Solaris, o romance do pesadelo da ciência | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Menina de Ouro: fantasmas e perdas
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/5/2003
Solaris, o romance do pesadelo da ciência
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos

Aproveitando o lançamento da nova versão cinematográfica, acaba de ser relançado no Brasil o romance Solaris, de Stanislaw Lem, pela editora Relume Dumará, com tradução de José Sanz.

Na orelha do livro, Bráulio Tavares chama a atenção para o parentesco entre Solaris e dois outros romances, um de Kafka (O Castelo) e o outro de Borges (A Biblioteca de Babel). O universo é realmente o mesmo. Mas no caso do romance de Stanislaw Lem, o pesadelo relaciona-se à ambição heróico-absurdo-científica e, por que não, mística, em se tentar conhecer os segredos do universo e, conseqüentemente, os segredos da vida.

Kelvin é um psicólogo que é convocado para visitar uma estação espacial que vive em órbita do planeta Solaris, para investigar os estranhos comportamentos dos três cientistas que ali estão para estudar o estranho planeta. Ao chegar a estação espacial, Kevin descobre que um dos astronautas suicidou-se e que os outros dois estão tomados pela paranóia. Descobre ainda que o estado deles é determinado pelo contato que têm tido com o planeta Solaris.

O romance é escrito de uma forma que lembra os livros de Kafka. Na descrição realista do ambiente e dos passos de cada personagem são implantadas situações extremamente estranhas no qual os personagens (e também os leitores) não sabem se estão dentro de um pesadelo ou se realmente a situação está acontecendo.

Kevin chega à estação espacial e encontra seus amigos cientistas tendo comportamentos inusitados, fruto de apreensões e medos que não querem revelar. Aos poucos, de forma sombria, acontecimentos que não podem ser esclarecidos começam a tomar a cabeça de Kevin. São aparições, barulhos, sombras, que o perseguem e vão tomando conta de sua mente. Tendo como resultado final a aparição de sua ex-esposa, que havia se matado por sua causa, muitos anos atrás. Ela começa a manter com ele um diálogo contínuo. Kevin não sabe se está sonhando e sendo tomado por pesadelos, ou se o que está ocorrendo é realmente real. O leitor também não sabe, e é levado, pouco a pouco, pelo livro e junto com seus personagens, a experimentar a sensação da loucura.

Esse é o grande mérito do livro: saber nos conduzir, junto com seus personagens, a estados alucinatórios de incompreensão, nos levando a experimentar a mesma sensação que os personagens experimentam: a total falta de controle sobre a realidade, a incompreensão das razões de vários fatos que os movem e a dúvida mais terrível que se pode ter, ou seja, se estamos apenas tendo um pesadelo ou vivendo realmente algo concreto.

Mais do que isso, o romance coloca uma grande questão: até que ponto nossa obsessão científica não passa apenas de um desdobramento da fé religiosa, fanática, de querer compreender o incompreensível, a fonte da vida ou seu sentido? Que motivos nos guiam em nossas empreitadas de construirmos milhões de bibliotecas de conhecimentos científicos, de fazermos experimentos da mesma natureza, onde gastamos vidas e quantias insuspeitadas de dinheiro, tentando colonizar o espaço em busca de uma explicação para a nossa existência?

Um dos cientistas diz a Kevin, numa das discussões sobre o sentido das investigações ao planeta Solaris: "Nós voamos através do cosmo preparados para tudo, isto é, a solidão, a luta, a fadiga e a morte. O pudor nos impede de proclamar isso, mas, em certos momentos, julgamo-nos admiráveis. No entanto, olhando com calma, nosso entusiasmo não passa de blefe. No queremos conquistar o cosmo, queremos apenas levar a Terra às fronteiras dele. Tal planeta será árido como o Saara, outro tão glacial como nossas regiões polares, outro tão luxuriante como a Amazônia. Somos humanitários e cavalheirescos, não queremos escravizar outras raças, queremos apenas transmitir-lhes nossos valores e, em troca, nos apoderamos de seu patrimônio. Consideramo-nos os Cavalheiros do Santo Contato. É outra mentira. Só nos interessa o homem. Não precisamos de outros mundos. Precisamos de espelhos. Não sabemos o que fazer dos outros mundos. Um único mundo, o nosso mundo, nos é suficiente, mas não o aceitamos como ele é. Procuramos uma imagem ideal do nosso próprio mundo. Saímos à procura de um planeta, de uma civilização superior à nossa, mas desenvolvida na base do protótipo de nosso passado primitivo."

Na impossibilidade de compreender Solaris, foram feitos requerimentos, que não se concretizaram, exigindo um ataque nuclear contra o planeta oceânico. O sentido desta atitude científica é explicada: "Essa represália teria sido mais cruel que uma vingança, pois significava destruir o que não compreendíamos". É, portanto, o horror ao desconhecido que movia as pesquisas ao planeta Solaris.

E esse tipo de comportamento é também explicado: "O homem partiu para a descoberta de outros mundos, de outras civilizações, sem ter explorado inteiramente seus próprios abismos, seu labirinto de corredores escuros e câmaras secretas, sem ter penetrado no mistério das portas que ele mesmo condenou.(...) Talvez... não sabemos nada, e isto é a única coisa que sabemos. (...) pensamos que nada pode ficar estranho a nós. Imbuídos dessa idéia, audaciosos e alegres, partimos à procura de outros mundos! E que iríamos fazer desses outros mundos? Dominá-los ou ser dominados por ele, era só isso o que havia nos nossos pobres cérebros! Ah! Quanto sofrimento inútil, quanto sofrimento inútil..."

É diante destas questões e pela incapacidade de compreender Solaris que os cientistas vão enlouquecendo na estação espacial. "Solitário, deixara-me arrastar pela confusa corrente de pensamentos noturnos. Levado pelos delírios do meu sonho acordado, havia perdido de vista a medida exata e a significação da realidade."

No final, Kevin, tomado também pelo desespero diante de sua incapacidade de compreender cientificamente Solaris, faz sua incursão no oceano cósmico, que é o que o planeta parece ser, como se mergulhasse no cerne da própria existência. Esta experiência fez brotar em sua mente os seguintes pensamentos: "Nunca antes eu sentira dessa maneira sua presença gigantesca, seu silêncio poderoso e intransigente, aquela força secreta que animava regularmente as ondas. Imóvel, com o olhar fixo, mergulhei num universo de inércia até então desconhecido, escorreguei ao longo de um declive irresistível, identifiquei-me com aquele colosso fluido e mudo, como se lhe tivesse perdoado tudo, sem a menor dificuldade, sem uma palavra, um pensamento."

Crente numa nova forma de percepção e conhecimento ele conclui, fechando-se numa entrega ao irracional: "Eu ignorava, ignorava tudo e persistia tendo fé em que o tempo dos milagres não havia passado".

A obstinação humana em conhecer o sentido da existência do universo e as razões de sua própria existência, parece nos dizer o livro Solaris, não poderá ser realizada de forma satisfatória se o homem não conhecer a si mesmo antes. Mas para isso, se a religião é pouco, a ciência é menos ainda.

A arte talvez chegue mais perto, mas se pensarmos com Schlegel, a verdadeira obra de arte é o próprio mundo: "Todo o sagrado jogo da arte é só uma cópia remota do infinito jogo do mundo, esta obra de arte que se cria a si mesma eternamente".

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni
02. Notas Obsoletas sobre os Protestos de Duanne Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Interpretação Sintética do Apocalipse
Cairbar Schutel
O Clarim
(1985)



Survive! (inglês) 2ªimp(2003)
Helen Brooke; Andy Parker (ilustrador)
Oxford
(2003)



Comédias para se ler na escola
Luis Fernando Verissimo
Objetiva
(2011)



A Doutrina Secreta - Vol. 5 - Ciência, Relig. - 1ª Ed./14ª Reimpressão
Helena Petrovna Blavatsky
Pensamento
(2015)



O Conhecimento dos Valores. Introdução Metodológica
Alfonso López Quintás
É Realizações
(2016)



Escritos Sobre Educação, Comunicação e Cultura
Nelson de Luca Pretto
Papirus
(2008)



A Revolução dos Campeões
Roberto Shinyashiki
Gente
(1995)



Nós, o povo: A revolução de 1989 em Varsóvia, Budapeste, Berlim e Praga
Timothy Garton Ash
Companhia das Letras
(1990)
+ frete grátis



200 Receitas União 2 Volume
União
União



A Mala Encantada
Hans Christian Andersen
Prazer de Ler
(2010)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês