Eu matei Marina Abramovic (Conto) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 17/3/2015
Eu matei Marina Abramovic (Conto)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4800 Acessos

Acordei meio tarde. Sobre a mesa do café da manhã, encontrei o jornal com o Caderno de Cultura aberto, onde estava estampada a notícia da primeira exposição no Brasil da artista Marina Abramovic. Li imediatamente a notícia, antes mesmo de colocar o café na xícara.

- Você viu quem estará no Brasil? Perguntou Clara, apontando o dedo para o jornal.

- Sim. Mas me causa espanto saber que Marina Abramovic vai retomar a sua famosa performance onde deixa algumas facas e revólveres carregados à disposição do público... armas que podem até ser usadas contra ela. Mas aqui não diz nada sobre a razão que a levou a vir parar aqui no fim do mundo e muito menos a razão para retomar tal performance.

Clara se aproximou de mim, me beijou e sussurrou no meu ouvido, com o ar morno que saía de sua boca, que era a minha chance de realizar o desejo que sempre tive de participar de uma performance com Abramovic.

- Sim, Clara, este é o momento. Mas te pergunto se a ideia da experiência limite, que é uma prática privilegiada das performances dela, inclusive colocando-a sob risco de morte, teria, no Brasil, algum significado objetivo?

- Pode ser, - disse Clara - talvez ela queira provar para si mesma que ainda que esteja em um lugar tão violento como o Brasil, ninguém ousaria destruir uma obra de arte (sua própria performance). Bom, você que é sabichão nessas coisas de arte pode me dizer.

Fiquei pensando um tempo. Conhecendo o trabalho dela, imagino que pretenda encontrar aqui, onde a possibilidade da morte é real, o momento mais significativo para sua criação, ou seja, a ideia de colocar realmente a própria vida em risco e levar sua performance ao ponto máximo. Expus esta ideia para Clara.

- Afinal, Clara, entre um público "civilizado" como o europeu ou o americano ela tinha certeza de que ninguém a mataria, mas aqui, onde se tem uma guerra não declarada, com milhares de mortes por ano, o perigo é real. Como artista visceral que é, não acabara de encontrar o solo fértil para uma experiência de fato extrema? Teria ela encontrado sua Sérvia novamente?

Não se sabia, afinal, qual a razão que levaria Abramovic a retomar a consagrada performance aqui no Brasil. Sobre isso, a artista não declarou nada à imprensa. No jornal, críticos em rebuliço decidiram colocar suas hipóteses na ordem do dia. Algumas bastante estranhas, diga-se de passagem. Nenhum parecia entender os reais propósitos dela. Indicando de motivos fúteis aos mais sublimes, teóricos se digladiavam para explicar o fenômeno Abramovic. No fim das contas, segundo meu parecer, as explicações escritas ali soavam vazias. Nada mais que isso. É o que tentei dizer para Clara, que parecia ter um sinal de interrogação sobre a cabeça.

Minha conversa com Clara, como sempre, não foi adiante. Durante uma semana não pensei em nada a não ser na ideia de ir ao SESC participar da performance de Abramovic.

No dia da performance, o SESC estava repleto de pessoas, a maioria suadas pelo calor que fazia naquela tarde, esperando numa fila enorme a sua vez de pegar o revólver ou a faca e brincar de matar ou torturar Abramovic. E eu me perguntava o que levaria tantas pessoas a sair de casa, enfrentar um trânsito infernal, aguentar aquele calor também infernal, apenas para participar da performance de uma artista maluca, que para eles não passava de uma espécie de consagrada Mona Lisa do momento.

Curioso sobre as razões que levavam as pessoas a vir ver Abramovic, comecei a conversar na fila com um ou outro "participante".

- Então, rapaz, que loucura! Poderemos participar de uma performance com Abramovic, uma artista internacional!

- Pois é, - me disse um deles - quem sabe não serei até fotografado ao lado dela e minha foto poderá acabar num desses livros coloridos de arte que as pessoas adoram colocar como decoração sobre a mesa de centro de suas salas?

Outro, meio afetado, já disse: - Imagina, que luuuuuxo! Eu e a santa! Delírio total!

Cada um parecia ter sua obscura razão para estar ali.

A minha, que é o que importa, era fazer arte, a minha própria performance. E só havia uma forma para isso acontecer. Eu sabia da existência de um contrato entre a artista e o público participante, de que se alguém a matasse durante a performance essa pessoa estaria juridicamente livre de qualquer criminalização, pois o próprio fato da artista ser morta se tornaria parte da obra e o assassino um coautor da mesma.

Conforme eu havia lido, juízes divergiam sobre esse "direito da artista em colocar sua própria vida em risco e, ainda mais, de levar alguém a cometer um assassinato". Pouco importa, o contrato existia. E, talvez, Abramovic acreditasse que jamais aconteceria qualquer coisa com ela. No máximo pequenos cortes de faca aqui e ali, feitos por alguns artistas de performance também acostumados a esses sadomasoquismos típicos da classe artística. Ela sabia como pisar em um campo minado. Ela estava dentro do jogo, mas sempre como mestra do jogo. Dominava suas regras, mesmo colocando seu corpo à prova de fogo, seja com jejuns absurdos ou silêncios absolutos, dentre outras práticas que visavam destruir o seu "Eu" e apagar a identidade que aprisionava sua consciência, impedindo-a de tocar o absoluto.

Ela não esperava encontrar no Brasil alguém como eu, que havia aprendido de fato o que ela havia ensinado. Eu ia levá-la a provar do próprio veneno. Não sou um desses artistas simplórios que, "para estar por dentro", curtia Abramovic, mas que na primeira paulada procurava um analista. Não, eu aprendi o que ela ensinou: "É preciso entender que o corpo é uma máquina. Essa disciplina é necessária para encarar as tarefas da performance." Me treinei nos seus ensinamentos por anos e agora mostraria o resultado para a mestra.

Conhecendo profundamente a obra de Abramovic, sabia também em que estágio ela se encontrava na sua vida artística. Um crítico classificou (críticos adoram classificar) a fase atual de sua obra de "ações contemplativas", o que é correto, mas sem entender qual o objetivo dessas ações. E é aqui que talvez resida a explicação para a retomada do seu trabalho mais doloroso e perigoso: a performance com faca e revólver. Segundo soube pelos jornais, Abramovic prepara um filme onde vai ser assassinada sete vezes de sete diferentes formas. Uma espécie de "ensaio para seu próprio funeral", como ela disse. Mas... ainda estamos apenas no território da encenação.

Decidi fazê-la pular o ensaio. E naquela fila do SESC, suando por causa do calor, mas não pela emoção, estava prestes a entrar na história da arte como um dos mais ousados artistas da performance. E também como a pessoa que matou Marina Abramovic.

Andando na fila calmamente, enquanto esperava a minha vez de estar diante da artista, me coloquei em estado de "transe". É o que é necessário à consciência que busca o extremo, a experiência limite. Atingi ali mesmo o estado onde o Tempo desaparece, onde a correnteza das forças cósmicas correm sem sentido algum, preparado para executar o meu objetivo.

Encontrei-a sentada numa cadeira, tranquila, e na sua frente, sobre a mesa, algumas facas e revólveres carregados. Escolhi um deles. Estava ainda quente, pois deve ter sido o que mais foi manipulado pelas pessoas que estiveram ali, antes de mim. Bastante manipulado, portanto. Mas não usado. Meus olhos encontraram os de Abramovic. Ela sabia. Encarou-me profundamente. Veio-me à mente apenas a imagem de algum pintor que representou Cristo na cruz no momento em que se entregava à morte, aos desígnios de Deus. Ela sabia e, pelo que pressenti, estava pronta. Todas as suas performances anteriores eram apenas uma preparação para esse momento. Não seria à toa que retomaria a performance.

Sabendo disso, eu já me colocava como coautor da obra. Tentei pensar sobre as reações que Clara teria ao saber da minha ação, mas eu apenas era seduzido pelos olhos de Abramovic que se aprofundavam dentro dos meus. A arma na minha mão já apontava diretamente para seu rosto quando seus lábios se abriram, e seus olhos, com retinas que pareciam navalhas, caíram mais ainda dentro dos meus, como se me puxassem para uma cópula mortal, quando ouvi de sua boca a frase fatal: "A morte é o último grande ato de um artista". Ao fechar os lábios, a bala do revólver já estava iniciando seus estragos na testa branca da artista, que caiu como uma pena ao chão, enquanto sua consciência saltava para o abismo do Nada.

A sua frase lapidar se concretizou. Para meu júbilo, e para o desespero dos fãs, visivelmente atordoados com a cena, aqueles que jamais entenderam e jamais viriam a entender a última performance de Marina Abramovic.

Durante uma das visitas que me fez na prisão, Clara me entregou um presente, com um leve sorriso irônico estampado no rosto. Eram os livros "Crime e Castigo", de Dostoievski, e "Do assassinato como uma das belas-artes", de Thomas De Quincey. Meus livros preferidos.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ode à Mulher de Jardel Dias Cavalcanti
02. Philip Roth e o rico diálogo entre escritores de Mauricio Tuffani


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE MEMOIRE
PIERRE SALINGER
DENOEL
(1995)
R$ 39,82



TRÊS SEMANAS PARA ESQUECER
IRWIN SHAW
RECORD
(1957)
R$ 4,24



GIOTTO PINTOR DE PAREDES- COL. POR DENTRO DA ARTE
SYLVIE GIRARDET; CLAIRE MERLEAU; NESTOR SALAS
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1997)
R$ 8,00



CONTOS DE APRENDIZ
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 25,00



A REVISTA DOS AMANTES DA NATUREZA--109--ESPECIAL--10 ANOS.
EDITORA EUROPA
EUROPA
(1997)
R$ 16,00



GHOST STORIES
ROSEMARY BORDER
OXFORD
R$ 6,99



O POTE VAZIO
DEMI
MARTINS FONTES
R$ 34,00



LA CRISI DELLA MEDICINA - 7167
EVELINO LEONARDI
CORBACCIO
(1938)
R$ 30,00



COZINHA REGIONAL BRASILEIRA PERNAMBUCO 6
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 6,90



LA CONDITION HUMAINE
ANDRÉ MALRAUX
GALLIMARD
(1977)
R$ 15,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês