Os beats e a tradição romântica | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/5/2009
Os beats e a tradição romântica
Guilherme Diniz
+ de 5100 Acessos

Walt Whitman, com a grandiloquência que lhe é inerente, escreveu no seu Leaves of Grass: "Soltem as fechaduras das portas! Soltem as portas dos seus batentes!". E montado nesse motivo Allen Ginsberg inaugurou o canto dissonante de Howl. Diferentemente de Whitman, ele queria destituir o alicerce da casa. As portas estavam a apodrecer num universo já por ele ultrapassado.

Quando meia dúzia de jovens intelectuais começou a cultivar a rebeldia contra o establishment cultural que imperava na sociedade norte-americana, eles não estavam interessados em mudanças políticas. Estavam apenas de saco cheio, como disse Hal Chase. Queriam eles alcançar uma voz que fosse autenticamente americana, uma literatura que fosse o apogeu dos aspectos mais libertários de sua cultura.

Os jovens ficaram conhecidos por "beats". Jack Kerouac, William S. Burroughs e Allen Ginsberg, num primeiro momento, não se interessavam - nas décadas de 1940 e 1950 - por qualquer assunto que lembrasse política. Estavam mais interessados no que acontecia nas ruas e nos bares do que naquilo que era pensado nos gabinetes de ministérios.

Contudo, os anos de educação puritana marcaram profundamente a visão de mundo dos primeiros filhos advindos do Mayflower. Aos poucos o conservadorismo foi se apossando da política, da cultura, das artes - até tudo se tornar status quo; e como o existente legitima a si próprio pelo assentimento da tradição, nada evidenciava mudanças num horizonte provável.

A rua - para não dizer a estrada, ora como ente real, ora como metáfora - e a música eram as inspirações para aqueles rapazes alcançarem aquela tão sonhada identidade; e a literatura seria o veículo a propagá-la. Somente algumas décadas depois que essa rebeldia iria se espraiar para o terreno político. Toda aquela insubmissão que era apenas romanesca seria, a partir dos anos 60, uma verdadeira ferramenta contestação aos métodos políticos de então.

Fosse na Universidade de Berkley, Califórnia, ou em qualquer outra manifestação contra a guerra do Vietnã, lá provavelmente estaria um Ginsberg (ou Snyder) barbudo a cantar hinos pacifistas e recitar poemas que outrora chocaram a crítica conservadora (e mesmo reacionária), mas que as circunstâncias daquele momento os legitimavam e nada poderia impedir o anuncio daquelas mensagens.

E toda essa insubmissão se insere num panorama mais amplo, que é a tradição romântica, que dissolve-se, por sua vez, em duplo afluente: na unidade entre escritor, obra e vida, onde essas facetas compõem um monólito indissolúvel, rígido (porém não dogmático - como nos casos de poetas como Blake, Nerval, Rimbaud e Isidore Lucien Ducasse - mais conhecido como Conde de Lautréamont) -, e romantismo entendido como processo, não como período.

É humana a característica de explicar e catalogar fenômenos, não importando suas naturezas, e a literatura também se vê refém dessa sanha metodológica. Uma delas é dividi-la em períodos e datas, como se o universo da escrita pudesse ficar mais compreensível se revelado do mesmo modo que se explica o desabrochar de uma flor, quer dizer, de períodos em períodos.

Mesmo alegando que isso facilitaria a compreensão, as consequências indesejáveis são significativas o suficiente para que esse falso entendimento se sobreponha a outras formas mais plásticas e orgânicas de abordagem. Uma dessas seria entender o romantismo como continuidade, estado de constante evolução (e o mesmo poderia ser aplicado aos outros "movimentos", como classicismo, simbolismo, modernismo etc., num constante alternar de ação e reação).

Mostrar que o nascimento do romantismo foi pontuado entre publicações de Goethe, Blake, Edward Young ou da tríade composta por Samuel Taylor Coleridge, Robert Southey e William Wordsworth e mesmo depois por Percy Shelley, parece servir mais a um exercício de ilustração acadêmica do que propriamente para compreendê-lo nas suas verdadeiras razões e implicações mais íntimas.

Nesse sentido o romantismo é analisado pelo poeta Claudio Willer, amparado em Octavio Paz. O seu ensaio "Beat e a Tradição Romântica" é fundamental para entendê-lo dentro da herança da insurgência. Nos trabalhos do poeta mexicano O Arco e a Lira e Os filhos de barro, Willer identifica o que ele denomina de "tradição da ruptura".

O lírico paulista escreve que essa tradição "refere-se à sucessão de poetas e movimentos que se caracterizaram não só pela inovação, mas também pela ruptura com aquilo que os antecedia, ou seja, pela transgressão e rebelião no plano da criação literária e da relação com a sociedade na qual viviam".

E finaliza: "A história do Romantismo passa a se confundir então com a história dos poetas 'malditos', os rebeldes visionários e inovadores. Dentro dessa visão, passa a correr paralelamente outra grande vertente, de autores classicistas, formalistas e bem comportados, contemporâneos dos 'malditos' e aceitos - e às vezes aclamados como modelos e paradigmas - por sua sociedade".

No caso específico da literatura americana, essa tradição vem desde cedo - correndo em paralelo com a escrita mais cerebral, canônica, tradicionalista. Ela decorre em parte da herança inglesa e europeia, é inegável. Entretanto, autores como Walt Whitman, Henry David Thoreau, Ralph Waldo Emerson e depois Jack London, deram matizes próprios àquele espírito transgressor.

Walt Whitman conseguiu determinar a profundidade da libertação que o homem deve empreender, física e espiritualmente, contra a ordem, estabilidade, as castas e a tradição; ele cantou a música do confronto e do desassossego. Thoreau se refugiou à margem do Lago Walden porque tencionou sugar a seiva que alimenta a vida que há muito entre os homens das cidades secou.

Emerson louvou o não-conformismo e a independência com a mesma convicção de um pastor que tenta salvar seu rebanho da perdição. Entretanto, ele é homem secular, humanista - rechaça o gregarismo das religiões. Mostrou a hipocrisia existencial que nos une à sociedade. Escreveu ser a vida autêntica aquela vivida longe do falso sucesso, da fama e de fortuna. Disse apenas que "aqueles que desejam ser homens devem ser inconformistas". É o suficiente.

Chegou depois Jack London. Entre o descer de navios e trens de carga a cortar a América, proclamou o socialismo, a natureza, a liberdade. Desnudou as instituições; rebelou-se contra a opressão econômica e tomou o partido da classe trabalhadora. Escreveu ensaios, panfletos e brochuras. Foi o retrato perfeito do revolucionário europeu de 1848 em solo americano.

Contudo, no momento em que os beats se incluíram nessa tradição romântica, cada escritor, individualmente, procurou alcançar sua voz própria, exclusiva em perspectivas e aspirações, mas universal quanto aos motivos. Romperam eles assim com a falsa linearidade que usualmente é imputada aos movimentos literários - se é que ela existe.

Os interesses foram distintos porque os questionamentos foram diversos. O caminho foi pessoal, único. Todavia, o incitamento que impulsionou toda aquela rebeldia irrompeu daquela mesma inteligência que levou - e cada vez mais levará - certos homens a romperem com o comodismo e compreensão daqueles que querem obras capazes de mostrar a realidade existente como se universal e sadia fosse.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 13/5/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
05. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês