Como você aprende? | Débora Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nasi e Scandurra apresentam clássicos do IRA! no Sesc Santo André
>>> Douglas Germano apresenta 'Umas e Outras'
>>> Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Crítica e Fruição Cinematográfica
>>> Orquestra Modesta retorna ao Sesc Santo Amaro com 'Canções Para Pequenos Ouvidos 2'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Longa vida à fotografia
>>> iPad pra todo mundo
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Wikipedia e a informação livre
>>> Público, massa e multidão
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os Clássicos e a Educação Sentimental
>>> O youtuber é um novo dândi?
>>> Silêncio e grito
Mais Recentes
>>> A Aventura do Pudim de Natal / 2ª Ed - Confira !!! de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Que é Evangelização de Espiritos - Confira! de Alzira Bessa França Amui pela Esperança e Caridade (2010)
>>> Sagrado - Confira !!! de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2004)
>>> Obras Escolhidas Volume 2 (confira!) de Marx & Engels pela Vitória (1961)
>>> Entre Mães e Filhos- um Romance - Confira! de Elizabeth Noble pela Benvira (2013)
>>> The Underground Railroad - os Caminhos para a Liberdade de Colson Whitehead pela Harper Collins Tag (2018)
>>> O Poder da Kabbalah de Yehud Berg pela Kabbalah Publishing (2012)
>>> Desenho Geométrico- Texto e Atividades 3 (foto Real ) de Elizabeth Teixeira Lopes/ Cecília Fujiko Kanegae pela Scipione (2001)
>>> Administração De Sistemas Hoteleiros de Vladir Duarte pela Senac (1997)
>>> O Coronel e o Lobisomen de Jose Candido de Carvalho pela Jose Olympio (1987)
>>> O Poder da Energia Reiki de Egidio Vecchio pela Age (1996)
>>> Lugares Escuros - 1ª Edição de Gillian Flynn pela Intrinseca (2014)
>>> Um Toque de Vermelho - Confira!! de Sylvia Day pela Paralela (2013)
>>> Pobreza e Mobilidade Social - Confira !!! de João Paulo dos Reis Velloso pela Nobel (1993)
>>> Guerra dos Tronos - Volume 1 de George R. R. Martin pela Fantasy Casa da Palavra (2013)
>>> Ioga no Trabalho: Exercícios Simples e Prazerosos para Energizar o Seu de Darrin Zeer pela Sextante (2002)
>>> A Guerra das Imaginações - Confira !!! de Doc Comparato pela Rocco (1997)
>>> Estrela Polar - (venha Conferir!!) de Martin Cruz Smith pela Record (1989)
>>> Nômades - Livro de Bolso - Confira! de Marcio Abreu, Patrick Pessoa pela Cobogó (2015)
>>> Os 50 Melhores Artigos de Stephen Kanitz pela Elsevier (2004)
>>> O Gato Preto e Outras Histórias - Série Reencontro - Confira! de Edgar Allan Poe - Ricardo Gouveia (adap.) pela Scipione (2007)
>>> A Força Está Conosco - as Evidências Sobre a Existência da Consciência de Thomas Walker pela Cultrix (2012)
>>> A Gênese: os Milagres e as Previsões Segundo o Espiritismo de Allan Kardec / 23ª Ed - Confira !!! pela Lake (2010)
>>> Faça do Alimento o Seu Medicamento - Confira! de Jocelem Mastrodi Salgado pela Madras (2000)
>>> O Poeta Filósofo - Coleção Pensamento e Vida - Volume 3 de Dante Alighieri pela Escala (2011)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/2/2011
Como você aprende?
Débora Carvalho

+ de 9800 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Dizem que cada pessoa tem um jeito peculiar de aprender algo com mais facilidade. Os psicólogos até separam em grupos: os auditivos, os visuais e os sinestésicos. Pode parecer fantasia à primeira vista. E também pode parecer injusto. Pensando bem, se as coisas são mesmo assim, significa que aquele conceito de que todos têm as mesmas oportunidades dentro da sala de aula, ou por serem irmãos criados juntos pelos mesmos pais, é papo furado. E é mesmo.

Tem gente que aprende o conteúdo só de ouvir a professora explicar, assiste uma palestra ou entrevista em um congresso ou na televisão, e é capaz de repassar todo o conteúdo e conceitos do preletor. Em casa, fica quietinho, mas de "antena ligada" na conversa dos adultos. E, de repente solta uma pérola que deixa os adultos desconcertados: "Mas mãe, você disse que a dona Maria era uma chata e metida e que não sabe nem fazer um bolo descente!".

Também tem aqueles responsáveis pelo surgimento do jargão "Entendeu ou quer que eu desenhe?" ― Desenhe, por favor! Isso mesmo. Esses são os visuais, que precisam ver para entender como as coisas funcionam. Eles não conseguem se concentrar muito nos sons. São os que se lembram mais das cenas do que das falas dos personagens dos filmes ou novelas. Aprendem bem o que a professora escreve na lousa, mas não escutam o lembrete que "amanhã tem prova", dado no final da aula. Em casa, mostra que vê o que ninguém acha que entende: "Mãe, eu já disse que eu não estou namorando!"; "Tá sim, eu vi o Paulinho segurando sua mão debaixo da mesa na hora do almoço!".

E tem os sinestésicos ― os mais independentes e complicados. Primeiro, porque eles precisam sentir para aprender. Não adianta ficar explicando ou mostrando. Sem a prática, nada feito. Na sala de aula, a professora começa explicar o exercício de matemática e ele já está fazendo a tarefa para checar que está entendendo de verdade. Às vezes ele pensa que entendeu, mas na hora de fazer, descobre que não. Mas não faz mal. Por ser mais prático, e por não precisar necessariamente de um manual de instruções, ele consegue ser mais intuitivo e autodidata do que os que são predominantemente auditivos ou visuais. Em casa, ele surpreende a todos ao inventar uma receita de bolo, ou descobrindo maneiras mais práticas de se fazer alguma tarefa: ― "Olha só, mãe. Assim é bem mais fácil do que do jeito que você falou." É que o sinestésico não se limita ao que vê ou ouve. Ele sente.

Ser professor ou pai não é tarefa fácil. Como oferecer oportunidades de aprendizado iguais aos alunos e filhos? Os auditivos precisam de um bom e honesto discurso. Os visuais precisam de boas ações. E os sinestésicos precisam sentir a verdade e a confiança, além de oportunidades para agir e fazer.

Difícil.

Porém, as coisas ficam ainda mais difíceis depois que a gente cresce. É que a gente acha que já sabe tudo. Só que para aprender é preciso não saber. E nesses tempos de constantes mudanças tecnológicas e de comportamento ― mais do que nunca vivemos em constante processo de aprendizado.

Eu, por exemplo, vi surgir o BIP (pager), o celular tijolão, a máquina de datilografar eletrônica e o microcomputador doméstico. A linha telefônica era investimento, e se alugava pelo preço de uma casa. A TV por assinatura nasceu, e agora temos algumas opções de empresa para assinar.

Hoje a gente compra um celular que tem tantas funções até então inimagináveis. Depois de um ano ainda descubro coisas novas no meu último modelo. Até os aparelhos domésticos entraram nessa onda e estão incorporando as ferramentas do celular, como agenda eletrônica e conferência a três.

E a internet? Até o Google não para de inventar novas ferramentas. E chega a ser engraçado falar com alguém sobre essa ou aquela ferramenta que a pessoa desconhece, mesmo tendo computador e banda larga em casa.

Brincar não é como antigamente. A gente tem que fazer curso pra aprender brincar com os filhos. Em tempos de videogame que lê os movimentos corporais para jogar, a gente ainda tem que aprender a ter mais noção corporal para acompanhar a garotada. E também tem que aprender a levar na manha o jeito que tiram o sarro da nossa cara, pois o comportamento também está mudando a cada geração. Quem está na casa dos 30 sabe bem do que estou falando. Quem é mais velho então, nem se fala.

A gente aprendeu a não ter preconceito, a não ser tão perfeccionista, a experimentar novos sabores de comida. A gente aprendeu a ler e escrever com lápis e livro, e também os livros digitais e a digitar até no celular. A gente aprendeu que não pode esconder a pedofilia nem a violência doméstica. Também aprendeu que psicólogo não é pra louco, e que massoterapia é uma profissão fantástica para combater o estresse. E depois de trocar o suco pelo refrigerante, aprendemos que o melhor mesmo é voltar a tomar suco natural, mas agora feito numa centrífuga que extrai todo o sumo da fruta.

Nesse mundo em metamorfose, o melhor que temos a fazer é parar de achar que sabemos tudo, que somos realmente bons em algo, ou que temos que saber fazer tudo e sermos perfeitos. Até porque perfeição não é algo permanente. Ser perfeito é crescer sempre. É aprender constantemente. É ouvir, ver e sentir ― de verdade.

E para viver bem, a gente tem que aprender deletar algumas coisas que aprendemos para dar lugar ao novo, para continuar o processo de perfeição. Isso serve para a tecnologia, para a alimentação, para os relacionamentos, para a religião, a política, os estudos, o trabalho, a liderança, o subalterno, para todos, para tudo e para sempre.

Como diz a canção do Tim Maia: "Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia...". E se tudo muda o tempo todo no mundo, a gente também tem que mudar. E isso não significa deixar de ser quem somos ― muito pelo contrário, significa que temos que nos estabelecer sempre diante do novo mundo que nos surge a cada dia, justamente para não deixarmos de existir. E isso exige aprender. Aprender não é fácil. Mas é necessário. E, como cada pessoa aprende de um jeito diferente, bom mesmo aprender a aprender, como diz o Içami Tiba. Quem aprende a aprender está feito!


Débora Carvalho
São Paulo, 24/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
04. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
05. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges


Mais Débora Carvalho
Mais Acessadas de Débora Carvalho
01. Choque de realidade no cinema - 23/2/2010
02. Por que comemorar o dia das mães? - 4/5/2010
03. Metade da laranja ou tampa da panela? - 13/7/2010
04. Como você aprende? - 24/2/2011
05. Orgasmo ao avesso - 22/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2011
09h31min
A concepção de ensino deste artigo (adequadamente resumida no lema "aprender a aprender") é construtivista. Fundamenta-se em teóricos como Piaget, e é a tal ponto predominante que, mesmo no dia a dia de quem não vive o ensino (como prática ou reflexão), mesmo assim as pessoas conseguem intuir tal proposta. Entretanto, existem outras concepções de ensino, como a histórico-crítica, fundamentada em Vigotski, para a qual não faz sentido tomar como base pedagógica as tendências individuais "inatas" (de temperamento, de percepção etc.), porque o homem, ao se humanizar, adquire a dimensão do signo, do simbólico (quer dizer: da cultura), e passa imediatamente a exercer controle sobre suas bases "naturais"; educar é, justamente, transformar bases "inatas" pela aquisição da cultura, e não adaptá-las ao meio, ou adaptar o meio a elas. Um livro resume essa questão: intitula-se "Vigotski e o 'aprender a aprender'" (de Newton Duarte). Sua leitura é preciosa para quem quer ir além do senso comum.
[Leia outros Comentários de Fernando Talarico]
27/2/2011
18h11min
Mas aí é que entra a diferença entre um aprendizado desejado pela pessoa que vai aprender. Depois de querer aprender e de aprender a aprender, o indivíduo vai correr atrás de superar suas deficiências. No entanto, quando o mestre é quem quer ensinar algo que o indivíduo não está nem aí, precisa, sim, conseguir transpor as questões de percepção, atenção e memória seletiva - entre outras coisas. Transformar as bases "inatas" pela aquisição da cultura acontece quando o maior interessado é o próprio aprendiz. E isso pode acontecer se ele foi antes atraído por uma experiência, ou por algo que viu ou ouviu. Certo?
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
1/3/2011
22h48min
Cansei de aprender, hoje eu ensino. Amanhã vou cansar de ensinar, aí vou aprender um pouco mais; agora, depois de amanhã, já não sei mais... são outros quinhentos...
[Leia outros Comentários de Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Oab Nacional Primeira Fase - Direito Processual Penal 5
Flávio Cardoso de Oliveira
Saraiva
(2009)



Constituição Histórica da Educação no Brasil
Nadia Gaiofatto Gonçalves
Intersaberes
(2012)



Lisa Biblioteca da Matematica Moderna 5
Antonio Marmo de Oliveira
Lisa
(1968)



Livro - O Vermelho E o Negro: Os Imortais da Literatura Universal 23
Stendhal
Abril Cultural
(1971)



O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá uma Historia de Amor
Jorge Amado
Record
(1978)



Olga
Fernando Morais
Companhia das Letras
(2004)



E Foram Felizes para Sempre
David Mcmillan
Mercuryo
(2001)



Como Tirar Boas Fotos um Guia Fotografico da Kodak
Martin L. Taylor
Abril
(1982)



Memórias do Comércio
Mauro Malin
Senac
(1995)



Controle da Qualidade Total (no Estilo Japonês) - 6.ª Edição
Vicente Falconi Campos
Vicente Falconi Campos
(1992)





busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês