Heloisa Seixas e as pérolas absolutas | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/3/2004
Heloisa Seixas e as pérolas absolutas
Adriana Baggio

+ de 4800 Acessos

A pérola, por seu processo de formação, é uma metáfora conhecida para a capacidade do ser humano em transformar uma situação crítica em algo bom. De uma forma mais popular, o mesmo processo pode ser descrito pela tirada "fazer do limão uma limonada". Em seu sétimo livro, Pérolas absolutas (Record, 2003), Heloisa Seixas descreve o processo pelo qual duas mulheres se redescobrem depois de uma relação destrutiva com o mesmo homem.

A narrativa mostra que não dá para culpar apenas Anatole, o tal homem, pelos estragos causados na alma destas duas mulheres. De formas diferentes, ambas sofreram com o tipo de opressão psicológica que só as famílias podem impor aos seus membros. Opressão essa que se reflete nos caminhos que as duas seguiram.

A história se passa no espaço de 24 horas. No decorrer deste período, a narrativa alterna-se entre o presente e o passado de cada uma delas. Para o leitor, diferenciar quem está falando e em que tempo não é nada fácil. Mas parece ser essa a intenção da autora: não somente pelo conteúdo, mas também pela forma, fazer o leitor entrar na loucura de Sofia e Lídice, e ter contato com os monstros que assombram cada uma delas.

Parece que este tipo de narrativa polifônica e entrecortada está na moda, tanto no cinema quanto na literatura. Em relação ao primeiro, o exemplo mais recente é o filme 21 gramas, onde a história é contada alternadamente pelos seus diversos personagens, também em tempos alternados. A vantagem em relação ao livro é que, se o tempo fica indefinido, os personagens, não. A visualidade do cinema não existe na literatura, o que torna essa última expressão mais interessante para o jogo de esconde-esconde arquitetado pelos autores.

Em Pérolas absolutas é preciso acostumar-se com as personagens e com suas características para poder descobrir quem está falando. A autora facilita nossa vida ao criar (partindo-se do princípio de que se trata de ficção) uma personagem morena - Sofia, e outra loira - Lídice. Mas além delas, percebe-se na narrativa mais duas vozes: a de Lídia, gêmea esquizofrênica de Lídice, e um narrador em terceira pessoa, observador dos fatos, que poderia ser a própria autora. Apesar de afirmar conhecer as teorias literárias apenas superficialmente, Heloisa Seixas maneja com habilidade a polifonia e a ruptura do tempo, na medida certa para que a confusão do leitor desperte o interesse pela obra, mas sem que chegue ao ponto de abandoná-la por não compreendê-la.

A própria narrativa tem um pouco de esquizofrênica, e isso parece já fazer parte do estilo de Heloisa Seixas. Ela assume que a paixão, a loucura e a morte são temáticas comuns em suas obras. Assim como elementos que são quase como uma obsessão - os gatos, os velhos, os espelhos, os olhos, as portas, a lama. Em Pérolas absolutas todos esses elementos estão presentes. Um exercício interessante é buscar seus significados e, com essa informação, reler a participação deles no contexto da obra. Os dicionários de sonhos mostram que os gatos, por exemplo, podem representar um aviso de que se pratica ou se prepara uma traição. Sofia, a traída esposa de Anatole, tem uma gata. Sofia também interage com outro elemento extremamente simbólico, que é a lama. Como bióloga, ela vive pelos manguezais, que também representa o seu refúgio. A lama, no entanto, pode significar uma situação perigosa, pela qual ela passa no início da história ao se encontrar com Lídice: a sua rival, amante de Anatole, chega com uma arma, disposta a matá-la.

Lídice, por sua vez, vive uma relação extremamente desgastante e sufocante com sua mãe, que exagera a gravidade de suas doenças para chantagear emocionalmente a filha. Lídice sonha com a morte da mãe para se libertar. Oniricamente, a figura da mãe morta ou prestes a morrer representa a recuperação da saúde, o que no caso de Lídice é um sinal muito claro: liberta do jugo da mãe, ela poderia libertar-se também de seus demônios interiores e salvar-se da loucura que parece inerente à sua família.

Como numa tensão dialética, Sofia e Lídice encontram-se e percebem-se em síntese, como partes separadas que finalmente se juntam. A ausência de Anatole permite a elas essa união. Por dividirem o mesmo homem, Sofia e Lídice são "irmãs de sêmen", líquido nacarado que recobre as impurezas, o machucado, o ferimento, dando origem a pérolas absolutas. Em frente ao mar, como que para se reconciliarem com suas vidas, elas parecem ter encontrado a paz. Como o mar representa o aguardo de uma aventura amorosa, de algo novo em andamento, Sofia, Lídice, Lídia e Heloisa, "no derradeiro instante, querem ainda dizer que, apesar de todo pranto, todo horror e toda mágoa, esta é apenas - e acima de tudo - uma história de amor."

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 11/3/2004


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês