movimentados, com uma juventude ruidosa que os frequenta, mas que, agora, forçados ao isolamento social, a ausência de sociabilidade impõe a esses espaços o silêncio que os domina peremptoriamente. Silêncio que as telas de Layon registra.



Nas tela seguinte, o tema dominante é o coreto da praça. Ali também era um privilegiado espaço de encontros sociais, onde namorados se abraçavam e se beijavam, onde amigos sentavam para conversar e distribuir risadas aos quatro ventos. Visto de perto ou mais de longe, o coreto não se impõe. Aqui dominam as árvores, a solidão dos espaços inabitados, a força das pinceladas a reforçar a ideia de que um mundo desapareceu, o mundo da convivência dos habitantes da cidade.



O tema do silêncio domina essas pinturas, porque o tempo do risco de vida impõe o espaço vazio da cidade como saída para a sobrevivência. As neblinas típicas da pintura de Layon desaparecem nestas telas. Agora o ar límpido permeia todos os cantos, mas deixa um gosto discreto, mas amargo, de terra arrasada, e as pinceladas pesadas, com seu cromatismo por vezes terroso, indicam que esse silêncio assustador é nada mais, nada menos, que a vida correndo risco.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
02. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
03. As minas de ouro (ou Os sebos) de Ivan Bilheiro
04. Bafana Bafana: very good futebol e só de Vicente Escudero
05. As concubinas do sultão de Diego Viana


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
02. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
03. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
04. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um apólogo
Machado de Assis
DCL
(2003)



Dom Pedro I
Neil Macaulay
Record
(1993)



Meninos, Eu Vi
Joel Silveira
tribuna da imprensa
(1967)



O Infinito Em Todos os Sentidos da Vida
Emílio Lopes da Silva
Do Autor
(2003)



Oi, Eu Sou o Ronaldinho Gaucho
Mauricio de Sousa e Yara Maura Silva
Edic
(2008)



Persépolis - 3 Volumes ( 1, 2 e 3 )
Marjane Satrapi
Cia das Letras
(2004)



Confesso que Vivi
Pablo Neruda
difel
(1981)



Livro - Monstro do Pântano - Volume 3
Alan Moore - Steve Bissette - John Totleben
Vertigo



Conexão Saúde
Deepak Chopra
Best Seller
(2007)



Valores - O Bem, O Mal, A Natureza, A Cultura, A Vida
Francesco Alberoni
rocco
(2000)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês