Os beats e a tradição romântica | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/5/2009
Os beats e a tradição romântica
Guilherme Diniz

+ de 3800 Acessos

Walt Whitman, com a grandiloquência que lhe é inerente, escreveu no seu Leaves of Grass: "Soltem as fechaduras das portas! Soltem as portas dos seus batentes!". E montado nesse motivo Allen Ginsberg inaugurou o canto dissonante de Howl. Diferentemente de Whitman, ele queria destituir o alicerce da casa. As portas estavam a apodrecer num universo já por ele ultrapassado.

Quando meia dúzia de jovens intelectuais começou a cultivar a rebeldia contra o establishment cultural que imperava na sociedade norte-americana, eles não estavam interessados em mudanças políticas. Estavam apenas de saco cheio, como disse Hal Chase. Queriam eles alcançar uma voz que fosse autenticamente americana, uma literatura que fosse o apogeu dos aspectos mais libertários de sua cultura.

Os jovens ficaram conhecidos por "beats". Jack Kerouac, William S. Burroughs e Allen Ginsberg, num primeiro momento, não se interessavam - nas décadas de 1940 e 1950 - por qualquer assunto que lembrasse política. Estavam mais interessados no que acontecia nas ruas e nos bares do que naquilo que era pensado nos gabinetes de ministérios.

Contudo, os anos de educação puritana marcaram profundamente a visão de mundo dos primeiros filhos advindos do Mayflower. Aos poucos o conservadorismo foi se apossando da política, da cultura, das artes - até tudo se tornar status quo; e como o existente legitima a si próprio pelo assentimento da tradição, nada evidenciava mudanças num horizonte provável.

A rua - para não dizer a estrada, ora como ente real, ora como metáfora - e a música eram as inspirações para aqueles rapazes alcançarem aquela tão sonhada identidade; e a literatura seria o veículo a propagá-la. Somente algumas décadas depois que essa rebeldia iria se espraiar para o terreno político. Toda aquela insubmissão que era apenas romanesca seria, a partir dos anos 60, uma verdadeira ferramenta contestação aos métodos políticos de então.

Fosse na Universidade de Berkley, Califórnia, ou em qualquer outra manifestação contra a guerra do Vietnã, lá provavelmente estaria um Ginsberg (ou Snyder) barbudo a cantar hinos pacifistas e recitar poemas que outrora chocaram a crítica conservadora (e mesmo reacionária), mas que as circunstâncias daquele momento os legitimavam e nada poderia impedir o anuncio daquelas mensagens.

E toda essa insubmissão se insere num panorama mais amplo, que é a tradição romântica, que dissolve-se, por sua vez, em duplo afluente: na unidade entre escritor, obra e vida, onde essas facetas compõem um monólito indissolúvel, rígido (porém não dogmático - como nos casos de poetas como Blake, Nerval, Rimbaud e Isidore Lucien Ducasse - mais conhecido como Conde de Lautréamont) -, e romantismo entendido como processo, não como período.

É humana a característica de explicar e catalogar fenômenos, não importando suas naturezas, e a literatura também se vê refém dessa sanha metodológica. Uma delas é dividi-la em períodos e datas, como se o universo da escrita pudesse ficar mais compreensível se revelado do mesmo modo que se explica o desabrochar de uma flor, quer dizer, de períodos em períodos.

Mesmo alegando que isso facilitaria a compreensão, as consequências indesejáveis são significativas o suficiente para que esse falso entendimento se sobreponha a outras formas mais plásticas e orgânicas de abordagem. Uma dessas seria entender o romantismo como continuidade, estado de constante evolução (e o mesmo poderia ser aplicado aos outros "movimentos", como classicismo, simbolismo, modernismo etc., num constante alternar de ação e reação).

Mostrar que o nascimento do romantismo foi pontuado entre publicações de Goethe, Blake, Edward Young ou da tríade composta por Samuel Taylor Coleridge, Robert Southey e William Wordsworth e mesmo depois por Percy Shelley, parece servir mais a um exercício de ilustração acadêmica do que propriamente para compreendê-lo nas suas verdadeiras razões e implicações mais íntimas.

Nesse sentido o romantismo é analisado pelo poeta Claudio Willer, amparado em Octavio Paz. O seu ensaio "Beat e a Tradição Romântica" é fundamental para entendê-lo dentro da herança da insurgência. Nos trabalhos do poeta mexicano O Arco e a Lira e Os filhos de barro, Willer identifica o que ele denomina de "tradição da ruptura".

O lírico paulista escreve que essa tradição "refere-se à sucessão de poetas e movimentos que se caracterizaram não só pela inovação, mas também pela ruptura com aquilo que os antecedia, ou seja, pela transgressão e rebelião no plano da criação literária e da relação com a sociedade na qual viviam".

E finaliza: "A história do Romantismo passa a se confundir então com a história dos poetas 'malditos', os rebeldes visionários e inovadores. Dentro dessa visão, passa a correr paralelamente outra grande vertente, de autores classicistas, formalistas e bem comportados, contemporâneos dos 'malditos' e aceitos - e às vezes aclamados como modelos e paradigmas - por sua sociedade".

No caso específico da literatura americana, essa tradição vem desde cedo - correndo em paralelo com a escrita mais cerebral, canônica, tradicionalista. Ela decorre em parte da herança inglesa e europeia, é inegável. Entretanto, autores como Walt Whitman, Henry David Thoreau, Ralph Waldo Emerson e depois Jack London, deram matizes próprios àquele espírito transgressor.

Walt Whitman conseguiu determinar a profundidade da libertação que o homem deve empreender, física e espiritualmente, contra a ordem, estabilidade, as castas e a tradição; ele cantou a música do confronto e do desassossego. Thoreau se refugiou à margem do Lago Walden porque tencionou sugar a seiva que alimenta a vida que há muito entre os homens das cidades secou.

Emerson louvou o não-conformismo e a independência com a mesma convicção de um pastor que tenta salvar seu rebanho da perdição. Entretanto, ele é homem secular, humanista - rechaça o gregarismo das religiões. Mostrou a hipocrisia existencial que nos une à sociedade. Escreveu ser a vida autêntica aquela vivida longe do falso sucesso, da fama e de fortuna. Disse apenas que "aqueles que desejam ser homens devem ser inconformistas". É o suficiente.

Chegou depois Jack London. Entre o descer de navios e trens de carga a cortar a América, proclamou o socialismo, a natureza, a liberdade. Desnudou as instituições; rebelou-se contra a opressão econômica e tomou o partido da classe trabalhadora. Escreveu ensaios, panfletos e brochuras. Foi o retrato perfeito do revolucionário europeu de 1848 em solo americano.

Contudo, no momento em que os beats se incluíram nessa tradição romântica, cada escritor, individualmente, procurou alcançar sua voz própria, exclusiva em perspectivas e aspirações, mas universal quanto aos motivos. Romperam eles assim com a falsa linearidade que usualmente é imputada aos movimentos literários - se é que ela existe.

Os interesses foram distintos porque os questionamentos foram diversos. O caminho foi pessoal, único. Todavia, o incitamento que impulsionou toda aquela rebeldia irrompeu daquela mesma inteligência que levou - e cada vez mais levará - certos homens a romperem com o comodismo e compreensão daqueles que querem obras capazes de mostrar a realidade existente como se universal e sadia fosse.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, O Rinoceronte Voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 13/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fim do PT de Julio Daio Borges
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras de Marilia Mota Silva
03. O amor é um jogo que ganha quem se perde de Carina Destempero
04. Só Cronista se Explica de Joca Souza Leão
05. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A RAZÃO A SERVIÇO DA FÉ
TOMÁS DE AQUINO
LOGOS
(1993)
R$ 19,99



MATEMÁTICA. 6º ANO
LUIZ MARCIO IMENES
MODERNA
(2010)
R$ 45,00



AS 7 BIOROTAS PARA A SAÚDE, O BEM-ESTAS E A LONGEVIDADE
JOSÉ P. REPRESAS
RECORD
(2001)
R$ 13,00



AMO VOCÊ ODEIO VOCÊ - 5141
CARLOS G. VALLÉS
LOYOLA
(1994)
R$ 10,00



ATLÂNTIDA O ENIGMA DOS DEUSES - 9554
CURTIS MASIL
EDIOURO
(1984)
R$ 10,00



DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA (NOVA ORTOGRAFIA)
EVANILDO BECHARA
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 50,00



UMA GRAÚNA NO IBIRAPUERA - LUIZA ERUNDINA
ELVIRA DE OLIVEIRA
BUSCA VIDA
(1988)
R$ 10,00



TECNOLOGIA DA EDUCAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO EM MASSA
SAMUEL PFROMM NETO
PIONEIRA
(1976)
R$ 13,72



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
CIRANDA
(2015)
R$ 21,00



POR QUE AS MULHERES PODEROSAS FICAM MAIS JOVENS A CADA ANO?
CHRIS CROWLEY E HENRY S. LODGE
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês