Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 28/4/2020
Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 900 Acessos

Cada obra de arte nos dá uma forma, paradigma ou modelo de conhecimento de alguma coisa.” (Susan Sontag)

Não é comum na pintura de Elias Layon a representação da cidade totalmente solitária, tomada por aquele silêncio dos lugares inabitados. Em geral, na soma de suas obras, há sempre um personagem aqui e outro ali, gente perambulando pela cidade, casais de mãos dadas, como também pessoas em suas tarefas cotidianas ou eventos importantes para a cidade como procissões religiosas, festas populares ou a apresentação pública da Banda da cidade.

No entanto, agora, um silêncio eloquente e ressoante invade as suas telas. A cidade se impõe de forma total a partir da ausência do murmúrio humano. Nessa visão, o silêncio da cidade, com suas árvores, arquitetura, praças e ruas abandonadas se dá a pressentir através de pinceladas e espatulados de cores e formas que adensam o tom solitário de cada espaço urbano representado por Elias Layon.

Há um ou outro quadro de Layon onde o silêncio se apresenta, mas o tema parece mais próprio a uma metáfora da solidão. Como na belíssima tela abaixo, onde em um banco vazio de praça se encontra encostado um guarda-chuva abandonado. Quem esteve ali? Esperava por alguém que não apareceu? Porque o esquecimento do guarda-chuva? O abandono do guarda-chuva assemelha-se ao abandono a que todos nós podemos estar condenados em algum momento da vida. A neblina que se adensa sobre a cidade amplia o tom poético do tema da solidão no quadro.



Em algumas das telas recentemente pintadas por Layon, a praça principal da cidade de Mariana (M.G) é o espaço onde vai se dar a poética do silêncio. Coincidentemente, o mesmo espaço da solidão do quadro anteriormente comentado. Sendo o lugar por excelência dos encontros dos moradores da cidade, a praça é o lugar onde bares movimentam ruidosas conversas, sempre ao som de música alta e estando cercada pelo ruído de automóveis de cortam ininterruptamente a cidade.

Em contraste com esse barulhento espaço onde a vida humana se reúne quase que diariamente, as pinturas que Layon agora nos apresenta devolve à praça um silêncio diante do qual sentimos algo que é a combinação de angústia, isolamento e, ao mesmo tempo, temor.

Como podemos ver nas telas que se seguem, a presença da natureza parece tomar o espaço da praça, acentuando uma espécie de temporalidade para o abandono. Folhas ao chão, ressecadas, galhos de árvores sem poda, árvores quase sempre maiores que os elementos da arquitetura. Junte-se a isso o fato das pinceladas serem mais carregadas de tinta, com um espatulado que dá corpo à matéria da natureza, fazendo-a impor-se sobre os outros elementos. A tonalidade das cores, sempre fortes e espessas, nos faz pensar em como a natureza tomou a historicidade da arquitetura em assalto.

Na tela abaixo, o espaço dos caminhantes que frequentam a praça está solitário, as folhas caídas não foram retiradas do chão e a arquitetura, na sua cor esmaecida, quase desaparece sob o peso das árvores, com seus troncos, folhagens e galhos poderosamente coloridos. Nenhuma vida humana cruza a praça. Há quase que um fechamento das árvores sobre ela que impõe um silêncio de templo religioso.



No próximo quadro, como uma das partes principais da praça, o lago, centralizado na tela, reflete delicadamente o céu e algumas árvores. Sem também nenhuma possibilidade de ruído humano, as frondosas árvores envolvem a praça como num abraço mudo. O peso das pinceladas se repete nessas telas. As cores dominam o espaço numa representação próxima ao expressionismo. O empastamento das pinceladas pesa... porque o silêncio pesa. O lago aparece como o centro dominante da tela, por que a sua importância na praça é fundamental, pois ali, outrora, seus peixinhos coloridos chamavam a atenção das crianças e dos adultos que se divertiam vendo-os ou alimentando-os com nacos de pão. Essa lembrança das pequenas alegrias cotidianas agora desaparecidas, aumenta ainda mais o silêncio que desce sobre a praça.

Na tela temos o reflexo de um casarão colonial. Hoje esses casarões se transformaram em bares movimentados, com uma juventude ruidosa que os frequenta, mas que, agora, forçados ao isolamento social, a ausência de sociabilidade impõe a esses espaços o silêncio que os domina peremptoriamente. Silêncio que as telas de Layon registra.



Nas tela seguinte, o tema dominante é o coreto da praça. Ali também era um privilegiado espaço de encontros sociais, onde namorados se abraçavam e se beijavam, onde amigos sentavam para conversar e distribuir risadas aos quatro ventos. Visto de perto ou mais de longe, o coreto não se impõe. Aqui dominam as árvores, a solidão dos espaços inabitados, a força das pinceladas a reforçar a ideia de que um mundo desapareceu, o mundo da convivência dos habitantes da cidade.



O tema do silêncio domina essas pinturas, porque o tempo do risco de vida impõe o espaço vazio da cidade como saída para a sobrevivência. As neblinas típicas da pintura de Layon desaparecem nestas telas. Agora o ar límpido permeia todos os cantos, mas deixa um gosto discreto, mas amargo, de terra arrasada, e as pinceladas pesadas, com seu cromatismo por vezes terroso, indicam que esse silêncio assustador é nada mais, nada menos, que a vida correndo risco.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II de Cassionei Niches Petry
02. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
03. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
04. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
05. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
03. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020
04. A poesia de Carol Sanches - 12/5/2020
05. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEMÓRIAS
LORENZO DA PONTE
LACERDA E EDITORES
(1998)
R$ 6,90



UMA FAMÍLIA INGLESA
JULIO DINIZ
EDIOURO
(1995)
R$ 6,90



O CORTIÇO
ALUISIO DE AZEVEDO
LEITURA XXI
R$ 15,00



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA, VOL 45, Nº 2
VÁRIOS AUTORES
EDANEE
(1954)
R$ 11,33



LA ESPERA Y LA ESPERANZA: HISTORIA Y TEORIA DEL ESPERAR HUMANO
PEDRO LAIN ENTRALGO
REVISTA DE OCIDENTE
(1957)
R$ 100,00



BRASIL: O DESPERTAR DE UMA GRANDE NAÇÃO
TAKANORI SUZUKI
COBRAM
(1996)
R$ 10,00



PELA LEITURA LITERÁRIA NA ESCOLA DE 1º GRAU
PAULO BRAGATTO FILHO
ÁTICA
(1995)
R$ 10,00



INTRODUÇÃO AO TRABALHO DE REFERÊNCIA EM BIBLIOTECAS
M. HUTCHINS
FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
(1973)
R$ 22,71



A CAVERNA DAS IDEIAS
JOSÉ CARLOS SOMOUZA
EDIOURO PUBLICAÇÕES
(2001)
R$ 5,90



OPÚSCULOS 6
ALEXANDRE HERCULANO
PRESENÇA
(1987)
R$ 22,33





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês