Conversando com Truman Capote | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/11/2010
Conversando com Truman Capote
Luiz Rebinski Junior

+ de 3500 Acessos

Truman Capote não inventou o chamado jornalismo literário com seu romance de não-ficção A sangue frio. Mas, lendo a coletânea de textos que a editora Leya acaba de soltar sob o título (duvidoso, no mínimo) de Ensaios (Leya, 2010, 608 págs.), tem-se a noção exata dos motivos pelos quais o jornalista americano é tido como um dos maiores escritores do século passado.

O livro, aliás, é um passeio pelo século XX, em que o leitor é ciceroneado por um texto primoroso, às vezes ácido, às vezes doce, mas nunca morno ou sem açúcar. Capote podia ser um homem pouco confiável e em certos momentos traiçoeiro, mas, quando escrevia, derramava sua personalidade no papel, sem meio termo. Dizia o que sabia. Talvez por isso seus textos sejam tão deliciosos, pois estabelecem um tom de conversa com o leitor.

O incrível é que Capote não teve uma formação direcionada ou um "incentivo literário", digamos. Pelo contrário, sua infância foi tumultuada e a prova disso está em seu próprio nome. Capote era o sobrenome de seu padrasto, um negociante cubano.

"Comecei a escrever quando tinha oito anos ― do nada, sem nenhuma inspiração de um exemplo qualquer. Jamais conhecera alguém que escrevesse; conhecia poucas pessoas que lessem. Mas, de fato, as quatro únicas coisas que me interessavam eram: ler livros, ir ao cinema, sapatear e desenhar", escreve no prefácio de Música para camaleões, um de seus livros "jornalísticos".

Esse fato biográfico valoriza ainda mais os feitos do escritor. Seu autodidatismo, aliado à sua personalidade forte e a uma incrível vontade de brilhar no mundo das letras, tornaram a falta de um aprendizado formal apenas uma nota de rodapé em sua biografia.

"Minha opinião era de que ou alguém era um escritor ou não era, e nenhuma combinação de professores poderia influenciar a decisão final. Ainda acho que eu estava certo, pelo menos no meu caso; porém, agora percebo que muitos jovens escritores têm mais a lucrar frequentando uma faculdade, nem que seja apenas para conquistar entre os professores e colegas uma plateia para o seu trabalho; nada é mais solitário do que um aspirante a artista sem ter como sondar opiniões", diz um dos trechos de "Uma voz de uma nuvem", um dos destaques do livro, texto no qual Capote repassa o início de sua carreira como escritor e revela como se deu a confecção de Other voices, other rooms, seu primeiro livro, publicado quando tinha 24 anos.

Para quem é movido por um interesse biográfico e quer ler a história contada pelo próprio personagem, Ensaios é um prato cheio. A primeira parte do livro é recheada com relatos pessoais, quando Capote ainda era um jovem escritor em busca da própria voz.

Depois de ser demitido da revista New Yorker ("meu primeiro e único emprego com carteira de trabalho"), Capote parte para uma jornada no Alabama, "na casa de uns parentes, uma família de agricultores de algodão". Lá tenta ser um escritor full time, mas seus hábitos encontram resistência na família do interior e ele parte para uma vida cosmopolita.

Sua passagem por países como Haiti, Espanha e Itália, lugares em que morou ou se hospedou por longas temporadas, dão um tom de diário de viagem à primeira seção do livro. Capote trata de adicionar doses generosas de poesia e "imaginação" a seus relatos de viajante.

Não à toa Capote se autointitulava criador do romance de não-ficção. Não era apenas um surto de grandeza. Sua capacidade para criar cenários, descrever detalhes e traçar retratos psicológicos de seus "personagens" é mesmo proustiana. Os textos do livro, a princípio, são todos jornalísticos. Mas Capote embaralha as coisas de forma a causar uma boa confusão no leitor. Começa-se a ler um texto como uma reportagem, mas, ao chegar à última palavra, o leitor está convencido de que aquilo é um conto, uma história de ficção.

Em um dos textos, chamado "Lola", Capote conta sua relação com um corvo que passa a conviver com ele em sua casa na Itália. O corvo lhe fora dado de presente, só que com as asas cortadas. Certo dia, o animal, depois do ataque de um gato, despenca da janela e cai em cima de um caminhão de verduras, que o leva pra sempre. Além do corvo Lola, na história de Capote há uma menina desamparada que se apaixona por um calhorda, um velho senil que passa as tardes olhando para o nada e, claro, um intelectual americano que constrói a imagem da cidadezinha a partir de seu olhar crítico e mordaz.

Realmente não ficaria nem um pouco assustado se Capote tivesse inventado toda essa história, que me parece muito pouco convencional. O escritor, em Capote, não dava trégua. Por mais que tivesse compromisso com a informação em textos jornalísticos, parecia sempre tomado pelo seu imenso talento literário.

"André Gide, aquele imoral moralista, escritor favorecido pela sinceridade, mas sem nenhuma imaginação, desaprova Jean Cocteau, cujos dons as musas malvadas haviam invertido, debochado dele, como homem e artista, tornando-o uma criatura muito imaginativa, mas sem nenhuma sinceridade. É interessante, então, que Gide tenha sido um autor da mais precisa e, por alguma razão, mais simpática descrição de nosso mais velho menino terrível", escreve Capote em uma espécie de breve perfil do escritor francês, autor de Os moedeiros falsos.

Relatos como os sobre Gide estão agrupados em uma seção chamada "De Observações". É a seção jet set cultural, na qual Capote exibe seu conhecimento enciclopédico sobre personalidades que moldaram a arte no século passado. De Mae West a Picasso, Capote escreve com a propriedade de quem viu de perto o que essas pessoas faziam. Foi parceiro de Richard Avedon, que fotografou diversas de suas matérias, e amigo de Somerset Maugham, que disse ser Capote "um estilista de primeira qualidade".

Nesses pequenos drops, que não chegam a serem perfis, pois muitos têm menos de uma página, Capote escreve como Capote, sem muita firula e medo das consequências daquilo que diz.

"Chaplin teve acesso à genialidade, e outra vantagem ainda mais rara que essa: teve o benefício de ser o único proprietário de seu negócio ― o patrocinador, produtor, diretor, escritor, astro. Mas se deixou absorver pela petulância ― ele acredita, talvez com justa razão, ter sido maltratado pela América, por sua imprensa, pelo Departamento de Estado, e assim caminha furioso por sua vila; o que é direito seu, mas ainda lamentável, porque é um desperdício: seu último filme, Um rei em Nova York, um cutucão irritado nas coisas dos Estados Unidos, foi um completo desperdício ― a menos que tenha servido para extrair o fel de seu papo", escreve sobre Chaplin em 1959.

Mas a cereja do bolo está no meio do livrão. As cerejas, melhor dizendo. Há pelo menos três reportagens que valem pelo livro ― "Ouvindo as musas", "O duque em seu domínio" e "Caixões feitos à mão". Por uma ironia tipicamente capoteana, o escritor ficou conhecido fora dos Estados Unidos por suas reportagens, muito mais do que pelos seus livros de ficção. "Ouvindo as musas" é um exemplar de como Capote pulveriza as fronteiras entre ficção e jornalismo. Em 1955, em plena Guerra Fria, o escritor parte de Berlim Ocidental com o elenco da produção americana de Porgy and Bess, uma ópera composta em 1935 por George Gershwin, rumo a Rússia, mais precisamente a Leningrado. Capote e outras 94 pessoas partem para uma viagem que, por si só, já era um evento. Em pouco mais de cem páginas, o escritor oferece ao leitor uma visão privilegiada de uma pequena odisseia, em que guerras de ego, manobras políticas e o choque de culturas distintas fazem de uma turnê teatral o pano de fundo para uma imbricada história que poderia, facilmente, ser vendida sob a etiqueta de um "romance". Ou melhor, como uma "novela jornalística", como o próprio Capote definiu o texto.

No ano seguinte, em 1956, Capote já estava em Kyoto, atrás da maior estrela de cinema da época: Marlon Brando, que filmaria no Japão o filme Sayonara. Outra vez o escritor mistura seu apurado senso crítico a um poder de síntese e observação pouco comuns. Não leva muito a sério o blefe de Brando, que a todo o momento ameaça trocar o status de estrela de Hollywood por um templo budista. "Marlon Brando: nenhum ator da minha geração possui maior talento natural; mas nenhum outro levou a falsidade intelectual a níveis mais elevados de hilária pretensão. Exceto, talvez, Bob Dylan: sofisticado enganador musical (?) fingindo ser um revolucionário de coração simples (?), mas um caipira sentimental".

Mencken e Edmund Wilson (que eram da linhagem do século XIX) poderiam ser mais cultos, mas Capote talvez tenha sido o jornalista que melhor soube absorver as próprias experiências em benefício de seu trabalho.

"Então tudo desmoronou" e "Caixões feitos à mão", são pequenas pérolas ao estilo de A sangue frio. O primeiro é sobre Robert Beausoleil, um integrante da família Manson, que foi o pivô do assassinato da atriz Sharon Tate, em 1969. O segundo trata de um serial killer que confeccionava caixões em miniatura e os mandava, pelo correio, para as vítimas. Em ambos os textos, escritos cinco anos antes de Capote morrer, o escritor demonstra que seu instinto e sensibilidade continuavam aguçados.

Ótimo para quem quer excursionar pelo trabalho de um dos maiores escritores do século passado, Ensaios só peca por dois detalhes: os editores não deixam claro para o leitor que quase todos os textos do livro já haviam sido publicados no Brasil em edições solo de Os cães ladram (L&PM) e Música para camaleões (Companhia das Letras); além disso, não há informação sobre a fonte em que os textos foram publicados originalmente. Ainda assim, nada que tire o prazer dessas "conversas" com Capote.

Nota do Editor
Leia também "O pueril Capote".

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 24/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
04. Lola de Elisa Andrade Buzzo
05. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONVITE DE CASAMENTO - SABRINA 1221
ANNETTE BROADRICK
HARLEQUIN BOOKS
(2002)
R$ 6,90



O DIÁRIO DE UM MAÇOM
PAULO VALZACCH
UNIVERSO DOS LIVROS
(2008)
R$ 15,00



LIDERANDO E INTERAGINDO COM TODOS
JORGE FONTES
PARMA
(2007)
R$ 7,00



50 DIRETRIZES (E 186 METAS) PARA O 50º ANIVERSÁRIO DE OSASCO 2012
PREFEITURA DE OSASCO (SEGUNDA EDIÇÃO)
PREFEITURA OSASCO
(2010)
R$ 18,28



NOVOS TITÃS 35
VARIOS AUTORES
DC - PANINI COMICS
(2013)
R$ 20,00



COMO SER LEGAL
NICK HORNBY
ROCCO
(2002)
R$ 5,50



SINPSES JURÍDICAS VOL. 12 - PROCESSO DE EXECUÇÃO E CAUTELAR
MARCUS VINICIUS RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(2009)
R$ 15,17



ISLAMISMO E HUMANISMO LATINO: DESAFIOS E DIÁLOGOS
ARNO DAL RI JR E ARI PEDRO ORO (ORGS)
VOZES
(2004)
R$ 32,28



O PARAÍSO VIA EMBRATEL
LUIZ AUGUSTO MILANESI
PAZ E TERRA
(1978)
R$ 20,00



MANUAL DO SELECIONADOR DE PESSOAL
J. H. BUENO
LTR
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês