Casa Arrumada | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
>>> O Segredo do Vovô Coelhão
>>> Separações é Amores II
>>> 10 de Abril #digestivo10anos
>>> Não presta, mas vá ver
Mais Recentes
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
>>> O Sentido da Vida de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> A Luz que Cura - Oração Pelos Doentes de Agnes Sandford pela Loyola (1985)
>>> O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan pela Companhia das Letras (1998)
COLUNAS

Segunda-feira, 27/3/2017
Casa Arrumada
Ricardo de Mattos

+ de 6600 Acessos

1 Assim que desce do colo, o primeiro chão que o fulano pisa depois de voltar a esta dimensão é - ou eu gostaria que fosse - o da sua casa. Melhor ainda se, com o mesmo pesinho e na unicidade do gesto, toca sua casa e a expressão material do lar.

2 Anos atrás, participei de um estudo relâmpago sobre a escuta clínica. Certa altura da tarde, fiquei no grupo em que cada componente deveria descrever uma casa. O objetivo não era avaliar certeza ou erro, mas colher o conteúdo. Creio ter saído bem ao descrever uma casa de tijolos à vista e musgo nas paredes externas, com móveis de madeira em seu interior iluminado por uma lareira. A coordenadora do grupo revelou que a descrição da casa seria uma forma da pessoa descrever-se a si mesma, expor algo do seu íntimo. Em Nise: no coração da loucura, o melhor filme brasileiro de todos os tempos, amparado no livro Imagens do inconsciente de autoria da psiquiatra, um dos pacientes demora a desenhar uma janela aberta nos ambientes que desenhava. Revelou, assim, sua dificuldade em ter contato com a realidade, com o mundo. Minha casa era aquecida e a penumbra não me impedia de encontrar nos outros cômodos aquilo que eu precisasse.

3 Inspirou-me um trecho de encontro no qual figurava o filósofo e educador Antonio Cortella, encontrado no Youtube.com sob o título Casa arrumada é casa triste. Neste trecho, Cortella não se refere ao conteúdo psicológico de uma casa, mas à mudança dos costumes sociais e compara as festas de sua infância ao que ele testemunha atualmente. O filósofo afirma que, criança, era feliz por quinze dias, tempo necessário para preparar sua festa de aniversário e depois arrumar tudo. Nos dias de hoje, afirma, as crianças são levadas para um buffet infantil, "lugar estranhíssimo", tipo de "motel pedagógico" que não pertence a ninguém.

4 Realmente, a criança média atual parece desconhecer o envolvimento com a organização de um evento doméstico. Os conflitos porventura existentes entre adultos residentes e adultos visitantes eram velados pela movimentação que tirava a criança de sua rotina por um tempo maior ou menor. O que eu vejo nos dias de hoje é a criança ser retirada de seu cotidiano, transplantada para um local que satisfaz menos suas necessidades e mais a praticidade do adulto. No aniversário, ela exige e ganha algum celular, tablet ou outra porcaria que a afunde de volta na rotina e, passo a mais, aliene-a da sociedade. "Todo mundo tem", alegam. E os pais, por seu lado crianças mais altas e mais velhas, esquecem palavras redentoras que poderiam erguer o indivíduo, qualificar as relações domésticas e a vida social posterior: "você não é todo mundo". Seria o nivelamento por baixo, a padronização do gosto e do comportamento, algo de culpa exclusiva da política e do arremedo de educação que temos no país?

5 Casa arrumada é casa triste, como afirma Cortella? Em termos. Aqui em casa a vida transcorre - como em muitas coisas - alternando entre extremos. Pelo ramo materno, os cômodos de uma casa seriam realmente cenários a espera da visita de algum fotógrafo de revista de decoração - ou decorativa. Não fosse o afastamento e a setorização que permitem a convivência, a sala ainda estaria intocada. Parte da angústia de minha mãe origina-se no fato de se deitar no sofá. Ela mesma rendeu-se e deita-se neste móvel, mas deita com o corpo duro, tenso, punindo-se por violar sua convicção de que uma sala deve ser estática. Na casa de seus avós, a sala de visitas era local em que pessoas selecionadas entravam em datas específicas.

6 No que dependesse do meu pai, por outro lado, a porta da casa seria amarrada com um pedaço de arame e dormiríamos em esteiras no chão. Dormir em esteiras é a realidade de muitas pessoas no país e no mundo, mas é esperado de quem trabalhou a vida inteira e amealhou seu pé de meia que se permita um pouco mais de conforto e de cuidado. Não é "frescura" deixar tudo em ordem ao sair do cômodo ao qual demorará a voltar.

7 Creio que manter a casa em ordem é mesmo uma extensão do amor próprio. Não defendo o formalismo de revista, mas que se use e cuide daquilo que se possui. Já tive oportunidade de visitar casa em que me deu nojo - infelizmente a palavra é esta - de sentar no sofá. Não porque "no ar" pairava o cheiro da amônia vinda da urina de diversos animais domésticos, mas porque o assento estava realmente úmido após a passagem de um deles. Já vi fogões em que a camada de gordura, molhos e outros resíduos era tão grande que cobria a superfície de alumínio perto das bocas de gás. Já soube de camas que nunca foram arrumadas e banheiros que só foram higienizados quando não havia mais solução. Desde cedo aprendi que "pobreza" não significa "sujeira". Quando o pai trabalhava como agrônomo, visitei com ele diversas casas pelo interior do Vale do Paraíba e vi casebres com o chão de terra batida tão varridos e cozinhas limpas e arrumadas com tal esmero que humilhariam diversas pessoas com acesso a maiores recursos.

8 Talvez Cortella queria referir-se à moradia formal, o que é uma contradição em termos. Onde moramos é que desejamos andar de chinelo e sentar-nos preguiçosamente. Onde moramos é que usamos nossas roupas mais confortáveis. Minha avó materna defendia que a pessoa, em casa, deveria estar trajada como se estivesse prestes a sair. Atenuo este posicionamento sem recorrer à fantasia de mendigo. Quero mexer na terra quando der vontade, e não me preocupar com a comida que respinga. Jamais afastei um cachorro que viesse cumprimentar-me, com medo que grudasse pelo ou passasse cheiro. Se em casa não posso ficar à vontade e desprevenido, onde ficarei? Uma cama arrumada não é apenas um trabalho extraordinário, mas a preparação do lugar que deitarei quando cansado e adormecerei se possível, sem estragar o sono para remover de debaixo do corpo, a coberta que ficou embolada.

9 Certo amigo observou que eu não poderia ter morado em república estudantil. Não sem lamentar, ele discorria sobre colegas que escondiam e estragavam pertences alheios, viam sua comida sendo consumida ou desperdiçada por aqueles que em nada contribuíam, demoravam a encontrar sua roupa e só encontravam-na usada e fedida, ou transformada em pano de secar banheiro. Este amigo veio de uma casa comum e hoje, casado, também reside com a mulher e o filho numa casa comum. Ou seja, todo o vandalismo que presenciou - o qual deve ter instigado, pois não é flor que se cheire - não foi determinante para uma nova "visão de mundo", um desligamento da família. Recebeu valores, manteve-os e adquiriu outros em sua jornada. Estão corretos aqueles que comparam o sicrano a um caramujo, levando pela vida a casa nas costas. Meu amigo levou consigo certa educação e manteve-a na nova residência, adaptando o que foi necessário aos novos tempos. O vandalismo foi apenas vandalismo, não atitudes libertárias nem ritos de passagem ainda não descritos pelos manuais de antropologia.

10 Fomos ensinados sobre conceitos de higiene e qualidade de vida, mas nem sempre somos treinados a reconhecer no cotidiano, na vida prática, onde aplicá-los. A mesa preparada para a refeição não é luxo, mas respeito aos comensais. Muitas fontes ressaltam a importância de se fazer as refeições em família, em horário comum a todos e sem intervenção de aparelhos de comunicação. Duvido que esta convivência seja verazmente promovida quando a mesa está abarrotada de tranqueiras, a comida é servida diretamente nas panelas de preparo e os moradores estão com o fuço colado num celular ou aparelho análogo. Eventualmente a mesa pode ser ocupada por coisas diversas dos alimentos: o problema é o hábito de se fazer isso. Caso a família não possua utensílios ou tempo para arrumar e desarrumar a mesa, que pegue a comida no fogão e sente-se apenas com seu prato. E celular, sinceramente, apenas caso algum membro seja profissional da saúde. Você vai fazer uma cirurgia na cabeça de alguém ou precisa estar atento caso aquele paciente ameace pular da janela? Não? Então faça a gentileza de desligar e guardar.

11 Certa senhora pediu-me: "se você souber de uma mesa de cozinha, eu estou precisando. Lá em casa nós sentamos em bancos com o prato no colo". A trabalhadora do centro contou-me: "na casa daquela outra pessoa, eles sentam no chão para comer". Realidades difíceis em que ideais de vivência e de convivência são confrontados. Todavia, mesmo que a penúria material ainda prevaleça, gostaria de ver estas pessoas compensando-a com o espiritual, unindo-se na dificuldade e mantendo o vínculo na melhora. Um lar é um ambiente, uma cena onde intercalam-se momentos trágicos e felizes. O chinelo adquire a capacidade de vôo, mas também voa-se para abraçar a pessoa querida. Há conflitos, mas há compensações. Eu passava com minha mãe pela copa e a finada Bahiana estava deitada de barriga para cima, toda esticada e apoiada contra a parede. Perto de sua boca, uma pequena poça de saliva. Olhamos o animal entregue ao sono e a mãe observou: "o que é sentir-se segura". A cadela acordou tranquilamente, espreguiçou-se e balançou a cauda, não tendo passado por experiências ruins que a fizesse temer nossa presença.

12 Estou convencido de que o ambiente de um lar pode refazer o indivíduo para as lides do mundo. Se no mundo é que aprendemos que tudo nos é permitido e que nem tudo nos convém, e se no contato social é que distinguimos uma coisa da outra, o lar seria o ambiente ideal para pensar a respeito. Arrisco a dizer que, na medida do possível e sem inocência - há muito que a perdi -, quando o local de trabalho ou o local onde pessoas são de alguma forma atendidas assemelham-se a uma casa organizada, o rendimento pode ser surpreendente. No trabalho clínico, uso poltronas dispostas frente a frente e a luz de um abajur. No centro espírita que coadministramos, esforço-me por manter certa ambiência doméstica. No último dia de trabalho do ano passado, aberta a casa aos familiares das colaboradoras, um senhor sentiu-se tão à vontade que não se absteve de repetir várias vezes a sopa oferecida, preparada com capricho e retirada diretamente da panela sobre o fogão. Este ano, outras colaboradoras assentaram-se com tanta espontaneidade na sala em que costumo atendê-las que percebi quebrado certo formalismo prévio. Às crianças que acompanham suas mães ao centro, é servido um lanche de leite com biscoitos no meio da tarde. Algumas têm ali o acolhimento que falta em casa.

13 No parágrafo anterior, mencionei coisas que são esperadas de pessoas e instituições destinadas a acolher o humano em sua passagem. Ficar no local da sessão não é o objetivo da terapia, assim como morar ou viver do centro não é o objetivo da ação social. Acolhemos o humano em sua passagem e almejamos fazer com que este breve e periódico encontro seja de qualidade. Passo além foi dado por pessoa que alugou uma casa para acolher moradores de rua e tentar readaptá-los à chamada "vida civil". Fez da moradia um espaço de recuperação, de redescoberta da dignidade de cada um que acolhe. Lá alimentam-se, banham-se, dormem, participam de encontros com pessoas que aceitam levar-lhes a palavra útil e, querendo, dão os primeiros passos para regularização da vida civil. A pessoa realiza este trabalho após seu expediente. Trabalha num presídio no qual tenta, com toda dificuldade que se pode pressupor, estabelecer o tratamento diferenciado como forma de resgate da humanidade de quem lá encontra-se.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 27/3/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. Vinicius de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Livrarias de Ricardo de Mattos
05. Ação Social de Ricardo de Mattos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
04. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008
05. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEGREDOS DA SOLIDÃO - AUTOGRAFADO
JURACI DA SILVA
JOÃO SCORTECCI
(1988)
R$ 14,00



ESCOLA BÍBLICA DE FORMAÇÃO DE LÍDERES - 2º ANO TRIMESTRE 2
NÃO INFORMADO
DO AUTOR
R$ 15,00



MORE TALES OF UNEXPECTED
ROALD DAHL
PENGUIN
(1980)
R$ 10,00



7 ESTRATÉGIAS BÁSICAS PARA ENCARAR UM CONCURSO PÚBLICO
OUTROS; CHARLES DIAS; ANA PAULA DE O. MAZONI
CAMPUS
(2012)
R$ 39,90



ALÉM DA MEDICINA
HANS HOLZER
RECORD
(1987)
R$ 12,00



JUVENTUDE, RELIGIÃO E ÉTICA
LÚCIA PEDROSA-PÁDUA E ZECA E MELLO (ORGS.)
PUC
(2010)
R$ 17,00



ASPECTOS CLÍNICOS DA PARALISIA CEREBRAL; FISIOPATOLOGIA DA PARAL
REVISTA PARALISIA CEREBRAL NÚMEROS 2, 3 E 4
ASSOCIAÇÃO BRAS PARALISIA CERE
(1971)
R$ 19,82



BOM ALUNO MAU ALUNO
MICHEL GILLY
MORAES
(1981)
R$ 80,00



HISTÓRIA DA FILOSOFIA
UMBERTO PADOVANI E LUÍS CASTAGNOLA
MELHORAMENTOS (SP)
(1974)
R$ 17,28



CONTAS E CONTOS NA TERAPIA VIVENCIAL
TEREZA CRISTINA S. ERTHAL
VOZES
(1992)
R$ 35,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês