Frankenstein e o passado monstruoso | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/1/2011
Frankenstein e o passado monstruoso
Carla Ceres

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Fingir ignorância sobre fatos constrangedores é regra fundamental para o convívio em sociedade. Pessoas elegantes devem fazer vistas grossas aos maus passos de seus pares que tiverem o bom senso de regenerar-se. A desvantagem é que, com o tempo, a fineza cria um passado "como deveria ter sido" e dificulta a contextualização de certos acontecimentos.

Antes de enviuvar e tornar-se uma verdadeira dama, a escritora Mary Shelley escandalizou a sociedade britânica na segunda década do século XIX. Aos dezessete anos, fugiu com o amante e futuro marido, o poeta Percy Bysshe Shelley, cuja esposa estava grávida, e fez parte do círculo de artistas malvistos cujo centro era Lord Byron.

Aos dezenove, Mary começou a escrever a novela Frankenstein: ou o moderno Prometeu. A primeira edição saiu dois anos depois, sem o nome da autora, mas com uma dedicatória a seu pai, o eminente filósofo anarquista William Godwin, e um prefácio de Percy Shelley.

Embora considerado repulsivo, chocante, assustador e de mau gosto, o livro obteve grande sucesso e críticas elogiosas de pessoas que o supunham trabalho de Godwin ou de Percy Shelley. Mesmo com a revelação da identidade da autora, muitos preferiram continuar imaginando que Mary, uma jovenzinha de pouca instrução formal, recebera o livro de presente do pai ou do marido.

Mulheres jovens que escrevem bem costumam causar espanto, mas são menos incomuns do que se imagina. Na literatura brasileira, temos Rachel de Queiroz e Clarice Lispector. Ambas escreveram seus livros de estreia aos dezenove anos. Entre os homens, os exemplos são mais numerosos em toda a literatura universal.

No caso de Mary Shelley, ainda há quem acentue a participação do marido no aprimoramento do texto, mas, hoje em dia, a interpretação mais popular diz que Mary foi uma garota que escreveu uma história espantosa "quase por milagre". Para a recatada sociedade inglesa, considerar a gênese do livro um mistério é mais um sinal de elegância do que uma opinião digna de crédito. Seria chocante admitir que uma jovem nobre possuísse bagagem cultural e vivência suficientes para conceber tamanha monstruosidade. A própria Mary contribuiu para essa visão mágica, atribuindo a origem da história a um pesadelo.

Suas fontes, no entanto, aparecem claramente no livro. Escritores, filósofos, poetas e historiadores, que Mary estudou sob orientação do pai e de professores particulares, surgem com nome, sobrenome e títulos de obras, nos longos discursos do monstro de Frankenstein. Uma educação formal dificilmente faria melhor pela criação de uma escritora. Godwin criou a filha para ser independente, seguindo, até certo ponto, os ideais da mãe de Mary, a escritora Mary Wollstonecraft, filósofa pioneira do feminismo, que morreu de infecção generalizada, dez dias após o nascimento da filha.

O túmulo de Mary Wollstonecraft era um dos locais onde Mary costumava encontrar-se com o amante Percy Shelley, mas a orfandade, que provocou um fascínio pela vida e as obras maternas, não foi sua maior tristeza. Ao fugir com Percy, em viagem pela Europa, tornou-se uma pária. Passaram necessidades, sofreram com doenças e enfrentaram a perda de uma filha prematura que levou Mary a profunda depressão.

Vale lembrar que "Frankenstein" é o sobrenome do cientista criador do monstro. Outro ponto interessante é que, no livro, o monstro fala até demais. É um ser sem educação formal, abandonado pelo criador, injustiçado pela sociedade e dono de uma lábia espantosa. Muito parecido com a própria Mary Shelley, cujo nome é a repetição do nome de mãe que, ao morrer, abandonou-a.

A enorme criatura quase muda e grunhidora do cinema vem de outra fonte que também inspirou Mary: o golem. Muito comum na literatura alemã, o golem é um boneco de argila que ganha vida através de procedimentos cabalísticos ou alquímicos. Em quase todas as histórias, o criador perde o controle sobre sua muda criatura e é destruído por ela.

Literatura de terror alemã e alquimia eram assuntos tão conhecidos por Mary quanto o mito de Prometeu, outra de suas fontes. Em Frankenstein: ou o moderno Prometeu, a autora retrata o cientista Frankenstein como um Prometeu maligno, muito diferente do glorioso Prometeu libertado, de Percy Shelley. Mary preferiu ir contra o entusiasmo romântico pela ciência e sustentar a visão conservadora de seu pai: a ciência leva à perdição da humanidade originalmente boa.

Optando por uma vida discreta e laboriosa após a viuvez, Mary Shelley, essa moça originalmente boa, que leu e viveu mais do que seria de bom tom, conseguiu seu lugar como dama e escritora.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. Leia também "O Frankenstein de Mary Shelley".


Carla Ceres
Piracicaba, 13/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leis de incentivo e a publicação independente de Pilar Fazito
02. A obra-prima de Raymond Chandler de Maurício Dias
03. Rembrandt na privada, por Jean Genet de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma análise sociossemiótica do trabalho de Adriana Baggio
05. O Conflito do Oriente Médio de Heitor De Paola


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2011
01. Nerdcast e seu toque de Midas - 22/12/2011
02. Frankenstein e o passado monstruoso - 13/1/2011
03. Ilustres convidados - 19/5/2011
04. Lendas e conspirações do 11 de setembro - 24/11/2011
05. Viagens e viajantes - 10/2/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/1/2011
11h02min
De todos livros que já li, sem dúvida alguma, "Frankenstein" foi um dos melhores. Há algo de universal na história, no medo de perder o reconhecimento da família ou algo assim, além de todo o suspense e o drama, que faz com que você comece a ler e queira saber sempre o que vem depois. No entanto, acho esse um livro mal entendido em termos de cinema, a considerar suas adaptações. O livro é de terror, mas é menos um terror físico do que emocional (embora tenha lá suas descrições da criatura, assombrosas). O drama é muito forte, a carga emocional é imensa. Não por acaso, foi talvez o livro mais forte que já li (tirando "As flores do mal", de Baudelaire - que nem aguentei ler todo). Recomendo-o de coração aos que sei que apreciam uma boa história para sentir e refletir, e não apenas "viajar".
[Leia outros Comentários de Alexandre Maia]
21/5/2013
16h30min
Ela, me lembrou do Foucault e o que ele achava da disciplina: "um instrumento de dominação e controle destinado a suprimir ou domesticar os comportamentos divergentes." - acho que le pode estar certo!
[Leia outros Comentários de Joe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PAIXÃO E COVARDIA
FRANK YERBY
DO BRASIL
R$ 8,65



O NOVIÇO
MARTINS PENA
KLICK
R$ 14,50



A PEQUENA SEREIA
BLU EDITORA
BLU
(2014)
R$ 11,60



UMA LONGA FILA DE HOMENS MORTOS
LAWRENCE BLOCK
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 10,00



PARLAMENTARISMO OU PRESIDENCIALISMO ? REPÚBLICA OU MONARQUIA ?
JOSÉ SERRA E OUTROS
CONTEXTO
(1993)
R$ 5,00



LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA COMPILADA
IVAN LUCAS DE SOUZA JÚNIOR
OBCURSOS
(2009)
R$ 6,00



INTRODUCTION TO OPERA
MARY ELLIS PELTZ (EDITOR)
BARNES & NOBLE
(1957)
R$ 24,28



CIÇO NA GUERRA DOS REBELDES
FLÁVIO PAIVA ILUSTRAÇÃO DE ANGELO ABU
CORTEZ
(2014)
R$ 60,40



COLETÂNIA DE DIREITO INTERNACIONAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL MINI-CÓDIGOS
VALÉRIO DE OLIVEIRA MAZZUOLI
RT
(2015)
R$ 9,80



ARQUIVOS BRASILEIROS DE MEDICINA NAVAL Nº 1
DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA
MINISTÉRIO DA MARINHA
(1992)
R$ 27,82





busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês