Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Você na Vitrine( a ) de Benjamim Silva pela Insular (2003)
>>> Larissa de Ganymédes José pela Brasiliense (1985)
>>> Manual de Processo do Trabalho de Valton Pessoa pela Podivm (2007)
>>> Catarina, a Mamelouca- uma Rapsódia Prosaica de Ana Brancher pela Letradágua (2006)
>>> Novo Código Civil - Exposição de Motivos e Texto Sancionado de Senador Jose Agripino pela Brasilia (2006)
>>> Exercício e o Coração: 3º Edição de Victor F. Froelicher e Outros pela Revinter
>>> Segredos de Justiça: Disputas, Amores e Desejos nos Processos de ... de Andréa Maciel Pachá pela Agir (2014)
>>> Jogando para Ganhar - Manual de Condicionamento Fisico de Simon Cook & Tony Toms pela Hemus (1979)
>>> Criatividade para Administração de José Luiz Hesken Ph. D. pela Vozes (1980)
>>> Perfis /problemas na Literatura Brasileira de Luís Felipe Ribeiro e Outros pela Tempo Brasileiro (1985)
>>> Capitão América: o Soldado Invernal (45) de Ed Brubaker & Steve Epting pela Salvat (2014)
>>> Heróis de Verdade - Pessoas Comuns Que Vivem Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Neuroanatomia Funcional - 2° Edição de Angelo Machado pela Atheneu
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Análise Técnica de Ações de Carlos Alberto Debastiani pela Novatec (2008)
>>> Vitaminas Filosóficas: a Arte de Bem Viver de Theo Roos pela Casa da Palavra (2006)
>>> A Outra de Mirian Goldenberg pela Revan (1990)
>>> Constituição e Política de Janaína Santin e Liton Lanes Sobrinho (orgs.) pela Upf (2006)
>>> Zoologia de Fernando Roma pela Sistema Coc
>>> A Terapia da Reencarnação de Harald Wiesendanger pela Pensamento
>>> Redes Locais de Computadores - Protocolos de Alto Nível e Avaliação de Giozza Araújo Moura Sauvé pela Mc Graw-hill / Embratel (1986)
>>> A Grave no Direito Brasileiro de Raimundo Simão de Melo pela Ltr (2017)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (2003)
>>> Dias Melhores Virão de Max Lucado pela Thomas Nelson (2018)
>>> Escrevo Desde um Interstício: a Ficção de Júlio Cortázar de Jayro Schmidt pela Fcc (2014)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/12/2016
Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso
Cassionei Niches Petry

+ de 3900 Acessos

“Não se lê Lúcio impunemente”, afirma André Seffrin no prefácio à edição conjunta das novelas Mãos vazias e O desconhecido. Lúcio Cardoso é um escritor da angústia, de personagens angustiados e de leitores que se angustiam. Saímos de seus livros nos sentindo condenados por vivermos felizes em mundo em que a miséria humana está sempre presente ou a nossa porta ou dentro mesmo dos nossos lares.

Mãos vazias foi publicada em 1938. Inicia com a espera de uma morte que acaba acontecendo logo nas primeiras páginas e é dolorida por se tratar da morte de uma criança. Luisinho, seis anos de idade, é filho de Ida e Felipe. Ela, até os últimos momentos de vida do menino está ao seu lado, numa dedicação extrema. O pai, por sua vez, apenas demonstra certa tristeza e desespero pelo que acontece. Quando a criança enfim se vai (e escrevo estas linhas num Dia de Finados) devido à tuberculose, Ida demonstra mais tranquilidade, frieza até, tanto que acaba fazendo sexo com o médico do filho logo depois de seu enterro. (Na adaptação cinematográfica da obra, o diretor Luiz Carlos Lacerda realiza a cena na mesma cama onde está, coberto por um lençol, o corpo do menino.) Já Felipe entra em mais desespero ainda, porém, parece, talvez apenas para demonstrar aos outros, principalmente aos vizinhos, seus sentimentos.

É o estopim para que Ida passe a externar seu desprezo pelo marido e deseja se libertar, saindo de casa, não sem antes revelar para o marido que dormiu com o médico. O marido não acredita em princípio, o que a deixa mais indignada com ele, sua falta de atitude, seu conformismo, sua mediocridade. “Queria-o mais ríspido, imaginava proezas que o pobre Felipe nunca chegaria a realizar. Nem sequer seria capaz de compreender o seu pensamento, quando chegasse a descobrir os estranhos desejos que a perturbavam.” É contra o conformismo que a protagonista mais se revolta, como nesse diálogo com sua melhor amiga: “- Ana, é possível que você viva conformada com a sua existência? (...) - Tenho marido. De que mais preciso?”

O desconhecido, de 1940, relata a história de um forasteiro que chega a uma fazenda procurando trabalho. “Batizado” pela proprietária de José Roberto (não ficamos sabendo do seu nome verdadeiro), mesmo nome de um falecido capataz da propriedade, é um estranho numa terra estranha, parafraseando o título de um romance de ficção científica. Pois esse “alien” desestabiliza ainda mais o lugar. A dona, a velha Aurélia, é dominadora e explora seus empregados, inclusive sexualmente. Expulsa a filha da empregada Elisa por ciúmes de sua beleza (“Essa menina é uma negação da minha própria existência.”) e ainda impede a mãe de vê-la. O cocheiro Miguel deixa os cachorros com fome para dominá-los e sente inveja do desconhecido, que pode lhe roubar os privilégios que tem com a velha. Já outro empregado, Paulo, namora às escondidas com a filha de Elisa que está morando em uma igreja próxima e deseja fugir com ela. José Roberto divide com ele a mesma cabana, o ensina a ler e parece ter uma atração homoerótica pelo discípulo, que parece sentir o mesmo, e tudo isso os deixa muito angustiados: “Nesse instante, ambos estavam tão próximos que um sentia no rosto a respiração do outro. E sem saber por que, ambos compreenderam que já não havia entre eles nenhuma hostilidade e que, ao contrário, alguma coisa poderosa como o instinto os tinha unido, como se, colhidos pela engrenagem de um fato misterioso e inesperado, devessem lutar juntos para se libertarem.” A condição sexual do protagonista, ao que parece, é a provável justificativa para ter saído de sua casa para buscar trabalho longe da cidade.

Vale ressaltar que o próprio Lúcio Cardoso vivia essas angústias enquanto escrevia a novela, conforme relatou em seu diário pessoal: “Os sentimentos que então me agitavam, a paixão desnorteada, a falta de caminho – ah, coisas da idade! – enquanto escrevia uma novela (O desconhecido) onde tentei lançar, encoberto, um pouco de tudo o que então me perturbava... e não era aquilo uma simples manifestação de vida, infrene e cega, do meu sangue, tumultuado e forte, manifestando por todos os modos sua vontade de existir e de criar?” Difícil aqui separar autor e personagem. E o leitor, de certa maneira, sofre junto com eles.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 28/12/2016


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2016
01. O suicídio na literatura - 13/4/2016
02. Ler para ficar acordado - 18/5/2016
03. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso - 28/12/2016
04. Notas confessionais de um angustiado (V) - 26/10/2016
05. Proibir ou não proibir? - 10/2/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Inovadores: Como um Grupo de Hackers, Gênios e Geeks...- 1ª Edição
Walter Isaacson / 1ª Ed
Intrínseca
(2020)



Manual de Massagem Em Casa
Chen Zhaoguang
Andrei
(2006)



Management For Productivity (second Edition)
John R. Schermerhorn Jr.
John Wiley e Sons
(1986)



Marcos Duprat
Jacob Klintowitz
Raizes
(1985)



Foi Ela Que Começou ; foi Ele Que Começou
Toni Brandão
Melhoramentos
(2000)



Três Deuses e uma Trindade
David Raskin
Age
(2009)



As Memórias do Livro
Geraldine Brooks
ediouro
(2008)



A Solidez do Sonho
Carlos Vogt
papirus
(1993)



Criando Meninas (2004)
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2004)



Fragmentos de um Discurso Amoroso
Roland Barthes
Francisco Alves
(1994)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês