Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
>>> Fup, de Jim Dodge
>>> Harry Potter e eu
Mais Recentes
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 4-Do Barroco ao Romantismo de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 3- O Renascimento de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> Coleção História Mundial da Arte - Vol 1- Da Pré História à Grécia Antiga de Upjohn,Mahler,Wingert pela Editora Difel SA
>>> HISTÓRIA E TÉCNICA DOS TAPETES DE ARRAIOLOS de Fernando Baptista de Oliveira pela Fundação Calouste Goulbenkian (1991)
>>> História da Pintura Moderna de Herbert Read pela Zahar Editores
>>> Amar se Aprende Amando de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1986)
>>> ENCICLOPÉDIA DE AGULHAS E LINHAS - VOL 2 de JUDY BRITTAIN pela Circulo do Livro S A (1979)
>>> Anjos á mesa de Debbie Macomber pela Novo conceito (2013)
>>> DIMENSÕES OCULTAS de DAN DYCKMAN pela ROCCO (1995)
>>> 3º Grau de James Patterson; Andrew Gross pela Rocco (2010)
>>> DESENHO E SUA TÉCNICA de JOÃO MEDEIROS pela PARMA (1980)
>>> DESENHO E ANATOMIA de VICTOR PERARD pela EDIOURO
>>> CULTURA de ALVORADA pela ALVORADA (1979)
>>> CÓMO DIBUJAR EN PERSPECTIVA de JOSÉ M. PARRAMÓN pela PARRAMÓN (1982)
>>> O Menino e o Bruxo - Infanto Juvenil de Moacyr Scliar pela Atica (2007)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Van Gogh de Editora Três pela Três (1973)
>>> Favela HIgh - Tech de Marco Lacerda pela Scritta (1994)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Sisley de Editora Três pela Três (1973)
>>> Menino Drummoond - Infanto Juvenil de Carlos Drummond de Andrade pela Cia das Letras (2012)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Seurat de Editora Três pela Três (1973)
>>> Cade o Super Heroi ? - Infanto Juvenil de Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Renoir de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Redon de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Redon de Editora Três pela Três (1973)
>>> And the Mountains - Em Ingles - Literatura de Kahaled Hosseini pela riverhead Books (2013)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Pissarro de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Pissarro de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Monet de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Manet de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Lautrec de Editora Três pela Três (1973)
>>> Contos Peculiares - Literatura Estrangeira de Ranson Riggs pela Intrinseca (2016)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Gaugin de Editora Três pela Três (1973)
>>> A Lei Universal da Atração - Psicologia de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Degas de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Biblioteca de Arte - Os Impressionistas - Cézanne de Editora Três pela Três (1973)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Van Gogh de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Rachel O Mundo Por Escrito -Infanto Juvenil de Tercia Montenegro pela Democrito Rocha (2016)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Toulouse-Lautrec de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Tiepolo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Ticiano de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Renoir de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rembrandt de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Rafael de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Piero de la Francesca de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Sonetos de Luís de Camões pela Livraria Tavares Martins (1959)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Picasso de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mondrian de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Miró de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Michelangelo de Editora Abril pela Abril (1977)
>>> Coleção Abril Cultural Mestres da Pintura - Mantegna de Editora Abril pela Abril (1977)
COLUNAS

Terça-feira, 28/4/2020
Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1000 Acessos

Cada obra de arte nos dá uma forma, paradigma ou modelo de conhecimento de alguma coisa.” (Susan Sontag)

Não é comum na pintura de Elias Layon a representação da cidade totalmente solitária, tomada por aquele silêncio dos lugares inabitados. Em geral, na soma de suas obras, há sempre um personagem aqui e outro ali, gente perambulando pela cidade, casais de mãos dadas, como também pessoas em suas tarefas cotidianas ou eventos importantes para a cidade como procissões religiosas, festas populares ou a apresentação pública da Banda da cidade.

No entanto, agora, um silêncio eloquente e ressoante invade as suas telas. A cidade se impõe de forma total a partir da ausência do murmúrio humano. Nessa visão, o silêncio da cidade, com suas árvores, arquitetura, praças e ruas abandonadas se dá a pressentir através de pinceladas e espatulados de cores e formas que adensam o tom solitário de cada espaço urbano representado por Elias Layon.

Há um ou outro quadro de Layon onde o silêncio se apresenta, mas o tema parece mais próprio a uma metáfora da solidão. Como na belíssima tela abaixo, onde em um banco vazio de praça se encontra encostado um guarda-chuva abandonado. Quem esteve ali? Esperava por alguém que não apareceu? Porque o esquecimento do guarda-chuva? O abandono do guarda-chuva assemelha-se ao abandono a que todos nós podemos estar condenados em algum momento da vida. A neblina que se adensa sobre a cidade amplia o tom poético do tema da solidão no quadro.



Em algumas das telas recentemente pintadas por Layon, a praça principal da cidade de Mariana (M.G) é o espaço onde vai se dar a poética do silêncio. Coincidentemente, o mesmo espaço da solidão do quadro anteriormente comentado. Sendo o lugar por excelência dos encontros dos moradores da cidade, a praça é o lugar onde bares movimentam ruidosas conversas, sempre ao som de música alta e estando cercada pelo ruído de automóveis de cortam ininterruptamente a cidade.

Em contraste com esse barulhento espaço onde a vida humana se reúne quase que diariamente, as pinturas que Layon agora nos apresenta devolve à praça um silêncio diante do qual sentimos algo que é a combinação de angústia, isolamento e, ao mesmo tempo, temor.

Como podemos ver nas telas que se seguem, a presença da natureza parece tomar o espaço da praça, acentuando uma espécie de temporalidade para o abandono. Folhas ao chão, ressecadas, galhos de árvores sem poda, árvores quase sempre maiores que os elementos da arquitetura. Junte-se a isso o fato das pinceladas serem mais carregadas de tinta, com um espatulado que dá corpo à matéria da natureza, fazendo-a impor-se sobre os outros elementos. A tonalidade das cores, sempre fortes e espessas, nos faz pensar em como a natureza tomou a historicidade da arquitetura em assalto.

Na tela abaixo, o espaço dos caminhantes que frequentam a praça está solitário, as folhas caídas não foram retiradas do chão e a arquitetura, na sua cor esmaecida, quase desaparece sob o peso das árvores, com seus troncos, folhagens e galhos poderosamente coloridos. Nenhuma vida humana cruza a praça. Há quase que um fechamento das árvores sobre ela que impõe um silêncio de templo religioso.



No próximo quadro, como uma das partes principais da praça, o lago, centralizado na tela, reflete delicadamente o céu e algumas árvores. Sem também nenhuma possibilidade de ruído humano, as frondosas árvores envolvem a praça como num abraço mudo. O peso das pinceladas se repete nessas telas. As cores dominam o espaço numa representação próxima ao expressionismo. O empastamento das pinceladas pesa... porque o silêncio pesa. O lago aparece como o centro dominante da tela, por que a sua importância na praça é fundamental, pois ali, outrora, seus peixinhos coloridos chamavam a atenção das crianças e dos adultos que se divertiam vendo-os ou alimentando-os com nacos de pão. Essa lembrança das pequenas alegrias cotidianas agora desaparecidas, aumenta ainda mais o silêncio que desce sobre a praça.

Na tela temos o reflexo de um casarão colonial. Hoje esses casarões se transformaram em bares movimentados, com uma juventude ruidosa que os frequenta, mas que, agora, forçados ao isolamento social, a ausência de sociabilidade impõe a esses espaços o silêncio que os domina peremptoriamente. Silêncio que as telas de Layon registra.



Nas tela seguinte, o tema dominante é o coreto da praça. Ali também era um privilegiado espaço de encontros sociais, onde namorados se abraçavam e se beijavam, onde amigos sentavam para conversar e distribuir risadas aos quatro ventos. Visto de perto ou mais de longe, o coreto não se impõe. Aqui dominam as árvores, a solidão dos espaços inabitados, a força das pinceladas a reforçar a ideia de que um mundo desapareceu, o mundo da convivência dos habitantes da cidade.



O tema do silêncio domina essas pinturas, porque o tempo do risco de vida impõe o espaço vazio da cidade como saída para a sobrevivência. As neblinas típicas da pintura de Layon desaparecem nestas telas. Agora o ar límpido permeia todos os cantos, mas deixa um gosto discreto, mas amargo, de terra arrasada, e as pinceladas pesadas, com seu cromatismo por vezes terroso, indicam que esse silêncio assustador é nada mais, nada menos, que a vida correndo risco.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol
02. O holismo conformado de David Butter
03. Elogio ao cabelo branco de Ana Elisa Ribeiro
04. Mano Juan, de Marcos Rey de Gian Danton
05. Cheiro de papel podre de Carlos Goetteanuer


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
03. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes - 29/9/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1934 (LITERATURA ITALIANA)
ALBERTO MORAVIA
RIOGRÁFICA
(1982)
R$ 10,00



UM NOVO MUNDO
ALFONS BALBACH
VIDA PLENA
(1994)
R$ 10,00



A VIDA EM FAMÍLIA
RODOLFO CALLIGARIS
IDE
(1982)
R$ 10,00



HOTEL YOGA - HISTÓRIAS DA ÍNDIA
MAURA MOYNIHAN
SEOMAN
(2008)
R$ 10,00



TORTURA A HISTÓRIA DA REPRESSÃO POLÍTICA NO BRASIL 2977
ANTONIO CARLOS FON
GLOBAL
(1979)
R$ 10,00



DISNEY BIG PARA LEVAR COM VOCÊ ED 16 - 300 PAGINAS DE QUADRINHOS
DISNEY
ABRIL
(2012)
R$ 10,00



VIAJORES DA LUZ
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GEEM
(1981)
R$ 10,00



POEMAS DE AMOR E GUERRA
D XAVIER MAURO C. FILHO
PAULISTA
(1993)
R$ 10,00



PROSSIGA COM OTIMISMO
R. O. DANTAS
RAMACHARACA
R$ 10,00



MEUS POEMAS PREFERIDOS
MANUEL BANDEIRA
EDIOURO
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês