Tradução e acesso | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 31/8/2012
Tradução e acesso
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3500 Acessos

Por estes dias, andei pensando muito em tradutores. Conheço alguns, pessoalmente, mas não muitos. Eu mesma sinto um prazer incontido quando me arvoro na tradução de alguma coisa. Mas o sentido que me vem (o sentimento, talvez) é o de estar fazendo algo muito bom pelo meu próximo. Se a Babel era uma espécie de punição, a tradução é a própria transgressão.

Dificilmente seremos poliglotas, democratica e popularmente, poliglotas. Que me perdoem os professores de língua inglesa, mais ainda os que dedicam suas vidas à pesquisa sobre o assunto, mas muito provavelmente seremos sempre um povo de uma língua só, no máximo transeuntes de um segundo idioma meio frouxo. Talvez sejamos sempre excluídos de um universo de falares variados, dando aos poucos que circulam por ali o título imponente de "privilegiados". Mas não estou me lamentando.

Na casa dos meus pais, uns anos atrás, diziam para nós que não precisávamos aprender inglês. Vive-se bem a vidinha nos arredores sem saber outra língua. Que nada, dinheiro gasto à toa. Contente-se com seu português, invista em usá-lo bem e estará feita. De certa forma, concordo com isso, ao menos na parte do português bem-aprendido. Já nas questões alienígenas, sei não. Bem que me faz falta um inglezinho mais bem-arranjado, um espanhol mais respeitável e um francezinho de vez em quando. E bem que tentei.

Para certas coisas, é preciso ter apoio, inclusive moral, quando não o financeiro. Os cursos de inglês que eu conhecia duravam mais de década e ainda deixavam muita gente só no "the book is on the table". Essa deve ser a expressão mais jocosa e mais famosa das piadas nacionais sobre o ensino de língua estrangeira.

Meus pais, que estudaram em disputadas escolas públicas, nos idos de 1950-60, aprenderam, e pra valer, inglês e francês, sem falar nas noções de música, hein. Eu cá, também numa escola pública, tive um inglês de boteco, um aninho raso de francês e algum período de música numa sala com piano. O que ficou?, talvez o leitor indague, quase nada, digo eu. Ou estarei sendo injusta?

Eu sei dizer que me chamo Ana, em francês. Bom, isso já alivia uma parte da conversa, caso eu a tenha. Fui fazer francês na faculdade e aprendi a ler. E li. Tudo numa tacada rápida, de curso instrumental. Mas outro dia tentei ouvir uma palestra na língua de Roger Chartier e já não deu. No espanhol não acontece coisa tão grave porque é língua muito mais hermana. No inglês, tenho a sorte de ter sido fã, muito fã, de rock.

Foi nesse amor vivido pelo rock'n'roll que descobri a tradução. A curiosidade de saber o que estava ouvindo e cantando me movia a traduzir aquelas letras, em geral horrorosas, para a minha língua, que tornava as frases bem maiores. Traduzir na raça, na mão, como não se faz hoje, com tanto translator à disposição. Traduzir com dicionário de bolso, tentando encaixar os sentidos meio na marra, vertendo ao português o que nem sempre tinha explicação.

Vez ou outra, me aventuro a traduzir um texto inteiro, dos grandes, para ajudar meus alunos. Mesmo na pós-graduação, eles chegam mais crus do que eu na leitura de textos originais que serão importantes para sua formação. Não sei se fazendo um desserviço ou não, traduzo o texto para abrir-lhes o acesso, num sentimento forte de que "não posso ficar com isso só para mim". É nesse sentido que acho que os tradutores (especialmente os profissionais, o que não é meu caso, claro) são anjos cheios de vozes, tagarelas abençoados que nos ajudam, os tartamudos, a entrar pela senda dos textos e dos conhecimentos sem tantos tropeços.

Não contra-argumentem, por favor, dizendo que eu deveria incentivar as pessoas a aprender outra língua. É claro que incentivo. Não foram poucos os estudantes que correram ao Centro de Extensão ou a uma escola conveniada para lustrar seu parco inglês de colégio ou mesmo para iniciar a caminhada pelas línguas estrangeiras. É razoável a lista de estudantes que foram fazer alemão, diante da possibilidade do intercâmbio institucional. E aprendem, sofregamente, a falar aquela língua que não ouvimos nas rádios e nem temos o hábito de assistir pela TV. Mas enquanto não nos tornamos todos poliglotas, vou prestando meu serviço de outro lado, compartilhando com outros leitores o que acessei na língua vizinha ou na outra, bem distante.

Passeando em Porto Alegre, ouvi as pessoas contando da Argentina e falando palavras espanholadas. Atinei para uma questão tão importante quanto verdadeira: sou mineira, não faço fronteira com outro país, meus limites são todos em português, meus sotaques, meus falares. Por razões geográficas, políticas, históricas e, claro, educacionais, tenho comigo que não é coisa do dia a dia ter de participar de mais de um universo. Minhas lacunas em relação a isso são resultado da falta de investimento, claro, mas também de não saber que, um dia, me tornaria uma viajante, transitando por lugares onde meu português não ecoa (principalmente o português). Um improviso que me custa, às vezes, o desentendimento, a mudez e a interrupção. No entanto, continuo fazendo a apologia do tradutor, esse falante múltiplo, capaz de tapar com um tapete macio um chão que me pareceria de espinhos.

A tradução deveria fazer parte de políticas de acesso, assim como as outras: a arquitetura, a usabilidade, o jornalismo científico. E é claro que me refiro à boa tradução, capaz de reduzir a opacidade de um texto estrangeiro. Porque a má tradução, ah, esta!, o diabo que a carregue.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 31/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
05. Reflexões de um desempregado de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ART OF AN AMERICAN ICON YOSEMITE
AMY SCOTT EDITOR
UNIVERSITY OF CALIFORNIA PRESS
(2008)
R$ 140,00



DAS LANGE LEBEN DES WEWAWU
WEWAWU
NÃO INFORMADO
R$ 50,00



DEUSES DE BARRO - 1ª EDIÇÃO
LLOYD C. DOUGLAS
JOSÉ OLYMPIO
(1941)
R$ 20,00



CHANGING
LIV ULLMANN
BANTAM BOOKS
(1977)
R$ 4,50



LEGISLAÇÃO DO FGTS
B. CALHEIROS BOMFIM (ORG)
TRABALHISTAS
(1999)
R$ 35,00



CRISE
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 46,75



KAIRÓS
MARCELO ROSSI; FÁBIO DE MELO
PRINCIPIUM
(2013)
R$ 4,00



QUEM TEM MEDO DE VAMPIRO?
DALTON TREVISAN
EDITORA ATICA
(1988)
R$ 10,00



CHADA - ROMANCE
ANTONIO CLARET LYRA
SEARA
(1994)
R$ 6,28



NÃO CONTE A NINGUÉM: TEM QUE VIVER
TÂNIA TONET E CHARLES TONET
BELAS LETRAS
(2011)
R$ 33,00
+ frete grátis





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês