Bendito Nelson Rodrigues | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Imitação de Cristo - e a Centralização da Cruz na Luta ... de Thomas à Kempis pela Vida Nova (2001)
>>> Viciado no Perigo de Jim Wickwire pela Manole (2000)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Direito Societario - Desafio Atuais de Leandro Santos de Aragao pela Quartier Latin (2008)
>>> Administração Financeira de Antonio Zoratto Sanvicente pela Atlas (2007)
>>> Sem Filtro de Marcela Tavares pela Novas Paginas (2016)
>>> Manual de Obstetrícia Diagnóstico e Tratamento de Kenneth R. Niswander pela Medsi (1985)
>>> De Asas, Espelhos e Princesas de Maria Glória Barbosa pela Do Autor
>>> Centros de Mesa de Josep M. Minguet pela Decorando Con Flores (2003)
>>> Mobilização para Qualidade de Roberto Flávio de Carvalho e Silva pela Qualymark (1992)
>>> Um Coração Que Seja Puro de José Fernandes de Oliveira pela Paulus (1982)
>>> O Menino Narigudo - Sebo Tradição de Walcyr Carrasco pela Moderna (2007)
>>> Inculta & Bela de Pasquale Cipro pela Publifolha
>>> Teoria da Comunicaçao Muito Ou Poucas de Luiz C. Martino pela Atelie Editorial (2007)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adap Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Atherton a Casa do Poder de Patrick Carman pela Galera (2009)
>>> Telaris Biologia Caderno de Atividades 9° Ano de Sergio Linhares Fernando Gewandsznajder pela Atica
>>> Remarkably Uncommon de The Leading Hotels pela The Leading Hotels
>>> Declarnado - Se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Sookie Stackhouse, V. 7 - All Together Dead de Charlaine Harris pela Berkley Publishing (2008)
>>> Grammar Games de Mario Rinvolucri pela Cambridge do Brasil (1985)
>>> Alienação: Lidando Com o Problema Básico do Homem de Carrol Thompson pela Graça (1998)
>>> Papos de Anjo - 6ª de Sylvia Orthof pela Galera Junior (2014)
>>> Vento Sobre Terra Vermelha de Caio Ritter pela 8 Inverso (2012)
>>> Outros Quinhentos de Bizerril Marcelo pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/8/2005
Bendito Nelson Rodrigues
Andréa Trompczynski

+ de 7100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
Nelson Rodrigues

Meu livro de cabeceira tem sido, há muitos anos, A Cabra Vadia, de Nelson Rodrigues. Alguns têm a Bíblia, outros, Guerra e Paz, eu possuo este, que leio como lêem os crentes os "Salmos de Davi" e digo os mesmos "améns", a cada nova leitura, mais maravilhada.

Todas as noites quando o abro penso que Nelson Rodrigues já disse tudo e muitos não sabem. Para quê tanto escrevemos, para quem falamos, ele já disse tudo. Tentam nos enganar com opiniões aparentemente novas, que, mal sabemos, já eram velhíssimas opiniões do maldito Nelson.

Lia, dia desses, um novo e polêmico escritor tentando balançar as estruturas - perdoem-me a expressão, mas era isto que o jovem escritor tentava fazer, tentava balançar as estruturas - dizendo que as virtudes deveriam ser dissimuladas, que era deselegante as expor. Ah, opinião velha do Nelson, que afirmava os íntegros estarem a toda hora nos atropelando com sua integridade e que não havia uma bondade sem impudor: era preciso escondê-la como a um crime, a virtude nem aos padres de confessionário se deve dizer.

O Arnaldo Jabor, então, coitado. Suga o cadáver de Nelson Rodrigues quando fala do palavrão e de muitos outros assuntos. Nelson já falou, Jabor. Nelson já disse que o palavrão é a doença infantil dos adultos e contou da menina que morreu, e a mãe, que poderia ter rezado, poderia ter gemido, poderia ter chorado, mas se esganiçou em palavras pornográficas, numa época em que o cinema de Jabor ainda não havia feito do palavrão um lugar-comum.

Gritamos contra o racismo, e volta e meia estão as notícias nos jornais, das coisas que, aqui e ali, acontecem sobre este assunto. Mas Nelson percebia e falava naquela época: "Onde estão os negros do Itamaraty? Procurei em vão um negro de casaca ou uma negra de vestido de baile. O Itamaraty é uma paisagem sem negros." Saímos a procurar psicólogos e educadores para pôr rédeas em filhos que a cada dia mais dominam os pais, e Nelson já sabia: "Aquela mãe era capaz de dar razão à surra que tomou do filho. Ela existe aos milhares, existe aos milhões, em todas as terras e em todos os idiomas. É a própria família que atira pela janela todos os seus valores". E seguimos achando bonito as crianças que metem a mão na cara da mãe, do pai, dos avós: "a bofetada da garotinha estalou na cara materna. - Coitadinha, coitadinha!, tias se arremessavam. A menina passou de colo em colo. Numa das vezes chutou o seio de uma tia; meteu a mão na cara da seguinte; e, na imediata, cuspiu na boca. Foi um horror."

Os jovens pensadores e críticos de hoje - ah, os jovens, eis minha "flor de obsessão", aquilo que, segundo Nelson, repetimos à exaustão - dizem que ele era um imoral, um revolucionário, um pornográfico. Soubessem eles que Nelson era um conservador - um conservador! -, que se chocava com coisas tais como a educação sexual nas escolas e com a moda de estarem saindo os padres sem batina a fazerem passeatas, dizia ser um horror a Igreja estar indo "para a frente". E, uma vez, indignou-se por ver artistas segurando cartazes escritos muerte, onde, além de traírem a própria língua, traíam também o humanismo, do qual todo artista deveria ser escravo.

Perguntará um idiota da objetividade: "que é a cabra vadia?". Eu respondo: Nelson descobriu, depois de 42 anos de jornalismo, que todas as entrevistas eram iguais. Mudava, apenas, o tipo do nariz ou do terno do entrevistado. Mas fosse o assunto uma batalha de confete ou Hiroshima, as respostas eram as mesmas. Nunca eles diriam o que realmente pensavam ou sentiam, valia o cinismo gigantesco e a inflexão. Fosse um Zé Mané ou um Bismarck e daria no mesmo. E ele as fez às dezenas, às centenas, às milhares. Descobriu, então: somente numa entrevista imaginária, num terreno baldio, em presença de uma cabra vadia, o entrevistado falaria o que realmente sentia. E assim foi com D. Hélder Câmara, Antônio Callado, políticos, artistas, inimigos ferrenhos, amigos queridos, todos, mortos ou vivos, de quem ele gostaria de ouvir a verdade. Esta é a história da cabra vadia.

Ah, leitor, confesso, eu mesma já comi do cadáver de Nelson Rodrigues. Toda vez que falo dos intelectuais, chupo-lhe o sangue, porque foi ele quem viu primeiro, numa passeata, uma placa num espaço reservado para vinte mil, escrita, acima de qualquer dúvida ou sofisma "intelectuais". Pensava Raul Brandão, que o acompanhava na data: "puxa, tudo isto é intelectual?". Ali estavam, provando que o Brasil tinha uma grande massa de intelligentsia, eram romancistas, críticos culturais, dramaturgos, sociólogos, poetas. Quase se podia chorar de tão bonito. Mas, "engraçado", diz Nelson, "temos tanta inteligência" aqui e até hoje "somos invisíveis para a Academia Sueca". Ganham Prêmio Nobel todo o mundo, menos o Brasil, o Brasil não existe para a Suécia.

Mas, Nelson não era só cinismo e crítica. Em A Cabra Vadia há também os textos que ele escreveu quando morreu o irmão, Mário Filho. Ele se ofusca para apresentar no irmão toda a virtude, a beleza, a bondade: "se ele aparecesse com um passarinho em cada ombro, eu não me admiraria nada, nada." Encontra toda a arte do mundo no texto jornalístico-esportivo do irmão "havia, no seu texto, uma visão inesperada do futebol e do craque, um tratamento lírico, dramático e humorístico que ninguém usara antes. Posso dizer que, desde então, ninguém influiu mais na imprensa brasileira."

Já que nada mais há a ser dito, copiemos o Nelson Rodrigues. Iremos repetir vezes sem fim tudo o que ele já disse, porque nada mais há a fazer. Torço por isso: que sejamos todos um pouco Nelson Rodrigues.

A Resposta
Como Nelson respondia a uma crítica? Com outra crítica? Não, com uma peça inteira! Escreveu Viúva, porém honesta, uma "farsa irreponsável" em três atos, apenas para criar uma personagem representando um crítico de teatro, já que estava furioso com os comentários feitos para sua peça Perdoa-me por me traíres:

- Mas que tipo de função teria Dorothy Dalton, com esse nome de cinema mudo?
- Só vendo. Vem cá, Dorothy Dalton, chega aqui.
- O que é que você sabe fazer? Antes de ir para o SAM [espécie de FEBEM da época] o que é que você fazia?
- Raspava pernas de passarinho a canivete!
- Já sei! Crítico de teatro! Não é escrito e escarrado o crítico teatral da nova geração?

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 11/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doces bárbaros de Elisa Andrade Buzzo
02. O Jabuti de Cristovão Tezza de Luiz Rebinski Junior
03. Guia para viajar sem sair da poltrona de Adriana Baggio
04. Também somos violentos de Daniela Sandler


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/8/2005
11h47min
Oi, Andrea, eu sou mãe do Julio. Acompanho seus textos do Digestivo. Ultimamente entrei no seu blog, adorei as cartas do Juca. Lá pratico também o ingles... Você escreve muito bonito. Um abraço, Carmen
[Leia outros Comentários de Maria del Carmen]
12/8/2005
14h58min
Poxa, e eu que pensei, uns dois anos atrás, em escrever uma história envolvendo um crítico como protagonista! Quanto a dizer o que alguém já disse, o que acontece se voce não sabia que foi dito? Acho que só o que cada um descobre por si tem valor. Talvez não para todos, mas para si mesmo.
[Leia outros Comentários de Ram]
16/8/2005
19h40min
Estou cansado de ouvir dizerem que meus textos já foram escritos, e de melhor forma. Realmente, escrevi coisas e depois li textos que lembravam o que eu havia escrito. Acredito que pessoas possam ter uma mesma visão de mundo, e escreverem coisas parecidas. Se já foi dito, se um conto lembra o outro, não quero nem saber. Importa para mim é meu desejo de escrever determinada história, se ela parece com a de fulano ou sicrano... Recentemente, me surpreendi ao ler um conto que lembrava muito um outro que eu havia escrito algum tempo a trás. O cara era famoso; eu não, e para mim não importa o fato de outro autor ter escrito coisa semelhante e melhor. Ainda escrevo por uma necessidade quase orgânica, e quando faço isso existe apenas eu e o computador e a imaginação, por pior que ela possa parecer. Sinceramente, nunca li Nelson Rodrigues, e se porventura eu um dia vier escrever algum texto que lembre tão cultuado escritor, mesmo nunca tendo lido nada dele, não me importará que suas palavras foram escritas antes das minhas.
[Leia outros Comentários de Emerson Wiskow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Friuli Venezia Giulia - Città, Borghi, Paesi
Gianni Daffara e Licio Damiani
Magnus
(1998)



Defensores Indefensáveis 23
Keith Giffen e Outros
Panini Comics
(2015)



Essential Idioms in English
Robert James Dixson
Disal
(2007)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Manual de Direito Processual Civil
Renato Montans de As
Saraiva
(2016)



David Coperfield
Charles Dickens
Longmans
(1961)



Machado de Assis: crônicas
Eugênio Gomes
Agir
(1963)



Humor em Pílulas
Aziz Lasmar e José Seligman
Revinter
(2001)



Dom Quixote - Livro Primeiro - Edição de Bolso
Miguel de Cervantes
L&pm Pocket
(2005)



O Último dos Moicanos
James F. Cooper
Gênios
(2005)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês