Introdução à história da filosofia, volume II, por Marilena Chaui | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 15/12/2010
Introdução à história da filosofia, volume II, por Marilena Chaui
Julio Daio Borges

+ de 11100 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 474 >>> Muitos filósofos acharam que tinham de escrever sua própria História da Filosofia. Ou dar sua versão da História. Uma das mais famosas, durante o século XX, foi a de Bertrand Russell. Escrita num inglês com laivos de latim, valorizava os antigos e os modernos, enquanto menosprezava a Idade Média. Russell não considerava filosofia alguém partir para a investigação com os resultados dados de antemão. E ter de conciliar investigação filosófica com verdades reveladas da religião. Aqui no Brasil, Marilena Chaui, nossa maior filósofa, está publicando, também, a sua história, que chega ao segundo volume agora. A filosofia, ao contrário da ciência, não é cumulativa, e sua história pode ser lida de vários pontos. Até porque muitos filósofos pretenderam inaugurar, do zero, uma nova filosofia. Chaui não é especialista em filosofia antiga, seu objeto de estudo, digamos assim, é Spinoza. Mas, neste volume, soube se apoiar sobre os ombros de profundos conhecedores, inclusive brasileiros, e atravessou, de maneira correta, o período que denomina "Escolas Helenísticas". Historicamente, são quase 400 páginas sobre a perda da hegemonia da Grécia, no mundo antigo, a ascensão de Alexandre, sua morte, e seu legado para o Ocidente, o helenismo. Embora considerado bárbaro, o jovem conquistador da Macedônia foi aluno de Aristóteles e fez questão de perpetuar a cultura da Grécia por onde passou. Graças a esse esforço, o Império Romano, e a filosofia que se desenvolveu durante seus séculos de dominação, até praticamente o cristianismo, é tributária do pensamento grego. A ponto de Hegel - Chaui observa - ignorar o período romano, afirmando que havia nele pouca investigação, tendo Roma produzido, no máximo, bons advogados e pensadores morais. Chaui, portanto, constrói a ponte, que vai desde Pirro, passando por Epicuro, pelo estoicismo grego, desembarcando na "filosofia que fala latim", de Cícero, e Lucrécio, até o estoicismo romano, de Sêneca, Epicteto e Marco Aurélio, terminando com os céticos Enesidemo e Sexto Empírico. O neoplatonismo ensaiaria seus primeiros passos, e a revalorização de Aristóteles, durante a Idade Média, viria na sequência. Pode soar estranho, para nós, um período em que Sócrates era mais lembrado que os dois outros monumentos da filosofia grega. Ocorre que a Academia havia perdido sua força, também o Liceu, e o período de guerras sangrentas, que começou com a do Peloponeso, se alimentou das conquistas romanas e se encerrou apenas com a queda do Império, exigiu um outro tipo de filosofia. Nesse ponto, o estoicismo, a "sabedoria", o equilíbrio (interno, para além do mundo externo, que desmoronava) era a única saída. Numa época de tantos estímulos, tantas possibilidades, tamanhas mudanças, como a nossa, ler os estóicos é uma experiência, no mínimo, interessante. Nossa rotina de incontáveis tarefas, inúmeros compromissos, infinitas "oportunidades" lhes pareceria exasperante. Ou, diante da nossa aparente confusão, lançariam apenas um olhar frio, mantendo-se imperturbáveis e preferindo a indiferença a ter de argumentar com seres tão infelizes. Marilena Chaui nos permite "trocar uma ideia" com pensadores desse calibre, que já conheciam as principais questões da vida, antes de Cristo.
>>> Introdução à história da filosofia, volume II
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Jornalismo Pós-Industrial, uma pesquisa da Columbia, com Clay Shirky (Imprensa)
02. Eu Maior, o filme de Fernando, Paulo e Marco Schultz e Andre Melman (Cinema)
03. Hitler e os Alemães, de Eric Voegelin, pela É Realizações (Além do Mais)
04. Julian Assange, o homem por trás do WikiLeaks (Internet)
05. Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/1/2011
13h20min
A Marilena Chaui só se deixa ler para procurar peças de humor involuntário como "... a teoria da relatividade mostrou que as leis da Natureza dependem da posição ocupada pelo observador... para um observador situado fora de nosso sistema planetário a Natureza poderá seguir leis completamente diferentes". Aprender o que com quem escreve isso, a não ser a rir?
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Positivismo Jurídico – Lições de Filosofia do Direito - 1ª Edição
Norberto Bobbio
Ícone
(1995)



Mundrackz - Coleção Piririca da Serra
Eva Furnari
Atica
(2001)



Fundamental Methods of Mathematical Economics
Chiang
International Students Edition
(1967)



Ri Melhor Quem Ri ... no Fim!
Telma Guimarães Castro Andrade
Do Brasil
(2005)



Deuses do Olimpo, Os: da Antiguidade aos Dias de Hoje
Barbara Graziosi
Cultrix
(2016)



A Fantástica Corrupção no Brasil
Mario Barros Junior
Do Autor
(1982)



De Olho Nas Penas
Ana Maria Machado
Salamandra
(1984)



Conversas Com Joao Carlos Martins
David Dubal
Green Forest do Brasil
(1999)



A Ditadura dos Cartéis: Anatomia de um Subdesenvolvimento
Kurt Rudolf Mirow
Civilização Brasileira
(1978)



Medidas Educacionais
Richard H. Lindeman
Globo
(1978)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês