Eu matei Marina Abramovic (Conto) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> S. O. S Corpo Viagem ao Mundo da Contracepção de Rose Marie Muraro pela Rosa dos Tempos (1991)
>>> Uma Vida Em Alta Velocidade Em Depoimento a Peter Golenbock de Emerson Fittipaldi e Peter Golenbock pela Objetiva (2003)
>>> Uma Mulher Egípcia de Jehan Sadat pela Bibliex (2005)
>>> Econometric Methods de J. Johnston pela Mcgraw Hill (ny) (1972)
>>> O Continente Desaparecido de Gianni Minà pela Record (2007)
>>> Era uma Vez Fh: o Humor na História do Brasil de 1994 a 2002 de Chico Caruso pela Devir (2002)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2000)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 (2ª Ed.) de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2001)
>>> Ciclos de Formação: uma Reorganização do Tempo Escolar de Elvira Souza Lima pela Sobradinho 107 (2002)
>>> Perdão: o Segredo da Cura Total de Roberto Mcalister (2ª Edição) pela Carisma (1982)
>>> A Luz Imortal de Vasco da Gama de João Lyra Filho pela Club de Regatas Vasco da Gama (1969)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho pela Nau (2013)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho e Outros (orgs) pela Nau (2013)
>>> Esquerda no Brasil: uma História Nas Sombras de História Viva, Nº 5 - Temas Brasileiro pela Duetto
>>> Entre sem Bater: o Humor na Imprensa - do Barão de Itararé ao Pas de Luís Cunha Pimentel pela Ediouro (2004)
>>> E Agora, Che? a Revolução das Bananas de Humberto Borges pela Europa (rj) (1980)
>>> Arbeitswert, Mehrwert Und Verteilung: Zur Problematik Von Theorie de Gerhard Himmelmann (em Alemão) pela Westdeutscher Verlag (1974)
>>> El Hombre Ilustrado de Ray Bradbury pela Minotauro (buenos Aires) (1980)
>>> Profissionais de Saúde: Vivendo e Convivendo Com Hivaids de Elaine Gomes e Dalton Luiz de Paula Ramos pela Santos (2002)
>>> Namoros Com a Medicina - 4ª Edição de Mário de Andrade pela Martins e Itatiáia (1980)
>>> Los Pajaros Regresan de La Niebla de Pedro Rivera (dedicatória) pela Ministerio de Educacion Panamá (1970)
>>> Racionalidade Retórica; América Latina; Onda Movimentalista e Açã de Estudos Leopoldinenses Vol 33 Nº 151 de 1997 pela Univ do Vale do Rio dos Sinos (1997)
>>> O Imperador da Fome de Newton Belleza pela Edições o Cruzeiro (1974)
>>> Vocabulário e Texto do Disco de Sons de Curso de Conversação: Alemão pela Linguaphone Institute
>>> Billy Hooten Owlboy: the Girl With the Destructo Touch de Thomas E. Sniegoski pela A Yearling Book (2007)
>>> Brésil, Pays Du Ballon Rond : Essai de Betty Milan pela Laube (frança) (1998)
>>> Taxionomia Contratual de Marcos Cavalcante de Oliveira pela Forense (1981)
>>> Leurope Au Moyen Age de Georges Duby pela Flammarion (1993)
>>> Liturgia, de Coração de Ione Buyst pela Paulus (2003)
>>> Acaso, Necessidade, Acção: Entre Aristóteles e Verdi de Revista Travessias, Nº 2e3 de 2000e01 pela Faperj (2000)
>>> Ill Let You Go: a Novel de Bruce Wagner pela Random House (new York) (2003)
>>> Catálogo da Secção Ivan Lins de Universidade Gama Filho - Biblioteca Central pela Univ Gama Filho (1977)
>>> Las Ruedas de un Alma de Dr Philip S. Berg pela Ci de La Cabala (jerusalem-ny) (1986)
>>> Quien Es y Quien Fue El Conde St Germain: Metafísica 3 de Conde St. Germain pela Ecologic Argentina (1986)
>>> A Idade Média:a Expansão do Oriente e o Nascimento da Civilização Ocid de Édouard Perroy pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Ciência Tecnologia Teologia de João Vieira Martins (2ª Edição) pela Marques Saraiva (2000)
>>> O Conselho de Segurança Após a Guerra do Golfo de Antonio de Aguiar Patriota pela Fundação Alexandre de Gusmão (2010)
>>> Castro Alves: Imagens Fragmentadas de um Mito de Edilene Matos pela Fapesp (2001)
>>> Teoria Geral das Obrigações. Parte Geral de Leonardo Pantaleão pela Manole (2007)
>>> Transferências de Impostos aos Estados e Municípios de Aloísio B de Araujo, Maria Helena e Claudio M pela Ipea (rj) (1973)
>>> Alma y Espiritu: Profundo Análisis y Cuidadosa Interpretación Al de Felas Du Richard, S I pela Luis Carmo (1989)
>>> Grammaire de Lespagnol de Bernard Pottier pela Puf (1972)
>>> La Sociologie Du Langage (que Sais-je?) de Pierre Achard pela Puf (1993)
>>> Agricultura e Perestroika de Dados Vol 32 Nº 2 de 1989 (revista) pela Vértice (1989)
>>> Carnaval Brasileiro: da Origem Européia ao Símbolo Nacional de Revista Brasileira para Progresso Ciência, 8 pela Sbpc (1987)
>>> Los Primitivos Reyes de Noruega de Tomás Carlyle pela Espasa (buenos Aires) (1944)
>>> Bunge and Born: Crecimiento y Diversificación de un Grupo Economi de Jorge Schvarzer pela Cisea (1989)
>>> You Can Draw de Adrian Hill pela Hart Publishing (nova Iorque) (1966)
>>> Dicionário de Medicina Natural (capa Dura) de Readers Digest pela Readers Digest (1998)
>>> The Complete Works of O. Henry - Vol. Ii (capa Dura) de O. Henry ; Fareword Harry Hansen pela Doubleday & Company (1953)
COLUNAS

Terça-feira, 17/3/2015
Eu matei Marina Abramovic (Conto)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4100 Acessos

Acordei meio tarde. Sobre a mesa do café da manhã, encontrei o jornal com o Caderno de Cultura aberto, onde estava estampada a notícia da primeira exposição no Brasil da artista Marina Abramovic. Li imediatamente a notícia, antes mesmo de colocar o café na xícara.

- Você viu quem estará no Brasil? Perguntou Clara, apontando o dedo para o jornal.

- Sim. Mas me causa espanto saber que Marina Abramovic vai retomar a sua famosa performance onde deixa algumas facas e revólveres carregados à disposição do público... armas que podem até ser usadas contra ela. Mas aqui não diz nada sobre a razão que a levou a vir parar aqui no fim do mundo e muito menos a razão para retomar tal performance.

Clara se aproximou de mim, me beijou e sussurrou no meu ouvido, com o ar morno que saía de sua boca, que era a minha chance de realizar o desejo que sempre tive de participar de uma performance com Abramovic.

- Sim, Clara, este é o momento. Mas te pergunto se a ideia da experiência limite, que é uma prática privilegiada das performances dela, inclusive colocando-a sob risco de morte, teria, no Brasil, algum significado objetivo?

- Pode ser, - disse Clara - talvez ela queira provar para si mesma que ainda que esteja em um lugar tão violento como o Brasil, ninguém ousaria destruir uma obra de arte (sua própria performance). Bom, você que é sabichão nessas coisas de arte pode me dizer.

Fiquei pensando um tempo. Conhecendo o trabalho dela, imagino que pretenda encontrar aqui, onde a possibilidade da morte é real, o momento mais significativo para sua criação, ou seja, a ideia de colocar realmente a própria vida em risco e levar sua performance ao ponto máximo. Expus esta ideia para Clara.

- Afinal, Clara, entre um público "civilizado" como o europeu ou o americano ela tinha certeza de que ninguém a mataria, mas aqui, onde se tem uma guerra não declarada, com milhares de mortes por ano, o perigo é real. Como artista visceral que é, não acabara de encontrar o solo fértil para uma experiência de fato extrema? Teria ela encontrado sua Sérvia novamente?

Não se sabia, afinal, qual a razão que levaria Abramovic a retomar a consagrada performance aqui no Brasil. Sobre isso, a artista não declarou nada à imprensa. No jornal, críticos em rebuliço decidiram colocar suas hipóteses na ordem do dia. Algumas bastante estranhas, diga-se de passagem. Nenhum parecia entender os reais propósitos dela. Indicando de motivos fúteis aos mais sublimes, teóricos se digladiavam para explicar o fenômeno Abramovic. No fim das contas, segundo meu parecer, as explicações escritas ali soavam vazias. Nada mais que isso. É o que tentei dizer para Clara, que parecia ter um sinal de interrogação sobre a cabeça.

Minha conversa com Clara, como sempre, não foi adiante. Durante uma semana não pensei em nada a não ser na ideia de ir ao SESC participar da performance de Abramovic.

No dia da performance, o SESC estava repleto de pessoas, a maioria suadas pelo calor que fazia naquela tarde, esperando numa fila enorme a sua vez de pegar o revólver ou a faca e brincar de matar ou torturar Abramovic. E eu me perguntava o que levaria tantas pessoas a sair de casa, enfrentar um trânsito infernal, aguentar aquele calor também infernal, apenas para participar da performance de uma artista maluca, que para eles não passava de uma espécie de consagrada Mona Lisa do momento.

Curioso sobre as razões que levavam as pessoas a vir ver Abramovic, comecei a conversar na fila com um ou outro "participante".

- Então, rapaz, que loucura! Poderemos participar de uma performance com Abramovic, uma artista internacional!

- Pois é, - me disse um deles - quem sabe não serei até fotografado ao lado dela e minha foto poderá acabar num desses livros coloridos de arte que as pessoas adoram colocar como decoração sobre a mesa de centro de suas salas?

Outro, meio afetado, já disse: - Imagina, que luuuuuxo! Eu e a santa! Delírio total!

Cada um parecia ter sua obscura razão para estar ali.

A minha, que é o que importa, era fazer arte, a minha própria performance. E só havia uma forma para isso acontecer. Eu sabia da existência de um contrato entre a artista e o público participante, de que se alguém a matasse durante a performance essa pessoa estaria juridicamente livre de qualquer criminalização, pois o próprio fato da artista ser morta se tornaria parte da obra e o assassino um coautor da mesma.

Conforme eu havia lido, juízes divergiam sobre esse "direito da artista em colocar sua própria vida em risco e, ainda mais, de levar alguém a cometer um assassinato". Pouco importa, o contrato existia. E, talvez, Abramovic acreditasse que jamais aconteceria qualquer coisa com ela. No máximo pequenos cortes de faca aqui e ali, feitos por alguns artistas de performance também acostumados a esses sadomasoquismos típicos da classe artística. Ela sabia como pisar em um campo minado. Ela estava dentro do jogo, mas sempre como mestra do jogo. Dominava suas regras, mesmo colocando seu corpo à prova de fogo, seja com jejuns absurdos ou silêncios absolutos, dentre outras práticas que visavam destruir o seu "Eu" e apagar a identidade que aprisionava sua consciência, impedindo-a de tocar o absoluto.

Ela não esperava encontrar no Brasil alguém como eu, que havia aprendido de fato o que ela havia ensinado. Eu ia levá-la a provar do próprio veneno. Não sou um desses artistas simplórios que, "para estar por dentro", curtia Abramovic, mas que na primeira paulada procurava um analista. Não, eu aprendi o que ela ensinou: "É preciso entender que o corpo é uma máquina. Essa disciplina é necessária para encarar as tarefas da performance." Me treinei nos seus ensinamentos por anos e agora mostraria o resultado para a mestra.

Conhecendo profundamente a obra de Abramovic, sabia também em que estágio ela se encontrava na sua vida artística. Um crítico classificou (críticos adoram classificar) a fase atual de sua obra de "ações contemplativas", o que é correto, mas sem entender qual o objetivo dessas ações. E é aqui que talvez resida a explicação para a retomada do seu trabalho mais doloroso e perigoso: a performance com faca e revólver. Segundo soube pelos jornais, Abramovic prepara um filme onde vai ser assassinada sete vezes de sete diferentes formas. Uma espécie de "ensaio para seu próprio funeral", como ela disse. Mas... ainda estamos apenas no território da encenação.

Decidi fazê-la pular o ensaio. E naquela fila do SESC, suando por causa do calor, mas não pela emoção, estava prestes a entrar na história da arte como um dos mais ousados artistas da performance. E também como a pessoa que matou Marina Abramovic.

Andando na fila calmamente, enquanto esperava a minha vez de estar diante da artista, me coloquei em estado de "transe". É o que é necessário à consciência que busca o extremo, a experiência limite. Atingi ali mesmo o estado onde o Tempo desaparece, onde a correnteza das forças cósmicas correm sem sentido algum, preparado para executar o meu objetivo.

Encontrei-a sentada numa cadeira, tranquila, e na sua frente, sobre a mesa, algumas facas e revólveres carregados. Escolhi um deles. Estava ainda quente, pois deve ter sido o que mais foi manipulado pelas pessoas que estiveram ali, antes de mim. Bastante manipulado, portanto. Mas não usado. Meus olhos encontraram os de Abramovic. Ela sabia. Encarou-me profundamente. Veio-me à mente apenas a imagem de algum pintor que representou Cristo na cruz no momento em que se entregava à morte, aos desígnios de Deus. Ela sabia e, pelo que pressenti, estava pronta. Todas as suas performances anteriores eram apenas uma preparação para esse momento. Não seria à toa que retomaria a performance.

Sabendo disso, eu já me colocava como coautor da obra. Tentei pensar sobre as reações que Clara teria ao saber da minha ação, mas eu apenas era seduzido pelos olhos de Abramovic que se aprofundavam dentro dos meus. A arma na minha mão já apontava diretamente para seu rosto quando seus lábios se abriram, e seus olhos, com retinas que pareciam navalhas, caíram mais ainda dentro dos meus, como se me puxassem para uma cópula mortal, quando ouvi de sua boca a frase fatal: "A morte é o último grande ato de um artista". Ao fechar os lábios, a bala do revólver já estava iniciando seus estragos na testa branca da artista, que caiu como uma pena ao chão, enquanto sua consciência saltava para o abismo do Nada.

A sua frase lapidar se concretizou. Para meu júbilo, e para o desespero dos fãs, visivelmente atordoados com a cena, aqueles que jamais entenderam e jamais viriam a entender a última performance de Marina Abramovic.

Durante uma das visitas que me fez na prisão, Clara me entregou um presente, com um leve sorriso irônico estampado no rosto. Eram os livros "Crime e Castigo", de Dostoievski, e "Do assassinato como uma das belas-artes", de Thomas De Quincey. Meus livros preferidos.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
02. 2011: a queda do império? de Gian Danton
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro de Duanne Ribeiro
04. O que você está lendo? de Abdalan da Gama
05. Arquitetura carioca: um patrimônio menosprezado de Luis Eduardo Matta


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONATA DE OUTONO - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1978)
R$ 12,00



A UTOPIA - UM CONVITE À FILOSOFIA
JEAN-YVES LACROIX
JORGE ZAHAR RIO DE JANEIRO
(1996)
R$ 12,00



LYGIA PAPE, INTRINSECAMENTE ANARQUISTA
DENISE MATTAR
RELUME DUMARÁ
(2003)
R$ 13,00



OS ANOS 80: CONTAGEM REGRESSIVA PARA O JUÍZO FINAL
HAL LINDSEY
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 9,00



DESCOBERTA DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM MINERAÇÃO DE DADOS
FELIPE FERRÉ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS NO BRASIL
MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA, FABRÍCIO E. ARAÚJO UND ALEXANDRE A. MEXIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



POPE JOAN
LAWRENCE DURRELL
SPHERE BOOKS
(1971)
R$ 27,28



RABISCADO NO TEATRO
STÉPHANE MALLARMÉ
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 41,83



PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS
PEDRO PASSARINHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



INDICADORES CARDIOVASCULARES E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS
JANAISA GOMES DIAS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês