EUA, Ano Zero | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 19/9/2001
EUA, Ano Zero
Daniela Sandler

+ de 4800 Acessos

Quando termino esta coluna, é segunda à noite. Há uma semana, nesta mesma hora, nenhum de nós sonhava com atentados de massa em Manhattan. Muita gente, nesses últimos sete dias, repetiu o bordão: "O mundo nunca mais será o mesmo". Pensando na minha noite de segunda-feira passada - na última noite daquela parte de nossas vidas - eu tento distinguir: algo de fundamental mudou? Se mudou, o que foi? Ou será que tivemos apenas a impressão de mudança?

Yara Mitsuishi

Por certo, vários fatos cotidianos mudaram. A programação de tevê, por exemplo. Na semana passada, quase todos os canais abertos dedicaram todo o seu horário nobre (das 18:00 às 24:00) e boa parte do resto do dia à cobertura dos ataques terroristas. A tevê parou: era ligar o aparelho e ser submetido ao ataque por todos os ângulos possíveis (e não apenas os das câmeras).

De quantas maneiras diferentes se pode cobrir o ataque terrorista? Quando as notícias perderam velocidade, as tevês não tardaram a colocar especialistas no ar, depoimentos pessoais, ou programas conduzidos por apresentadores irados vociferando contra os suspeitos do terror.

No início, também me rendi ao vício. Nada de ficar longe de notícias; e, quando estas cessavam, a tevê não parava de derramar estímulos sensoriais e nervosos para excitar ou comover os ânimos. Será que o público gosta? Deve ter gostado, para alimentar a decisão que todas as redes públicas tomaram de adiar a estréia das novas temporadas de seus programas principais (comédias, seriados etc.) por uma semana.

Na ideologia reinante, a repetição monotemática das tevês serviu para reforçar o caráter de "divisor de águas" do ataque, para dar ainda mais grandiosidade ao evento e para intensificar o sentimento solene em relação ao futuro do país. Nós, espectadores, não fomos simplesmente bombardeados pela cobertura hipertrofiada do atentado: fomos também cortados do resto do mundo. Quem confia em tevê aberta para ter notícias internacionais ficou sabendo apenas que tal ou tal país manifestou apoio aos Estados Unidos ou que, na Palestina, alguém comemorou o ato terrorista.

Não que eu não tenha sido afetada pela tragédia, muito pelo contrário. Mas chegou uma hora em que a obsessão pelo tema começou a incomodar, oscilando entre o masoquismo voyeurístico (testemunhos pessoais feitos para arrancar lágrimas) e uma insistência mórbida nas cenas de horror (avião batendo, prédio explodindo, gente correndo), ecoada pelas tomadas ao vivo do esforço de limpeza dos escombros, devidamente explicadas pelo repórter: "Mas que desolação... que destruição".

Para completar o clima apocalíptico, os noticiários polvilharam análises econômicas, todas pessimistas: em suma, diz-se que os Estados Unidos, que já estavam mesmo à beira de uma recessão, agora não escapam. Não que não seja uma análise razoável - o modo, porém, de enquadrá-la e transmiti-la faz parte de uma espécie de lavagem cerebral por repetição. Sem diminuir a importância do ocorrido, o fato é que a vida continua, e, tanto aqui nos Estados Unidos como no resto do mundo, não necessariamente gira em torno da tragédia.

Capitalizar com a tragédia, neste caso, foi mais do que uma questão de pontos no Ibope. Muito já foi dito, em relação a este episódio, sobre a parcialidade da cobertura de tevê norte-americana e como isso agrava preconceitos e ignorância. Não vou chover no molhado. Infelizmente, o problema não é só esse.

A representação do atentado na mídia - que ao mesmo tempo reflete e forma a opinião pública - foi feita de forma extremamente autocentrada e grandiosa (eufemismos para os palavrões "egocentrismo" e "megalomania"). Agora, Bush prepara alianças dentro e fora do país. Não simplesmente para encontrar e punir os culpados pelo atentado; não apenas para atacar os estados que os abrigam. A guerra é para nada menos que "acabar com todos os estados que apóiam o terrorismo". A frase estava lá, estampada entre aspas na manchete do jornal. Nem ao menos a sutileza de dizer, por exemplo, "lutar". O termo usado foi "acabar". Extinguir, exterminar, destruir - o que isso significa? Abstratamente, derrubar regimes opressores como o Taleban pode não parecer ruim. Concretamente, "bombardear o Afeganistão até que volte à Idade da Pedra", como vem sendo dito, é muito diferente.

Agora, a segunda parte da frase: "todos os estados". Todos. De perseguição a Osama bin Laden a guerra ao Afeganistão a guerra a meio mundo num piscar de olhos. Quantos são os países que podem se encaixar, ao sabor da necessidade política, nessa definição? Quais são? E por que os Estados Unidos se vêem no direito de "acabar" com todos eles?

É esta sensação de guerra mundial, de evento da maior importância para o qual todos os sacrifícios são válidos (inclusive, como já declarado, a morte de combatentes norte-americanos), e, sobretudo, de isenção ética, como se a grandeza dos fatos desculpasse suas implicações morais e humanísticas, enfim, é tudo isso que a cobertura televisiva condensou e produziu por aqui.

Diante do clima de exceção histórica alimentado pela cobertura intensiva e exagerada, é de esperar que boa parte dos espectadores esqueça seus pudores humanistas e aceite a eventualidade de uma guerra sem sérias fricções políticas.

Se considerarmos o quanto a tevê permeia a vida, as fontes de informação e a formação intelectual dos norte-americanos, a conta resultante é evidente: a tevê e suas versões on-line estão preparando cuidadosamente o terreno para que a escalada do governo Bush rumo à guerra seja a mais suave possível.

A CNN.com já ostenta a chamada "New War" (Nova Guerra) como título geral de todas as reportagens relacionadas ao atentado. Nada mais natural que isso para suceder a chamada anterior, "Os EUA sob ataque". Se os pacificistas daqui ainda sustentam alguma esperança de que Bush evite a guerra, creio que esta é uma batalha perdida.

Como muitos por aqui notaram, por muito menos os Estados Unidos entraram em guerra contra outros países. Se isso lhes serve de fácil justificativa para uma nova empreitada, gostaria que ao mesmo tempo servisse como aviso histórico. Mas ninguém por aqui quer se lembrar do vexame do Vietnã ou da Coréia - e não falo apenas do vexame militar, mas principalmente do vexame humano, moral.

Essas duas guerras vagam enevoadas na memória coletiva como ocasiões de injustiça extrema e unilateral contra os Estados Unidos. Exatamente no mesmo compasso dos bordões marciais de agora. Sob os aplausos do público.

Eu, de minha parte, não poderia ter ficado mais feliz ao ver que os velhíssimos episódios de Friends que a ABC reprisa todo dia estavam de volta quando liguei a tevê ontem na hora do jantar.

A arte imita a vida... por acaso

Não foi só a tevê que teve de mudar seu calendário. Hollywood também mudou de planos depois da tragédia. Um executivo, em entrevista, afirmou que "ninguém quer dar a impressão de que a indústria de cinema estaria fazendo lucro em cima do atentado". O curioso é que, desta vez, a impressão seria devida a infelizes coincidências. O novo filme de Schwarzenegger, que estava para estrear neste mês, contava a história de um homem "comum" que perdia a mulher e o filho num atentado terrorista nos Estados Unidos e, movido por dor e vingança, se embrenhava na caça ao cobiçado e poderoso terrorista. A estréia foi suspensa indefinidamente, os cartazes do filme devidamente retirados, os trailers recolhidos (cheguei a ver um deles, há duas semanas). Outro filme-problema é uma comédia sobre - adivinhem - um seqüestro de avião. Estrearia também em setembro; agora, só no ano que vem.

Gripe do atentado

Na semana passada - notavelmente, depois da terça-feira -, mais uma gripe se espalhou por aqui. Essas epidemias são comuns quando o tempo muda, como foi o caso na última semana, em que esfriou de repente. Se fosse no Brasil, a gripe já teria algum nome alusivo ao acidente com uma explicação engraçadinha. Eu, de fato, estava queimando em febre, minha cabeça explodindo de dor de cabeça, e acabei desabada sobre a cama. Também espero que o vírus não seja um agente de terrorismo biológico!

Mas aqui nunca vi ninguém colocar apelido em gripe. Há mais ou menos um mês, um amigo meu, brasileiro, estava tentando explicar nosso hábito a um casal norte-americano. Um pouco perplexos, tentavam entender o costume e a graça da brincadeira. Acho que o fato de não saberem quem é a Tiazinha não ajudou muito...


Daniela Sandler
Rochester, 19/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
02. Humor x Desamparo de Carla Ceres
03. Teoria dos jogos de Gian Danton
04. Da dificuldade de se comandar uma picanha de Eduardo Carvalho
05. A Cura de Héber Sales


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LUTA PELO DIREITO
RUDOLF VON IHERING
FORENSE
(2007)
R$ 21,00
+ frete grátis



POR QUE SEUS FUNCIONÁRIOS MAIS TALENTOSOS NÃO QUEREM FICAR?
LEIGH BRANHAM
ELSEVIER
(2012)
R$ 17,00



FALANDO AOS MORTOS
HELEN DUNMORE
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ARTE NOS SÉCULOS VOL III O RENASCIMENTO NA EUROPA
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1970)
R$ 25,00



ECONOMIA POPULAR E SOLIDÁRIA - ALAVANCA PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTEN
JOÃO CLÁUDIO TUPINAMBÁ ARROYO/ FLAVIO CAMARGO SCHU
PERSEU ABRAMO
(2006)
R$ 16,10



O QUE MOLLY BLOOM ESQUECEU DE CONTAR
FURIO LONZA
TCHÊ
(1987)
R$ 8,94



X-MEN ANUAL - 4 - NOVAS AVENTURAS DOS PRIMEIROS X-MEN !
MARVEL
PANINI COMICS
(2009)
R$ 15,00



SCHOENE FERIEN CON CD AUDIO (NIVEL 2)
LEO & CO
LANGENSCHEIDT
(2008)
R$ 50,00



CLÁSSICOS DA POESIA BRASILEIRA
COLETÂNEA
KLICK
R$ 4,00



MIL E UMA NOITES, MIL E UMA IGUARIAS
ROSA BELLUZZO
UNESP
(2017)
R$ 47,90





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês