Notas confessionais de um angustiado (IV) | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Cegueira
>>> Blog da Petrobras como Napster
>>> Menos fé e mais razão
>>> Aluga-se um escritório
>>> Para gostar de ler
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
Mais Recentes
>>> Retorno à Amazônia de Jean-Michel Cousteau pela Guascor
>>> Introdução ao Design Gráfico de Renata Krusser pela UnisulVirtual (2011)
>>> Todas as Copas de 1930 a 1998 de Vários autores pela Lance! (1999)
>>> Para Sempre: Amor e Tempo de Ana Maria Machado pela Record (2001)
>>> Casamento Blindado de Ranato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Análise das Demonstrações Financeiras de John N. Myer pela Atlas S.A (1972)
>>> Memórias das Trevas de João Carlos Teixeira Gomes pela Geração Editorial (2022)
>>> O Livro De São Cipriano: Tratado Completo Da Verdadeira Magia de Vários Autores pela Pallas (2013)
>>> Marketing de Guerra de Al Ries e Jack Trout pela Mcgrawhill (2009)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Dcl (2013)
>>> Eles continuam entre nos de Zibia Gasparetto pela Vida E Consciencia (2008)
>>> Sara Says No! - Confira! de Norman Whitney pela Heinemann (1992)
>>> Comédia Em Pé - o Livro de Vários Autores pela Mirabolantre (2009)
>>> Miss Bronte de Juliet Gael pela Lafonte (2011)
>>> A dama da fé de Ester Bezerra pela Planeta Do Brasil (2016)
>>> O Poder da Esperança de Julián Melgosa pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> Reencarnação de Swami Tilak pela Feeu (1974)
>>> Andarilha de Núbia Feitosa pela Cbje (2011)
>>> Gestação: Tratamento Em Dose Única das Infecções Não Complicadas Das Vias Urinárias de Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A pela Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A (2022)
>>> Crimes Hediondos de Antonio Lopes Monteiro pela Saraiva (1997)
>>> O executante de Rubem Mauro Machado pela Record (2000)
>>> Gestão de estoques otimizando a logística e a cadeia de suprimentos de Eduardo saggioro garcia e outros pela E papers (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 - Parte Especial de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2000)
>>> Revista Sinais dos Tempos Eventos Finais (10 dias de Oração e 10 horas de jejum) de Cpb pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Poder de Uma Mulher de Barbara Taylor Bradford pela Europa América (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/7/2016
Notas confessionais de um angustiado (IV)
Cassionei Niches Petry

+ de 2600 Acessos

(...)

XXVI.
“Admitir, desde o início, que a essência desse projeto é o fracasso”. Paul Auster, em A invenção da solidão.
(...)

XXIX.
Assisto a um vídeo de Rubem Fonseca, gravado durante a entrega de um prêmio que ele recebeu em Portugal. O autor, antes recluso, surpreende falando sobre as características de um escritor. Para ele, quem escreve literatura deve ser louco, ter inteligência (apesar de conhecer muitos escritores não muito inteligentes), estar motivado, ter paciência e, principalmente, imaginação.

Só um louco para propor, como dissertação de mestrado, um romance e um caderno de anotações sobre o seu processo de criação. Quanto à motivação para escrever o romance, encontro-a na própria dissertação e no prazo de entrega. A paciência, por sua vez, deve dar lugar à pressa, devido ao prazo para entregar o resultado da pesquisa, o que talvez prejudique o resultado final do processo romanesco. Depois, porém, haverá tempo para reescrever, se necessário.

Tenho imaginação? É o que veremos no decorrer da produção do romance.

XXX.
Romances metaliterários são uma constante nas minhas escolhas de leitura, tendo em vista meu próprio romance e as reflexões que faço em torno dele. Acima de tudo, porém, sou aficionado por esse tipo de leitura. Termino de ler Zuckerman acorrentado, volume com quatro narrativas longas do escritor norte-americano Philip Roth, do qual faz parte o romance Lição de anatomia, anteriormente citado. Retirei dois trechos sobre a criação literária: “Inventar pessoas. Uma atividade benigna quando você está datilografando no aconchego do seu escritório.” (p.279). “Isso é igual a escrever. É você sozinho com uma montanha e uma picareta. É você consigo mesmo, no maior isolamento, com uma empreitada quase irrealizável pela frente. Isso é escrever.” (grifo do autor).

XXXI.
O reinício das aulas traz o escritor, que também é professor, de volta à realidade e ao problema do tempo para escrever. Somam-se a isso as incertezas quanto à fixação dos horários, que se modificam todo o dia, até que se possa estabelecer um cronograma para o desenvolvimento do projeto de mestrado e a escrita do romance. Há ainda reuniões, elaboração de planos de aula, etc., que desviam o caminho já anteriormente traçado. Stephen Koch, no entanto, lembra que é “um erro fatal permitir que o ofício de escrever e o trabalho diurno se tornem inimigos”.

XXXII.
Escrevendo mais alguns parágrafos do romance, penso se ele tem algo de autobiográfico. Se tem, qual personagem tem mais a ver comigo? Ou quais as personagens? É necessário também questionar se uma boa obra literária deva se valer de elementos da vida do autor.

Silvia Adela Kohan, em Como narrar uma história, afirma: “Ao narrar uma história, partimos de experiências pessoais ou recontamos histórias que outros viveram. Estas experiências são retomadas pelo escritor de modo parcial ou total, de modo consciente ou inconsciente.”. É inevitável a inspiração em fatos pessoais, o que reforça o lugar-comum de que quanto mais velho o escritor, melhor ele é, devido às suas experiências de vida. Se comparo os meus textos adolescentes com os de agora, são notórias as diferenças.

(...)

XXXV.
A escolha do narrador em 3ª pessoa, com o foco em Paula, e não em 1ª, foi feita no sentido de acompanhar as reflexões da personagem, mas ainda assim quis deixar certo distanciamento. Como as ideias de Fred são essenciais, optei não por criar outro narrador, mas reproduzir o que seriam falas e textos da personagem num blogue.

Para David Lodge, em A arte da ficção, "a escolha do ponto de vista a partir do qual se conta a história pode ser considerada a decisão mais importante que o romancista pode tomar, pois tem um impacto profundo no modo como os leitores vão reagir, na esfera emotiva e moral, aos personagens e às suas ações".

Afirma que qualquer história de adultério, dependendo de que ponto de vista é contada, pode causar impressões diferentes no leitor. Cita Madame Bovary, porém, nos lembramos de Capitu, que Lodge provavelmente não leu.

Conhecedor do assunto, Lodge analisa um trecho de Pelos olhos de Maise, de Henry James. Aliás, o título do romance já nos revela o ponto de vista em que vai ser contada a história. (O título do meu romance também poderia revelar isso, mas lembro que os óculos podem não se referir às extensões dos nossos olhos.) São vários adultérios revelados “através do olhar de uma garotinha que sofre todas as consequências dos acontecimentos, ainda que mal os compreenda”. O ponto de vista é da pequena personagem, porém o narrador é em terceira pessoa, como se percebe nesse trecho do romance: “Nem mesmo nos velhos tempos das senhoras risonhas ela vira mamãe rir com tanto desprendimento.” A escolha desse ponto de vista foi importante para retratar a ingenuidade infantil e após passar para o olhar desconfiado do adolescente, depois que Maise cresce.

De acordo com Raimundo, o papel do narrador contemporâneo é trabalhar com muitas vozes, diversos narradores, tornando o texto uma experiência mais complexa e, dessa forma, as personagens ganham força. Para ilustrar essa ideia, cita um estudo de Laura Goulart Fonseca sobre Os sinos da agonia, de Autran Dourado, outro criador que teorizou o narrador:

"Na vertente dramática do romance contemporâneo, que teve sua origem em Gustave Flaubert, o narrador simplesmente desaparece da cena narrada e passa a mostrar os eventos. O que ocorre é uma teatralização, o leitor vê a cena, como se ela fosse representada em um palco. Os eventos deixam de ser narrados e passam a ser refletidos na consciência da personagem, de modo que o leitor visualiza a realidade ficcional do ponto de vista de um personagem de um romance, e não do narrador, como se observa no romance autoral."

Essa ideia norteia a eleição do foco narrativo no romance Os óculos de Paula. Devo, no entanto, tomar certo cuidado, seguindo a orientação de David Lodge, "não há regras nem leis determinando que um romance não possa mudar de ponto de vista quando o autor bem entender; mas se essa decisão não for tomada de acordo com algum plano ou sentido estético, o envolvimento do leitor, o processo em que o sentido do texto se produz, será perturbado."


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 20/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2016
01. O suicídio na literatura - 13/4/2016
02. Ler para ficar acordado - 18/5/2016
03. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso - 28/12/2016
04. Notas confessionais de um angustiado (V) - 26/10/2016
05. Proibir ou não proibir? - 10/2/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cabeça de Lobo
J. K. Mayo
Globo
(1989)
+ frete grátis



Movimentos Populares na Idade Média
José Rivair Macedo
Moderna
(2003)



Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei
Malika Oufkir e Michèle Fitoussi
Companhia das Letras
(1999)



Teletandem - um Contexto Virtual, Autônomo e Colaborativo para a Apren
João A. Telles
Pontes Fapesp



Para Onde o Coração Aponta
Marcelo Lelis; Murilo Silva Cisalpino
Formato
(1996)



Pesquisa Qualitativa: um Instigante Desafio - 2ª Edição
Maria Lucia Martinelli ( Organizadora )
Veras
(2012)



As Armadilhas do Poder - Bastidores da Imprensa
Gilberto Dimenstein
Summus
(1990)



O Noviço (1997)
Martins Penas
Publifolha
(1997)



Estação Terminal
Boileau Narcejac
Globo
(1980)



A Violência da Moeda
Michel Aglietta, André Orléan
Brasiliense
(1990)





busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês