Eu matei Marina Abramovic (Conto) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/3/2015
Eu matei Marina Abramovic (Conto)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4500 Acessos

Acordei meio tarde. Sobre a mesa do café da manhã, encontrei o jornal com o Caderno de Cultura aberto, onde estava estampada a notícia da primeira exposição no Brasil da artista Marina Abramovic. Li imediatamente a notícia, antes mesmo de colocar o café na xícara.

- Você viu quem estará no Brasil? Perguntou Clara, apontando o dedo para o jornal.

- Sim. Mas me causa espanto saber que Marina Abramovic vai retomar a sua famosa performance onde deixa algumas facas e revólveres carregados à disposição do público... armas que podem até ser usadas contra ela. Mas aqui não diz nada sobre a razão que a levou a vir parar aqui no fim do mundo e muito menos a razão para retomar tal performance.

Clara se aproximou de mim, me beijou e sussurrou no meu ouvido, com o ar morno que saía de sua boca, que era a minha chance de realizar o desejo que sempre tive de participar de uma performance com Abramovic.

- Sim, Clara, este é o momento. Mas te pergunto se a ideia da experiência limite, que é uma prática privilegiada das performances dela, inclusive colocando-a sob risco de morte, teria, no Brasil, algum significado objetivo?

- Pode ser, - disse Clara - talvez ela queira provar para si mesma que ainda que esteja em um lugar tão violento como o Brasil, ninguém ousaria destruir uma obra de arte (sua própria performance). Bom, você que é sabichão nessas coisas de arte pode me dizer.

Fiquei pensando um tempo. Conhecendo o trabalho dela, imagino que pretenda encontrar aqui, onde a possibilidade da morte é real, o momento mais significativo para sua criação, ou seja, a ideia de colocar realmente a própria vida em risco e levar sua performance ao ponto máximo. Expus esta ideia para Clara.

- Afinal, Clara, entre um público "civilizado" como o europeu ou o americano ela tinha certeza de que ninguém a mataria, mas aqui, onde se tem uma guerra não declarada, com milhares de mortes por ano, o perigo é real. Como artista visceral que é, não acabara de encontrar o solo fértil para uma experiência de fato extrema? Teria ela encontrado sua Sérvia novamente?

Não se sabia, afinal, qual a razão que levaria Abramovic a retomar a consagrada performance aqui no Brasil. Sobre isso, a artista não declarou nada à imprensa. No jornal, críticos em rebuliço decidiram colocar suas hipóteses na ordem do dia. Algumas bastante estranhas, diga-se de passagem. Nenhum parecia entender os reais propósitos dela. Indicando de motivos fúteis aos mais sublimes, teóricos se digladiavam para explicar o fenômeno Abramovic. No fim das contas, segundo meu parecer, as explicações escritas ali soavam vazias. Nada mais que isso. É o que tentei dizer para Clara, que parecia ter um sinal de interrogação sobre a cabeça.

Minha conversa com Clara, como sempre, não foi adiante. Durante uma semana não pensei em nada a não ser na ideia de ir ao SESC participar da performance de Abramovic.

No dia da performance, o SESC estava repleto de pessoas, a maioria suadas pelo calor que fazia naquela tarde, esperando numa fila enorme a sua vez de pegar o revólver ou a faca e brincar de matar ou torturar Abramovic. E eu me perguntava o que levaria tantas pessoas a sair de casa, enfrentar um trânsito infernal, aguentar aquele calor também infernal, apenas para participar da performance de uma artista maluca, que para eles não passava de uma espécie de consagrada Mona Lisa do momento.

Curioso sobre as razões que levavam as pessoas a vir ver Abramovic, comecei a conversar na fila com um ou outro "participante".

- Então, rapaz, que loucura! Poderemos participar de uma performance com Abramovic, uma artista internacional!

- Pois é, - me disse um deles - quem sabe não serei até fotografado ao lado dela e minha foto poderá acabar num desses livros coloridos de arte que as pessoas adoram colocar como decoração sobre a mesa de centro de suas salas?

Outro, meio afetado, já disse: - Imagina, que luuuuuxo! Eu e a santa! Delírio total!

Cada um parecia ter sua obscura razão para estar ali.

A minha, que é o que importa, era fazer arte, a minha própria performance. E só havia uma forma para isso acontecer. Eu sabia da existência de um contrato entre a artista e o público participante, de que se alguém a matasse durante a performance essa pessoa estaria juridicamente livre de qualquer criminalização, pois o próprio fato da artista ser morta se tornaria parte da obra e o assassino um coautor da mesma.

Conforme eu havia lido, juízes divergiam sobre esse "direito da artista em colocar sua própria vida em risco e, ainda mais, de levar alguém a cometer um assassinato". Pouco importa, o contrato existia. E, talvez, Abramovic acreditasse que jamais aconteceria qualquer coisa com ela. No máximo pequenos cortes de faca aqui e ali, feitos por alguns artistas de performance também acostumados a esses sadomasoquismos típicos da classe artística. Ela sabia como pisar em um campo minado. Ela estava dentro do jogo, mas sempre como mestra do jogo. Dominava suas regras, mesmo colocando seu corpo à prova de fogo, seja com jejuns absurdos ou silêncios absolutos, dentre outras práticas que visavam destruir o seu "Eu" e apagar a identidade que aprisionava sua consciência, impedindo-a de tocar o absoluto.

Ela não esperava encontrar no Brasil alguém como eu, que havia aprendido de fato o que ela havia ensinado. Eu ia levá-la a provar do próprio veneno. Não sou um desses artistas simplórios que, "para estar por dentro", curtia Abramovic, mas que na primeira paulada procurava um analista. Não, eu aprendi o que ela ensinou: "É preciso entender que o corpo é uma máquina. Essa disciplina é necessária para encarar as tarefas da performance." Me treinei nos seus ensinamentos por anos e agora mostraria o resultado para a mestra.

Conhecendo profundamente a obra de Abramovic, sabia também em que estágio ela se encontrava na sua vida artística. Um crítico classificou (críticos adoram classificar) a fase atual de sua obra de "ações contemplativas", o que é correto, mas sem entender qual o objetivo dessas ações. E é aqui que talvez resida a explicação para a retomada do seu trabalho mais doloroso e perigoso: a performance com faca e revólver. Segundo soube pelos jornais, Abramovic prepara um filme onde vai ser assassinada sete vezes de sete diferentes formas. Uma espécie de "ensaio para seu próprio funeral", como ela disse. Mas... ainda estamos apenas no território da encenação.

Decidi fazê-la pular o ensaio. E naquela fila do SESC, suando por causa do calor, mas não pela emoção, estava prestes a entrar na história da arte como um dos mais ousados artistas da performance. E também como a pessoa que matou Marina Abramovic.

Andando na fila calmamente, enquanto esperava a minha vez de estar diante da artista, me coloquei em estado de "transe". É o que é necessário à consciência que busca o extremo, a experiência limite. Atingi ali mesmo o estado onde o Tempo desaparece, onde a correnteza das forças cósmicas correm sem sentido algum, preparado para executar o meu objetivo.

Encontrei-a sentada numa cadeira, tranquila, e na sua frente, sobre a mesa, algumas facas e revólveres carregados. Escolhi um deles. Estava ainda quente, pois deve ter sido o que mais foi manipulado pelas pessoas que estiveram ali, antes de mim. Bastante manipulado, portanto. Mas não usado. Meus olhos encontraram os de Abramovic. Ela sabia. Encarou-me profundamente. Veio-me à mente apenas a imagem de algum pintor que representou Cristo na cruz no momento em que se entregava à morte, aos desígnios de Deus. Ela sabia e, pelo que pressenti, estava pronta. Todas as suas performances anteriores eram apenas uma preparação para esse momento. Não seria à toa que retomaria a performance.

Sabendo disso, eu já me colocava como coautor da obra. Tentei pensar sobre as reações que Clara teria ao saber da minha ação, mas eu apenas era seduzido pelos olhos de Abramovic que se aprofundavam dentro dos meus. A arma na minha mão já apontava diretamente para seu rosto quando seus lábios se abriram, e seus olhos, com retinas que pareciam navalhas, caíram mais ainda dentro dos meus, como se me puxassem para uma cópula mortal, quando ouvi de sua boca a frase fatal: "A morte é o último grande ato de um artista". Ao fechar os lábios, a bala do revólver já estava iniciando seus estragos na testa branca da artista, que caiu como uma pena ao chão, enquanto sua consciência saltava para o abismo do Nada.

A sua frase lapidar se concretizou. Para meu júbilo, e para o desespero dos fãs, visivelmente atordoados com a cena, aqueles que jamais entenderam e jamais viriam a entender a última performance de Marina Abramovic.

Durante uma das visitas que me fez na prisão, Clara me entregou um presente, com um leve sorriso irônico estampado no rosto. Eram os livros "Crime e Castigo", de Dostoievski, e "Do assassinato como uma das belas-artes", de Thomas De Quincey. Meus livros preferidos.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
02. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
03. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
04. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
05. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA LITERATURA REALISTA
FIDELINO DE FIGUEIREDO
ANCHIETA
(1946)
R$ 17,64



ESTUDO DE LÍNGUA E LITERATURA 1
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1985)
R$ 6,00



COLEÇÃO PROFESSOR PASQUALE EXPLICA 1 - ORTOGRAFIA
PASQUALE CIPRO NETO
GOLD
(2011)
R$ 6,90



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
MARTIN CLARET
(2012)
R$ 5,50



O CONTO BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO
ALFREDO BOSI (ORG.)
CULTRIX
R$ 12,00



O MUNDO VEGETAL
XAVIER LLIMONA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON A-Z
KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON
VERLAG VON TH. KNAUR NACHF
(1936)
R$ 41,00



TURISMO GLOBAL
WILLIAM F. THEOBALD (ORG.)
SENAC
(2002)
R$ 75,00



ARMAS & CORAÇÕES
AUTRAN DOURADO
ROCCO
(2006)
R$ 14,90



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES; RUBEM BRAGA; EDSON R. BRAGA
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,00





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês