A valente e polivalente batata | Vera Moreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/4/2001
A valente e polivalente batata
Vera Moreira

+ de 2200 Acessos

Quero fazer um reconhecimento público à batata, o mais universal, democrático e versátil dos alimentos. Minha admiração pela batata começou devido ao seu importante papel no sustento de populações inteiras em épocas de crises e guerras (temos relatos lindos de Alice B. Toklas, o grande amor da escritora Gertrude Stein, durante a Ocupação nazista da França). Os hidratos de carbono e minerais, que junto com a água formam a sua composição, garantem a produção de energia necessária para manter a dignidade de um homem sobre os dois pés. Já foi dito que a batata é capaz de preservar uma pessoa viva por 167 dias, desde que consuma 1,7 kg a cada dia - ok, é batata pra danar, mas em época de guerra, você come o que tiver pela frente. Com a batata, o melhor de tudo, é que ela se presta para inúmeras formas de preparo e fica difícil enjoar. Há um sem número de receitas, das mais simples às muito sofisticadas, freqüentando com a mesma desenvoltura mesa de pobres e de ricos.

Também é a batata que consegue a façanha da unanimidade mundial de crianças, adultos e velhos: quem arrisca dizer que não gosta de batata frita, fumegante, bem sequinha por fora e carnuda por dentro? Esse delírio a humanidade deve a Antoine Parmentier, agrônomo e farmacêutico francês que, por volta de 1780, depois de inúmeras experiências com o enjeitado tubérculo, chegou a essa fórmula mágica e então a batata ganhou notoriedade na França. Sim, porque até então, Francis Drake, navegador e corsário inglês, já havia divulgado a batata e mesmo com a facilidade do cultivo, era usada apenas como planta ornamental, graças a suas belas e pequenas folhas e flores amarelas ou roxas; ou então como comida para porcos... Poucos anos depois da batata frita, no entanto, a notoriedade chegou a tal ponto que um decreto da República Francesa ordenou um censo dos jardins de luxo, a fim de que eles pudessem ser destinados ao seu cultivo. O resultado foi que a principal avenida do Jardim das Tulherias e os canteiros de flores passaram a ser cultivo de batatas. Por isto, durante muito tempo, as batatas foram também chamadas de "laranjas reais".

Já na Alemanha, o reconhecimento veio um século mais cedo, durante e depois da Guerra dos Trinta Anos, entre a Defenestração de Praga de 1618 e o Tratado de Westfália de 1648, a batata assumiu no país o fado sagrado que a história lhe havia destinado e o alemão passou a ser automaticamente associado à batata desde então. Quando meu ex-marido, um autêntico Krob, começou a me chamar de "Batatinha" tive a certeza do seu amor e me senti verdadeiramente promovida, uma vez que na infância meu apelido era "Polentinha" - nada contra a polenta, o milho é um alimento fantástico, mas acho a batata mais nobre. Conheci uma jornalista em São Paulo que quando ficava tensa, nervosa, detonava uma panela de batatas cozidas e ela jurava que se acalmava. Eu ainda prefiro chá de camomila, mas já recorri a batata e realmente dá uma sensação de conforto numa TPM, por exemplo...

Uma batata crua é 70 a 80% água e 10 a 20% amido, com o restante constituído de açúcares, fibras, minerais (cálcio, potássio, sódio, magnésio, cloro e enxofre), vitaminas B e C e proteínas de alta qualidade. Praticamente não contém gordura e fornece tantas calorias quanto uma maça ou banana. Tem a grande vantagem de ser muito barata, comum, de fácil cultivo na maioria dos países e se encontra em mais de uma centena de variedades, apesar de se dividirem em apenas dois grandes grupos: as farinhentas e as cerosas, adjetivos que se referem à sua textura depois de cozidas. As farinhentas são densas, têm maior teor de amido e menor de água, ficam fofas e quase granulentas ao serem amassadas, ideais para nhoque e frituras. As cerosas têm menor teor de amido e maior de água, resultando cremosas e lisas, boas para purês, tortas, massas e cozidos, freqüentemente utilizadas em receitas francesas.

Espero que esse notável alimento, que começou a ser cultivado pelos incas, há um milênio, ganhe maior reconhecimento por parte dos grandes chefs e escritores gastronômicos - brilha pouco nos cardápios estrelados e renderia um livro inteiro só sobre ela. Também não me conformo de a delegarem sinônimo de ofensa, com aquela malfadada expressão: "Ora, vá plantar batatas!". Como disse nosso outro colunista, Paulo Polzonoff Jr: "Nasci longe do campo (não sei tirar leite de uma vaca nem montar a cavalo), estudei minha vida inteira para descobrir, hoje, agora há pouco, que mais valia ter continuado a ser um camponês na Rússia do que um pretenso qualquer-coisa aqui, sentado na frente desta máquina maldita". Na Rússia e na Polônia se produz quase a metade dos mais de 350 milhões de metros cúbicos de batata cultivados no mundo, o que alimenta um bom pedaço da humanidade. As hortas em Bilignin, na França, foram alegria de Alice B. Toklas durante e depois da Segunda Guerra Mundial, trabalhava nelas nos verões e planejava e sonhava com elas no inverno. "Nada é tão gratificante e emocionante como colher as hortaliças que se plantou", dizia Alice. Eu desejaria que todo mundo tivesse um pedaço de terra para ir plantar batatas e ser minimamente feliz neste globo maluco.

Para Saborear

Tenho um prato no cardápio do Bistrô Alecrim, que é simples e maravilhoso: Galette Lyonnaise (Bolo de Batata a Lionesa). Patrícia Wells, uma das grandes escritoras de culinária da França, comenta que os bistrôs de Paris são o paraíso dos apreciadores de batatas e esta receita está no seu livro Cozinha de Bistrô. É uma variante da típica mistura de batata e cebola, que costuma acompanhar carnes assadas e bifes, e é muito simples e rápida de preparar. Aí vai:

1 kg de batatas grandes
2 cebolas médias
6 colheres (de sopa) de manteiga sem sal
Noz-moscada ralada na hora
Sal e pimenta-do-reino moída na hora
Rendimento: 6 a 8 porções

1. Descasque as batatas. Cozinhe-as em água ou no vapor, até que estejam macias e fáceis de amassar. Escorra. Deixe esfriar uns poucos minutos. Amasse com um garfo, deixando pedaços irregulares.
2. Preaqueça o forno.
3. Corte as cebolas ao meio, no sentido do comprimento; corte cada metade em rodelas finas, em forma de meia-lua.
4. Numa frigideira grande, em fogo médio, derreta 2 colheres (de sopa) de manteiga. Junte as cebolas e salte-as até que fiquem macias e douradas (cerca de 10 minutos).
5. Junte mais 2 colheres (de sopa) de manteiga e deixe derreter. Acrescente as batatas, tempere generosamente com noz-moscada, sal e pimenta. Cozinhe por cerca de mais 2 ou 3 minutos, mexendo de vez em quando.
6. Arrume a mistura num prato refratário. Com as costas de uma colher, alise a superfície; espalhe as 2 colheres de manteiga restantes, em pedacinhos. Leve ao forno até que fique dourado. Sirva imediatamente.
Uma dica importante: o chef francês José Lampreia recomenda que se prepare gratinados em forminhas antiaderentes e individuais. Primeiro, unte-as ligeiramente com manteiga; depois, asse. A apresentação, além de mais bonita, garante mais crosta - a melhor parte - para todos!

Curiosidade: Convolvulus batatas (nome científico); em espanhol: patata; em francês: pomme de terre; em italiano: patata; em inglês: potato; em alemão: kartoffel.


Vera Moreira
Gramado, 27/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Galáxia da Internet de Fabio Silvestre Cardoso
02. Risco, o filme de Marcelo Maroldi


Mais Vera Moreira
Mais Acessadas de Vera Moreira em 2001
01. Para pecar, vá de manga - 16/10/2001
02. Pense no que vai engolir - 24/7/2001
03. Proibida ou não, é musa inspiradora - 11/9/2001
04. Magia Verde - 19/2/2001
05. Fome de ler - 31/5/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês