Tradução e acesso | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O historiador das idéias
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
Mais Recentes
>>> Mistérios Divinos de Neil Gaiman e P. Craig Russel pela Devir (2006)
>>> HQ A Lenda do Batman - Batman e Filho de Bob Kane e Bill Finger pela Eaglemoss Collections (2017)
>>> Metade é Verdade, o Resto é Invenção de Pedro Antônio de Oliveira pela Formato (2007)
>>> HQ Os X-Men - Ameaça do Fanático! e A Origem do Professor X de Biblioteca Histórica Marvel vol. 2 pela Panini Books (2022)
>>> HQ O Espetacular Homem-Aranha - De Volta Ao lar de A Col. Oficial de Graphic Novels 21 pela Salvat (2013)
>>> Hq Homem-Aranha - O Nascimento de Venom de A Col. Definitiva Marvel 18 pela Salvat (2017)
>>> HQ Homem-Aranha - Inferno de A Col. Definitiva Marvel 28 pela Salvat (2018)
>>> HQ Os Novos Titãs - A Origem de Lilith de Marv Wolfman - José Luis pela Panini Comics (2019)
>>> HQ Homem-Aranha - O Rapto de Mary Jane de Col. Definitiva Marvel 24 pela Salvat (2018)
>>> HQ A Mulher Invisível - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel 16 de Marvel comics pela Salvat (2015)
>>> Para Tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 31/8/2012
Tradução e acesso
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Por estes dias, andei pensando muito em tradutores. Conheço alguns, pessoalmente, mas não muitos. Eu mesma sinto um prazer incontido quando me arvoro na tradução de alguma coisa. Mas o sentido que me vem (o sentimento, talvez) é o de estar fazendo algo muito bom pelo meu próximo. Se a Babel era uma espécie de punição, a tradução é a própria transgressão.

Dificilmente seremos poliglotas, democratica e popularmente, poliglotas. Que me perdoem os professores de língua inglesa, mais ainda os que dedicam suas vidas à pesquisa sobre o assunto, mas muito provavelmente seremos sempre um povo de uma língua só, no máximo transeuntes de um segundo idioma meio frouxo. Talvez sejamos sempre excluídos de um universo de falares variados, dando aos poucos que circulam por ali o título imponente de "privilegiados". Mas não estou me lamentando.

Na casa dos meus pais, uns anos atrás, diziam para nós que não precisávamos aprender inglês. Vive-se bem a vidinha nos arredores sem saber outra língua. Que nada, dinheiro gasto à toa. Contente-se com seu português, invista em usá-lo bem e estará feita. De certa forma, concordo com isso, ao menos na parte do português bem-aprendido. Já nas questões alienígenas, sei não. Bem que me faz falta um inglezinho mais bem-arranjado, um espanhol mais respeitável e um francezinho de vez em quando. E bem que tentei.

Para certas coisas, é preciso ter apoio, inclusive moral, quando não o financeiro. Os cursos de inglês que eu conhecia duravam mais de década e ainda deixavam muita gente só no "the book is on the table". Essa deve ser a expressão mais jocosa e mais famosa das piadas nacionais sobre o ensino de língua estrangeira.

Meus pais, que estudaram em disputadas escolas públicas, nos idos de 1950-60, aprenderam, e pra valer, inglês e francês, sem falar nas noções de música, hein. Eu cá, também numa escola pública, tive um inglês de boteco, um aninho raso de francês e algum período de música numa sala com piano. O que ficou?, talvez o leitor indague, quase nada, digo eu. Ou estarei sendo injusta?

Eu sei dizer que me chamo Ana, em francês. Bom, isso já alivia uma parte da conversa, caso eu a tenha. Fui fazer francês na faculdade e aprendi a ler. E li. Tudo numa tacada rápida, de curso instrumental. Mas outro dia tentei ouvir uma palestra na língua de Roger Chartier e já não deu. No espanhol não acontece coisa tão grave porque é língua muito mais hermana. No inglês, tenho a sorte de ter sido fã, muito fã, de rock.

Foi nesse amor vivido pelo rock'n'roll que descobri a tradução. A curiosidade de saber o que estava ouvindo e cantando me movia a traduzir aquelas letras, em geral horrorosas, para a minha língua, que tornava as frases bem maiores. Traduzir na raça, na mão, como não se faz hoje, com tanto translator à disposição. Traduzir com dicionário de bolso, tentando encaixar os sentidos meio na marra, vertendo ao português o que nem sempre tinha explicação.

Vez ou outra, me aventuro a traduzir um texto inteiro, dos grandes, para ajudar meus alunos. Mesmo na pós-graduação, eles chegam mais crus do que eu na leitura de textos originais que serão importantes para sua formação. Não sei se fazendo um desserviço ou não, traduzo o texto para abrir-lhes o acesso, num sentimento forte de que "não posso ficar com isso só para mim". É nesse sentido que acho que os tradutores (especialmente os profissionais, o que não é meu caso, claro) são anjos cheios de vozes, tagarelas abençoados que nos ajudam, os tartamudos, a entrar pela senda dos textos e dos conhecimentos sem tantos tropeços.

Não contra-argumentem, por favor, dizendo que eu deveria incentivar as pessoas a aprender outra língua. É claro que incentivo. Não foram poucos os estudantes que correram ao Centro de Extensão ou a uma escola conveniada para lustrar seu parco inglês de colégio ou mesmo para iniciar a caminhada pelas línguas estrangeiras. É razoável a lista de estudantes que foram fazer alemão, diante da possibilidade do intercâmbio institucional. E aprendem, sofregamente, a falar aquela língua que não ouvimos nas rádios e nem temos o hábito de assistir pela TV. Mas enquanto não nos tornamos todos poliglotas, vou prestando meu serviço de outro lado, compartilhando com outros leitores o que acessei na língua vizinha ou na outra, bem distante.

Passeando em Porto Alegre, ouvi as pessoas contando da Argentina e falando palavras espanholadas. Atinei para uma questão tão importante quanto verdadeira: sou mineira, não faço fronteira com outro país, meus limites são todos em português, meus sotaques, meus falares. Por razões geográficas, políticas, históricas e, claro, educacionais, tenho comigo que não é coisa do dia a dia ter de participar de mais de um universo. Minhas lacunas em relação a isso são resultado da falta de investimento, claro, mas também de não saber que, um dia, me tornaria uma viajante, transitando por lugares onde meu português não ecoa (principalmente o português). Um improviso que me custa, às vezes, o desentendimento, a mudez e a interrupção. No entanto, continuo fazendo a apologia do tradutor, esse falante múltiplo, capaz de tapar com um tapete macio um chão que me pareceria de espinhos.

A tradução deveria fazer parte de políticas de acesso, assim como as outras: a arquitetura, a usabilidade, o jornalismo científico. E é claro que me refiro à boa tradução, capaz de reduzir a opacidade de um texto estrangeiro. Porque a má tradução, ah, esta!, o diabo que a carregue.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 31/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Faxina na Arca de Noé de Daniel Bushatsky
02. Clássicos para a Juventude de Ricardo de Mattos
03. Vou tentar não ser piegas para falar de amigos de Ana Elisa Ribeiro
04. Ascensorista para o arranha-céu da literatura de Vicente Escudero
05. O Jovem Bruxo de Juliano Maesano


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Embaixador
Morris West
Record
(1965)



Paula de São Paulo 6ªedição (1997)
Mariângela Bueno, Sonia Dreyfruss
Callis
(1997)



Angel
Roberto Shinyashiki
Gente
(1993)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Manual de Tributos da Atividade Rural
Pedro Einstein dos Santos Anceles
Atlas
(2002)



O Homem Mais Rico da Babilônia
George S Clason
Harper Collins
(2019)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)



O Corcunda de Notre-dame série Reencontro
Victor Hugo (adaptação José Angeli)
Scipione
(2002)



Desenvolvimento e Mudança Social: Formação da Sociedade(1978)
Juarez Rubens Brandão Lopes
Scielo - Centro Edelstein
(1978)



Dizimo e Oferta na Comunidade
Antoninho Tatto
O Recado
(1983)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês