Declínio e queda do império de papel | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
Mais Recentes
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Mundo é Plano uma Breve História do Século XXI de Thomas L. Friedman pela Objetiva (2005)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Segunda-feira, 18/6/2007
Declínio e queda do império de papel
Eduardo Mineo

+ de 5000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Queria ser mais partidário dos blogs, falar bem sobre eles em todos os lugares que eu vou e me escandalizar de verdade quando ouvir alguém dizendo que prefere papel. Penso até em demonstrações mais convincentes, fazendo protestos pela abolição dos papéis e me arremessando contra policiais pela causa dos blogs. Eu faria tudo isso se não fosse coisa de retardado. E além disto, tenho a falha de também preferir papel. Defendo os blogs porque gosto muito deles, acredito em seu futuro, acredito que o meu blog ainda me trará muito prestígio, muita glória, e que um dia ainda serei abordado na rua por loiras tetudas pedindo autógrafos por causa de algum post particularmente brilhante. Mas papel realmente é muito melhor.

A publicação em papel tem uma tradição que encanta. É muito legal poder publicar qualquer coisa em papel, mas é uma publicação cara, demorada e tem baixa acessibilidade. Mais até que a Internet, que é barata, instantânea e tem um alcance infinitamente maior. E quando dizem que a publicação pela Internet exclui as pessoas que não têm acesso, o dizem como se estas pessoas tivessem algum tipo de acesso ilimitado às publicações em papel, como se não houvesse dificuldade alguma na distribuição física e o valor cobrado fosse perfeitamente compatível com o orçamento destas pessoas.

Não é preciso ir muito longe para compreender que a relação entre o custo e o benefício da publicação pela Internet é muito mais vantajosa que a publicação em papel. O custo de se ter um computador com acesso à Internet pode ser maior que o custo de se obter um livro, mas se fosse possível calcular quantos livros se consegue obter na Internet, quanta informação, melhor dizendo, se consegue obter na Internet, o custo do computador se reduziria a centavos. Talvez nem isto. Só o site Domínio Público disponibiliza quase 40 mil obras prontas para serem acessadas sem custo algum. É vantagem tanto para quem publica como para quem lê.

O ponto interessante da publicação em papel está no retorno financeiro, que é uma conseqüência da sensação de profissionalismo que há neste tipo de publicação, mas é um retorno que está vinculado mais a atividades de utilidade imediata como o jornalismo, que não é exatamente arte - é quase mecânico até - e sofre do problema de saturação de profissionais. Em contrapartida, o jornalismo de Internet cresceu satisfatoriamente e já é possível visualizar um mercado próprio e um espaço crescente para profissionais, o que contribui para elevar a condição de se atuar nesta área.

Já no caso específico da publicação de livros, ou melhor, de livros com pretensões literárias, o retorno é quase sempre semelhante ao de um blog com pretensões literárias: nenhum. Um em, sei lá, milhões, consegue publicar um livro literário que lhe renda o sustento. É mais difícil que loteria. Mesmo os nossos melhores escritores tiveram de trabalhar - seja como professor, seja como funcionário público, seja como jornalista, etc. -, e levar sua vida literária paralelamente. Estou falando dos melhores escritores brasileiros: Machado de Assis, Euclides da Cunha, João Cabral de Melo Neto, Lima Barreto, enfim, os de sempre. E por isto fico com o blog, que ao menos é mais barato.

Eu sei que são formatos diferentes, os blogs e os livros, mas é possível publicar uma obra na Internet de diversas formas que não os blogs (em PDF, por exemplo) e atingir o objetivo que deveria ser o de um escritor de literatura: ser lido. Ganhar dinheiro é bom e saudável, mas existem formas mais eficientes que publicar livros. Além disto, quando dinheiro se mistura à arte, corre-se o risco de influenciá-la, de viciá-la, e isto nunca será bom.

Há, entretanto, uma vantagem, a maior, do papel sobre a Internet: a comodidade. É ainda muito mais cômodo ler um livro do que um texto no computador. Faço a comparação imaginando que os dois tenham mais ou menos a mesma qualidade, afinal, quem não largaria alegremente qualquer livro de motivação empresarial para queimar suas retinas lendo um bom blog?

Quer dizer, há esta vantagem por enquanto. Vi estes dias um aparelhinho de e-Text e fiquei todo empolgado com o progresso e tudo. Imagino que me empolguei tanto quanto um índio ao ver um espelho pela primeira vez, mas sem aquele lance de dar a irmã em troca. Me controlei. Mas achei realmente genial, achei realmente muito boa a idéia de poder ler um livro de mil e quatrocentas páginas com todo o conforto que cem gramas podem me proporcionar. A iluminação também é confortável; não é ofensiva como a de monitores de computador. E tem dicionário embutido, tem opção de localizar palavras, você pode fazer anotações, enviar várias páginas por e-mail e guardar em sua memória uma quantidade de livros maior do que a que existe na biblioteca do congresso norte-americano - a maior do mundo. Suponho que o futuro da mídia, se houver, deve ser muito parecido com este aparelhinho de e-Text.


Eduardo Mineo
São Paulo, 18/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Olímpica de Ricardo de Mattos
02. Índio quer apito, celular e conta nas Caymán de Alexandre Ramos


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2007
08h09min
Eduardo, não vejo grandes dramas nesta questão do digital x papel. Acho que quem gosta de ler e pratica a leitura com regularidade vai sempre preferir o papel, o que não quer dizer que esteja negando o digital mesmo porque estamos numa fase de transição sem data certa para acabar. Mas é só pensar um pouquinho: quem lida com computador desde o tempo daqueles terminais IBM de tela preta e letras verdinhas, sem imagem nenhuma jamais iria sonhar com um e-book. Da mesma forma podemos perguntar: e como será amanhã? Como ainda estamos no hoje, prefiro o papel.
[Leia outros Comentários de Paulo Araujo]
18/6/2007
20h06min
Eduardo, para mim, como também para muitas outras pessoas, a presença física do livro é uma necessidade que ultrapassa em muito a lógica da comodidade, do custo-benefício, etc. Aliás, por falar em comodidade, creio que estamos ainda muito longe de uma tecnologia que substitua a contento o papel impresso como suporte de obras escritas de média e grande extensão.
[Leia outros Comentários de Marcelo Bueno]
27/6/2007
18h21min
O livro ainda é um bom aliado de todos nós. O computador é o espaço que podemos estar em contato com um público maior. A lição de cada dia nos ensina que devemos aprender sempre. O livro é cada um de nós, devemos expor nossa poesia na vida, seja no computador ou não.
[Leia outros Comentários de manoel messias]
2/7/2007
08h53min
Concordo com os comentários, não é uma luta entre o papel e o digital, mas o papel ainda leva certa vantagem. O e-text parece mesmo uma boa promessa, mas gadgets tecnológicas sempre vem com aquele velho probleminha "pode dar pau" de repente. Mas gosto de sua colocação sobre blogs. Acho muito estranho que hoje existam jovens autores que não têm blog. Essa aproximação com os leitores me parece fundamental para estimular seu trabalho e para ter um feedback direto. Além disso, se a pessoa quer publicar em papel, já vai garantir uma boa publicidade boca a boca; eu mesma já divulguei em meu blog livros de autores-blogueiros.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
17/7/2007
09h45min
O Jornal em papel está se extingüindo, assim mesmo, no gerúndio, como escreveu uma vez, em um jornal de papel, o Veríssimo, referindo-se aos casais em processo de separação, no caso, "separando-se". O autor dava exemplo, referindo-se à lentidão do processo: "Estou me separando"... E aquilo demora tanto que, passados 5 anos, cada um morando num lugar, ainda tinha casais falando para os amigos "estou me separando"... Assim vai ser com os jornais de papel. Extingüindo... Estingüindo... Jornalistas resistentes "esperneando de ódio pela perda de status", igualzinho aconteceu com os jurássicos fotógrafos com relação às digitais. Kkkkk!
[Leia outros Comentários de José Claudio Bruno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emagreça sem segredos
Jeanne Lima
Literare Books International
(2018)



Para Mim, Chega!
Yvonne Bezerra de Mello
Rosa dos Tempos
(1998)



Orgias
Luis Fernando Veríssimo
L&pm



Cozinha Vegetariana. Maçã
Caroline Bergerot
Cultrix
(2012)



A Witch Called Wanda
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1996)



O Pensamento Judeu Como Fator de Civilização
Leon Roth
Biblos
(1965)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Os Thibault 1
Roger Martin Du Gard
Globo
(1986)



Unati - Espaço Aberto ao Ensino e á Criatividade
Maria Candida Soares del Masso
Cultura Academica
(2012)



Dinâmica de Grupo Iniciação a Seu Espírito e Algumas de Suas Técnicas
Jean-marie Aubry
Loyola
(1978)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês