Viajar e contar vantagem | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Mais Recentes
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/4/2007
Viajar e contar vantagem
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já disse aqui, algumas vezes, que não gosto de viajar. Isso não quer dizer que tenha ficado a vida inteira pregada na mesma areia, mas que tenho certa dificuldade de fazer distância das minhas coisas, dos meus, de um cantinho com meu cheiro nas pilastras.

Acho muito engraçado como as pessoas falam sobre viagens. O discurso é mesmo muito interessante. Em geral, contam vantagem e escancaram os dentões para dizer que foram para a praia (no caso de quem mora no sertão), que conheceram o Sul, que foram ver trio elétrico ou, o máximo, que fizeram intercâmbio quando tinham 15 anos. Acho engraçado.

O discurso das pessoas também repete que viajar é bom, é curtição, é cultural, é gostoso. Dizem que aprendem horrores quando estão fora do chão materno. Se for no exterior (digo, nas terras estrangeiras), aprendem outras línguas, outras culturas e até voltam com sotaque, mesmo quando a viagem dura uma semana.

Até acredito nisso quando alguém vai morar em outro país (mesmo em outra cidade). Morar mesmo, de mala e cuia, passar uns apertos, ver que o mundo é esquisito de qualquer ângulo que se olhe neste globo. Ou sacar que coisa boa e coisa ruim não são privilégios mais de uns do que de outros. Perceber que, embora em proporções diferentes, gente sem educação prolifera em qualquer idioma. Ou identificar peste e sacanagem atrás de qualquer roupagem. Também tirar conclusões que poderiam ter sido tiradas em cima do muro da vizinha.

Viajar por 15 dias, não. Aprender "outras culturas" é um negócio muito mais sofrido. Talvez se possa ter noção de que existe o outro, e ele é diferente de mim. Mas não creio nessa atenção tão etnográfica que as pessoas dizem ter quando viajam.

Conheço pelo menos uns 100 mineiros que viajam algumas vezes ao ano para fazer, noutras plagas, o que fazem aqui. Ou que se retiram de casa, de prancha e balaio, para reencontrar a vizinhança (a mesma daqui) noutro lugar. Conversam os mesmos assuntos, têm as mesmas antipatias, comem as mesmas coisinhas, talvez com pequenas inserções de frutos do mar, que dizem adorar.

E isso não é privilégio de mineiro. Não mesmo. É por essas e outras que nem todo mundo sai do lugar para fazer imersão. A palavra é esta: imersão. As pessoas não imergem em quase nada. Sequer nas páginas do jornal. Estão muito mais preocupadas com outras miudezas. No que nem sempre estão erradas.

Raiz ruim
Tirar esta pobre coitada de casa é uma manobra arriscada e difícil. Há que passar uns meses me convencendo, outro mês me preparando psicologicamente, ainda uns dias me persuadindo de que é preciso levar mala, uns outros dias me mostrando que está tudo comprado e preparado e algumas horas agüentando meu mau humor dentro do carro, do ônibus ou no avião.

Viajei um bocadinho no ano passado. Este ano as viagens ainda vão começar. Mas, em todas as vezes, me tiraram de casa por alguma causa bacana. Em algumas delas, estavam me pagando. Nem sempre bem, é verdade, mas valia a pena. Quase sempre foi viagem para trabalhar, mas não deste trabalho de todo dia. Era para aprender a fazer coisas, estudar um método novo, conhecer um medalhão de alguma coisa, apresentar uma produção, ler poesia pra platéias interessantes. Daí, com a sensação de que estava sendo útil, eu aproveitava para passear pelas ruas, andar de ônibus na cidade, comer alguma coisa legal, observar as pessoas. Não há, para mim, nada melhor e mais etnográfico do que observar as pessoas. Os tipos, na verdade. E os lugares mais interessantes para se fazer isso nem sempre são esses dos cartões-postais. Embora também possam ser.

Eu chego de viagem com fotos, em geral de pessoas. Os monumentos às vezes são apenas o cenário bem ao fundo. Também chego com os olhos um tanto preocupados. Preciso retomar de onde parei. Prefiro investir no meu parapeito. E nem sempre teço comentários sobre o que vi ou ouvi. Só quando são de fato transformadores.

Às vezes eu fico irritada com as pessoas que repetem discursos. Não sabem bem por que dizem isto ou aquilo. São ecos. Nem sempre estavam felizes, alegres ou dispostas. Precisam agradar. Quando acho alguém que emana autenticidade, morro de amor. E alguém que pode respeitar a vontade alheia de ficar quieto, morro mais.

Livro para puxar a orelha
Semana passada parei um pouco e me concentrei na leitura de umas crônicas de viagem. O motivo da leitura era o trabalho, mas logo me enfronhei na obra e só saí dela quando a última página suspirou. Eram as crônicas de Luís Giffoni, escritor mineiro discretíssimo, mas nem tanto que fosse um obscuro. Além de não passar desapercebido em seu bem mais de metro e setenta de um porte altivo e simpático, tem 17 livros publicados e nem sei quantos prêmios arrebatados a várias academias, inclusive um Jabuti, que é o mais pop para ser mencionado.

Giffoni lançou, em 2005 ou 2006, Retalhos do mundo, uma coletânea de textos sobre viagens a vários lugares da Terra. Não cheguei a ler e, quando procurei, o livro já estava esgotado. Tudo bem que as tiragens no Brasil não são lá nenhum susto, mas esgotar um livro não é pra quem quer.

Desta vez, resolvi encarar a viagem virtual. Comprei O reino dos puxões de orelha e me embolei no sofá bonina, a fim de saber por que razões o livro tinha esse nome esquisito.

A leitura, ainda trôpega e indecisa, começa pelos Estados Unidos. Logo o único lugar do mundo que eu evitaria de passar as férias. Ou de passar qualquer coisa. Bobagem, né? Afinal, eles são tão bons para nós. Mas adiante: Giffoni, a esposa e três filhos entraram num carro alugado na costa leste dos EUA e foram, no volante, até o Oceano Pacífico. Uma espécie de "descoberta do Oeste", com direito a blitz da polícia e lugarejos mal-assombrados.

O pitoresco da viagem é que a família encontrou uma cidadezinha chamada Junction bem na conexão entre as estradas que levam para cima, para baixo e para os lados do país do Tio Sam. Pessoas esquisitas se misturavam aos tumbleweed, aquelas plantas secas que rolam pelo chão, como uma bola de gravetos. Todo filme de faroeste tem esse negócio.

Quando percebi, estava imersa nas viagens de Giffoni. Sem me sujar, sem fazer mala, sem poeira no sapato. Viajando nos relatos dele, como viajo nos de Caminha e nos de outros navegantes.

Na leitura do Reino, tive absoluta certeza de que não irei a Fernando de Noronha e nem ao Peru, embora as lendas sobre Machu Pichu me pareçam um tanto mais atraentes do que as tartarugas marinhas. Ainda assim, um bom contador de histórias, como é Giffoni, já me deixa bastanta satisfeita sobre lendas peruanas.

Manatu Bakara foi hilariante. Depois de uma saga para chegar à localidade, o viajante depara com um cenário maravilhoso onde manda um rei gordo e cego. O fim do mundo (ou o começo) conserva a tradição segundo a qual as moças devem ser defloradas pelo rei. Cruz-credo. Má sorte a delas. Por isso mesmo, correm em direção aos estrangeiros para que eles lhes façam o favor de consumir com aquela lasquinha insossa à qual foi dada importância de selo de qualidade. Parece que Giffoni não passou batido pelas atiradinhas.

Mais adiante, Tailândia, Egito e Itália. No primeiro país, o autor experimentou a massagem famosa no mundo inteiro, especialmente em legendários filmes pornôs. E não é que é verdade? As moças se esfregam pelo corpo do massageado até relaxar a alma do felizardo. Pena que a esposa de Giffoni também estava no recinto.

No Egito, ainda impressiona o cenário das pirâmides, mas o melhor de tudo, como quase sempre, são as pessoas. O moço que alugava dromedários para dar rolé vale o livro inteiro. Uma graça. Trapaceiros existem no mundo inteiro. Aliás, nem é preciso ir muito longe.

Na Itália, como era de se esperar, Giffoni foi investigar os familiares. Encontrou o clã. E foi muito bem recebido. Mais uma vez, as pessoas.

Crônicas de viagem são um gênero de texto, às vezes literário, outras vezes nem tanto, muito antigo e encantador. O autor mineiro acerta na mão ao pintar cenários e pessoas com a graça de quem está mesmo de passagem. Viajante, de fato. A leveza da linguagem é a outra metade responsável pela imersão do leitor na obra. Giffoni publica seus livros pelo selo Pulsar, dele mesmo. Controle total sobre obras, distribuição e esgotamentos. Vale a viagem. E, em tempo: Giffoni não conta vantagem, ele sabe viajar, com pouca grana, sem frescura e falando 5 línguas. Arriba!

Ainda em tempo
Quem achar Manatu Bakara no mapa ganha o livro do Giffoni!

Mais em tempo
Em decorrência do sucesso da série Leituras, leitores e livros, publicada em 4 partes no Digestivo, a partir de hoje, abro esta coluna ao leitor. É só enviar mensagem dizendo que livros você está lendo e farei um comentário aqui.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 20/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O paraíso de Henry Miller de Adriana Baggio
02. O Glamour da Miséria de Paulo Polzonoff Jr


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007
05. Guia para escrever bem ou Manual de milagres - 8/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2007
17h53min
Ana, que surpresa??? Adoro viajar, tanto virtualmente, pelas linhas literárias, quanto pessoalmente, pelas reais estradas do mundo. Outro dia ouvi a Lya Luft dizer que traduziu os livros da Virginia Wolf antes de conhecer a Inglaterra. Só depois de visitar os lugares mencionados pela autora é que percebeu as sutilezas despercebidas quando da tradução. Lamentou pelo empobrecimento que causou ao texto, pois concluiu que só quem sentiu o cheiro poeirento das livrarias poderia transmiti-lo com fidelidade. Concordo com ela. É claro que os discursos repetidos de viagem são enfadonhos. Alguns até se justificam pela inexperiência e excitação do viajante que urge em dividir as descobertas, outros, insuportáveis, decorrem de simples necessidade de aparecer. Todavia, viajar sempre me deu a idéia de enriquecimento. Essa me parecia ser uma opinião unânime. Agora me dou conta do equívoco, por isso a surpresa. Enfim, que vivam as diferenças...
[Leia outros Comentários de Cynthia Barcelos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MACHADO DE ASSIS, MAS ESTE CAPÍTULO NÃO É SÉRIO
FOLHETO
NÃO INFORMADA
R$ 10,00



TEODORICO MAJESTADE / O INSPETOR GERAL (4210)
ROMUALDO LISBOA
MONDRONGO
(2011)
R$ 25,00



A GUERRA DAS SOMBRAS - O LIVRO DE ARIELA
JORGE TAVARES
NOVO SÉCULO
(2007)
R$ 6,00



MANSAO DOS LILASES
CELIA XAVIER DE CAMARGO, LEON TOLSTOI
CASA O CLARIM
(2000)
R$ 4,50



EL YOGA Y LA MUJER (7232)
NANCY PHELAN Y MICHAEL VOLIN
SOPENA
(1965)
R$ 60,00



O PROCESSO DO CAPITÃO DREYFUS (CARTAS DE INGLATERRA)
RUI BARBOSA
GIORDANO - SÃO PAULO
(1994)
R$ 19,00



WISH CASA MAIO
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



CAMPO DOS MILAGRES
HANNAH LUCE, ROBIN GABY FISHER
SEXTANTE
(2015)
R$ 8,64



A IGUALDADE JURÍDICA ENTRE O HOMEM E A MULHER: UMA MANIFESTAÇÃO D
REVISTA DE DIREITO CIVIL, Nº 49 - ANO 13
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1989)
R$ 29,82



O TROPEL DO APOCALIPSE
BILLY GRAHAM
RECORD
(1983)
R$ 120,00





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês