Guia para escrever bem ou Manual de milagres | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trilogia Evil Dead
>>> Joaquim Roriz
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
Mais Recentes
>>> Turismo. Princípios, práticas e filosofias. de Charles R. Goeldner, J.R. Brent Ritchie e Robert W. McIntosh pela Bookman (2002)
>>> Brasil : uma história. Cinco séculos de um País em contrução. de Eduardo Bueno pela Leya (2010)
>>> Historia da aeronáutica de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/6/2007
Guia para escrever bem ou Manual de milagres
Ana Elisa Ribeiro

+ de 12000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Qualquer pesquisa em livrarias virtuais dá conta de que existem vários guias e manuais cujo subtítulo promete ensinar os "pulos do gato" da boa escrita. Escrever bem é algo da esfera do mito. Coisa mais complicada, até porque, dizem as más línguas, nosso idioma não é lá dos mais fáceis de aprender. Dominar então, nem pensar. Coisa para poucos, escolhidos, messias ou anticristos. Sabe lá que tipo de reza essas pessoas fazem para aprender onde pôr as vírgulas. Ou o que aprendem que as leva a não confundir respiração com sintaxe. Ainda mais maluco é pensar quem lhes disse como empregar regências estranhas à linguagem oral. Mas isso não fica assim.

Os livros sobre como escrever bem são boas tacadas editoriais. Trata-se de um material que vende relativamente muito, não assume grandes responsabilidades e não tem "erro", quer dizer, não se pode dizer que um autor de um desses guias não tenha tentado aproximar o leitor do éden gramatical.

Para a editora, manuais do tipo "escreva melhor sem grandes esforços" vão atingir especialmente estudantes e candidatos a cargos públicos. São compradores/investidores, desses que pagam quaisquer vinte contos para obter a chave do sucesso lingüístico. E está barato. Passando no concurso da Polícia Federal, vinte mangos não são nada. Depois de conseguir concluir a redação e ser aprovado, é só vender a obra num sebo ou dar para um sobrinho vestibulando.

Já os avaliadores de redações sofrem. Êta profissão sofrida essa de ler mil, dois mil, cinco mil, dez mil textos ruins, igualmente ruins. Ou ainda textos iguais, até porque foram alinhavados pelo mesmo adestrador. Escrevam três parágrafos, nesta seqüência assim ó: introdução, desenvolvimento e conclusão. Não dêem opiniões controversas e não discordem dos temas propostos.

Os candidatos saem das provas satisfeitos com o tema que "caiu": aborto, tabagismo, violência. Haja criatividade para escrever sobre isso sem cair na mesmice movediça. Falar o quê sobre tabagismo? Aposto mil reais que qualquer um aqui sabe esboçar os pontos prováveis de 9 entre 10 redações antifumaça. Aposto mil e quinhentos que todo mundo imagina o que dez mil estudantes escrevem, nos vestibulares, sobre aborto. Ah, não posso passar batido pelo tema da violência. Alguém adivinha quais são os exemplos dados pelos "autores" dos textos?

Mas é preciso admitir que é difícil. É difícil mesmo escrever. Não em português, mas em qualquer língua. Um dos motivos para essa relação complicada é que a escrita é uma tecnologia inventada. Não nascemos com lápis e teclas previstos no DNA. É sofrido, o esforço é maior do que o de aprender a falar, que nos parece tão inevitável.

E quanto mais a gente escreve, mais a gente escreve. Não adianta só ler. Se ler muito fosse o único investimento para escrever bem, o segredo do sucesso estaria esclarecido: osmose. Imaginem que beleza ler a coleção completa de Graciliano Ramos? Brotariam nas folhas de papel textos de alta concisão e precisão. Talvez seja o que falta nos textos de muita gente.

Ítalo Calvino, o professor italiano, dizia que entre as seis propostas para este milênio estava a concisão. Bravo! E concisão não é, para ele, só ser curto e grosso. Ser conciso é ser preciso. Dizer a coisa justa, sem embrulhar em papel celofane nem fazer rugas no texto.

Texto enrugado, chama o Renew pra ele
Para compreender melhor as relações entre usos lingüísticos e poder é preciso estudar um pouco. Começar por um livrinho clássico de Maurizio Gnerre pode ajudar. Linguagem, escrita e poder é o nome da obra. E é claro que muita gente vai se lembrar dos "jargões" ou das linguagens que alguns grupos elegem para se diferenciar (distanciar também) dos demais, pobres mortais.

Por que razão meu médico não pode me explicar a doença que me afeta de um jeito que eu entenda? Por que ele tem que agir como se estivesse num congresso especializado? Por que meu advogado não me diz logo que fui condenada? Ou por que razão alguém precisa traduzir a sentença do divórcio? O problema é o poder.

Textos deveriam ser escritos para serem entendidos. Deveriam? É claro que nem todo mundo pensa assim. Há verdadeiras obras-primas da obscuridade em livros famosos, de gente conhecida, bambambãs que até parecem estar dizendo algo muito impressionante. Mas prefiro não colocar nenhum trecho aqui. Sei lá, depois me processam e eu não consigo entender os autos? Cruz-credo.

Um documentário chamado Coruja mostra no sambista Bezerra da Silva uma espetacular percepção dessas coisas. Diz o músico que, lá no morro, eles criaram uma linguagem pra "dotô" não entender. Era uma espécie de vingança. Está lá, nas melhores aulas de Sociolingüística. Só que na prática. O documentário fica disponível no PortaCurtas, na Internet, para quem quiser ver.

Manuais milagreiros?
Mas não é que alguns manuais são consistentes mesmo? Estou aqui com dois nas mãos. O primeiro é das jornalistas Dad Squarisi e Arlete Salvador, ambas do Correio Braziliense. Para quem lê os jornais dos Associados, as duas são figurinhas presentes. Espécie de Pasqualas das alterosas ou do Planalto Central. Só não são tão badaladas porque não estão no Eixo, mas têm livros e colunas em jornais. O livro A arte de escrever bem — Um guia para jornalistas e profissionais do texto tem público-alvo explícito, mas tenho cá minhas dúvidas sobre sua eficácia. A obra aponta, mui superficialmente, formas de escrever com clareza e objetividade. A idéia é abordar gêneros de texto não-literários (eis aí um tema complicado: é possível aprender a escrever literatura?).

A "pirâmide invertida" do jornalismo é defendida pelas autoras, com argumentos interessantes. Mais divertida ainda é a crítica que elas fazem ao jornalista Ricardo Noblat, que tem um livro na mesma editora (A arte de fazer um jornal diário). Parece que Noblat defendia um texto menos travado em jornalismo, mas a coisa não era bem assim.

Os temas giram em torno não da arte, mas dos macetes que podem levar alguém a enganar bem quando o assunto é texto: preferir frases curtas, palavras simples, formas positivas, voz ativa, evitar a vaguidão e os adjetivos, buscar a concisão, a clareza e a legibilidade. Eis a palavra-chave: legibilidade. Deixar que as pessoas penetrem o texto, entendam, entrem, com vidros transparentes. Pelo menos em relação ao texto informativo.

O único problema que percebo no livro, e grave, é que as autoras partem de um pressuposto muito complicado: o de que a escrita é reflexo do pensamento, está colada nele. Sendo assim, quem não escreve bem, não sabe pensar. Aí mora o perigo. Muito perigoso mesmo. Se fosse assim, estaríamos ainda piores. Mais uma vez, é preciso estudar. Muitos lingüistas já descolaram o pensamento da expressão escrita. É sabido também que a organização do bom texto escrito demanda mesmo uma certa capacidade de organizar idéias, mas afirmar que quem escreve mal pensa mal é como dizer, então, que analfabetos e povos ágrafos são desordenados e incapazes na linguagem. Não dá.

Já a obra É possível facilitar a leitura — Um guia para escrever claro, das lingüistas Yara Liberato e Lúcia Fulgêncio, é uma verdadeira aula de por que essas dicas de redação podem (ou não) ser válidas. Com argumentos e exemplos tirados de pesquisas consistentes, elas mostram, com trechos de textos informativos, o que pode ser péssimo e o que pode ser ótimo para melhorar a compreensão de um texto pelo leitor, aumentar a legibilidade. Junto com o lingüista Mário Perini, elas cruzam o território da língua escrita dando dicas muito parecidas com as de Squarisi e Salvador, só que com a faca e o queijo na mão, a cobra e o pau, os dedos e os anéis.

Não sei se a obra funciona como um curso autônomo de redação, aí já é pesar demais. Mas certamente fica fácil entender por que as frases mais curtas são mais eficientes, por que intercalações podem atrapalhar a compreensão, por que palavras difíceis são obstáculos com arame farpado. Em vez de fazer uma pista de cooper, alguns escrevinhadores preferem o salto com barreiras para o leitor. É, porque o leitor salta, salta sim, mas faz um esforço danado.

Ambos os livros são da editora Contexto. Projetos gráficos semelhantes, títulos mercadológicos, a preferência pela palavra "guia", que certamente é uma escolha editorial. São guias mesmo, mas no de Liberato e Fulgêncio o caminho das pedras é bem mais iluminado.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
02. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Lola de Elisa Andrade Buzzo
04. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
05. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/6/2007
02h44min
Ana, só pra somar: a Web, a indexação dos mecanismos de busca e o uso de anúncios de textos (que dependem da indexação) podem ser a próxima moda do escrever claro, "objetivo", em ordem direta - ou, de outra maneira, escrever insosso, incolor, insípido e inodoro. As probabilidades de um texto claro, "objetivo" e raso ser indexado é muito maior do que um texto mais "criativo" (um "Cruz Credo" no meio, por exemplo, pode linkar anúncios religiosos num blog, num site que não têm nada a ver com religião). Quem diz que, daqui a uns tempos, na ânsia de os textos serem indexados ou renderem algumas verdinha$ não haverá um "padrão" (argh!) pra se escrever também na Web, para facilitar traduções, por exemplo, hein? É só pra somar mesmo. Belo texto, Ana. Ítalo Calvino é "o cara" e as "Lições Americanas", principalmente pra quem sacar um pouco de Mitologia, são peças textuais preciosas. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
8/6/2007
12h42min
Ótimo texto, Ana. Há pouco, li um ensaio (que considerei muito bom) onde se diz, entre outras coisas, que o escritor escreve para seus pares, e o acadêmico (estudante), para seus professores. A questão da clareza do texto é relativa, também, ao leitor. É complicado dizer isso hoje, quando existe essa tendência de massificação a todo custo nas letras, mas o nível dos leitores é muito variável. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
8/6/2007
21h42min
Esse tema é como a questão dos blogs e do papel: parece inesgotável. Ano passado cometi a insanidade de aceitar o convite para corrigir as redações do ENEM. Foram 4.000 em três semanas. Resguardados os aspectos regionais, foi como se você tivesse que assistir a um filme que odeia 4.000 vezes. Com raríssimas exceções; graças àqueles que tiveram a coragem de ousar, de serem criativos, de saberem dominar a língua escrita, o resto foi uma lástima. Havia candidatos que não conseguiam estruturar uma frase sequer. Outros não identificavam o tema; e os que tinham uma noção do que é dissertação, escreviam o óbvio da pior maneira possível: clichês e mais clichês, frases mal elaboradas: apenas tangenciavam o tema de forma repetitiva e superficial. Fiquei quase um mês em estado de choque, deprimida e impotente. E olhe que trabalho também em escola pública, educação de jovens e adultos. Não deveria me surpreender tanto! Acho que os guias gramaticais só valem mesmo para quem já escreve bem! Abç
[Leia outros Comentários de Adriana]
16/6/2007
15h50min
Ana, um texto necessário diante deste clima de classificação de escritores. Manuais e afins servem como referência e estão sujeitos aos desvios que qualquer juízo tem, tornam-se perecíveis e superados. Estamos o tempo todo falando de língua e linguagem e da sua dinâmica, que pondera com os valores e desejos da sua época. A língua mais permeavel absorve uma série de referencias de culturas dominantes ou influentes e até mesmo seus modismos e estilos efemeros são passíveis de registro. A escrita acredito que seja fruto de prática e pesquisa, experimentação e disciplina, estudo e ousadia. Não há como dispensar a técnica mas ela não deve estar superestimada em detrimento do projeto literário. Ainda se fala muito pouco da clara falta de direção de alguns escritos cometidos por certos escritores e ficamos assistindo a debates de gramáticos. Alguns livros guardam a intenção de bilhetes de loteria. Valeu. Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
10/4/2009
21h19min
Ana Elisa, minha cara, "escrever bem" tu já fizeste nesta coluna. Esta é, na verdade, a única maneira de ensinar a fazê-lo. Não pode ser boa ou ruim sendo única. É que um requisito precisa ser preenchido neste caso: autenticidade. Fazer da sua própria forma de expressar-se o meio único para transformar ideias em escrita. Explico: se te agradas comparar o ritmo das construções verbais à respiração, fazê-lo será natural. Não o deixes de fazer por puritanismos ou resguardos literários. Os deslizes que acontecerem a mortais, assim como os que certamente vislumbras aqui, serão muito mais toleráveis e tenderão a reduzir em freqüência - trema é uma doce tentação - pelo simples exercício da própria identidade e da prática. Se o hábito faz o monge, a reza que algum messias ou anticristo literato segue é a de ser, antes de outra coisa, não um arremedo regulamentar de si mesmo, mas sua própria alma expressiva posta em letras, para o bem ou para o mal. Ótimo texto, obrigado pelo deleite.
[Leia outros Comentários de Naslix]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Die Bodenreform in Der Britischen Zone 1945-1949
Gunter J. Trittel
Deutsche Verlags-anstalt
(1975)



Sap Interface Programming
Michael Wegelin/michael Englbrecht
Galileo Press
(2008)



Changer En Douceur: a La Recherche de Léquilibre
Alain Rochon
Les Editions de Lhomme
(1995)



Reumato Volume 2 - as Colagenoses
Equipe Medcurso
Medcurso
(2012)



Memórias Inacabadas - Obra Póstuma
Humberto de Campos
W. M. Jackson
(1945)



História Viva Mitologia 2 - as Leis do Olimpo
Thomas Bulfinch
Duetto



Depois do Silêncio
Raul Marques
7 Letras
(2009)



Doenças Infecciosas e Parasitárias
Ricardo Veronesi
Guanabara Koogan
(1962)



Legends of the Ferengi (star Trek: Deep Space Nine)
Ira Steven Behr, Robert Hewitt Wolfe
Pocket Books
(1997)



Você Meu Filho
Jean Bothorel
Brasiliense
(1986)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês