Um clássico! | Spacca | Digestivo Cultural

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Restaurantes 2014 de Boni Amaral pela Casa da Palavra (2014)
>>> O Duelo: Churchill X Hitler: 80 dias cruciais para a Segunda Guerra Mundial de John Lukacs pela Jorge Zahar Editor (2002)
>>> E Se o Stand-up Virasse Livro de Maurício Meirelles pela Ediouro (2010)
>>> Cinco dias em Londres: negociações que mudaram o rumo da II Guerra de John Lukacs pela Jorge Zahar Editor (2001)
>>> Um Amante Moderno e Outras Histórias de D. H. Lawrence (david Herbert) pela Record/ RJ. (2019)
>>> Espantalhos de Lilian Fontes pela Relume Dumará (1994)
>>> A espionagem militar soviética de Viktor Suvorov pela Record (1984)
>>> Poesia lírica e indianista de Gonçalves Dias pela Ática (2006)
>>> Análise & Conjuntura/ Vol. 2/ Nº 1.- Jan./ Abril de 1987 de Fábricio Augusto de Oliveira/ Marcos Coimbra... pela Fundação João Pinheiro/ MG. (1987)
>>> Perestroika: novas ideias para o meu país e o mundo de Mikhail Gorbachev pela Best Seller (1988)
>>> KAMA SUTRA Vatsyayana de Richard Burton pela L&PM Editores (2006)
>>> O Mundo e Eu de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1978)
>>> Contos Universais - Volume 11. Coleção Para Gostar de Ler de Anton Tchekhov, Edgar Allan Poe, Franz Kafka, etc pela Ática (2004)
>>> O Mundo e Eu de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1963)
>>> Amor e Responsabilidade de João Mohana (médico e Sacerdote) pela Agir/ RJ. (1987)
>>> A política no interior das nações de Joseph La Palombara pela UnB (1982)
>>> O dissenso de Washington: notas de um observador privilegiado sobre as relações Brasil-Estados Unidos de Rubens Barbosa pela Agir (2011)
>>> Saara de Suzane Worcman pela Relume Dumara (2000)
>>> A Antecipação da Tutela Ex Officio de Fernando Luís França pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Música e Literatura de Federico Sopena pela Nerman (1989)
>>> Paz e guerra entre as nações de Raymond Aron pela UnB (1979)
>>> Palavra de Advogado de José Anchieta da Silva/ Autografado pela Del Rey/ Belo Horizonte (2012)
>>> Dez Anos da Lei de Arbitragem: Aspectos Atuais e Perspectivas... de Ana Paula Rocha do Bomfim (e outro): Coord. pela Lumen Juris (2007)
>>> Responsabilidade e Eticidade de José Jairo Gomes pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> A Era da Globalismo de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1996)
>>> História Sincera da República de Leôncio Basbaum pela Alfa-Omega (1985)
>>> Á Sombra de Hipocrates de Orlando de Albuquerque pela Appacdm (1995)
>>> Psicologia del Niño de Jean Piaget - Bärbel Inhelder pela Ediciones Morata, Madrid (1969)
>>> História da Literatura: Oriental, Grega, Latina... S/ Versificação de Marques da Cruz pela Comp. Melhoramentos de SP. (1933)
>>> Cenário Mundial - A Nova ordem Internacional de Cláudio Vicentino , Reinaldo Scalzaretto pela Scipione (1992)
>>> Sexualidade da Mulher Brasileira: Corpo e Classe Social no Brasil de Rose Marie Muraro (e Cola boradores) pela Vozes/ Petrópolis (1983)
>>> Desigualdade Reexaminada de Amartya Sen pela Record (2001)
>>> Eclipse de Lua um Dossiê Sobre a Menopausa de Alberto Goldin pela Relume (1994)
>>> Religião e Politização no Brasil ´A Igreja e o regime Autoritário de Thomas c. Bruneau pela Loyola (1979)
>>> Facts About Israel de Edited By Ellen Hirsch pela Israel Information Center (1996)
>>> Clássicos da Educação Brasileira- Volume 1 de Maria do Carmo Xavier: Organizadora pela Mazza/ Fapemig (2010)
>>> Marxismo Vivo - Revista N: 18 -Crise dos Alimentos -O Imperialismo e a fome -Campo Argentino , A rebelião dos ricos divide a esquerda de Revista Marxismo Vivo pela Marxismo Vivo (2008)
>>> Ritos de Passagem da Nossa Infância e Adolescência de Fanny Abramovich: Organização pela Summus Editorial (1985)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Sociologia & Administração de Reinaldo Dias pela Alínea (2001)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos: ... Contos Psicanalíticos Verídicos de Robert Lindner pela Imago (1972)
>>> Cousteau-Uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Sexologia Forense de Orlando Soares pela Lfb (1996)
>>> Ética de Newton Bignotto e outros pela Companhia das Letras (1993)
>>> Nanook - Ele está chegando de Gustavo Bernardo pela Rocco (2016)
>>> Design e comunicação visual de Bruno Munari pela Martins Fontes (2006)
>>> Do Luxo ao Fardo de Pedro Salem pela Relume Dumara; (2004)
>>> Administração , Poder e Ideologia de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> O caçador de pipas de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2005)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quinta-feira, 3/3/2005
Um clássico!
Spacca

+ de 4300 Acessos

Era uma criança talentosa, inteligente e metida. Gostava de dizer que só gostava de música clássica. (Na verdade, viria a saber mais tarde, gostava mesmo é de música sinfônica, barulhenta, os tais clássicos populares, Tchaikowsky com tiros de canhão, Beethoven surdo martelando os quatro acordes da Quinta Sinfonia.) Quanto à TV, via de tudo - mas assistia com gosto especial às adaptações de clássicos da literatura em desenho animado: Dickens, Verne. Livrinhos escritos para adolescentes transmitiam ao garoto o essencial de Poe e Dante, filtrados pela prosa de Carlos Heitor Cony.

Um dia, o menino se deparou com um clássico integral, Moby Dick de Herman Melville em edição sem cortes. Um catatau de uma polegada de expessura. Descobriu então duas coisas: primeiro, que andara consumindo gato por lebre, e os clássicos em versão digestiva perdem muito do sabor original; e segundo, que os clássicos são longos demais e certamente foram escritos para leitores de outra época.

Percebeu então a importância que a simples palavra "clássico" parecia ter. Ele queria sentir-se "clássico", por isso consumia "clássicos", ou seus simulacros. Diante de si, só via duas alternativas: continuar com os resumos, ou enfrentar as leituras originais.

Em literatura, percebeu que os originais são insubstituíveis, e que uma versão reduzida é na verdade um novo original. Em filosofia, constatou que os resumos são úteis, mas podem falar mais do resenhista do que da obra.

O tempo passou; aos vinte e poucos anos, descobriu-se nostálgico, entre amigos, relembrando desenhos animados e seriados "antigos" da sua infância. Columbo? Um clássico. Jornada nas Estrelas, então, o clássico dos clássicos.

Uma música publicitária de café é saboreada com ares veteranos de quem degusta uma bebida rara. Como podem? Com tão pouca idade? O ser humano mimetiza tudo, até a nostalgia dos mais velhos.

Vejo hoje o "clássico" como um rótulo algo semelhante ao cult. Talvez o cult seja mais gratuito, e uma certa produção cultural vira cult quando um grupo de fomentadores culturais decidem que ela seja, e o "clássico" seria mais o resultado de um processo mais longo e menos consciente.

Ambos têm uma espécie de aura; para algumas pessoas, uma música disco ou um sucesso da Buzina do Chacrinha parecem relíquias valiosas, pedaços de uma era de ouro que não volta mais.

Um clássico é feito de componentes próprios e elementos exteriores; no que depende de si, é a combinação de elementos raros, às vezes reunidos com uma pitada de acaso ou acidente. Um livro clássico é o livro mais feliz de uma certa obra, aquele difícil de ser superado até pelo seu criador. O Príncipe de Maquiavel é um clássico, História de Florença é apenas leitura clássica. Raízes do Brasil é um clássico, Visão do Paraíso não é.

Podemos ter um evento memorável, um show inesquecível ou até mesmo um gol alçados à categoria de clássicos. Impossível repetí-los; só nos resta cultuá-los.

E quanto aos elementos exteriores, são a reação de seus contemporâneos e a releitura dos públicos futuros.

Um bom clássico deve cair no esquecimento e ser resgatado. Uma tribo de fãs e experts colecionam histórias de bastidores, criando um conhecimento organizado que orienta os novos membros. O primeiro disco do Ultraje a Rigor. Um clássico.

Hoje em dia os clássicos têm morte anunciada: diretores fazem "trilogias", cartunistas matam suas Mafaldas e Rebordosas. Saio da vida para entrar para a História; esqueço minha obra antes que me esqueçam (mistura de Dom João VI com Fernando Henrique Cardoso).

Leitores de filosofia tratam Aristóteles por seu apelido de "Estagirita", e sabem que Descartes descreveu seu método de pensar metodicamente aquecendo-se à lareira. Fãs de cinema sabem que Casablanca foi filmado aos trancos e barrancos com baixo orçamento.

Existe o clássico deliberadamente fabricado. O filme Os Caçadores da Arca Perdida fez uma apropriação dos antigos seriados de matinê e acabou se tornando um clássico. Walt Disney começou a fazer adaptações de clássicos da literatura infantil na série de desenhos "Silly Simphonies" e, com o passar do tempo, o texto publicitário que anunciava "mais um clássico Walt Disney" passou a significar que um filme Disney já nasce clássico.

O próprio Dom Quixote não é uma gozação com uma certa literatura clássica que se tornou mais clássico que os clássicos satirizados?

Enfim, parece que um clássico envolve muito conteúdo exterior ao próprio clássico, desde uma sensação subjetiva de importância e requinte por estar lendo/vendo/ouvindo um clássico, até discussões em grupo sobre o episódio em que o capitão Kirk estava de mal com Spok.

Em meio a tanto diálogo interior e exterior, nada como pegar um Clássico da estante e deixar que ele mesmo se comunique comigo. Chega de opiniões e discussões. Basta ajustar-me ao seu tempo; preparo o ambiente, isolo-me. Uma inteligência e sensibilidade de outra época estão me falando agora. Palavras escritas com precisão alargam meu mundo interior. Sinto-me privilegiado, enriquecido, eleito. Agora sou outro: mudei. AC, DC: antes do Clássico, depois do Clássico. Impossível traduzir, resumir, simplificar, igualar. Vou fazer uma busca no Orkut. Só quem leu o Clássico poderá me compreender agora.

A ameaça submarina de Bob Esponja
Eu não acreditava. Os sinais se-me-apresentavam, mas meu embotado espírito ignorou-os a todos. Chamam paranóico aquele que julga ver, por trás da aparência aparentemente inocente ou neutra da realidade tangível, a mão sinistra e omnipresente da Conspiração Mundial.

Mas os sinais não mais se escondem ou se disfarçam. Pior! A Conspiração encontrou o seu melhor disfarce, que é o disfarce nenhum. Anda à vista de todo o mundo, em primeiro plano, de modo que a realidade é que se esgueira pelas catacumbas, como os primeiros seguidores do Salvador!!! E citando com despudor o Mestre, o Mal também faz o convite: "Venham a mim as criancinhas!".

Os nomes dos inocentes personagens do desenho animado Bob Esponja, quando lidos de maneira apropriada, revelam a verdadeira intenção dos seus criadores. Enquanto isso não acontece, a mensagem subliminar lança nas mentes desguarnecidas das crianças as sementes do Mal. Repare que os coadjuvantes do Bob Esponja são respectivamente, uma Lula e uma Estrela.

1) Lula Molusco: "molusco" é um anagrama de "moscoul", ou seja, Lula Moscou.

2) Patrick Estrela: "estrelas" traz oculto o nome "alester", referente ao bruxo inglês Alester Crowley.

(Temos aí a ligação inequívoca de Lula - Moscou - Forças do Mal...)

3) Bob Esponja: "esponja" é um anagrama de "japones". Iludir-se-ia quem pensasse tratar-se de uma referência ao país dos nipônicos. Hélas! A realidade supera as profecias mais pessimistas... Um quarto do cérebro humano processa informações visuais. É no plano visual, portanto, que a mensagem subliminar faz mais efeito. O símbolo da bandeira japonesa é o sol... Vermelho! Ainda na simbologia cromática, poderíamos ressaltar a persistência com que personagens amarelos tomam de assalto o imaginário da petizada, tornando-os desde cedo dóceis ao maoísmo: a grotesca Família Amarela de cabeça serrilhada, o Monstro de Bolso que emitia sinais hipnóticos pela tela de TV, etc, etc, et coetera.

Teoria da Conspiração não existe, o que existe é a pura Conspiração, e só. Etimologicamente, um "desenho/anima/do" tem o desígnio (desenho) de confiscar a alma (anima) sem dó (do).

Apenas os programas de entretenimento sadio, que valorizam a Família, oferecem refúgio ao ataque submarino das Esponjas do Mal. João Cléber, Carlos Massa, Sérgio Mallandro e mais um punhado de comunicadores sociais - sabidamente caluniados e injustiçados pelo pensamento hegemônico dos guardiães do bom-gosto - oferecem à família um espelho salutar, com imagens reais de pessoas reais, com seus conflitos e esperanças.

A verdade dói - mas só a Verdade pode servir de contraponto ao turbilhão de ilusões que literalmente "des-anima" os indivíduos de amanhã...

Nota do Editor
Spacca é cartunista, quadrinhista, ilustrador e já quis ser animador Disney; hoje se contentaria em trabalhar na Pixar.


Spacca
São Paulo, 3/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Omissão de Ricardo de Mattos
02. Livrarias de Ricardo de Mattos
03. Humor x Desamparo de Carla Ceres
04. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra
05. Paixão e sucata de Daniela Kahn


Mais Spacca
Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A REENCARNAÇÃO DE PETER PROUD
MAX EHRLICH
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



O FACEBOOK COMO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM
ADRIANA ALVES NOVAIS SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



NOS PILOTES SUR LES ALPES 70 ANS DAVIATION MILITAIRE SUISSE - 8783
DOLF PREISIG - RONALD SONDEREGGER
EDITIONS 24 HEURES
(1984)
R$ 35,00



17 CONTOS DA NOVA LITERATURA BRASILEIRA (SÉRIE PARALELOS) - LITERATURA BRASILEIRA
VÁRIOS AUTORES
AGIR
(2004)
R$ 8,00



EL PATRON ORO: EN LA TEORIA Y EN LA PRACTICA
R. G. HAWTREY (CAPA DURA)
AGUILAR (MADRID)
(1951)
R$ 16,28



TRABALHADORES IDOSOS
WILLIAM VINICIUS KLEINPAUL, ANALIE NUNES COUTO UND NESTOR PEDRO ROOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ÁGAPE
PADRE MARCELO ROSSI
GLOBO
(1995)
R$ 5,90



MICHAEL KOHLHAAS
HEINRICH VON KLEIST
GRUA
(2014)
R$ 15,00



THE PRICE OF POWER
JAMES W. HUSTON
AVON BOOKS
(1999)
R$ 10,00



LIDIOMA GENTILE
EDMONDO DE AMICIS
FRATELLI TREVES MILÃO
(1920)
R$ 40,00





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês