Viajar e contar vantagem | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
Mais Recentes
>>> Servidão Humana de W. Somerset Maugham pela Círculo do Livro (1986)
>>> 4. A Ditadura Encurralada: O Sacerdote e o Feiticeiro de Elio Gaspari pela Intrínseca (2014)
>>> 1001 Filmes para Ver Antes de Morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Bush na Babilônia: A Recolonização do Iraque de Tariq Ali pela Record (2003)
>>> Espionologia: O Livro Completo da Espionagem de Ian Andrew; Anne Yvonne Gilbert; Outros pela Brinque Book (2010)
>>> Barão de Mauá: O Empreendedor de Gilberto Maringoni pela Aori (2007)
>>> El Mejor Medicamento Eres Tú: La Salud Está En Tus Manos de Frédéric Saldmann pela Aguilar (2014)
>>> O presidente Campos Salles na Europa de Tobias Monteiro pela F. Briguiet & Cia. (1928)
>>> As ideias de Alberto Torres de Alcides Gentil pela Companhia Ed. Nacional (1932)
>>> Recueil de discours prononcés au Parlement d'Angleterre de William Pitt & Charles James Fox pela Chez Le Normant (1819)
>>> Antidepresivos Naturales: Una Solución Alternativa al Gran Problema de Este Tiempo de Lucía Oliveira pela Ediciones Lea (2008)
>>> A Verdadeira Dieta Anticâncer de David Khayat pela Lua de Papel (2012)
>>> En Un Abrir y Cerrar de Boca: Historias de Problemas Gordos de Máximo Ravenna pela Ediciones B (2010)
>>> Grandes Católicos de Rev. Pe. Claude Williamson pela Globo (1943)
>>> Curso Básico de Teologia de Antônio Mesquita Galvão pela Pão e Vinho (2003)
>>> Guia politicamente incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Síndrome do Estrangeiro de Málu Balona pela Editares (2006)
>>> Geographia Sentimental de Plínio Salgado pela José Olympio (1937)
>>> Chama Crística de Norberto Peixoto pela Do Conhecimento (2001)
>>> Obra Escolhida de Descartes pela Difusão Europeia do Livro (1962)
>>> O Lado Difícil Das Situações Difíceis de Ben Horowitz pela WMF Martins Fontes (2020)
>>> Medida provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza (1990)
>>> Autenticidade Consciencial de Tony Musskopf pela Editares (2012)
>>> Perdão: Opção Cosmoética de Seguir em Frente de Vera Tanuri pela Editares (2016)
>>> Criação de Delores Pires pela Do autor (1989)
>>> O castelo nos Pirineus de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (2010)
>>> Um Caso Muito Sujo de Shirley Souza pela Paulus (2011)
>>> Astronauta de Brinquedo de Marcelo Miguel pela Paulista (1995)
>>> A Vida Cética de Pirro de Gabriela G. Gazzinelli pela Loyola (2009)
>>> Karl Marx - Biografia de P. N. Fedosseiev (e outros) pela Avante (Lisboa) e Progresso (Moscou) (1983)
>>> Meus devaneios poéticos de Darcy Arruda Miranda pela Do Autor (1984)
>>> Poeta, mostra a tua cara de Berecil Garay pela Toazza (1992)
>>> Nós Nus de Ione França pela Do autor (1989)
>>> Evolução de Alejandro Roldán pela Editorial Atlântida S. A. (1958)
>>> O bom filho a casa torra de Leila Miccolis pela Edicon (1992)
>>> Grandes Frases (Pocket) de Zibia Gasparetto pela Evd/ Vida e Consciência (2017)
>>> Sexo das Flores de Pedro Jofre Marodin pela Ermitagem (1989)
>>> O Brazil em face do Prata de Gustavo Barroso pela Imprensa Nacional (1930)
>>> Coreto de papel de Noel Nascimento pela Vicentina (2003)
>>> Projeto de Ensino de Geografia: Geografia Geral de Demétrio Magnoli; Regina Araujo pela Moderna (2004)
>>> A Serpente de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (1980)
>>> Reencontro com Voce - Psicologia Aplicada de Julia Blanque pela Romero Santiago (2010)
>>> Ontem Agora = Poemas inéditos de Helena Kolody pela Regina Benitez (1991)
>>> Contabilidade Aplicada ao Setor Público de Francisco Glauber Lima Mota pela Brasília (2009)
>>> Mentes Perigosas o psicopata mora ao lado - Psicologia de Ana beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Código Penal Comentado de Guilherme de Souza Nucci pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Asas de Jaime Vieira pela Edicon (1989)
>>> "Pássaro sem Asas" de Maria do Karmo Santos pela Tudo Novo
>>> Privatize Já: Pare de Acreditar em Intrigas Eleitorais e Entenda Como a Privatização Fará do Brasil um País Melhor de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> O Filho de Netuno de Rick Riodan pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/4/2007
Viajar e contar vantagem
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já disse aqui, algumas vezes, que não gosto de viajar. Isso não quer dizer que tenha ficado a vida inteira pregada na mesma areia, mas que tenho certa dificuldade de fazer distância das minhas coisas, dos meus, de um cantinho com meu cheiro nas pilastras.

Acho muito engraçado como as pessoas falam sobre viagens. O discurso é mesmo muito interessante. Em geral, contam vantagem e escancaram os dentões para dizer que foram para a praia (no caso de quem mora no sertão), que conheceram o Sul, que foram ver trio elétrico ou, o máximo, que fizeram intercâmbio quando tinham 15 anos. Acho engraçado.

O discurso das pessoas também repete que viajar é bom, é curtição, é cultural, é gostoso. Dizem que aprendem horrores quando estão fora do chão materno. Se for no exterior (digo, nas terras estrangeiras), aprendem outras línguas, outras culturas e até voltam com sotaque, mesmo quando a viagem dura uma semana.

Até acredito nisso quando alguém vai morar em outro país (mesmo em outra cidade). Morar mesmo, de mala e cuia, passar uns apertos, ver que o mundo é esquisito de qualquer ângulo que se olhe neste globo. Ou sacar que coisa boa e coisa ruim não são privilégios mais de uns do que de outros. Perceber que, embora em proporções diferentes, gente sem educação prolifera em qualquer idioma. Ou identificar peste e sacanagem atrás de qualquer roupagem. Também tirar conclusões que poderiam ter sido tiradas em cima do muro da vizinha.

Viajar por 15 dias, não. Aprender "outras culturas" é um negócio muito mais sofrido. Talvez se possa ter noção de que existe o outro, e ele é diferente de mim. Mas não creio nessa atenção tão etnográfica que as pessoas dizem ter quando viajam.

Conheço pelo menos uns 100 mineiros que viajam algumas vezes ao ano para fazer, noutras plagas, o que fazem aqui. Ou que se retiram de casa, de prancha e balaio, para reencontrar a vizinhança (a mesma daqui) noutro lugar. Conversam os mesmos assuntos, têm as mesmas antipatias, comem as mesmas coisinhas, talvez com pequenas inserções de frutos do mar, que dizem adorar.

E isso não é privilégio de mineiro. Não mesmo. É por essas e outras que nem todo mundo sai do lugar para fazer imersão. A palavra é esta: imersão. As pessoas não imergem em quase nada. Sequer nas páginas do jornal. Estão muito mais preocupadas com outras miudezas. No que nem sempre estão erradas.

Raiz ruim
Tirar esta pobre coitada de casa é uma manobra arriscada e difícil. Há que passar uns meses me convencendo, outro mês me preparando psicologicamente, ainda uns dias me persuadindo de que é preciso levar mala, uns outros dias me mostrando que está tudo comprado e preparado e algumas horas agüentando meu mau humor dentro do carro, do ônibus ou no avião.

Viajei um bocadinho no ano passado. Este ano as viagens ainda vão começar. Mas, em todas as vezes, me tiraram de casa por alguma causa bacana. Em algumas delas, estavam me pagando. Nem sempre bem, é verdade, mas valia a pena. Quase sempre foi viagem para trabalhar, mas não deste trabalho de todo dia. Era para aprender a fazer coisas, estudar um método novo, conhecer um medalhão de alguma coisa, apresentar uma produção, ler poesia pra platéias interessantes. Daí, com a sensação de que estava sendo útil, eu aproveitava para passear pelas ruas, andar de ônibus na cidade, comer alguma coisa legal, observar as pessoas. Não há, para mim, nada melhor e mais etnográfico do que observar as pessoas. Os tipos, na verdade. E os lugares mais interessantes para se fazer isso nem sempre são esses dos cartões-postais. Embora também possam ser.

Eu chego de viagem com fotos, em geral de pessoas. Os monumentos às vezes são apenas o cenário bem ao fundo. Também chego com os olhos um tanto preocupados. Preciso retomar de onde parei. Prefiro investir no meu parapeito. E nem sempre teço comentários sobre o que vi ou ouvi. Só quando são de fato transformadores.

Às vezes eu fico irritada com as pessoas que repetem discursos. Não sabem bem por que dizem isto ou aquilo. São ecos. Nem sempre estavam felizes, alegres ou dispostas. Precisam agradar. Quando acho alguém que emana autenticidade, morro de amor. E alguém que pode respeitar a vontade alheia de ficar quieto, morro mais.

Livro para puxar a orelha
Semana passada parei um pouco e me concentrei na leitura de umas crônicas de viagem. O motivo da leitura era o trabalho, mas logo me enfronhei na obra e só saí dela quando a última página suspirou. Eram as crônicas de Luís Giffoni, escritor mineiro discretíssimo, mas nem tanto que fosse um obscuro. Além de não passar desapercebido em seu bem mais de metro e setenta de um porte altivo e simpático, tem 17 livros publicados e nem sei quantos prêmios arrebatados a várias academias, inclusive um Jabuti, que é o mais pop para ser mencionado.

Giffoni lançou, em 2005 ou 2006, Retalhos do mundo, uma coletânea de textos sobre viagens a vários lugares da Terra. Não cheguei a ler e, quando procurei, o livro já estava esgotado. Tudo bem que as tiragens no Brasil não são lá nenhum susto, mas esgotar um livro não é pra quem quer.

Desta vez, resolvi encarar a viagem virtual. Comprei O reino dos puxões de orelha e me embolei no sofá bonina, a fim de saber por que razões o livro tinha esse nome esquisito.

A leitura, ainda trôpega e indecisa, começa pelos Estados Unidos. Logo o único lugar do mundo que eu evitaria de passar as férias. Ou de passar qualquer coisa. Bobagem, né? Afinal, eles são tão bons para nós. Mas adiante: Giffoni, a esposa e três filhos entraram num carro alugado na costa leste dos EUA e foram, no volante, até o Oceano Pacífico. Uma espécie de "descoberta do Oeste", com direito a blitz da polícia e lugarejos mal-assombrados.

O pitoresco da viagem é que a família encontrou uma cidadezinha chamada Junction bem na conexão entre as estradas que levam para cima, para baixo e para os lados do país do Tio Sam. Pessoas esquisitas se misturavam aos tumbleweed, aquelas plantas secas que rolam pelo chão, como uma bola de gravetos. Todo filme de faroeste tem esse negócio.

Quando percebi, estava imersa nas viagens de Giffoni. Sem me sujar, sem fazer mala, sem poeira no sapato. Viajando nos relatos dele, como viajo nos de Caminha e nos de outros navegantes.

Na leitura do Reino, tive absoluta certeza de que não irei a Fernando de Noronha e nem ao Peru, embora as lendas sobre Machu Pichu me pareçam um tanto mais atraentes do que as tartarugas marinhas. Ainda assim, um bom contador de histórias, como é Giffoni, já me deixa bastanta satisfeita sobre lendas peruanas.

Manatu Bakara foi hilariante. Depois de uma saga para chegar à localidade, o viajante depara com um cenário maravilhoso onde manda um rei gordo e cego. O fim do mundo (ou o começo) conserva a tradição segundo a qual as moças devem ser defloradas pelo rei. Cruz-credo. Má sorte a delas. Por isso mesmo, correm em direção aos estrangeiros para que eles lhes façam o favor de consumir com aquela lasquinha insossa à qual foi dada importância de selo de qualidade. Parece que Giffoni não passou batido pelas atiradinhas.

Mais adiante, Tailândia, Egito e Itália. No primeiro país, o autor experimentou a massagem famosa no mundo inteiro, especialmente em legendários filmes pornôs. E não é que é verdade? As moças se esfregam pelo corpo do massageado até relaxar a alma do felizardo. Pena que a esposa de Giffoni também estava no recinto.

No Egito, ainda impressiona o cenário das pirâmides, mas o melhor de tudo, como quase sempre, são as pessoas. O moço que alugava dromedários para dar rolé vale o livro inteiro. Uma graça. Trapaceiros existem no mundo inteiro. Aliás, nem é preciso ir muito longe.

Na Itália, como era de se esperar, Giffoni foi investigar os familiares. Encontrou o clã. E foi muito bem recebido. Mais uma vez, as pessoas.

Crônicas de viagem são um gênero de texto, às vezes literário, outras vezes nem tanto, muito antigo e encantador. O autor mineiro acerta na mão ao pintar cenários e pessoas com a graça de quem está mesmo de passagem. Viajante, de fato. A leveza da linguagem é a outra metade responsável pela imersão do leitor na obra. Giffoni publica seus livros pelo selo Pulsar, dele mesmo. Controle total sobre obras, distribuição e esgotamentos. Vale a viagem. E, em tempo: Giffoni não conta vantagem, ele sabe viajar, com pouca grana, sem frescura e falando 5 línguas. Arriba!

Ainda em tempo
Quem achar Manatu Bakara no mapa ganha o livro do Giffoni!

Mais em tempo
Em decorrência do sucesso da série Leituras, leitores e livros, publicada em 4 partes no Digestivo, a partir de hoje, abro esta coluna ao leitor. É só enviar mensagem dizendo que livros você está lendo e farei um comentário aqui.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 20/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges
02. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
03. Isto não é um trote de Marta Barcellos
04. Concurso literário, caminho para a publicação de Eugenia Zerbini
05. Homens-máquina em autoconstrução de Carla Ceres


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2007
17h53min
Ana, que surpresa??? Adoro viajar, tanto virtualmente, pelas linhas literárias, quanto pessoalmente, pelas reais estradas do mundo. Outro dia ouvi a Lya Luft dizer que traduziu os livros da Virginia Wolf antes de conhecer a Inglaterra. Só depois de visitar os lugares mencionados pela autora é que percebeu as sutilezas despercebidas quando da tradução. Lamentou pelo empobrecimento que causou ao texto, pois concluiu que só quem sentiu o cheiro poeirento das livrarias poderia transmiti-lo com fidelidade. Concordo com ela. É claro que os discursos repetidos de viagem são enfadonhos. Alguns até se justificam pela inexperiência e excitação do viajante que urge em dividir as descobertas, outros, insuportáveis, decorrem de simples necessidade de aparecer. Todavia, viajar sempre me deu a idéia de enriquecimento. Essa me parecia ser uma opinião unânime. Agora me dou conta do equívoco, por isso a surpresa. Enfim, que vivam as diferenças...
[Leia outros Comentários de Cynthia Barcelos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OPORTUNIDADES EM QUÍMICA HOJE E AMANHÃ
GEORGE C. PIMENTEL JANICE A. COONROD
SOCIEDADE PORTUGUESA DE QUÍ
R$ 42,43



PHILIA: DERROTE A DEPRESSÃO O MEDO E OUTROS PROBLEMAS
PADRE MARCELO ROSSI
PRINCIPIUM
(2015)
R$ 15,00



POP-UP GIFT CARDS
ONDOR
ONDOR
R$ 49,11



FOLGUEDOS POPULARES DO BRASIL
ROSSINI TAVARES DE LIMA
RICORDI
(1962)
R$ 53,00



ENXAQUECA
ABOUCH VALENTY KRYMCHANTOWSKI
CAMPUS
(2001)
R$ 9,80



O MASSACRE DA NATUREZA
JULIO JOSE CHIAVENATO
MODERNA
(1991)
R$ 11,90



TA LOUCO
FERNANDO BONASSI
MODERNA
(1996)
R$ 5,00



COMO SER FELIZ O TEMPO TODO - 1ª EDIÇÃO
PARAMAHANSA YOGANANDA
PENSAMENTO
(2008)
R$ 21,95



O MANUAL DOS INQUISIDORES
ANTÓNIO LOBO ANTUNES
ROCCO
(1998)
R$ 30,00



APRENDIZ DO FUTURO. CIDADANIA HOJE E AMANHÃ
GILBERTO DIMENSTEIN
ÁTICA
(2005)
R$ 9,80





busca | avançada
58188 visitas/dia
2,0 milhões/mês