A Onda de Protestos e o Erro de Jabor | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS >>> Especial Protestos

Terça-feira, 25/6/2013
A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
Humberto Pereira da Silva

+ de 3800 Acessos

1.
Na edição de 12 de junho último do Jornal da Globo, o colunista Arnaldo Jabor fez severas críticas às manifestações pelo aumento da tarifa de transporte público em São Paulo, conduzidas pelo MPL (Movimento Passe Livre). Sem meias palavras, compara as ações dos jovens que impulsionaram as manifestações às da organização criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), que assombraram a cidade em 2006 com toques de recolher e atos de violência que levaram à queima de dezenas de ônibus. Ao final, Jabor pontua que os jovens atuais são a caricatura violenta de um socialismo dos anos 50.

A repercussão dessas afirmações foi muito negativa. Sem dó nem piedade, entre as manifestações contrárias, a de que lhe faltou sensibilidade para problemas sociais de fato, de que sua compreensão do mundo não vai além de um palmo do nariz.

Atordoado, admitiu o erro em comentário na Rádio CBN, cinco dias depois. Na admissão de erro, se justifica ao dizer que viu inicialmente no movimento toda cara de anarquismo inútil, mas ao notar a violência da polícia admitiu estar diante de um movimento que expressa uma inquietação que tardara no país, e que se expandira como força política original porque lhe falta rumo definido.

2.
O jornalista Mario Magalhães, muito em evidência nos últimos meses por ter biografado o guerrilheiro Carlos Marighella, escreveu em seu blog sobre a atual onda de protestos. Ele toma por mote a reação violenta dos protestantes àqueles que, nos protestos, carregam bandeiras de partidos políticos, centrais sindicais, entidades estudantis ou movimentos sociais. Como Jabor, sem meias palavras, Magalhães os acusa de intolerantes, pois quem não gosta de livre expressão partidária é a ditadura.

Na sequência, ele lembra movimentos intolerantes na Alemanha de Hitler e, aqui no Brasil, a Ação Integralista Brasileira, versão tupiniquim do fascismo de Mussolini. Por fim, afirma que quem ataca militantes partidários o faz por ter escolhido o partido da Intolerância. Assim como Jabor, Magalhães foi enxovalhado de críticas; mas ao contrário de Jabor, até o momento ele não admitiu ter errado.

3.
O aumento da tarifa de ônibus acendeu o estopim. De reivindicação casual, rápido se espalharam por todo país reivindicações por melhorias na educação, no sistema de saúde, por esclarecimentos de gastos com obras para a Copa de 2014; enfim, reivindicações que apontam para a mudança de uma mentalidade que aceita passivamente atos de corrupção como se espera a próxima novela global. Como decorrência da ida do povo às ruas, a classe "bem pensante" foi solicitada a explicar o que estava ocorrendo e que rumo os acontecimentos tomarão.

O bom senso recomenda considerar que qualquer processo social em ebulição é marcado pelo entusiasmo, por contradições, extremismos, ou excessos, e que só o tempo demarca papéis, posições e o lugar de mocinhos e vilões na história. Assim, deve-se notar como o movimento da história escapa a avaliações ou prognósticos movidos por paixões.

A queda do muro de Berlim, assim como o desmoronamento dos regimes comunistas nos início da década de 1990, pegou de surpresa os intelectuais de ambos os lados do espectro político. Mais recentemente, a primavera árabe, que pôs fim a regimes longevos como o de Hosni Mubarak, no Egito, e de Muammar Gaddafi, na Líbia, nos ensina a ter um pé atrás com respeito a prever consequências ou jogar com slogans ou palavras de ordem. O entusiasmo pela democratização ficou para as calendas.

4.
Como muitos da "classe pensante", Jabor e Magalhães não estão imunes à tentação de ajuizar, apontar o dedo e, no caso deles por caminhos distintos, fazer comparações, separar mocinhos e vilões (tentação a que quem vos escreve, claro, não está protegido). Diante da onda de protestos que se espraiou pelo país nos últimos dias, no entanto, cabe apenas o risco de assumir a posição A ou B, sem qualquer garantia de que seja a certa. No risco, a certeza de se mover no fluxo dos acontecimentos; no risco, a certeza de que o tempo dirá o quanto de ingenuidade ou calhordice se esconde na escolha tomada.

5.
Magalhães pode ter exagerado na comparação. A intolerância nazista, ou mesmo integralista, tinha carga ideológica e estrutura interna que nem de longe se assemelham a atos isolados de skinheads, Carecas do ABC (citados por ele) ou quaisquer extremistas antipartidários nos dias de hoje. Ao fim e ao cabo, aquela intolerância era orquestrada, contaminava diferentes seguimentos sociais que conscientemente viam no totalitarismo o regime político ideal.

Não é o caso de pensar que as manifestações de intolerância nos grupos isolados de hoje sejam uma ameaça, de fato, à democracia. Esta, contudo, é apenas a suspeita de que Magalhães exagerou - os acontecimentos por vir dirão se ele foi tomado de paranoia ou clarividente para perceber o "ovo da serpente".

De qualquer forma, Magalhães não se viu compelido a repensar sua posição e Jabor sim. Mas, por que Jabor se viu constrangido a se retratar? E qual o sentido de sua retratação?

O que há em comum entre eles é que baixaram a guarda, tentados pela necessidade de marcar posição numa situação movida por paixões. A diferença é que Jabor nem de longe percebeu que não podia, sem cair em contradição, criticar a legitimidade de atos de protesto no Brasil e defender os da Turquia, o que também acabou fazendo em sua fala atabalhoada no Jornal da Globo. Assim, Jabor se viu compelido a se retratar porque, "inteligente", notou a guarda baixa. Ele subestimou a dimensão dos acontecimentos; seria absurdo desconectar a legitimidade da ida do povo às ruas na Turquia da no Brasil.

6.
Mas essa guinada não é tão simples como possa parecer: "fiz uma avaliação errada...". Se Jabor foi sincero ao dizer que errou, isso significa uma mudança de posição em sua forma de pensar, e não mero "erro de avaliação" numa situação isolada. Pensar tem seus caprichos; assumir uma posição conveniente, de acordo com as circunstâncias, tem nome: oportunismo, casuísmo, embuste, calhordice; recuar o pensamento não é o mesmo que recuar numa ação. Pensar implica assumir os riscos do pensamento, tão pouco flexível a torneios retóricos desde os embates entre Sócrates e os sofistas.

Na guinada de posição, ele necessariamente coloca em dúvida a forma como comentava assuntos do mesmo teor. Só desconhecendo completamente suas intervenções nas últimas décadas para não reconhecer que sua fala no Jornal da Globo reflete sua forma de pensar; ou alguém esperaria que ele dissesse algo diferente do que disse? Ou seja, apesar do atabalhoamento, lhe caberia ficar em silêncio ou reorganizar os argumentos e manter o que disse. A não ser, óbvio, que ele tenha visto uma luz e sofrido um ato de conversão.

A falsidade em sua admissão de erro será posta a prova, tão logo tenha de se manifestar sobre o que, antes, sabia-se bem que posição tomaria. Pois é, feitas as contas, Mario Magalhães se sai com crédito. Tendo errado ou não, ele mantém coerência numa situação em que, efetivamente, não se deve falar com leviandade. Caso Jabor não tenha, de fato, se convertido, para alguém inteligente como ele, inevitável afirmar que desdenha da inteligência daqueles a quem se dirige. Ao dizer e desdizer conforme as conveniências, ele se comporta como se estivesse na frente de crianças que tapam os olhos e, assim, imaginam ficar invisíveis.

Para muitos, os comentários de Jabor não têm credibilidade. Mas com o "ato falho" de agora, seus defensores só continuarão a lhe dar credibilidade se forem crianças, crentes no mundo de faz de conta.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 25/6/2013


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTUDO DIRIGIDO DE EDUCAÇÃO MUSICAL VOL 1
IRVANY BEDAQUE FERREIRA FRIAS
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE S
(1971)
R$ 17,64



A MALDIÇÃO DO MACHO
NELSON DE OLIVEIRA
RECORD
(2002)
R$ 19,99



DICIONÁRIO DE COMUNICAÇÃO
CARLOS ALBERTO RABAÇA- GUSTAVO BARBOSA
ÁTICA
(1987)
R$ 19,99



MORANGUINHO E SUA TURMA
JUSTINE FONTES
FUNDAMENTO
(2007)
R$ 6,80



KABBALAH FOR BEGINNERS
MICHAEL LAITMAN
LAITMAN KABBALAH PUBLISHERS
(2001)
R$ 40,00



ÁGUA MÃE
JOSÉ LINS DO REGO
JOSÉ OLYMPIO
(1976)
R$ 10,00



HANDELS MESSIAH - SECOND EDITION
JENS PETER LARSEN
NORTON
(1989)
R$ 90,00



REVISTA MANCHETE Nº 1. 504 - 14 DE FEVEREIRO DE 1981
JUSTINO MARTINS DIRETOR-EDITOR
BLOCH
(1981)
R$ 15,00



QUEM SOU EU? 7
MOIRA BUTTERFIELD/WAYNE FORD
MODERNA
(1999)
R$ 8,00



X-MEN O JULGAMENTO DE JEAN GREY
MARVEL
MARVEL
(2015)
R$ 10,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês