Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Mais Recentes
>>> Boneco de Pano de Daniel Cole pela Arqueiro (2017)
>>> Hereges de Leonardo Padura Fuentes pela Boitempo (2015)
>>> Nix de Nathan Hill pela Intrinseca (2018)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Caras Animalescas de Renato Moriconi; Ilan Brenman pela Cia das Letrinhas (2013)
>>> Jujubalândia de Mariana Caltabiano pela Brinque Book (1997)
>>> O Pequeno Dragão - 2ª Nova Ortografia de Pedro Bandeira; Carlos Edgard Herrero pela Moderna (2009)
>>> O Coiso Estranho de Blandina Franco pela Companhia das Letras (2014)
>>> Rupi! o Menino das Cavernas de Timothy Bush; Gilda de Aquino pela Brinque-book (1997)
>>> Casa-grande Senzala - Dois Volumes de Gilberto Freyre pela Jose Olympio (1950)
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 28/4/2020
Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1400 Acessos

Cada obra de arte nos dá uma forma, paradigma ou modelo de conhecimento de alguma coisa.” (Susan Sontag)

Não é comum na pintura de Elias Layon a representação da cidade totalmente solitária, tomada por aquele silêncio dos lugares inabitados. Em geral, na soma de suas obras, há sempre um personagem aqui e outro ali, gente perambulando pela cidade, casais de mãos dadas, como também pessoas em suas tarefas cotidianas ou eventos importantes para a cidade como procissões religiosas, festas populares ou a apresentação pública da Banda da cidade.

No entanto, agora, um silêncio eloquente e ressoante invade as suas telas. A cidade se impõe de forma total a partir da ausência do murmúrio humano. Nessa visão, o silêncio da cidade, com suas árvores, arquitetura, praças e ruas abandonadas se dá a pressentir através de pinceladas e espatulados de cores e formas que adensam o tom solitário de cada espaço urbano representado por Elias Layon.

Há um ou outro quadro de Layon onde o silêncio se apresenta, mas o tema parece mais próprio a uma metáfora da solidão. Como na belíssima tela abaixo, onde em um banco vazio de praça se encontra encostado um guarda-chuva abandonado. Quem esteve ali? Esperava por alguém que não apareceu? Porque o esquecimento do guarda-chuva? O abandono do guarda-chuva assemelha-se ao abandono a que todos nós podemos estar condenados em algum momento da vida. A neblina que se adensa sobre a cidade amplia o tom poético do tema da solidão no quadro.



Em algumas das telas recentemente pintadas por Layon, a praça principal da cidade de Mariana (M.G) é o espaço onde vai se dar a poética do silêncio. Coincidentemente, o mesmo espaço da solidão do quadro anteriormente comentado. Sendo o lugar por excelência dos encontros dos moradores da cidade, a praça é o lugar onde bares movimentam ruidosas conversas, sempre ao som de música alta e estando cercada pelo ruído de automóveis de cortam ininterruptamente a cidade.

Em contraste com esse barulhento espaço onde a vida humana se reúne quase que diariamente, as pinturas que Layon agora nos apresenta devolve à praça um silêncio diante do qual sentimos algo que é a combinação de angústia, isolamento e, ao mesmo tempo, temor.

Como podemos ver nas telas que se seguem, a presença da natureza parece tomar o espaço da praça, acentuando uma espécie de temporalidade para o abandono. Folhas ao chão, ressecadas, galhos de árvores sem poda, árvores quase sempre maiores que os elementos da arquitetura. Junte-se a isso o fato das pinceladas serem mais carregadas de tinta, com um espatulado que dá corpo à matéria da natureza, fazendo-a impor-se sobre os outros elementos. A tonalidade das cores, sempre fortes e espessas, nos faz pensar em como a natureza tomou a historicidade da arquitetura em assalto.

Na tela abaixo, o espaço dos caminhantes que frequentam a praça está solitário, as folhas caídas não foram retiradas do chão e a arquitetura, na sua cor esmaecida, quase desaparece sob o peso das árvores, com seus troncos, folhagens e galhos poderosamente coloridos. Nenhuma vida humana cruza a praça. Há quase que um fechamento das árvores sobre ela que impõe um silêncio de templo religioso.



No próximo quadro, como uma das partes principais da praça, o lago, centralizado na tela, reflete delicadamente o céu e algumas árvores. Sem também nenhuma possibilidade de ruído humano, as frondosas árvores envolvem a praça como num abraço mudo. O peso das pinceladas se repete nessas telas. As cores dominam o espaço numa representação próxima ao expressionismo. O empastamento das pinceladas pesa... porque o silêncio pesa. O lago aparece como o centro dominante da tela, por que a sua importância na praça é fundamental, pois ali, outrora, seus peixinhos coloridos chamavam a atenção das crianças e dos adultos que se divertiam vendo-os ou alimentando-os com nacos de pão. Essa lembrança das pequenas alegrias cotidianas agora desaparecidas, aumenta ainda mais o silêncio que desce sobre a praça.

Na tela temos o reflexo de um casarão colonial. Hoje esses casarões se transformaram em bares movimentados, com uma juventude ruidosa que os frequenta, mas que, agora, forçados ao isolamento social, a ausência de sociabilidade impõe a esses espaços o silêncio que os domina peremptoriamente. Silêncio que as telas de Layon registra.



Nas tela seguinte, o tema dominante é o coreto da praça. Ali também era um privilegiado espaço de encontros sociais, onde namorados se abraçavam e se beijavam, onde amigos sentavam para conversar e distribuir risadas aos quatro ventos. Visto de perto ou mais de longe, o coreto não se impõe. Aqui dominam as árvores, a solidão dos espaços inabitados, a força das pinceladas a reforçar a ideia de que um mundo desapareceu, o mundo da convivência dos habitantes da cidade.



O tema do silêncio domina essas pinturas, porque o tempo do risco de vida impõe o espaço vazio da cidade como saída para a sobrevivência. As neblinas típicas da pintura de Layon desaparecem nestas telas. Agora o ar límpido permeia todos os cantos, mas deixa um gosto discreto, mas amargo, de terra arrasada, e as pinceladas pesadas, com seu cromatismo por vezes terroso, indicam que esse silêncio assustador é nada mais, nada menos, que a vida correndo risco.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
03. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
04. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
05. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
03. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Watergate: les Fous Du President
Carl Bernstein e Bob Woodward
Robert Laffont
(1974)



Brida - Coleção Paulo Coelho
Paulo Coelho
Isto é



Ratinho: Coisa de Louco!
Beto Junqueira
Lpm
(1998)



Bichinhos do Brasil
Douglas Reis
Autodidata
(2008)



Mídia Eletrônica - Seu Controle nos Eua e no Brasil
André Mendes de Almeida
Forense
(2006)



Welcome Aboard: a Servicemanual For the Naval Officers Wife
Florece Ridgely Johnson (capa Dura)
United States Naval Institute
(1960)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Imortal
Anderson Santos
21
(2009)



Geracao T. E. E. N. Transei e Esqueci o Nome
Marty Beckerman
Ediouro
(2005)



Guilhermino Cunha: Vida e Obra
Cid Pereira Caldas e Nilson de Oliveira
Edições Catedral (rj)
(2013)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês