Os beats e a tradição romântica | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/5/2009
Os beats e a tradição romântica
Guilherme Diniz

+ de 4100 Acessos

Walt Whitman, com a grandiloquência que lhe é inerente, escreveu no seu Leaves of Grass: "Soltem as fechaduras das portas! Soltem as portas dos seus batentes!". E montado nesse motivo Allen Ginsberg inaugurou o canto dissonante de Howl. Diferentemente de Whitman, ele queria destituir o alicerce da casa. As portas estavam a apodrecer num universo já por ele ultrapassado.

Quando meia dúzia de jovens intelectuais começou a cultivar a rebeldia contra o establishment cultural que imperava na sociedade norte-americana, eles não estavam interessados em mudanças políticas. Estavam apenas de saco cheio, como disse Hal Chase. Queriam eles alcançar uma voz que fosse autenticamente americana, uma literatura que fosse o apogeu dos aspectos mais libertários de sua cultura.

Os jovens ficaram conhecidos por "beats". Jack Kerouac, William S. Burroughs e Allen Ginsberg, num primeiro momento, não se interessavam - nas décadas de 1940 e 1950 - por qualquer assunto que lembrasse política. Estavam mais interessados no que acontecia nas ruas e nos bares do que naquilo que era pensado nos gabinetes de ministérios.

Contudo, os anos de educação puritana marcaram profundamente a visão de mundo dos primeiros filhos advindos do Mayflower. Aos poucos o conservadorismo foi se apossando da política, da cultura, das artes - até tudo se tornar status quo; e como o existente legitima a si próprio pelo assentimento da tradição, nada evidenciava mudanças num horizonte provável.

A rua - para não dizer a estrada, ora como ente real, ora como metáfora - e a música eram as inspirações para aqueles rapazes alcançarem aquela tão sonhada identidade; e a literatura seria o veículo a propagá-la. Somente algumas décadas depois que essa rebeldia iria se espraiar para o terreno político. Toda aquela insubmissão que era apenas romanesca seria, a partir dos anos 60, uma verdadeira ferramenta contestação aos métodos políticos de então.

Fosse na Universidade de Berkley, Califórnia, ou em qualquer outra manifestação contra a guerra do Vietnã, lá provavelmente estaria um Ginsberg (ou Snyder) barbudo a cantar hinos pacifistas e recitar poemas que outrora chocaram a crítica conservadora (e mesmo reacionária), mas que as circunstâncias daquele momento os legitimavam e nada poderia impedir o anuncio daquelas mensagens.

E toda essa insubmissão se insere num panorama mais amplo, que é a tradição romântica, que dissolve-se, por sua vez, em duplo afluente: na unidade entre escritor, obra e vida, onde essas facetas compõem um monólito indissolúvel, rígido (porém não dogmático - como nos casos de poetas como Blake, Nerval, Rimbaud e Isidore Lucien Ducasse - mais conhecido como Conde de Lautréamont) -, e romantismo entendido como processo, não como período.

É humana a característica de explicar e catalogar fenômenos, não importando suas naturezas, e a literatura também se vê refém dessa sanha metodológica. Uma delas é dividi-la em períodos e datas, como se o universo da escrita pudesse ficar mais compreensível se revelado do mesmo modo que se explica o desabrochar de uma flor, quer dizer, de períodos em períodos.

Mesmo alegando que isso facilitaria a compreensão, as consequências indesejáveis são significativas o suficiente para que esse falso entendimento se sobreponha a outras formas mais plásticas e orgânicas de abordagem. Uma dessas seria entender o romantismo como continuidade, estado de constante evolução (e o mesmo poderia ser aplicado aos outros "movimentos", como classicismo, simbolismo, modernismo etc., num constante alternar de ação e reação).

Mostrar que o nascimento do romantismo foi pontuado entre publicações de Goethe, Blake, Edward Young ou da tríade composta por Samuel Taylor Coleridge, Robert Southey e William Wordsworth e mesmo depois por Percy Shelley, parece servir mais a um exercício de ilustração acadêmica do que propriamente para compreendê-lo nas suas verdadeiras razões e implicações mais íntimas.

Nesse sentido o romantismo é analisado pelo poeta Claudio Willer, amparado em Octavio Paz. O seu ensaio "Beat e a Tradição Romântica" é fundamental para entendê-lo dentro da herança da insurgência. Nos trabalhos do poeta mexicano O Arco e a Lira e Os filhos de barro, Willer identifica o que ele denomina de "tradição da ruptura".

O lírico paulista escreve que essa tradição "refere-se à sucessão de poetas e movimentos que se caracterizaram não só pela inovação, mas também pela ruptura com aquilo que os antecedia, ou seja, pela transgressão e rebelião no plano da criação literária e da relação com a sociedade na qual viviam".

E finaliza: "A história do Romantismo passa a se confundir então com a história dos poetas 'malditos', os rebeldes visionários e inovadores. Dentro dessa visão, passa a correr paralelamente outra grande vertente, de autores classicistas, formalistas e bem comportados, contemporâneos dos 'malditos' e aceitos - e às vezes aclamados como modelos e paradigmas - por sua sociedade".

No caso específico da literatura americana, essa tradição vem desde cedo - correndo em paralelo com a escrita mais cerebral, canônica, tradicionalista. Ela decorre em parte da herança inglesa e europeia, é inegável. Entretanto, autores como Walt Whitman, Henry David Thoreau, Ralph Waldo Emerson e depois Jack London, deram matizes próprios àquele espírito transgressor.

Walt Whitman conseguiu determinar a profundidade da libertação que o homem deve empreender, física e espiritualmente, contra a ordem, estabilidade, as castas e a tradição; ele cantou a música do confronto e do desassossego. Thoreau se refugiou à margem do Lago Walden porque tencionou sugar a seiva que alimenta a vida que há muito entre os homens das cidades secou.

Emerson louvou o não-conformismo e a independência com a mesma convicção de um pastor que tenta salvar seu rebanho da perdição. Entretanto, ele é homem secular, humanista - rechaça o gregarismo das religiões. Mostrou a hipocrisia existencial que nos une à sociedade. Escreveu ser a vida autêntica aquela vivida longe do falso sucesso, da fama e de fortuna. Disse apenas que "aqueles que desejam ser homens devem ser inconformistas". É o suficiente.

Chegou depois Jack London. Entre o descer de navios e trens de carga a cortar a América, proclamou o socialismo, a natureza, a liberdade. Desnudou as instituições; rebelou-se contra a opressão econômica e tomou o partido da classe trabalhadora. Escreveu ensaios, panfletos e brochuras. Foi o retrato perfeito do revolucionário europeu de 1848 em solo americano.

Contudo, no momento em que os beats se incluíram nessa tradição romântica, cada escritor, individualmente, procurou alcançar sua voz própria, exclusiva em perspectivas e aspirações, mas universal quanto aos motivos. Romperam eles assim com a falsa linearidade que usualmente é imputada aos movimentos literários - se é que ela existe.

Os interesses foram distintos porque os questionamentos foram diversos. O caminho foi pessoal, único. Todavia, o incitamento que impulsionou toda aquela rebeldia irrompeu daquela mesma inteligência que levou - e cada vez mais levará - certos homens a romperem com o comodismo e compreensão daqueles que querem obras capazes de mostrar a realidade existente como se universal e sadia fosse.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 13/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
03. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky
04. A mitologia original de Prometheus de Vicente Escudero
05. Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 35 Nª 4
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1949)
R$ 10,89



MARTIN FIERRO
JOSÉ HERNANDEZ
BRUGUERA
(1984)
R$ 18,00



THE CHIBRET INTERNATIONAL AWARD
MERCK
MERCK
(1986)
R$ 5,00



PHYSICA MÉDICA 1ª VOL.
NEY CABRAL
GLOBO
(1935)
R$ 11,76



DEAD AS A DOORNAIL
CHARLAINE HARRIS
ACE BOOKS
(2006)
R$ 5,00



FOLGUEDOS POPULARES DO BRASIL
ROSSINI TAVARES DE LIMA
RICORDI
R$ 24,00



PAULINA AO PIANO
ALICE VIEIRA
EDITORIAL CAMINHO
(2005)
R$ 34,70



LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL VOLUME I
ALEXANDRE FREITAS CAMARA
LUMEN JURIS
(2007)
R$ 5,00



ON TRACK 2
ANGELA LLANAS LIBBY MARCELO
MACMILLAN
(2012)
R$ 9,90



AN INCONVENIENT TRUTH
AL GORE
RODALE
(2006)
R$ 22,82





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês