EUA, Ano Zero | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 19/9/2001
EUA, Ano Zero
Daniela Sandler

+ de 4700 Acessos

Quando termino esta coluna, é segunda à noite. Há uma semana, nesta mesma hora, nenhum de nós sonhava com atentados de massa em Manhattan. Muita gente, nesses últimos sete dias, repetiu o bordão: "O mundo nunca mais será o mesmo". Pensando na minha noite de segunda-feira passada - na última noite daquela parte de nossas vidas - eu tento distinguir: algo de fundamental mudou? Se mudou, o que foi? Ou será que tivemos apenas a impressão de mudança?

Yara Mitsuishi

Por certo, vários fatos cotidianos mudaram. A programação de tevê, por exemplo. Na semana passada, quase todos os canais abertos dedicaram todo o seu horário nobre (das 18:00 às 24:00) e boa parte do resto do dia à cobertura dos ataques terroristas. A tevê parou: era ligar o aparelho e ser submetido ao ataque por todos os ângulos possíveis (e não apenas os das câmeras).

De quantas maneiras diferentes se pode cobrir o ataque terrorista? Quando as notícias perderam velocidade, as tevês não tardaram a colocar especialistas no ar, depoimentos pessoais, ou programas conduzidos por apresentadores irados vociferando contra os suspeitos do terror.

No início, também me rendi ao vício. Nada de ficar longe de notícias; e, quando estas cessavam, a tevê não parava de derramar estímulos sensoriais e nervosos para excitar ou comover os ânimos. Será que o público gosta? Deve ter gostado, para alimentar a decisão que todas as redes públicas tomaram de adiar a estréia das novas temporadas de seus programas principais (comédias, seriados etc.) por uma semana.

Na ideologia reinante, a repetição monotemática das tevês serviu para reforçar o caráter de "divisor de águas" do ataque, para dar ainda mais grandiosidade ao evento e para intensificar o sentimento solene em relação ao futuro do país. Nós, espectadores, não fomos simplesmente bombardeados pela cobertura hipertrofiada do atentado: fomos também cortados do resto do mundo. Quem confia em tevê aberta para ter notícias internacionais ficou sabendo apenas que tal ou tal país manifestou apoio aos Estados Unidos ou que, na Palestina, alguém comemorou o ato terrorista.

Não que eu não tenha sido afetada pela tragédia, muito pelo contrário. Mas chegou uma hora em que a obsessão pelo tema começou a incomodar, oscilando entre o masoquismo voyeurístico (testemunhos pessoais feitos para arrancar lágrimas) e uma insistência mórbida nas cenas de horror (avião batendo, prédio explodindo, gente correndo), ecoada pelas tomadas ao vivo do esforço de limpeza dos escombros, devidamente explicadas pelo repórter: "Mas que desolação... que destruição".

Para completar o clima apocalíptico, os noticiários polvilharam análises econômicas, todas pessimistas: em suma, diz-se que os Estados Unidos, que já estavam mesmo à beira de uma recessão, agora não escapam. Não que não seja uma análise razoável - o modo, porém, de enquadrá-la e transmiti-la faz parte de uma espécie de lavagem cerebral por repetição. Sem diminuir a importância do ocorrido, o fato é que a vida continua, e, tanto aqui nos Estados Unidos como no resto do mundo, não necessariamente gira em torno da tragédia.

Capitalizar com a tragédia, neste caso, foi mais do que uma questão de pontos no Ibope. Muito já foi dito, em relação a este episódio, sobre a parcialidade da cobertura de tevê norte-americana e como isso agrava preconceitos e ignorância. Não vou chover no molhado. Infelizmente, o problema não é só esse.

A representação do atentado na mídia - que ao mesmo tempo reflete e forma a opinião pública - foi feita de forma extremamente autocentrada e grandiosa (eufemismos para os palavrões "egocentrismo" e "megalomania"). Agora, Bush prepara alianças dentro e fora do país. Não simplesmente para encontrar e punir os culpados pelo atentado; não apenas para atacar os estados que os abrigam. A guerra é para nada menos que "acabar com todos os estados que apóiam o terrorismo". A frase estava lá, estampada entre aspas na manchete do jornal. Nem ao menos a sutileza de dizer, por exemplo, "lutar". O termo usado foi "acabar". Extinguir, exterminar, destruir - o que isso significa? Abstratamente, derrubar regimes opressores como o Taleban pode não parecer ruim. Concretamente, "bombardear o Afeganistão até que volte à Idade da Pedra", como vem sendo dito, é muito diferente.

Agora, a segunda parte da frase: "todos os estados". Todos. De perseguição a Osama bin Laden a guerra ao Afeganistão a guerra a meio mundo num piscar de olhos. Quantos são os países que podem se encaixar, ao sabor da necessidade política, nessa definição? Quais são? E por que os Estados Unidos se vêem no direito de "acabar" com todos eles?

É esta sensação de guerra mundial, de evento da maior importância para o qual todos os sacrifícios são válidos (inclusive, como já declarado, a morte de combatentes norte-americanos), e, sobretudo, de isenção ética, como se a grandeza dos fatos desculpasse suas implicações morais e humanísticas, enfim, é tudo isso que a cobertura televisiva condensou e produziu por aqui.

Diante do clima de exceção histórica alimentado pela cobertura intensiva e exagerada, é de esperar que boa parte dos espectadores esqueça seus pudores humanistas e aceite a eventualidade de uma guerra sem sérias fricções políticas.

Se considerarmos o quanto a tevê permeia a vida, as fontes de informação e a formação intelectual dos norte-americanos, a conta resultante é evidente: a tevê e suas versões on-line estão preparando cuidadosamente o terreno para que a escalada do governo Bush rumo à guerra seja a mais suave possível.

A CNN.com já ostenta a chamada "New War" (Nova Guerra) como título geral de todas as reportagens relacionadas ao atentado. Nada mais natural que isso para suceder a chamada anterior, "Os EUA sob ataque". Se os pacificistas daqui ainda sustentam alguma esperança de que Bush evite a guerra, creio que esta é uma batalha perdida.

Como muitos por aqui notaram, por muito menos os Estados Unidos entraram em guerra contra outros países. Se isso lhes serve de fácil justificativa para uma nova empreitada, gostaria que ao mesmo tempo servisse como aviso histórico. Mas ninguém por aqui quer se lembrar do vexame do Vietnã ou da Coréia - e não falo apenas do vexame militar, mas principalmente do vexame humano, moral.

Essas duas guerras vagam enevoadas na memória coletiva como ocasiões de injustiça extrema e unilateral contra os Estados Unidos. Exatamente no mesmo compasso dos bordões marciais de agora. Sob os aplausos do público.

Eu, de minha parte, não poderia ter ficado mais feliz ao ver que os velhíssimos episódios de Friends que a ABC reprisa todo dia estavam de volta quando liguei a tevê ontem na hora do jantar.

A arte imita a vida... por acaso

Não foi só a tevê que teve de mudar seu calendário. Hollywood também mudou de planos depois da tragédia. Um executivo, em entrevista, afirmou que "ninguém quer dar a impressão de que a indústria de cinema estaria fazendo lucro em cima do atentado". O curioso é que, desta vez, a impressão seria devida a infelizes coincidências. O novo filme de Schwarzenegger, que estava para estrear neste mês, contava a história de um homem "comum" que perdia a mulher e o filho num atentado terrorista nos Estados Unidos e, movido por dor e vingança, se embrenhava na caça ao cobiçado e poderoso terrorista. A estréia foi suspensa indefinidamente, os cartazes do filme devidamente retirados, os trailers recolhidos (cheguei a ver um deles, há duas semanas). Outro filme-problema é uma comédia sobre - adivinhem - um seqüestro de avião. Estrearia também em setembro; agora, só no ano que vem.

Gripe do atentado

Na semana passada - notavelmente, depois da terça-feira -, mais uma gripe se espalhou por aqui. Essas epidemias são comuns quando o tempo muda, como foi o caso na última semana, em que esfriou de repente. Se fosse no Brasil, a gripe já teria algum nome alusivo ao acidente com uma explicação engraçadinha. Eu, de fato, estava queimando em febre, minha cabeça explodindo de dor de cabeça, e acabei desabada sobre a cama. Também espero que o vírus não seja um agente de terrorismo biológico!

Mas aqui nunca vi ninguém colocar apelido em gripe. Há mais ou menos um mês, um amigo meu, brasileiro, estava tentando explicar nosso hábito a um casal norte-americano. Um pouco perplexos, tentavam entender o costume e a graça da brincadeira. Acho que o fato de não saberem quem é a Tiazinha não ajudou muito...


Daniela Sandler
Rochester, 19/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
02. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
03. O Natal do velho Dickens de Celso A. Uequed Pitol
04. Todo mundo é bonito de Ana Elisa Ribeiro
05. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONSOLIDADORES DE TURISMO: SERVIÇOS E DISTRIBUIÇÃO
CÉLIA MARIA DOS SANTOS EDMIR KUAZAQUI
THONSON
(2004)
R$ 10,00



A CRÔNICA ESCANDALOSA DO AMOR
PIERRE DE BOURDEILLE

R$ 25,00



FABIANO DE CRISTO
ROQUE JACINTHO (2ª EDIÇÃO)
LUZ NO LAR
(1987)
R$ 25,00



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 7,00



LA DOCTRINE CORPORATIVE 8294
MAURICE BOUVIER-AJAM
DU RECUEIL SIREY
(1937)
R$ 70,00



UM CERTO DIA DE MARÇO
LUCILIA JUNQUEIRA DE ALMEIDA PRADO
PIONEIRA
(1979)
R$ 12,00



TRIP PARA MULHERES ANO 03 2007
MARCELO SERRADO
TRIP
(2003)
R$ 30,00



INTERESSE PÚBLICO ESPECIAL: LICITAÇÃO E OS TRIBUNAIS DE CONTAS
CONS. HELIO SAUL MILESKI (APRESENTAÇÃO)
NOTADEZ (SAPUCAIA DO SUL)
(2001)
R$ 19,28



NOSSAS CRIANÇAS VOLUME 2
VÁRIOS AUTORES
ABRIL CULTURAL
R$ 5,00



FILA, A
BASMA ABDEL AZIZ
ROCCO
(2018)
R$ 31,84





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês