Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Quarta-feira, 24/8/2016
Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
Cassionei Niches Petry

+ de 2300 Acessos

Logo no início da leitura do romance bate aquela inveja quando se sabe que o autor tinha entre 17 e 19 anos quando o escreveu. Maleita, de Lúcio Cardoso (Editora Civilização Brasileira, 236 páginas), é um romance de estreia que está no mesmo patamar de outras obras publicadas durante os anos 30. Aí o escriba aqui, com seus 38 anos, que mal e mal escreveu dois livros de qualidade duvidosa, lembra que, naquela época, outros autores escreviam suas primeiras obras antes dos 20 anos: Jorge Amado, com O país do carnaval, e Raquel de Queirós, com O quinze. Não tem como não me recolher à minha insignificância.

Cardoso escreveu a história inspirado no seu pai e o protagonista tem inclusive o mesmo nome. Em 1893, junto com sua mulher, Elisa, e um cozinheiro, Bento, mais outros agregados, Joaquim chega à localidade de Pirapora, em MG, a serviço de uma companhia de tecidos, para construir prédios e fazer crescer o lugar que fica às margens do Rio São Francisco. Enfrenta, no entanto, a resistência violenta de ex-escravos, incitados pelo mulato João Randulfo, pois o forasteiro impedia que eles seguissem seus costumes, como andar nus na beira do rio e fazer batuque, regado a muita bebida e orgias até altas horas da noite. “Os conflitos tornaram-se frequentes; os homens apareciam esfaqueados ou baleados pelos caminhos, sem que ninguém conseguisse achar o assassino. A tocaia era um meio seguro de se matar impunemente”.

O obstáculo maior, no entanto, são as doenças. Num primeiro momento, a malária, conhecida como maleita, a “doença infernal”, que inclusive leva sua mulher. Depois chega a varíola, que se espalha e deixa Pirapora isolada durante um tempo, levando os habitantes a passar fome, pois nenhum navio atracava na localidade por causa da peste. Joaquim, no entanto, segue forte, resiste, faz de tudo para salvar o povoado. É derrotado, porém, quando um político da vizinhança, o Coronel Tibúrcio Pedreira, consegue um “papel do governo”, nomeando justamente João Randulfo, que o apoiou nas eleições, para delegado de Pirapora. Seu inimigo, então, planeja a vingança: “Neste momento o mulato passava novamente, seguido por quatro ou cinco jagunços a cavalo. Em todas as faces eu li o mesmo olhar de ódio.” Joaquim decide, então, ir embora.

Pelo título do segundo romance de Lúcio Cardoso, pela leitura do livro anterior e por ter lido uma vez sobre o escritor ter sido enquadrado entre os romancistas de 30 no início de sua carreira, pensei que Salgueiro (Civilização Brasileira, 256 páginas) se passasse no interior de Minas Gerais de novo e que salgueiro fosse a árvore mesmo. Trata-se, no entanto, de um enredo que conta a vida de alguns moradores do morro que dá nome a uma das maiores escolas de samba do Rio de Janeiro.

Dividido em três partes, “O avô”, “O pai” e “O filho”, a narrativa foca-se nos conflitos de uma família pobre, que vive em um barraco alugado. Mais importante que as brigas, a doença do velho Manuel, a conturbada relação do pai, José Gabriel, com sua companheira, Rosa, e a vagabundagem do filho, Geraldo, são os conflitos interiores dos personagens a tônica do enredo, preconizando, como se sabe, o que viria nas obras subsequentes. O espaço externo ainda é determinante, como em Maleita, tanto que o objetivo de alguns dos personagens é sair do lugar. É o que fazem Genoveva, a avó, e sua filha Marta, depois da morte do avô e a fuga de José Gabriel depois de ter espancado Rosa e ela o ter denunciado por um furto.

É Geraldo, me parece, o protagonista do enredo, apesar de o coletivo ser o grande personagem, como em O cortiço, clássico naturalista de Aluísio Azevedo. A divisão das partes no faz pensar nisso, bem como boa parte do foco narrativo cair sobre ele. Jovem, vivendo no morro, órfão da mãe, “assassinada num conflito no morro”, e não dando certo em nenhum trabalho, Geraldo é um candidato à criminalidade, segundo seus próprios parentes. Mesmo se sentindo desprezado pelo pai, ele fica no morro para procurá-lo depois da fuga, numa tentativa de reaproximação.

Chamou minha atenção, nas duas primeiras obras, a presença forte dos negros. Em Maleita, que se passa logo depois do fim da escravidão, vemos seres abandonados pelos governantes, vivendo de forma quase primitiva. De escravos na “casa grande”, passaram a escravos do destino. Em Salgueiro, ambientado provavelmente nos anos 30, os negros e mulatos também são marionetes das Parcas, abandonados da mesma forma pelas autoridades, porém com perspectivas, ainda que mínimas, de mudança. Aliás, é sobre o abandono por parte dos deuses, ou de Deus mais especificamente, que Geraldo reflete perto do final do romance:

“Sim, o Salgueiro era uma terra condenada, uma terra de exílio, sem culpa, ali é que eles pagavam a pena de não serem lembrados por Deus (...). Por que ‘ele’ abandonava daquele modo as criaturas?”

A luz no subsolo (Civilização Brasileira, 368 páginas) foi um romance que me impressionou muito quando o li pela primeira vez. Era, porém, muito jovem e pouco me lembrava do enredo. Segundo os críticos, é o salto na trajetória de Lúcio Cardoso. Terceiro romance do autor, é o primeiro mais relevante da sua obra e na qual se foca na ficção introspectiva ou “sondagem interior”, de acordo com Alfredo Bosi, deixando de lado o regionalismo e o naturalismo das primeiras obras.

O enredo nos deixa angustiado desde o início. Não há tempo para respirar, salvo nas mudanças de capítulo. Todos os personagens sofrem com alguma coisa e o leitor sofre junto. Madalena sofre porque Maria, sua prima e criada, vai sair da casa, sofre com sua mãe alcoólatra e sofre por causa do marido, Pedro, que por sua vez sofre porque vai perder o emprego de professor, assim como sofre devido a seu passado, sua culpa, e sofre por causa da dívida com Bernardo, que sofre de amor por Madalena, que é também sua cunhada.

O sofrimento, por sua vez, causa o medo. É o medo da presença de Pedro que faz Maria querer ir embora, assim como a nova empregada, Emanuela, também tem medo dele (“Estava imensamente pálida e, apesar de conservar o mesmo ar infantil, transpirava violentamente da sua pessoa um medo extraordinário, um medo tão visível, que chegava a lhe marcar no rosto uma expressão angustiada de terror”). Madalena tem medo de Pedro atrás dos seus livros (“Os livros eram apenas uma trincheira. Por trás das capas amarelas ela se sentia espiada, vigiada, escarnecida, sensações idênticas a que experimentava Maria”) e Pedro tem medo do seu próprio eu, simbolizado no “mendigo resignado”, um ser que aparece em suas alucinações e com quem conversa.

Para Lúcio Cardoso, essa angústia e o medo são fruto de um mundo sem Deus. É essa a posição que se pode interpretar, pois alguns personagens questionam sua existência: “Nada me impede, pois, de me revoltar contra a ‘ideia’ de Deus”, diz Pedro a Bernardo que, no final, sobre o cadáver do concunhado, diz que “somos parcelas de um outro todo e esperamos um outro dia que não será aquele em que Deus aparecer no coração dos homens”.

Não há, no entanto, nada de proselitismo religioso na sua obra, mas sim a constatação do vazio interior do homem que nenhuma força divina consegue suplantar, como afirma Pedro: “A noite é escura, se te estenderes na linha férrea e a locomotiva despedaçar o teu corpo, Deus não te impedirá de morrer. Experimente e verás que tu podes destruir a ti mesmo”. Podemos perceber a atualização das tragédias gregas e do destino traçado, por mais que os deuses aparentemente interfiram para ajudar seus protegidos.

Não temos como fugir do subsolo da nossa existência. A luz não é para ser alcançada. Ela existe somente para nos mostrar que ela está lá e mais nada. Serve para nos manter na ilusão.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 24/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leblon de Marta Barcellos
02. Necrológico da Biblioteca de Viegas Fernandes da Costa
03. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu de Celso A. Uequed Pitol
04. Felicidade de Daniel Bushatsky
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 de Rafael Fernandes


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2016
01. O suicídio na literatura - 13/4/2016
02. Ler para ficar acordado - 18/5/2016
03. Proibir ou não proibir? - 10/2/2016
04. Notas confessionais de um angustiado (V) - 26/10/2016
05. De louco todos temos um pouco - 13/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM ENCONTRO DIFÍCIL
ARTURO PAOLI
PAULINAS
(1981)
R$ 10,00



HIDRÁULICA FLUVIAL
ALFREDO BANDINI
USP
(1958)
R$ 60,00



ANJOS: ENTRANDO EM CONTATO COM OS SERES DE LUZ
MINAMI KEIZI
MADRAS
(2001)
R$ 5,00



ENCICLOPÉDIA CULTURAL
VARIOS AUTORES
A. LOPES
(1923)
R$ 4,50



LINGUA LITERATURA E REDAÇÃO 3
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1999)
R$ 14,00



AMOR E SEXO NA ADOLESCÊNCIA
NAUMI DE VASCONCENLOS
MODERNA
(1985)
R$ 17,25



HISTÓRIA DA RIQUEZA DO HOMEM
LEO HUBERMAN
GUANABARA
(1986)
R$ 10,00



POEMAS DE PAIXÕES E COISAS PARECIDAS
JOSÉ CARLOS VIEIRA
GERAÇÃO
(2013)
R$ 25,00
+ frete grátis



MINI CÓDIGOS TRIBUTÁRIO 2014
ROQUE ANTONIO CARRAZZA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2014)
R$ 70,00



PORTUGUÊS LINGUAGENS 3 LITERATURA. PRODUÇÃO DE TEXTO. GRAMÁTICA
WILLIAM ROBERTO CEREJA/ THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ED. SARAIVA
(2010)
R$ 5,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês