EUA, Ano Zero | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 19/9/2001
EUA, Ano Zero
Daniela Sandler

+ de 5000 Acessos

Quando termino esta coluna, é segunda à noite. Há uma semana, nesta mesma hora, nenhum de nós sonhava com atentados de massa em Manhattan. Muita gente, nesses últimos sete dias, repetiu o bordão: "O mundo nunca mais será o mesmo". Pensando na minha noite de segunda-feira passada - na última noite daquela parte de nossas vidas - eu tento distinguir: algo de fundamental mudou? Se mudou, o que foi? Ou será que tivemos apenas a impressão de mudança?

Yara Mitsuishi

Por certo, vários fatos cotidianos mudaram. A programação de tevê, por exemplo. Na semana passada, quase todos os canais abertos dedicaram todo o seu horário nobre (das 18:00 às 24:00) e boa parte do resto do dia à cobertura dos ataques terroristas. A tevê parou: era ligar o aparelho e ser submetido ao ataque por todos os ângulos possíveis (e não apenas os das câmeras).

De quantas maneiras diferentes se pode cobrir o ataque terrorista? Quando as notícias perderam velocidade, as tevês não tardaram a colocar especialistas no ar, depoimentos pessoais, ou programas conduzidos por apresentadores irados vociferando contra os suspeitos do terror.

No início, também me rendi ao vício. Nada de ficar longe de notícias; e, quando estas cessavam, a tevê não parava de derramar estímulos sensoriais e nervosos para excitar ou comover os ânimos. Será que o público gosta? Deve ter gostado, para alimentar a decisão que todas as redes públicas tomaram de adiar a estréia das novas temporadas de seus programas principais (comédias, seriados etc.) por uma semana.

Na ideologia reinante, a repetição monotemática das tevês serviu para reforçar o caráter de "divisor de águas" do ataque, para dar ainda mais grandiosidade ao evento e para intensificar o sentimento solene em relação ao futuro do país. Nós, espectadores, não fomos simplesmente bombardeados pela cobertura hipertrofiada do atentado: fomos também cortados do resto do mundo. Quem confia em tevê aberta para ter notícias internacionais ficou sabendo apenas que tal ou tal país manifestou apoio aos Estados Unidos ou que, na Palestina, alguém comemorou o ato terrorista.

Não que eu não tenha sido afetada pela tragédia, muito pelo contrário. Mas chegou uma hora em que a obsessão pelo tema começou a incomodar, oscilando entre o masoquismo voyeurístico (testemunhos pessoais feitos para arrancar lágrimas) e uma insistência mórbida nas cenas de horror (avião batendo, prédio explodindo, gente correndo), ecoada pelas tomadas ao vivo do esforço de limpeza dos escombros, devidamente explicadas pelo repórter: "Mas que desolação... que destruição".

Para completar o clima apocalíptico, os noticiários polvilharam análises econômicas, todas pessimistas: em suma, diz-se que os Estados Unidos, que já estavam mesmo à beira de uma recessão, agora não escapam. Não que não seja uma análise razoável - o modo, porém, de enquadrá-la e transmiti-la faz parte de uma espécie de lavagem cerebral por repetição. Sem diminuir a importância do ocorrido, o fato é que a vida continua, e, tanto aqui nos Estados Unidos como no resto do mundo, não necessariamente gira em torno da tragédia.

Capitalizar com a tragédia, neste caso, foi mais do que uma questão de pontos no Ibope. Muito já foi dito, em relação a este episódio, sobre a parcialidade da cobertura de tevê norte-americana e como isso agrava preconceitos e ignorância. Não vou chover no molhado. Infelizmente, o problema não é só esse.

A representação do atentado na mídia - que ao mesmo tempo reflete e forma a opinião pública - foi feita de forma extremamente autocentrada e grandiosa (eufemismos para os palavrões "egocentrismo" e "megalomania"). Agora, Bush prepara alianças dentro e fora do país. Não simplesmente para encontrar e punir os culpados pelo atentado; não apenas para atacar os estados que os abrigam. A guerra é para nada menos que "acabar com todos os estados que apóiam o terrorismo". A frase estava lá, estampada entre aspas na manchete do jornal. Nem ao menos a sutileza de dizer, por exemplo, "lutar". O termo usado foi "acabar". Extinguir, exterminar, destruir - o que isso significa? Abstratamente, derrubar regimes opressores como o Taleban pode não parecer ruim. Concretamente, "bombardear o Afeganistão até que volte à Idade da Pedra", como vem sendo dito, é muito diferente.

Agora, a segunda parte da frase: "todos os estados". Todos. De perseguição a Osama bin Laden a guerra ao Afeganistão a guerra a meio mundo num piscar de olhos. Quantos são os países que podem se encaixar, ao sabor da necessidade política, nessa definição? Quais são? E por que os Estados Unidos se vêem no direito de "acabar" com todos eles?

É esta sensação de guerra mundial, de evento da maior importância para o qual todos os sacrifícios são válidos (inclusive, como já declarado, a morte de combatentes norte-americanos), e, sobretudo, de isenção ética, como se a grandeza dos fatos desculpasse suas implicações morais e humanísticas, enfim, é tudo isso que a cobertura televisiva condensou e produziu por aqui.

Diante do clima de exceção histórica alimentado pela cobertura intensiva e exagerada, é de esperar que boa parte dos espectadores esqueça seus pudores humanistas e aceite a eventualidade de uma guerra sem sérias fricções políticas.

Se considerarmos o quanto a tevê permeia a vida, as fontes de informação e a formação intelectual dos norte-americanos, a conta resultante é evidente: a tevê e suas versões on-line estão preparando cuidadosamente o terreno para que a escalada do governo Bush rumo à guerra seja a mais suave possível.

A CNN.com já ostenta a chamada "New War" (Nova Guerra) como título geral de todas as reportagens relacionadas ao atentado. Nada mais natural que isso para suceder a chamada anterior, "Os EUA sob ataque". Se os pacificistas daqui ainda sustentam alguma esperança de que Bush evite a guerra, creio que esta é uma batalha perdida.

Como muitos por aqui notaram, por muito menos os Estados Unidos entraram em guerra contra outros países. Se isso lhes serve de fácil justificativa para uma nova empreitada, gostaria que ao mesmo tempo servisse como aviso histórico. Mas ninguém por aqui quer se lembrar do vexame do Vietnã ou da Coréia - e não falo apenas do vexame militar, mas principalmente do vexame humano, moral.

Essas duas guerras vagam enevoadas na memória coletiva como ocasiões de injustiça extrema e unilateral contra os Estados Unidos. Exatamente no mesmo compasso dos bordões marciais de agora. Sob os aplausos do público.

Eu, de minha parte, não poderia ter ficado mais feliz ao ver que os velhíssimos episódios de Friends que a ABC reprisa todo dia estavam de volta quando liguei a tevê ontem na hora do jantar.

A arte imita a vida... por acaso

Não foi só a tevê que teve de mudar seu calendário. Hollywood também mudou de planos depois da tragédia. Um executivo, em entrevista, afirmou que "ninguém quer dar a impressão de que a indústria de cinema estaria fazendo lucro em cima do atentado". O curioso é que, desta vez, a impressão seria devida a infelizes coincidências. O novo filme de Schwarzenegger, que estava para estrear neste mês, contava a história de um homem "comum" que perdia a mulher e o filho num atentado terrorista nos Estados Unidos e, movido por dor e vingança, se embrenhava na caça ao cobiçado e poderoso terrorista. A estréia foi suspensa indefinidamente, os cartazes do filme devidamente retirados, os trailers recolhidos (cheguei a ver um deles, há duas semanas). Outro filme-problema é uma comédia sobre - adivinhem - um seqüestro de avião. Estrearia também em setembro; agora, só no ano que vem.

Gripe do atentado

Na semana passada - notavelmente, depois da terça-feira -, mais uma gripe se espalhou por aqui. Essas epidemias são comuns quando o tempo muda, como foi o caso na última semana, em que esfriou de repente. Se fosse no Brasil, a gripe já teria algum nome alusivo ao acidente com uma explicação engraçadinha. Eu, de fato, estava queimando em febre, minha cabeça explodindo de dor de cabeça, e acabei desabada sobre a cama. Também espero que o vírus não seja um agente de terrorismo biológico!

Mas aqui nunca vi ninguém colocar apelido em gripe. Há mais ou menos um mês, um amigo meu, brasileiro, estava tentando explicar nosso hábito a um casal norte-americano. Um pouco perplexos, tentavam entender o costume e a graça da brincadeira. Acho que o fato de não saberem quem é a Tiazinha não ajudou muito...


Daniela Sandler
Riverside, 19/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
03. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
04. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
05. livros não salvam o mundo. nem as pessoas. de Ítalo Puccini


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor Sexo e Erotismo
Dr Galdino Nunes Vieira
Casa Publicadora Brasileira
(1978)



Sql Fundamentos
John J Patrick
Berkeley
(2002)



Dissertando Sobre Voz - Volume 2. Série Interfaces
Leslie Piccolotto Ferreira
Pró-fono
(1998)



Restituição
Robson Rodovalho
Sara Brasil
(2014)



História Universal Terceiro Volume
H. G. Wells
Livros do Brasil



A Coruja Sabida e o Caso do Bichinho-chorão
W. L. Ducca
Nacional
(1986)



A Titularidade dos Direitos Fundamentais na Constituição Federal
Anelise Coelho Nunes
Livraria do Advogado
(2007)



We Remember: Women Born At the Turn of the Century Tell the Stori
Jeanne Marie Laskas; Lynn Johnson
William Morrow
(1999)



Farda Fardão Camisola de Dormir
Jorge Amado
Círculo do Livro



Vivendo o Mais Além
Antonio Baduy Filho
Ide
(2017)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês