A Onda de Protestos e o Erro de Jabor | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Terça-feira, 25/6/2013
A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
Humberto Pereira da Silva
+ de 5000 Acessos

1.
Na edição de 12 de junho último do Jornal da Globo, o colunista Arnaldo Jabor fez severas críticas às manifestações pelo aumento da tarifa de transporte público em São Paulo, conduzidas pelo MPL (Movimento Passe Livre). Sem meias palavras, compara as ações dos jovens que impulsionaram as manifestações às da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), que assombraram a cidade em 2006 com toques de recolher e atos de violência que levaram à queima de dezenas de ônibus. Ao final, Jabor pontua que os jovens atuais são a caricatura violenta de um socialismo dos anos 50.

A repercussão dessas afirmações foi muito negativa. Sem dó nem piedade, entre as manifestações contrárias, a de que lhe faltou sensibilidade para problemas sociais de fato, de que sua compreensão do mundo não vai além de um palmo do nariz.

Atordoado, admitiu o erro em comentário na Rádio CBN, cinco dias depois. Na admissão de erro, se justifica ao dizer que viu inicialmente no movimento toda cara de anarquismo inútil, mas ao notar a violência da polícia admitiu estar diante de um movimento que expressa uma inquietação que tardara no país, e que se expandira como força política original porque lhe falta rumo definido.

2.
O jornalista Mario Magalhães, muito em evidência nos últimos meses por ter biografado o guerrilheiro Carlos Marighella, escreveu em seu blog sobre a atual onda de protestos. Ele toma por mote a reação violenta dos protestantes àqueles que, nos protestos, carregam bandeiras de partidos políticos, centrais sindicais, entidades estudantis ou movimentos sociais. Como Jabor, sem meias palavras, Magalhães os acusa de intolerantes, pois quem não gosta de livre expressão partidária é a ditadura.

Na sequência, ele lembra movimentos intolerantes na Alemanha de Hitler e, aqui no Brasil, a Ação Integralista Brasileira, versão tupiniquim do fascismo de Mussolini. Por fim, afirma que quem ataca militantes partidários o faz por ter escolhido o partido da Intolerância. Assim como Jabor, Magalhães foi enxovalhado de críticas; mas ao contrário de Jabor, até o momento ele não admitiu ter errado.

3.
O aumento da tarifa de ônibus acendeu o estopim. De reivindicação casual, rápido se espalharam por todo país reivindicações por melhorias na educação, no sistema de saúde, por esclarecimentos de gastos com obras para a Copa de 2014; enfim, reivindicações que apontam para a mudança de uma mentalidade que aceita passivamente atos de corrupção como se espera a próxima novela global. Como decorrência da ida do povo às ruas, a classe "bem pensante" foi solicitada a explicar o que estava ocorrendo e que rumo os acontecimentos tomarão.

O bom senso recomenda considerar que qualquer processo social em ebulição é marcado pelo entusiasmo, por contradições, extremismos, ou excessos, e que só o tempo demarca papéis, posições e o lugar de mocinhos e vilões na história. Assim, deve-se notar como o movimento da história escapa a avaliações ou prognósticos movidos por paixões.

A queda do muro de Berlim, assim como o desmoronamento dos regimes comunistas nos início da década de 1990, pegou de surpresa os intelectuais de ambos os lados do espectro político. Mais recentemente, a primavera árabe, que pôs fim a regimes longevos como o de Hosni Mubarak, no Egito, e de Muammar Gaddafi, na Líbia, nos ensina a ter um pé atrás com respeito a prever consequências ou jogar com slogans ou palavras de ordem. O entusiasmo pela democratização ficou para as calendas.

4.
Como muitos da "classe pensante", Jabor e Magalhães não estão imunes à tentação de ajuizar, apontar o dedo e, no caso deles por caminhos distintos, fazer comparações, separar mocinhos e vilões (tentação a que quem vos escreve, claro, não está protegido). Diante da onda de protestos que se espraiou pelo país nos últimos dias, no entanto, cabe apenas o risco de assumir a posição A ou B, sem qualquer garantia de que seja a certa. No risco, a certeza de se mover no fluxo dos acontecimentos; no risco, a certeza de que o tempo dirá o quanto de ingenuidade ou calhordice se esconde na escolha tomada.

5.
Magalhães pode ter exagerado na comparação. A intolerância nazista, ou mesmo integralista, tinha carga ideológica e estrutura interna que nem de longe se assemelham a atos isolados de skinheads, Carecas do ABC (citados por ele) ou quaisquer extremistas antipartidários nos dias de hoje. Ao fim e ao cabo, aquela intolerância era orquestrada, contaminava diferentes seguimentos sociais que conscientemente viam no totalitarismo o regime político ideal.

Não é o caso de pensar que as manifestações de intolerância nos grupos isolados de hoje sejam uma ameaça, de fato, à democracia. Esta, contudo, é apenas a suspeita de que Magalhães exagerou - os acontecimentos por vir dirão se ele foi tomado de paranoia ou clarividente para perceber o "ovo da serpente".

De qualquer forma, Magalhães não se viu compelido a repensar sua posição e Jabor sim. Mas, por que Jabor se viu constrangido a se retratar? E qual o sentido de sua retratação?

O que há em comum entre eles é que baixaram a guarda, tentados pela necessidade de marcar posição numa situação movida por paixões. A diferença é que Jabor nem de longe percebeu que não podia, sem cair em contradição, criticar a legitimidade de atos de protesto no Brasil e defender os da Turquia, o que também acabou fazendo em sua fala atabalhoada no Jornal da Globo. Assim, Jabor se viu compelido a se retratar porque, "inteligente", notou a guarda baixa. Ele subestimou a dimensão dos acontecimentos; seria absurdo desconectar a legitimidade da ida do povo às ruas na Turquia da no Brasil.

6.
Mas essa guinada não é tão simples como possa parecer: "fiz uma avaliação errada...". Se Jabor foi sincero ao dizer que errou, isso significa uma mudança de posição em sua forma de pensar, e não mero "erro de avaliação" numa situação isolada. Pensar tem seus caprichos; assumir uma posição conveniente, de acordo com as circunstâncias, tem nome: oportunismo, casuísmo, embuste, calhordice; recuar o pensamento não é o mesmo que recuar numa ação. Pensar implica assumir os riscos do pensamento, tão pouco flexível a torneios retóricos desde os embates entre Sócrates e os sofistas.

Na guinada de posição, ele necessariamente coloca em dúvida a forma como comentava assuntos do mesmo teor. Só desconhecendo completamente suas intervenções nas últimas décadas para não reconhecer que sua fala no Jornal da Globo reflete sua forma de pensar; ou alguém esperaria que ele dissesse algo diferente do que disse? Ou seja, apesar do atabalhoamento, lhe caberia ficar em silêncio ou reorganizar os argumentos e manter o que disse. A não ser, óbvio, que ele tenha visto uma luz e sofrido um ato de conversão.

A falsidade em sua admissão de erro será posta a prova, tão logo tenha de se manifestar sobre o que, antes, sabia-se bem que posição tomaria. Pois é, feitas as contas, Mario Magalhães se sai com crédito. Tendo errado ou não, ele mantém coerência numa situação em que, efetivamente, não se deve falar com leviandade. Caso Jabor não tenha, de fato, se convertido, para alguém inteligente como ele, inevitável afirmar que desdenha da inteligência daqueles a quem se dirige. Ao dizer e desdizer conforme as conveniências, ele se comporta como se estivesse na frente de crianças que tapam os olhos e, assim, imaginam ficar invisíveis.

Para muitos, os comentários de Jabor não têm credibilidade. Mas com o "ato falho" de agora, seus defensores só continuarão a lhe dar credibilidade se forem crianças, crentes no mundo de faz de conta.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 25/6/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
02. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
04. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
05. Na hora do batismo de Marta Barcellos


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
03. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para tão Longo Amor
Álvaro Cardoso Gomes
Moderna
(2005)



Horizonte Perdido
James Hilton
Circulo Do Livro



Pensar é Transgredir
Kya Luft
Record
(2004)



O Corpo Morto De Deus 473
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(2002)



Autores: Histórias da Teledramaturgia - Memória Globo 2 Volumes
Lilian Arruda; Mariana Campello Torres
Globo
(2008)
+ frete grátis



As Saias Calças
Françoise Dorin
Difel
(1985)



Adagiário Popular Açoriano - 2 Volumes
Armando Cortes Rodrigues
Antília
(1982)



Livro Sociologia Visões da Cidade As Formas do Mundo Espacial
Paolo Perulli
Senac
(2012)



O Reino do Dragão de Ouro
Isabel Allende
Bertrand Brasil
(2009)



O Paraiso Fica Perto
Leo Buscaglia
Record
(1995)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês