Declínio e queda do império de papel | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Segunda-feira, 18/6/2007
Declínio e queda do império de papel
Eduardo Mineo

+ de 4600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Queria ser mais partidário dos blogs, falar bem sobre eles em todos os lugares que eu vou e me escandalizar de verdade quando ouvir alguém dizendo que prefere papel. Penso até em demonstrações mais convincentes, fazendo protestos pela abolição dos papéis e me arremessando contra policiais pela causa dos blogs. Eu faria tudo isso se não fosse coisa de retardado. E além disto, tenho a falha de também preferir papel. Defendo os blogs porque gosto muito deles, acredito em seu futuro, acredito que o meu blog ainda me trará muito prestígio, muita glória, e que um dia ainda serei abordado na rua por loiras tetudas pedindo autógrafos por causa de algum post particularmente brilhante. Mas papel realmente é muito melhor.

A publicação em papel tem uma tradição que encanta. É muito legal poder publicar qualquer coisa em papel, mas é uma publicação cara, demorada e tem baixa acessibilidade. Mais até que a Internet, que é barata, instantânea e tem um alcance infinitamente maior. E quando dizem que a publicação pela Internet exclui as pessoas que não têm acesso, o dizem como se estas pessoas tivessem algum tipo de acesso ilimitado às publicações em papel, como se não houvesse dificuldade alguma na distribuição física e o valor cobrado fosse perfeitamente compatível com o orçamento destas pessoas.

Não é preciso ir muito longe para compreender que a relação entre o custo e o benefício da publicação pela Internet é muito mais vantajosa que a publicação em papel. O custo de se ter um computador com acesso à Internet pode ser maior que o custo de se obter um livro, mas se fosse possível calcular quantos livros se consegue obter na Internet, quanta informação, melhor dizendo, se consegue obter na Internet, o custo do computador se reduziria a centavos. Talvez nem isto. Só o site Domínio Público disponibiliza quase 40 mil obras prontas para serem acessadas sem custo algum. É vantagem tanto para quem publica como para quem lê.

O ponto interessante da publicação em papel está no retorno financeiro, que é uma conseqüência da sensação de profissionalismo que há neste tipo de publicação, mas é um retorno que está vinculado mais a atividades de utilidade imediata como o jornalismo, que não é exatamente arte - é quase mecânico até - e sofre do problema de saturação de profissionais. Em contrapartida, o jornalismo de Internet cresceu satisfatoriamente e já é possível visualizar um mercado próprio e um espaço crescente para profissionais, o que contribui para elevar a condição de se atuar nesta área.

Já no caso específico da publicação de livros, ou melhor, de livros com pretensões literárias, o retorno é quase sempre semelhante ao de um blog com pretensões literárias: nenhum. Um em, sei lá, milhões, consegue publicar um livro literário que lhe renda o sustento. É mais difícil que loteria. Mesmo os nossos melhores escritores tiveram de trabalhar - seja como professor, seja como funcionário público, seja como jornalista, etc. -, e levar sua vida literária paralelamente. Estou falando dos melhores escritores brasileiros: Machado de Assis, Euclides da Cunha, João Cabral de Melo Neto, Lima Barreto, enfim, os de sempre. E por isto fico com o blog, que ao menos é mais barato.

Eu sei que são formatos diferentes, os blogs e os livros, mas é possível publicar uma obra na Internet de diversas formas que não os blogs (em PDF, por exemplo) e atingir o objetivo que deveria ser o de um escritor de literatura: ser lido. Ganhar dinheiro é bom e saudável, mas existem formas mais eficientes que publicar livros. Além disto, quando dinheiro se mistura à arte, corre-se o risco de influenciá-la, de viciá-la, e isto nunca será bom.

Há, entretanto, uma vantagem, a maior, do papel sobre a Internet: a comodidade. É ainda muito mais cômodo ler um livro do que um texto no computador. Faço a comparação imaginando que os dois tenham mais ou menos a mesma qualidade, afinal, quem não largaria alegremente qualquer livro de motivação empresarial para queimar suas retinas lendo um bom blog?

Quer dizer, há esta vantagem por enquanto. Vi estes dias um aparelhinho de e-Text e fiquei todo empolgado com o progresso e tudo. Imagino que me empolguei tanto quanto um índio ao ver um espelho pela primeira vez, mas sem aquele lance de dar a irmã em troca. Me controlei. Mas achei realmente genial, achei realmente muito boa a idéia de poder ler um livro de mil e quatrocentas páginas com todo o conforto que cem gramas podem me proporcionar. A iluminação também é confortável; não é ofensiva como a de monitores de computador. E tem dicionário embutido, tem opção de localizar palavras, você pode fazer anotações, enviar várias páginas por e-mail e guardar em sua memória uma quantidade de livros maior do que a que existe na biblioteca do congresso norte-americano - a maior do mundo. Suponho que o futuro da mídia, se houver, deve ser muito parecido com este aparelhinho de e-Text.


Eduardo Mineo
São Paulo, 18/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
04. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
05. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2007
08h09min
Eduardo, não vejo grandes dramas nesta questão do digital x papel. Acho que quem gosta de ler e pratica a leitura com regularidade vai sempre preferir o papel, o que não quer dizer que esteja negando o digital mesmo porque estamos numa fase de transição sem data certa para acabar. Mas é só pensar um pouquinho: quem lida com computador desde o tempo daqueles terminais IBM de tela preta e letras verdinhas, sem imagem nenhuma jamais iria sonhar com um e-book. Da mesma forma podemos perguntar: e como será amanhã? Como ainda estamos no hoje, prefiro o papel.
[Leia outros Comentários de Paulo Araujo]
18/6/2007
20h06min
Eduardo, para mim, como também para muitas outras pessoas, a presença física do livro é uma necessidade que ultrapassa em muito a lógica da comodidade, do custo-benefício, etc. Aliás, por falar em comodidade, creio que estamos ainda muito longe de uma tecnologia que substitua a contento o papel impresso como suporte de obras escritas de média e grande extensão.
[Leia outros Comentários de Marcelo Bueno]
27/6/2007
18h21min
O livro ainda é um bom aliado de todos nós. O computador é o espaço que podemos estar em contato com um público maior. A lição de cada dia nos ensina que devemos aprender sempre. O livro é cada um de nós, devemos expor nossa poesia na vida, seja no computador ou não.
[Leia outros Comentários de manoel messias]
2/7/2007
08h53min
Concordo com os comentários, não é uma luta entre o papel e o digital, mas o papel ainda leva certa vantagem. O e-text parece mesmo uma boa promessa, mas gadgets tecnológicas sempre vem com aquele velho probleminha "pode dar pau" de repente. Mas gosto de sua colocação sobre blogs. Acho muito estranho que hoje existam jovens autores que não têm blog. Essa aproximação com os leitores me parece fundamental para estimular seu trabalho e para ter um feedback direto. Além disso, se a pessoa quer publicar em papel, já vai garantir uma boa publicidade boca a boca; eu mesma já divulguei em meu blog livros de autores-blogueiros.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
17/7/2007
09h45min
O Jornal em papel está se extingüindo, assim mesmo, no gerúndio, como escreveu uma vez, em um jornal de papel, o Veríssimo, referindo-se aos casais em processo de separação, no caso, "separando-se". O autor dava exemplo, referindo-se à lentidão do processo: "Estou me separando"... E aquilo demora tanto que, passados 5 anos, cada um morando num lugar, ainda tinha casais falando para os amigos "estou me separando"... Assim vai ser com os jornais de papel. Extingüindo... Estingüindo... Jornalistas resistentes "esperneando de ódio pela perda de status", igualzinho aconteceu com os jurássicos fotógrafos com relação às digitais. Kkkkk!
[Leia outros Comentários de José Claudio Bruno]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês