Frankenstein e o passado monstruoso | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/1/2011
Frankenstein e o passado monstruoso
Carla Ceres

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Fingir ignorância sobre fatos constrangedores é regra fundamental para o convívio em sociedade. Pessoas elegantes devem fazer vistas grossas aos maus passos de seus pares que tiverem o bom senso de regenerar-se. A desvantagem é que, com o tempo, a fineza cria um passado "como deveria ter sido" e dificulta a contextualização de certos acontecimentos.

Antes de enviuvar e tornar-se uma verdadeira dama, a escritora Mary Shelley escandalizou a sociedade britânica na segunda década do século XIX. Aos dezessete anos, fugiu com o amante e futuro marido, o poeta Percy Bysshe Shelley, cuja esposa estava grávida, e fez parte do círculo de artistas malvistos cujo centro era Lord Byron.

Aos dezenove, Mary começou a escrever a novela Frankenstein: ou o moderno Prometeu. A primeira edição saiu dois anos depois, sem o nome da autora, mas com uma dedicatória a seu pai, o eminente filósofo anarquista William Godwin, e um prefácio de Percy Shelley.

Embora considerado repulsivo, chocante, assustador e de mau gosto, o livro obteve grande sucesso e críticas elogiosas de pessoas que o supunham trabalho de Godwin ou de Percy Shelley. Mesmo com a revelação da identidade da autora, muitos preferiram continuar imaginando que Mary, uma jovenzinha de pouca instrução formal, recebera o livro de presente do pai ou do marido.

Mulheres jovens que escrevem bem costumam causar espanto, mas são menos incomuns do que se imagina. Na literatura brasileira, temos Rachel de Queiroz e Clarice Lispector. Ambas escreveram seus livros de estreia aos dezenove anos. Entre os homens, os exemplos são mais numerosos em toda a literatura universal.

No caso de Mary Shelley, ainda há quem acentue a participação do marido no aprimoramento do texto, mas, hoje em dia, a interpretação mais popular diz que Mary foi uma garota que escreveu uma história espantosa "quase por milagre". Para a recatada sociedade inglesa, considerar a gênese do livro um mistério é mais um sinal de elegância do que uma opinião digna de crédito. Seria chocante admitir que uma jovem nobre possuísse bagagem cultural e vivência suficientes para conceber tamanha monstruosidade. A própria Mary contribuiu para essa visão mágica, atribuindo a origem da história a um pesadelo.

Suas fontes, no entanto, aparecem claramente no livro. Escritores, filósofos, poetas e historiadores, que Mary estudou sob orientação do pai e de professores particulares, surgem com nome, sobrenome e títulos de obras, nos longos discursos do monstro de Frankenstein. Uma educação formal dificilmente faria melhor pela criação de uma escritora. Godwin criou a filha para ser independente, seguindo, até certo ponto, os ideais da mãe de Mary, a escritora Mary Wollstonecraft, filósofa pioneira do feminismo, que morreu de infecção generalizada, dez dias após o nascimento da filha.

O túmulo de Mary Wollstonecraft era um dos locais onde Mary costumava encontrar-se com o amante Percy Shelley, mas a orfandade, que provocou um fascínio pela vida e as obras maternas, não foi sua maior tristeza. Ao fugir com Percy, em viagem pela Europa, tornou-se uma pária. Passaram necessidades, sofreram com doenças e enfrentaram a perda de uma filha prematura que levou Mary a profunda depressão.

Vale lembrar que "Frankenstein" é o sobrenome do cientista criador do monstro. Outro ponto interessante é que, no livro, o monstro fala até demais. É um ser sem educação formal, abandonado pelo criador, injustiçado pela sociedade e dono de uma lábia espantosa. Muito parecido com a própria Mary Shelley, cujo nome é a repetição do nome de mãe que, ao morrer, abandonou-a.

A enorme criatura quase muda e grunhidora do cinema vem de outra fonte que também inspirou Mary: o golem. Muito comum na literatura alemã, o golem é um boneco de argila que ganha vida através de procedimentos cabalísticos ou alquímicos. Em quase todas as histórias, o criador perde o controle sobre sua muda criatura e é destruído por ela.

Literatura de terror alemã e alquimia eram assuntos tão conhecidos por Mary quanto o mito de Prometeu, outra de suas fontes. Em Frankenstein: ou o moderno Prometeu, a autora retrata o cientista Frankenstein como um Prometeu maligno, muito diferente do glorioso Prometeu libertado, de Percy Shelley. Mary preferiu ir contra o entusiasmo romântico pela ciência e sustentar a visão conservadora de seu pai: a ciência leva à perdição da humanidade originalmente boa.

Optando por uma vida discreta e laboriosa após a viuvez, Mary Shelley, essa moça originalmente boa, que leu e viveu mais do que seria de bom tom, conseguiu seu lugar como dama e escritora.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. Leia também "O Frankenstein de Mary Shelley".


Carla Ceres
Piracicaba, 13/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2011
01. Nerdcast e seu toque de Midas - 22/12/2011
02. Frankenstein e o passado monstruoso - 13/1/2011
03. Lendas e conspirações do 11 de setembro - 24/11/2011
04. Ilustres convidados - 19/5/2011
05. Viagens e viajantes - 10/2/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/1/2011
11h02min
De todos livros que já li, sem dúvida alguma, "Frankenstein" foi um dos melhores. Há algo de universal na história, no medo de perder o reconhecimento da família ou algo assim, além de todo o suspense e o drama, que faz com que você comece a ler e queira saber sempre o que vem depois. No entanto, acho esse um livro mal entendido em termos de cinema, a considerar suas adaptações. O livro é de terror, mas é menos um terror físico do que emocional (embora tenha lá suas descrições da criatura, assombrosas). O drama é muito forte, a carga emocional é imensa. Não por acaso, foi talvez o livro mais forte que já li (tirando "As flores do mal", de Baudelaire - que nem aguentei ler todo). Recomendo-o de coração aos que sei que apreciam uma boa história para sentir e refletir, e não apenas "viajar".
[Leia outros Comentários de Alexandre Maia]
21/5/2013
16h30min
Ela, me lembrou do Foucault e o que ele achava da disciplina: "um instrumento de dominação e controle destinado a suprimir ou domesticar os comportamentos divergentes." - acho que le pode estar certo!
[Leia outros Comentários de Joe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINCANDO COM FOGO
GORDON RANSAY
BEST SELLER
(2010)
R$ 30,00



METODOLOGIA PARTICIPATIVA: UMA INTRODUÇÃO A 29 INSTRUMENTOS
MARKUS BROSE
TOMO EDITORIAL
(2010)
R$ 47,00



DICIONÁRIO BÁSICO ESCOLAR DE FILOSOFIA - 1ª ED. - MAIS DE 360 VERBETES
MARLY N. PERES
GLOBAL
(2013)
R$ 49,95



DOUBLE TAKE: AN FBI THRILLER FIRST TIME IN PAPERBACK
CATHERINE COULTER
BERKLEY
(2008)
R$ 31,28



CONSTRUÇÃO DA INTELIGÊNCIA PELA CRIANÇA
MARIA DA GLÓRIA SEBER
SCIPIONE
(1995)
R$ 10,00



PROCESSO PENAL - PERGUNTAS E RESPOSTAS
CAPEZ FERNANDO
SARAIVA
(2008)
R$ 26,28



FESTA NO CEU
MATEUS RIOS; MARIA VIANA
POSITIVO LIVROS
(2013)
R$ 25,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO . MARCELO ALEXANDRINO
METODO
(2009)
R$ 50,00



CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 26,91
+ frete grátis



A ESCOLA EM CUBA - IMPRESSÕES DE UMA EDUCADORA BRASILEIRA
TANIA ZAGURY
BRASILIENSE
(1988)
R$ 11,49





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês