Frankenstein e o passado monstruoso | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/1/2011
Frankenstein e o passado monstruoso
Carla Ceres

+ de 6000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Fingir ignorância sobre fatos constrangedores é regra fundamental para o convívio em sociedade. Pessoas elegantes devem fazer vistas grossas aos maus passos de seus pares que tiverem o bom senso de regenerar-se. A desvantagem é que, com o tempo, a fineza cria um passado "como deveria ter sido" e dificulta a contextualização de certos acontecimentos.

Antes de enviuvar e tornar-se uma verdadeira dama, a escritora Mary Shelley escandalizou a sociedade britânica na segunda década do século XIX. Aos dezessete anos, fugiu com o amante e futuro marido, o poeta Percy Bysshe Shelley, cuja esposa estava grávida, e fez parte do círculo de artistas malvistos cujo centro era Lord Byron.

Aos dezenove, Mary começou a escrever a novela Frankenstein: ou o moderno Prometeu. A primeira edição saiu dois anos depois, sem o nome da autora, mas com uma dedicatória a seu pai, o eminente filósofo anarquista William Godwin, e um prefácio de Percy Shelley.

Embora considerado repulsivo, chocante, assustador e de mau gosto, o livro obteve grande sucesso e críticas elogiosas de pessoas que o supunham trabalho de Godwin ou de Percy Shelley. Mesmo com a revelação da identidade da autora, muitos preferiram continuar imaginando que Mary, uma jovenzinha de pouca instrução formal, recebera o livro de presente do pai ou do marido.

Mulheres jovens que escrevem bem costumam causar espanto, mas são menos incomuns do que se imagina. Na literatura brasileira, temos Rachel de Queiroz e Clarice Lispector. Ambas escreveram seus livros de estreia aos dezenove anos. Entre os homens, os exemplos são mais numerosos em toda a literatura universal.

No caso de Mary Shelley, ainda há quem acentue a participação do marido no aprimoramento do texto, mas, hoje em dia, a interpretação mais popular diz que Mary foi uma garota que escreveu uma história espantosa "quase por milagre". Para a recatada sociedade inglesa, considerar a gênese do livro um mistério é mais um sinal de elegância do que uma opinião digna de crédito. Seria chocante admitir que uma jovem nobre possuísse bagagem cultural e vivência suficientes para conceber tamanha monstruosidade. A própria Mary contribuiu para essa visão mágica, atribuindo a origem da história a um pesadelo.

Suas fontes, no entanto, aparecem claramente no livro. Escritores, filósofos, poetas e historiadores, que Mary estudou sob orientação do pai e de professores particulares, surgem com nome, sobrenome e títulos de obras, nos longos discursos do monstro de Frankenstein. Uma educação formal dificilmente faria melhor pela criação de uma escritora. Godwin criou a filha para ser independente, seguindo, até certo ponto, os ideais da mãe de Mary, a escritora Mary Wollstonecraft, filósofa pioneira do feminismo, que morreu de infecção generalizada, dez dias após o nascimento da filha.

O túmulo de Mary Wollstonecraft era um dos locais onde Mary costumava encontrar-se com o amante Percy Shelley, mas a orfandade, que provocou um fascínio pela vida e as obras maternas, não foi sua maior tristeza. Ao fugir com Percy, em viagem pela Europa, tornou-se uma pária. Passaram necessidades, sofreram com doenças e enfrentaram a perda de uma filha prematura que levou Mary a profunda depressão.

Vale lembrar que "Frankenstein" é o sobrenome do cientista criador do monstro. Outro ponto interessante é que, no livro, o monstro fala até demais. É um ser sem educação formal, abandonado pelo criador, injustiçado pela sociedade e dono de uma lábia espantosa. Muito parecido com a própria Mary Shelley, cujo nome é a repetição do nome de mãe que, ao morrer, abandonou-a.

A enorme criatura quase muda e grunhidora do cinema vem de outra fonte que também inspirou Mary: o golem. Muito comum na literatura alemã, o golem é um boneco de argila que ganha vida através de procedimentos cabalísticos ou alquímicos. Em quase todas as histórias, o criador perde o controle sobre sua muda criatura e é destruído por ela.

Literatura de terror alemã e alquimia eram assuntos tão conhecidos por Mary quanto o mito de Prometeu, outra de suas fontes. Em Frankenstein: ou o moderno Prometeu, a autora retrata o cientista Frankenstein como um Prometeu maligno, muito diferente do glorioso Prometeu libertado, de Percy Shelley. Mary preferiu ir contra o entusiasmo romântico pela ciência e sustentar a visão conservadora de seu pai: a ciência leva à perdição da humanidade originalmente boa.

Optando por uma vida discreta e laboriosa após a viuvez, Mary Shelley, essa moça originalmente boa, que leu e viveu mais do que seria de bom tom, conseguiu seu lugar como dama e escritora.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. Leia também "O Frankenstein de Mary Shelley".


Carla Ceres
Piracicaba, 13/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
03. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
04. No encalço do Natal de Elisa Andrade Buzzo
05. Do outro lado, por Mary del Priore de Ricardo de Mattos


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2011
01. Nerdcast e seu toque de Midas - 22/12/2011
02. Ilustres convidados - 19/5/2011
03. Frankenstein e o passado monstruoso - 13/1/2011
04. Lendas e conspirações do 11 de setembro - 24/11/2011
05. Música e humor - 2/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/1/2011
11h02min
De todos livros que já li, sem dúvida alguma, "Frankenstein" foi um dos melhores. Há algo de universal na história, no medo de perder o reconhecimento da família ou algo assim, além de todo o suspense e o drama, que faz com que você comece a ler e queira saber sempre o que vem depois. No entanto, acho esse um livro mal entendido em termos de cinema, a considerar suas adaptações. O livro é de terror, mas é menos um terror físico do que emocional (embora tenha lá suas descrições da criatura, assombrosas). O drama é muito forte, a carga emocional é imensa. Não por acaso, foi talvez o livro mais forte que já li (tirando "As flores do mal", de Baudelaire - que nem aguentei ler todo). Recomendo-o de coração aos que sei que apreciam uma boa história para sentir e refletir, e não apenas "viajar".
[Leia outros Comentários de Alexandre Maia]
21/5/2013
16h30min
Ela, me lembrou do Foucault e o que ele achava da disciplina: "um instrumento de dominação e controle destinado a suprimir ou domesticar os comportamentos divergentes." - acho que le pode estar certo!
[Leia outros Comentários de Joe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Analise de Crédito e Risco
Chrystian Marcelo Rodrigues
Ibpex
(2011)



Alô Chics - Etiqueta Contemporânea
Gloria Kalil
ediouro
(2007)



Guia prático de Astrologia
Bel-Adar
Pensamento
(1993)



Coleção de Olho no Mundo Corpo Humano (2000)
Abril
Abril
(2000)



Fala Serio, Pai!
Thalita Rebouças
Rocco Jovens Leitores
(2013)



João Pernambuco - a Arte de um Povo
José de Souza Leal / Artur Luiz Barbosa
Funarte
(1982)



Fenômenos Pseudo-reais
Edson Orphanake
tríade
(1990)



Formaturas Infernais
Meg Cabot
Galera
(2009)



As 75 Melhores Decisões Administrativas de Todos os Tempo
Stuart Crainer
Manole
(2002)



Quem me dera ser felix
Júlio Wmilio Braz
Do Brasil
(2001)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês