Cartas Pônticas, de Ovídio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Segunda-feira, 16/9/2013
Cartas Pônticas, de Ovídio
Julio Daio Borges

+ de 7100 Acessos




Digestivo nº 494 >>> Ovídio, o mais versátil entre os poetas romanos, segundo a professora Zélia de Almeida Cardoso, foi exilado e não se sabe, até hoje, o motivo exato. Por determinação do próprio imperador Augusto, Ovídio teve de abandonar tudo em Roma e nunca mais pôde regressar. Cartas Pônticas são o testemunho, pungente, de seus anos de desterro, e do seu esforço, inútil, em voltar para casa. O volume de cartas de pouco mais de 150 páginas é lido arduamente, pois é triste o destino de quem foi condenado e para quem não resta chance de perdão. Ovídio, um gigante da literatura clássica romana, autor das Metamorfoses, contemporâneo de Virgílio e de Horácio, de repente se vê abandonado por seus conterrâneos. Endereça suas preces sobretudo aos poderosos, e aos influentes, de Roma, que poderiam interceder em seu favor. Mas a maior parte de suas cartas fica sem resposta... Qual seria a desgraça tão grande que o teria jogado nessa situação sem remédio? Peter Green, na longa e saborosa introdução à Arte de Amar ― um estudioso de Ovídio a vida toda ―, conclui que o poeta teria sabido de alguma intriga palaciana, contra o imperador, e não teria feito nada para evitar o pior. Ovídio estaria a par, segundo Green, de um verdadeiro atentado a Augusto e não teria se manifestado, donde a desconfiança de que tomaria parte... Nas Cartas Pônticas, não são poucas as vezes em que o poeta agradece por sua vida ter sido poupada. E como crimes de alta traição geralmente são punidos com a penal capital... Ao mesmo tempo, fica-se com a impressão, em outros trechos, de que a morte teria sido uma saída mais honrosa. Ovídio, avançado em anos (no que chamaríamos de "terceira idade"), é exilado num dos limites extremos do império. Numa faixa de guerra, entre bárbaros, onde sua poesia não lhe servia de nada e onde jamais iriam respeitá-lo por sua arte. Longe do conforto de Roma, em condições extremas e padecendo de males variados, o poeta grita por socorro, no dizer de hoje ― mas seu esforço... é vão. A grande recompensa, para quem lê, é que, mesmo na pior situação, a prosa de Ovídio brilha, e até rende poesia, apesar de seu caráter triste. Desiludido com aqueles que o bajulavam em seus dias de glória, por exemplo, escreve: "Arrebate-se a um espírito ávido a esperança de ganho e não se encontrará mais nenhum virtuoso". Sobre os "amigos" de outrora, registra: "A amizade, nume venerável em outros tempos, prostitui-se e, qual meretriz, se rende a quem a compra". Concluindo até sobre o amor: "Ninguém é amado a não ser aquele a quem a Fortuna é favorável". E descrente sobre uma mudança em sua sorte, reforça: "Quem sofreu um naufrágio também se horroriza com as águas tranquilas". Resumindo tudo assim: "(...)eu, traspassado pelos cruéis dardos da adversidade, não concebo senão melancolia em meu coração". E resignando-se: "A minha dor já chegou a converter-se num hábito"... A saudade dos amigos é, por vezes, transbordante: "Quando lembrares esses momentos, embora eu esteja ausente, estarei sempre diante de seus olhos, como se me acabasses de ver". E não são todos, absolutamente todos, que lhe voltam as costas: "Ainda quando alguns titubeiam e abandonam minhas sacudidas velas, tu permaneces como a única âncora de minha destroçada nave"... Ovídio, para a nossa surpresa, continua produzindo, e guarda esperanças, como poeta: "Eu, na verdade, que pereci para ti há muito tempo, esforço-me por não estar morto em meu talento". Mesmo tendo ciência de que "quase sempre as obras costumam aprazer após a morte de seu autor, porque a inveja costuma prejudicar os vivos e atacá-los com dente injusto"... E, como se falasse ao próprio Augusto, produz, involuntariamente, uma das mais belas justificativas da arte poética: "Nada há tão digno dos príncipes como a homenagem prestada através dos versos dos poetas. Os versos atuam como arautos de vossas glórias e impedem que a fama de vossos feitos seja passageira. Com a poesia, a virtude se torna duradoura e, livre do sepulcro, conserva o recordo da remota posteridade. A idade destruidora rói o ferro e a pedra e nada tem mais força que o tempo. Os escritos suportam os anos(...) É mais belo fornecer matéria aos poemas que compô-los, no entanto tu não podes abandonar inteiramente a poesia". A verdade é que mesmo abandonado por tudo e por todos, a poesia nunca abandonou Ovídio. E, mesmo quando ele sofre, nos deleitamos lendo-o.
>>> Cartas Pônticas
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Era uma vez Eike Batista (e o Brasil emergente) (Além do Mais)
02. Os Enamoramentos, de Javier Marías (Literatura)
03. The Shallows, by Nicholas Carr (Internet)
04. Música em 2000-2009 (Música)
05. Internet em 2000-2009 (Internet)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês