A Publicidade e Sua Idiotice Específica | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/4/2003
A Publicidade e Sua Idiotice Específica
Alessandro Silva

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A Folha de São Paulo está se gabando numa propaganda divulgada pelo rádio pelo seguinte privilégio: o único jornalista brasileiro em Bagdá, o Sérgio Dávila, pertence a sua agência.

Isso é espírito de porco; grosseria estúpida. Estamos falando de um momento solene da humanidade: estamos diante de uma guerra e não diante de uma conta de luz.

A Folha de São Paulo não merece respeito. No ano de 1998 seu caderno de cultura, o Mais!, nos fazia pensar. Eu descobri o poeta alemão Georg Trakl através desse caderno; e através dele a lógica paraconsistente do professor Newton da Costa.

O Mais!, atualmente, é veículo de uma estúpida propaganda política. Onde a política põem a mão, quando se começa escrever em defesa do povo, etc, não hesite em concluir: há algo de podre no reino da Dinamarca.

A propaganda acerba e desrespeitosa e o fato de veicular notícias políticas feitas sob medida é o corolário de um certo espírito: do espírito de porco.

A propaganda é mesmo coisa de idiota.

Quando Oliviero Toscanni, o xamã da publicidade criada pela Beneton, esteve aqui, os publicitários tiveram que rebolar diante de uma mesa redonda no programa Roda Viva para não passarem por singelos larápios.

Toscanni dizia a eles que a propaganda deve esclarecer além de vender. Um soldado ferido num campo de batalha vestindo uma calça tipo camuflada assinada pela Beneton: se isso não é menos idiota do que o espírito geral que povoa as agências de publicidade é no mínimo mais polêmico, mais inteligente: e o que interessa é o inteligente, o superior.

Naquela entrevista Toscanni superou todos. Ele dizia: se você quer vender um carro, avise de antemão aos clientes que o carro é uma bomba.

O carro é uma bomba, mas aqui no Brasil, Sr. Toscanni, os orangotangos apaixonados pela Fórmula 1 sempre o associam a coisas dessemelhantes: à mulher ou ao bem estar.

O carro é só uma utilidade: alguém já parou para pensar nisso?

Bem, o "Rei" Roberto Carlos - como o alcunha a Rede Globo -, não em pequena medida é responsável por essa associação de carro com bem estar. Suas letrinhas chinfrins são gratas a isso e povoam o imaginário popular.

Em um momento de sua entrevista, Toscanni citou o urinol enviado por Duchamp ao salão dos independentes. Toscanni tocou no nome do homem mais livre já conhecido por uma nação: o Sr. Marcel Duchamp.

Inclino-me a pensar que o Sr. Washington Oliveto jamais parou diante de um "Monet" que seja para apreciá-lo durante quinze minutos.

Oliveto é o símbolo de uma classe analfabeta arriscando a sorte: estão dentro de um país selvagem e ferozmente analfabeto, sem preocupação de aculturar-se. Eles não esperam por essa profecia: os livros estão chegando a qualquer gueto ( eu mesmo já doei alguns para rapazes de favela - doces e calmos como torpedos ).

Quando a cultura chegar às massas ela clamará por mais: por que a cultura vicia! E então a profecia será inevitável: essa classe nojenta a que pertence essa gentinha metida com publicidade, carros importados e cocaína, não poderá responder no plano intelectual aos anseios da massa aculturada.

No momento da revolução, dêem-me o meu fuzil e eu arrebento com os publicitários: deixe essa casta comigo; deixe também o Chiquinho Scarpa e sua gentinha fedida; deixe os apresentadores de televisão e os ricaços entediados dos Jardins...

A publicidade produzida pelos vendedores de cueca da Mash tem algo de insólito.

Num outdoor, em plena via Anchieta, está debruçado o corpo musculoso de um jovem sobre uma loura magricela. Advinhem qual é a marca da cueca usada pelo varão?

Quase no rodapé do cartaz estão empilhadas essas palavras: "active, basic, class, soft".

Uma cueca carrega genitália; uma cueca é algo rude como uma alça de mala; uma cueca fica amarelada e cheira mal.

A propaganda é assim: ela quer transformar algo trivial em sensacional. Aliás, isso é bem típico dos norte-americanos, com seus aparelhos de ginástica e suas escovas para cabelo.

Os americanos batem o recorde ( os americanos sempre superam a todos em tudo: sem dúvida são os melhores, os mais desesperados e os menos equilibrados ).

Nos Estados Unidos da década da repressão ao consumo de álcool, uma leva de gente culta deixava o continente. Essas pessoas eram mais sensíveis que "o resto" e necessitavam de cultura e não de propaganda.

Sinclair Lewis escreveu "Babitt" para denunciar a explosão de consumo incentivado pela propaganda.

Um paradoxo: as torneiras do Sr. Babitt são perfeitas; mas as pessoas que usam essas torneiras são perfeitamente neuróticas.

As propagandas de cerveja associam o consumo do álcool com mulheres. As propagandas de cerveja brindam contra o patrão e contra os azares.

Elas não brindam aos alcoólatras solitários. Porra! Elas não brindam à angústia humana, à incomunicação, à impossibildade de amar, elas não brindam às mãos calejadas e mal-cheirosas de um lixeiro.

Você sabe leitor o que é ser um lixeiro? Você sabe o que é não poder dormir ao lado de uma mulher por que o cheiro do teu corpo é insuportável? Você sabe o que é correr atrás de um caminhão portando lixo nas mãos e transpirando como um porco sendo abatido?

Você sabe do que estou falando, leitor. Pois estou falando também da sua solidão. Você sabe: porque só pode ser mais ou menos feliz encondendo-se; escondendo o que sente, escondendo a pessoa que ama, escondendo sua idade, escondendo as tuas broncas, escondendo o teu grito, escondendo as tuas frustrações, escondendo a tua impaciência.

As agência de publicidade são laboratórios pérfidos.

O recém lançado 29,99 do escritor francês Michel Beibengder denuncia o negócio da publicidade.

Esses homens usam termos bélicos para articularem seu esquema de manipulação ideológica; para efetivarem a lavagem cerebral. São generais confabulando nas salas de reunião: sim, esses caras envolvidos com propaganda de cerveja, de automóveis ou escova de cabelo. Você, leitor, não passa de uma cabeça de gado; de um número numa planilha. Essa gente é nojenta.

Eu tive vontade de cuspir na cara de um sacana nojento que me disse que publicidade é arte.

Frases de efeito duvidoso, imagens para deleitar as moscas na sala não são arte. A arte, se é que Aristóteles - aquele estagirita insignificante responsável apenas pela ciência moderna - descobriu que a arte é resultado de um agir ( categoria moral ) e de um fazer ( categoria técnica ). Ora, a união desses princípios não se manifesta no "fazer publicidade". Fazer publicidade é como ganhar uma moça: trata-se de elogiar seus belos olhos para chegar ao seu belo olho.

Bem, o tal sacana me disse depois: você sabe, com lábia você vende até mesmo merda em lata.

Ah sim!, mas a economia do país precisa de combustível para aquecer-se, para que os homens tenham seus empregos coisa e tal.

Bem leitor, se você está raciocinando assim, eu peço que por favor compreenda o meu idealismo: porque eu não tenho como certo que o capital é necessário para a preservação da espécie.

Eu em meu idealismo específico me inclinaria a considerar qualquer outra forma de relacionamento econômico: anarquismo, comunismo ou utopismo. O certo é que Karl Marx precisa ser revisto: ele fez a crítica. O materialismo dialético explica tudo até um certo momento; até o ponto em que o homem toma as rédeas, até o momento moral: quem garante que um homem não vai roubar na divisão dos pães?

Portanto, enquanto escrevo esse artigo, estou olhando do alto da montanha para as civilizações passadas e tentando desanuviar o pesadelo da convivência humana. É evidente que nós, homens tardios na história, estamos moralmente falidos.

Não obstante, a própria imbecilização ideológica que acomete uma era inteira é que nos torna idealistas.

Devemos voltar a Friedrich Nietzsche: tudo foi pensando por ele; todas as nossas opiniões devem partir daquilo que foi pensado por ele. E isso porque ele era LIVRE: ele era um homem sem compromissos com porra nehuma; ele não era um jornalista da Folha de São Paulo; ele não era um marqueteiro, ele não era um general de dez estrelas que fica atrás da mesa com o cú na mão; ele era um homem, HUMANO, demasiado humano e que estava Além do Bem e do Mal: e ele abalou a Europa inteira: esse defunto é responsável até hoje por parir gênios inconformados.

Diante da indigência mental de nossa nação, quero concluir esse artigo com um apelo:

Empenhe, leitor, a porra da tua inteligência contra o charlatanismo, pois é desse mal que sofremos; nós brasileiros necessitamos de uma nação autêntica: nós necesitamos dos nossos heróis; vamos explodir as agências de publicidade, a literatura de auto-ajuda, Paulo Coelho, os programas de televisão e tudo que não brote de fonte pura. Nosso slogan:

BUSQUE NA GRANDE ARTE A ELEVAÇÃO: BUSQUE UM MEIO AUTÊNTICO DE SUBLIMAR A SUA VIDA.


Alessandro Silva
São Paulo, 9/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa de Tais Laporta
02. A fila sempre anda de Rafael Lima


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. Até tu, Raquel! - 12/11/2003
05. O Telhado de Vidro - 9/7/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2003
09h39min
Muito bem, Alessandro. Em parte, compartilho com suas idéias e, assim como você, me revolto (em alguns casos)com a hipocrisia reinante no universo da publicidade. Pense no óbvio, entretanto: em nosso mundo capitalista, as regras deste jogo são cruéis mas, paradoxalmente, nos fazem correr atrás do novo e do inédito em busca da constante revolução cultural. Somos seres ávidos por descobertas, ainda que estas sejam recicláveis. Acredito que a publicidade e o monstro que a gera - o consumismo - seja o preço que pagamos para não vivermos estagnados em um mundo atemporal. Há de se ter referências visuais, auditivas, olfativas, palativas e táteis para nos descobrirmos e nos localizarmos no tempo.
[Leia outros Comentários de Gláucia Branco]
1/5/2003
18h14min
Quando entrava no site da Globo.com e lia... "Não perca as melhores fotos da Guerra" achava isso a coisa mais absurda... parece q eles não tinham nem um pingo de consideração com os que estavam morrendo... claro que o site tem que divulgar, mas, utilizar de uma guerra para vencer outra é um ato de desrespeito e de violência verbal.
[Leia outros Comentários de Janine Rocha]
6/5/2003
15h43min
Hoje, é a publicidade. Ontem, foi a Igreja Católica. Sempre há alguém em cima muito interessado em dominar e dominar. Para isso, a maioria deve ser silenciada. Porém, uma coisa é "vero". Nunca a cultura e a existência humana foram tão banalizadas. Agora a ordem é imbecilizar a todos. Somos fadados a participar da burrice coletiva. Porém, em alguma fresta, naquele pequeno vão atrás da porta, a consciência nos estará obeservando. Atentamente. E seus olhos ardem.
[Leia outros Comentários de Izabela ]
7/5/2003
22h43min
Acho que Oliviero Toscani merece um advogado melhor. Stalimir
[Leia outros Comentários de Stalimir Vieira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês