Guia para escrever bem ou Manual de milagres | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O discreto charme dos sebos
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
Mais Recentes
>>> Sherlock Holmes - The complete facsimile edition de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics (1989)
>>> Pride and Prejudice and Zombies - The Graphic Novel de Jane Austen, Seth Grahame-Smith pela Quirk Classics (2010)
>>> Eating Animals de Jonathan Safran Foer pela Hamish Hamilton (2009)
>>> O desejo da escrita em Italo Calvino: para uma teoria da leitura de Rita de Cássia Maia e Silva Costa pela Companhia de Freud (2003)
>>> Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno de Slavoj Zizek pela Boitempo (2009)
>>> Ideografia dinâmica: para uma imaginação artifical? de Pierre Lévy pela Instituto Piaget (1997)
>>> Harry Potter and the Half-Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Orlando de Virginia Woolf pela Wordsworth Classics (2003)
>>> History of the Peloponnesian War de Thucydides pela Penguin Classics
>>> Manual do Roteiro de Syd Field pela Objetiva (2001)
>>> O mundo assombrado pelos demônios de Carl Sagan pela Companhia de Bolso (2016)
>>> Romeo and Juliet - Original + Inglês contemporâneo de William Shakespeare pela Lorenz Educational Publishers (2003)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Guia Prático da Tradução Francesa de Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1983)
>>> Reparação de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2002)
>>> The Child in Time de Ian McEwan pela Vintage (1992)
>>> O Senhor dos Anéis - As Duas Torres de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2000)
>>> O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1999)
>>> 1984 - em inglês de George Orwell pela Penguin/Signet Classic
>>> Diary de Chuck Palahniuk pela Random House (2003)
>>> Pigmy de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2009)
>>> Tell-All de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2010)
>>> Damned de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2011)
>>> L'arrache coeur de Boris Vian pela Livre de Poche (1976)
>>> Musashi - Vol. 1 de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Tim Burton de Antoine de Baecque pela Cahiers du Cinéma (2011)
>>> O Jardim das Ilusões de Susan Trott pela Círculo do Livro (1992)
>>> Hermenêutica e Unidade Axiológica da Constituição de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Elizabeth Levanta Vôo de Elizabeth Taylor pela Círculo do Livro (1988)
>>> O Verão de Katya de Trevanian pela Círculo do Livro (1983)
>>> Dias na Birmânia/ Capa Dura de George Orwell pela Círculo do Livro (1988)
>>> Os Monstros da Alma de Athur Thompson pela Bruguera (1965)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional - Tomo I/ Capa Dura de José Luís Quadros de Magalhães pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Diários do Vampiro - Reunião Sombria de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Poder Constituinte e Patriotismo Constitucional de Marcelo Cattoni pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2006)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Altaya/Record (1996)
>>> Enterrem-me de Botas (Tóxicos o sub-mundo dos tóxicos visto e vivido por uma adolescente) de Sally Trench pela Paulinas (1979)
>>> O Supremo Tribunal Federal e as Constituições Brasileiras de Luís Carlos Martins Alves Jr. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> As Aventuras de Tom Sawyer (Grandes Sucessos) de Mark Twain pela Abril Cultural (1980)
>>> O Assassino Dentro de Mim de Jim Thompson pela Paulicéia (1991)
>>> A Era da Incerteza de John Kenneth pela Universidade de Brasil (1980)
>>> A Ideologia do Trabalho de Paulo Sérgio do Carmo pela Moderna (1993)
>>> A cabana do Pai Tomás de E. B. Stowe (Tradução Mario Gardelin) pela Paulinas (1966)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/6/2007
Guia para escrever bem ou Manual de milagres
Ana Elisa Ribeiro

+ de 10800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Qualquer pesquisa em livrarias virtuais dá conta de que existem vários guias e manuais cujo subtítulo promete ensinar os "pulos do gato" da boa escrita. Escrever bem é algo da esfera do mito. Coisa mais complicada, até porque, dizem as más línguas, nosso idioma não é lá dos mais fáceis de aprender. Dominar então, nem pensar. Coisa para poucos, escolhidos, messias ou anticristos. Sabe lá que tipo de reza essas pessoas fazem para aprender onde pôr as vírgulas. Ou o que aprendem que as leva a não confundir respiração com sintaxe. Ainda mais maluco é pensar quem lhes disse como empregar regências estranhas à linguagem oral. Mas isso não fica assim.

Os livros sobre como escrever bem são boas tacadas editoriais. Trata-se de um material que vende relativamente muito, não assume grandes responsabilidades e não tem "erro", quer dizer, não se pode dizer que um autor de um desses guias não tenha tentado aproximar o leitor do éden gramatical.

Para a editora, manuais do tipo "escreva melhor sem grandes esforços" vão atingir especialmente estudantes e candidatos a cargos públicos. São compradores/investidores, desses que pagam quaisquer vinte contos para obter a chave do sucesso lingüístico. E está barato. Passando no concurso da Polícia Federal, vinte mangos não são nada. Depois de conseguir concluir a redação e ser aprovado, é só vender a obra num sebo ou dar para um sobrinho vestibulando.

Já os avaliadores de redações sofrem. Êta profissão sofrida essa de ler mil, dois mil, cinco mil, dez mil textos ruins, igualmente ruins. Ou ainda textos iguais, até porque foram alinhavados pelo mesmo adestrador. Escrevam três parágrafos, nesta seqüência assim ó: introdução, desenvolvimento e conclusão. Não dêem opiniões controversas e não discordem dos temas propostos.

Os candidatos saem das provas satisfeitos com o tema que "caiu": aborto, tabagismo, violência. Haja criatividade para escrever sobre isso sem cair na mesmice movediça. Falar o quê sobre tabagismo? Aposto mil reais que qualquer um aqui sabe esboçar os pontos prováveis de 9 entre 10 redações antifumaça. Aposto mil e quinhentos que todo mundo imagina o que dez mil estudantes escrevem, nos vestibulares, sobre aborto. Ah, não posso passar batido pelo tema da violência. Alguém adivinha quais são os exemplos dados pelos "autores" dos textos?

Mas é preciso admitir que é difícil. É difícil mesmo escrever. Não em português, mas em qualquer língua. Um dos motivos para essa relação complicada é que a escrita é uma tecnologia inventada. Não nascemos com lápis e teclas previstos no DNA. É sofrido, o esforço é maior do que o de aprender a falar, que nos parece tão inevitável.

E quanto mais a gente escreve, mais a gente escreve. Não adianta só ler. Se ler muito fosse o único investimento para escrever bem, o segredo do sucesso estaria esclarecido: osmose. Imaginem que beleza ler a coleção completa de Graciliano Ramos? Brotariam nas folhas de papel textos de alta concisão e precisão. Talvez seja o que falta nos textos de muita gente.

Ítalo Calvino, o professor italiano, dizia que entre as seis propostas para este milênio estava a concisão. Bravo! E concisão não é, para ele, só ser curto e grosso. Ser conciso é ser preciso. Dizer a coisa justa, sem embrulhar em papel celofane nem fazer rugas no texto.

Texto enrugado, chama o Renew pra ele
Para compreender melhor as relações entre usos lingüísticos e poder é preciso estudar um pouco. Começar por um livrinho clássico de Maurizio Gnerre pode ajudar. Linguagem, escrita e poder é o nome da obra. E é claro que muita gente vai se lembrar dos "jargões" ou das linguagens que alguns grupos elegem para se diferenciar (distanciar também) dos demais, pobres mortais.

Por que razão meu médico não pode me explicar a doença que me afeta de um jeito que eu entenda? Por que ele tem que agir como se estivesse num congresso especializado? Por que meu advogado não me diz logo que fui condenada? Ou por que razão alguém precisa traduzir a sentença do divórcio? O problema é o poder.

Textos deveriam ser escritos para serem entendidos. Deveriam? É claro que nem todo mundo pensa assim. Há verdadeiras obras-primas da obscuridade em livros famosos, de gente conhecida, bambambãs que até parecem estar dizendo algo muito impressionante. Mas prefiro não colocar nenhum trecho aqui. Sei lá, depois me processam e eu não consigo entender os autos? Cruz-credo.

Um documentário chamado Coruja mostra no sambista Bezerra da Silva uma espetacular percepção dessas coisas. Diz o músico que, lá no morro, eles criaram uma linguagem pra "dotô" não entender. Era uma espécie de vingança. Está lá, nas melhores aulas de Sociolingüística. Só que na prática. O documentário fica disponível no PortaCurtas, na Internet, para quem quiser ver.

Manuais milagreiros?
Mas não é que alguns manuais são consistentes mesmo? Estou aqui com dois nas mãos. O primeiro é das jornalistas Dad Squarisi e Arlete Salvador, ambas do Correio Braziliense. Para quem lê os jornais dos Associados, as duas são figurinhas presentes. Espécie de Pasqualas das alterosas ou do Planalto Central. Só não são tão badaladas porque não estão no Eixo, mas têm livros e colunas em jornais. O livro A arte de escrever bem — Um guia para jornalistas e profissionais do texto tem público-alvo explícito, mas tenho cá minhas dúvidas sobre sua eficácia. A obra aponta, mui superficialmente, formas de escrever com clareza e objetividade. A idéia é abordar gêneros de texto não-literários (eis aí um tema complicado: é possível aprender a escrever literatura?).

A "pirâmide invertida" do jornalismo é defendida pelas autoras, com argumentos interessantes. Mais divertida ainda é a crítica que elas fazem ao jornalista Ricardo Noblat, que tem um livro na mesma editora (A arte de fazer um jornal diário). Parece que Noblat defendia um texto menos travado em jornalismo, mas a coisa não era bem assim.

Os temas giram em torno não da arte, mas dos macetes que podem levar alguém a enganar bem quando o assunto é texto: preferir frases curtas, palavras simples, formas positivas, voz ativa, evitar a vaguidão e os adjetivos, buscar a concisão, a clareza e a legibilidade. Eis a palavra-chave: legibilidade. Deixar que as pessoas penetrem o texto, entendam, entrem, com vidros transparentes. Pelo menos em relação ao texto informativo.

O único problema que percebo no livro, e grave, é que as autoras partem de um pressuposto muito complicado: o de que a escrita é reflexo do pensamento, está colada nele. Sendo assim, quem não escreve bem, não sabe pensar. Aí mora o perigo. Muito perigoso mesmo. Se fosse assim, estaríamos ainda piores. Mais uma vez, é preciso estudar. Muitos lingüistas já descolaram o pensamento da expressão escrita. É sabido também que a organização do bom texto escrito demanda mesmo uma certa capacidade de organizar idéias, mas afirmar que quem escreve mal pensa mal é como dizer, então, que analfabetos e povos ágrafos são desordenados e incapazes na linguagem. Não dá.

Já a obra É possível facilitar a leitura — Um guia para escrever claro, das lingüistas Yara Liberato e Lúcia Fulgêncio, é uma verdadeira aula de por que essas dicas de redação podem (ou não) ser válidas. Com argumentos e exemplos tirados de pesquisas consistentes, elas mostram, com trechos de textos informativos, o que pode ser péssimo e o que pode ser ótimo para melhorar a compreensão de um texto pelo leitor, aumentar a legibilidade. Junto com o lingüista Mário Perini, elas cruzam o território da língua escrita dando dicas muito parecidas com as de Squarisi e Salvador, só que com a faca e o queijo na mão, a cobra e o pau, os dedos e os anéis.

Não sei se a obra funciona como um curso autônomo de redação, aí já é pesar demais. Mas certamente fica fácil entender por que as frases mais curtas são mais eficientes, por que intercalações podem atrapalhar a compreensão, por que palavras difíceis são obstáculos com arame farpado. Em vez de fazer uma pista de cooper, alguns escrevinhadores preferem o salto com barreiras para o leitor. É, porque o leitor salta, salta sim, mas faz um esforço danado.

Ambos os livros são da editora Contexto. Projetos gráficos semelhantes, títulos mercadológicos, a preferência pela palavra "guia", que certamente é uma escolha editorial. São guias mesmo, mas no de Liberato e Fulgêncio o caminho das pedras é bem mais iluminado.


Ana Elisa Ribeiro
Juiz de Fora, 8/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol
02. A idade que habito de Marta Barcellos
03. A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa de Humberto Pereira da Silva
04. Logan's run de Gian Danton
05. Livro fora e dentro do papel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007
05. Guia para escrever bem ou Manual de milagres - 8/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/6/2007
02h44min
Ana, só pra somar: a Web, a indexação dos mecanismos de busca e o uso de anúncios de textos (que dependem da indexação) podem ser a próxima moda do escrever claro, "objetivo", em ordem direta - ou, de outra maneira, escrever insosso, incolor, insípido e inodoro. As probabilidades de um texto claro, "objetivo" e raso ser indexado é muito maior do que um texto mais "criativo" (um "Cruz Credo" no meio, por exemplo, pode linkar anúncios religiosos num blog, num site que não têm nada a ver com religião). Quem diz que, daqui a uns tempos, na ânsia de os textos serem indexados ou renderem algumas verdinha$ não haverá um "padrão" (argh!) pra se escrever também na Web, para facilitar traduções, por exemplo, hein? É só pra somar mesmo. Belo texto, Ana. Ítalo Calvino é "o cara" e as "Lições Americanas", principalmente pra quem sacar um pouco de Mitologia, são peças textuais preciosas. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
8/6/2007
12h42min
Ótimo texto, Ana. Há pouco, li um ensaio (que considerei muito bom) onde se diz, entre outras coisas, que o escritor escreve para seus pares, e o acadêmico (estudante), para seus professores. A questão da clareza do texto é relativa, também, ao leitor. É complicado dizer isso hoje, quando existe essa tendência de massificação a todo custo nas letras, mas o nível dos leitores é muito variável. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
8/6/2007
21h42min
Esse tema é como a questão dos blogs e do papel: parece inesgotável. Ano passado cometi a insanidade de aceitar o convite para corrigir as redações do ENEM. Foram 4.000 em três semanas. Resguardados os aspectos regionais, foi como se você tivesse que assistir a um filme que odeia 4.000 vezes. Com raríssimas exceções; graças àqueles que tiveram a coragem de ousar, de serem criativos, de saberem dominar a língua escrita, o resto foi uma lástima. Havia candidatos que não conseguiam estruturar uma frase sequer. Outros não identificavam o tema; e os que tinham uma noção do que é dissertação, escreviam o óbvio da pior maneira possível: clichês e mais clichês, frases mal elaboradas: apenas tangenciavam o tema de forma repetitiva e superficial. Fiquei quase um mês em estado de choque, deprimida e impotente. E olhe que trabalho também em escola pública, educação de jovens e adultos. Não deveria me surpreender tanto! Acho que os guias gramaticais só valem mesmo para quem já escreve bem! Abç
[Leia outros Comentários de Adriana]
16/6/2007
15h50min
Ana, um texto necessário diante deste clima de classificação de escritores. Manuais e afins servem como referência e estão sujeitos aos desvios que qualquer juízo tem, tornam-se perecíveis e superados. Estamos o tempo todo falando de língua e linguagem e da sua dinâmica, que pondera com os valores e desejos da sua época. A língua mais permeavel absorve uma série de referencias de culturas dominantes ou influentes e até mesmo seus modismos e estilos efemeros são passíveis de registro. A escrita acredito que seja fruto de prática e pesquisa, experimentação e disciplina, estudo e ousadia. Não há como dispensar a técnica mas ela não deve estar superestimada em detrimento do projeto literário. Ainda se fala muito pouco da clara falta de direção de alguns escritos cometidos por certos escritores e ficamos assistindo a debates de gramáticos. Alguns livros guardam a intenção de bilhetes de loteria. Valeu. Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
10/4/2009
21h19min
Ana Elisa, minha cara, "escrever bem" tu já fizeste nesta coluna. Esta é, na verdade, a única maneira de ensinar a fazê-lo. Não pode ser boa ou ruim sendo única. É que um requisito precisa ser preenchido neste caso: autenticidade. Fazer da sua própria forma de expressar-se o meio único para transformar ideias em escrita. Explico: se te agradas comparar o ritmo das construções verbais à respiração, fazê-lo será natural. Não o deixes de fazer por puritanismos ou resguardos literários. Os deslizes que acontecerem a mortais, assim como os que certamente vislumbras aqui, serão muito mais toleráveis e tenderão a reduzir em freqüência - trema é uma doce tentação - pelo simples exercício da própria identidade e da prática. Se o hábito faz o monge, a reza que algum messias ou anticristo literato segue é a de ser, antes de outra coisa, não um arremedo regulamentar de si mesmo, mas sua própria alma expressiva posta em letras, para o bem ou para o mal. Ótimo texto, obrigado pelo deleite.
[Leia outros Comentários de Naslix]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O EXECUTIVO E SUA FAMÍLIA
IÇAMI TIBA
GENTE
(1998)
R$ 10,00



MAIS COM MAIS DÁ MENOS
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS
RHJ
(2011)
R$ 6,90



LA CLAVE DEL EXITO
BJORN SECHER
EDAF
(1983)
R$ 15,00



TRÊS VIÚVAS - 6593
LILIANE PRATA
PLNETA
(2013)
R$ 10,00



OS IMORTAIS
THAÏS OLIVEIRA
JAGUATIRICA
R$ 42,90



RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO POR OMISSÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
LUISA AGUIAR PERES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



PROCURANDO VERMEER
BLUE BALLIETT
ROCCO
(2004)
R$ 9,90



A HISTORY OF MODERN FRANCE FRANCE OF THE REPUBLICS 1871-1962
ALFRED COBBAN (VOLUME 3)
PENGUIN BOOKS
(1990)
R$ 19,28



THE MCCALLS BOOK OF CHRISTMAS
SIMON AND SCHUSTER
NEEDLEWORK & CRAFTS
(1975)
R$ 15,00



APRENDIZAGEM NOS LOCAIS DE TRABALHO
FLAVIA MARDEGAN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00





busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês