A Onda de Protestos e o Erro de Jabor | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rasgos de memória
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> No rala-rala
>>> Guerra de Egos
>>> Duas noites, dois momentos culturais
Mais Recentes
>>> Brida de Paulo Coelho pela Rocco (1990)
>>> Dolomiti de Guida turistica da vere fotografia a colori pela Rotalfoto
>>> Homer's Odyssey de Gwen Cooper pela Delacorte Press (2009)
>>> Vita, morte e miracoli di un pezzo di merda de Paolo Villaggio pela Mondadori (2002)
>>> La ragazza del ghetto de Sabino Acquaviva pela Marsilio (2011)
>>> Storie proprio cosí de Rudyard Kipling pela Edizione Integrale Mursia (1975)
>>> Engrenagem Matemática. Multiplicação de Vários Autores pela Catapulta (2007)
>>> Consulta Rápida Guia de Conversação de Readers Digest do Brasil pela Readers Digest do Brasil (2009)
>>> Top 10 Londres - Coleção Guia Visual de Folha de S. Paulo pela Folha de S. Paulo (2011)
>>> The Catcher in the Rye de J. D. Salinger pela Penguin Books (1994)
>>> Moderne Erzähler 1 de Vários Autores pela Ferdinand Schoningh Paderborn (1957)
>>> Die Wahlverwandt-Schaften de Johann Wolfagng Goethe pela DTV Gesamt ausgabe 19 (1989)
>>> Uwe johnson karsch und andere prosa de Nachwort W. M. Guggenheimer pela Shurkamp (1964)
>>> Deutsche Literatur der Gegenwart de Walter Jens pela Dtv (1964)
>>> Creative Divorce de Mel Krantzler pela A Signet Book (1975)
>>> Letras de Músicas Cavc Idiomas 2º Semestre 1999 de Vários Autores pela Cavc Idiomas (1999)
>>> Cinquanta sfumature di rosso de E L James pela Mondadori (2012)
>>> Diccionario de Bolsillo Portugués - Español - Español - Portugués de Lexicon Sopena pela Ramón Sopena (1978)
>>> Hausbuch fur die deutsche familie de Frankfurt pela Standesamtswesen (1956)
>>> Um Cidadão do Mundo que Ama a Paz de Sun Myung Moon pela Parma Gráfica (2012)
>>> Rainer Maria Rilke de J. F. Angelloz pela Nymphenburger Verlagshandlung - munchen (1955)
>>> Seleções de Livros 3 em 1 de Varios autores pela Reader's Digust
>>> Deutsch Fur Auslander 2 de Hermann Kessier pela Leichte (1955)
>>> Die jungfrau von orleans de Schiller pela Reclam (1961)
>>> Spider's Web de Agatha Christie pela Samuel French (2011)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Terça-feira, 25/6/2013
A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
Humberto Pereira da Silva

+ de 4300 Acessos

1.
Na edição de 12 de junho último do Jornal da Globo, o colunista Arnaldo Jabor fez severas críticas às manifestações pelo aumento da tarifa de transporte público em São Paulo, conduzidas pelo MPL (Movimento Passe Livre). Sem meias palavras, compara as ações dos jovens que impulsionaram as manifestações às da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), que assombraram a cidade em 2006 com toques de recolher e atos de violência que levaram à queima de dezenas de ônibus. Ao final, Jabor pontua que os jovens atuais são a caricatura violenta de um socialismo dos anos 50.

A repercussão dessas afirmações foi muito negativa. Sem dó nem piedade, entre as manifestações contrárias, a de que lhe faltou sensibilidade para problemas sociais de fato, de que sua compreensão do mundo não vai além de um palmo do nariz.

Atordoado, admitiu o erro em comentário na Rádio CBN, cinco dias depois. Na admissão de erro, se justifica ao dizer que viu inicialmente no movimento toda cara de anarquismo inútil, mas ao notar a violência da polícia admitiu estar diante de um movimento que expressa uma inquietação que tardara no país, e que se expandira como força política original porque lhe falta rumo definido.

2.
O jornalista Mario Magalhães, muito em evidência nos últimos meses por ter biografado o guerrilheiro Carlos Marighella, escreveu em seu blog sobre a atual onda de protestos. Ele toma por mote a reação violenta dos protestantes àqueles que, nos protestos, carregam bandeiras de partidos políticos, centrais sindicais, entidades estudantis ou movimentos sociais. Como Jabor, sem meias palavras, Magalhães os acusa de intolerantes, pois quem não gosta de livre expressão partidária é a ditadura.

Na sequência, ele lembra movimentos intolerantes na Alemanha de Hitler e, aqui no Brasil, a Ação Integralista Brasileira, versão tupiniquim do fascismo de Mussolini. Por fim, afirma que quem ataca militantes partidários o faz por ter escolhido o partido da Intolerância. Assim como Jabor, Magalhães foi enxovalhado de críticas; mas ao contrário de Jabor, até o momento ele não admitiu ter errado.

3.
O aumento da tarifa de ônibus acendeu o estopim. De reivindicação casual, rápido se espalharam por todo país reivindicações por melhorias na educação, no sistema de saúde, por esclarecimentos de gastos com obras para a Copa de 2014; enfim, reivindicações que apontam para a mudança de uma mentalidade que aceita passivamente atos de corrupção como se espera a próxima novela global. Como decorrência da ida do povo às ruas, a classe "bem pensante" foi solicitada a explicar o que estava ocorrendo e que rumo os acontecimentos tomarão.

O bom senso recomenda considerar que qualquer processo social em ebulição é marcado pelo entusiasmo, por contradições, extremismos, ou excessos, e que só o tempo demarca papéis, posições e o lugar de mocinhos e vilões na história. Assim, deve-se notar como o movimento da história escapa a avaliações ou prognósticos movidos por paixões.

A queda do muro de Berlim, assim como o desmoronamento dos regimes comunistas nos início da década de 1990, pegou de surpresa os intelectuais de ambos os lados do espectro político. Mais recentemente, a primavera árabe, que pôs fim a regimes longevos como o de Hosni Mubarak, no Egito, e de Muammar Gaddafi, na Líbia, nos ensina a ter um pé atrás com respeito a prever consequências ou jogar com slogans ou palavras de ordem. O entusiasmo pela democratização ficou para as calendas.

4.
Como muitos da "classe pensante", Jabor e Magalhães não estão imunes à tentação de ajuizar, apontar o dedo e, no caso deles por caminhos distintos, fazer comparações, separar mocinhos e vilões (tentação a que quem vos escreve, claro, não está protegido). Diante da onda de protestos que se espraiou pelo país nos últimos dias, no entanto, cabe apenas o risco de assumir a posição A ou B, sem qualquer garantia de que seja a certa. No risco, a certeza de se mover no fluxo dos acontecimentos; no risco, a certeza de que o tempo dirá o quanto de ingenuidade ou calhordice se esconde na escolha tomada.

5.
Magalhães pode ter exagerado na comparação. A intolerância nazista, ou mesmo integralista, tinha carga ideológica e estrutura interna que nem de longe se assemelham a atos isolados de skinheads, Carecas do ABC (citados por ele) ou quaisquer extremistas antipartidários nos dias de hoje. Ao fim e ao cabo, aquela intolerância era orquestrada, contaminava diferentes seguimentos sociais que conscientemente viam no totalitarismo o regime político ideal.

Não é o caso de pensar que as manifestações de intolerância nos grupos isolados de hoje sejam uma ameaça, de fato, à democracia. Esta, contudo, é apenas a suspeita de que Magalhães exagerou - os acontecimentos por vir dirão se ele foi tomado de paranoia ou clarividente para perceber o "ovo da serpente".

De qualquer forma, Magalhães não se viu compelido a repensar sua posição e Jabor sim. Mas, por que Jabor se viu constrangido a se retratar? E qual o sentido de sua retratação?

O que há em comum entre eles é que baixaram a guarda, tentados pela necessidade de marcar posição numa situação movida por paixões. A diferença é que Jabor nem de longe percebeu que não podia, sem cair em contradição, criticar a legitimidade de atos de protesto no Brasil e defender os da Turquia, o que também acabou fazendo em sua fala atabalhoada no Jornal da Globo. Assim, Jabor se viu compelido a se retratar porque, "inteligente", notou a guarda baixa. Ele subestimou a dimensão dos acontecimentos; seria absurdo desconectar a legitimidade da ida do povo às ruas na Turquia da no Brasil.

6.
Mas essa guinada não é tão simples como possa parecer: "fiz uma avaliação errada...". Se Jabor foi sincero ao dizer que errou, isso significa uma mudança de posição em sua forma de pensar, e não mero "erro de avaliação" numa situação isolada. Pensar tem seus caprichos; assumir uma posição conveniente, de acordo com as circunstâncias, tem nome: oportunismo, casuísmo, embuste, calhordice; recuar o pensamento não é o mesmo que recuar numa ação. Pensar implica assumir os riscos do pensamento, tão pouco flexível a torneios retóricos desde os embates entre Sócrates e os sofistas.

Na guinada de posição, ele necessariamente coloca em dúvida a forma como comentava assuntos do mesmo teor. Só desconhecendo completamente suas intervenções nas últimas décadas para não reconhecer que sua fala no Jornal da Globo reflete sua forma de pensar; ou alguém esperaria que ele dissesse algo diferente do que disse? Ou seja, apesar do atabalhoamento, lhe caberia ficar em silêncio ou reorganizar os argumentos e manter o que disse. A não ser, óbvio, que ele tenha visto uma luz e sofrido um ato de conversão.

A falsidade em sua admissão de erro será posta a prova, tão logo tenha de se manifestar sobre o que, antes, sabia-se bem que posição tomaria. Pois é, feitas as contas, Mario Magalhães se sai com crédito. Tendo errado ou não, ele mantém coerência numa situação em que, efetivamente, não se deve falar com leviandade. Caso Jabor não tenha, de fato, se convertido, para alguém inteligente como ele, inevitável afirmar que desdenha da inteligência daqueles a quem se dirige. Ao dizer e desdizer conforme as conveniências, ele se comporta como se estivesse na frente de crianças que tapam os olhos e, assim, imaginam ficar invisíveis.

Para muitos, os comentários de Jabor não têm credibilidade. Mas com o "ato falho" de agora, seus defensores só continuarão a lhe dar credibilidade se forem crianças, crentes no mundo de faz de conta.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 25/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
04. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
05. O Som ao Redor de Humberto Pereira da Silva


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Historia de Dora Voadora
Toni Brandão
Studio Nobel
(2005)



Pedro Nava - um Homem no Limiar
Ana Cristina Chiara
Eduerj
(2001)



Eu Sou Marabá Brasil Negreiro
Gonçalves Dias Macedo Castro Alves
Unb
(2004)



Fallait Pas Commencer
Mickey Spillane
Le Livre de Poche
(1951)



Marketing
Francisco Gracioso
Global
(1998)



Bandeira de Oxala, A: Pelos Caminhos da Umbanda - 1ª Edição
Ademir Barbosa Junior
Nova Senda
(2013)



Gestão da Qualidade
Vários Autores
Fgv
(2005)



Todo Enem
Vários Autores
Ftd
(2015)



Nietzsche para Estressados - 99 Doses de Filosofia
Allan Percy, Rodrigo Peixoto
Sextante
(2011)



Vade Mecum Tributario 12ªedição
Alexandre Mazza
Rideel
(2015)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês