A aura da música | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O INVISÍVEL
>>> The Daily Zen Podcast
>>> O soldado absoluto
>>> Carta aos Amigos
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Eat the Rich
>>> The myth maker
>>> 19 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O Blog da Livraria Cultura
>>> O século da canção
Mais Recentes
>>> Edith e a velha sentada de Lázaro Ramos pela Pallas (2021)
>>> Neguinho aí de Luis Pimentel pela Pallas (2009)
>>> Saber Do Negro de Joel Rufino dos Santos pela Pallas (2015)
>>> Regeneração e Vida de Públio Carísio de Paula pela Minas (2003)
>>> Coleção Explorando o Ensino - Geografia: Ensiono Fundamental de Coord. Marísia Margarida e Santiago Buitoni pela Ministério Da Educação (2010)
>>> Retrato no Espelho de Teresa Noronha pela Ed. do Brasil
>>> Nova Visão de Francisco Cândido Xavier e Outro pela Ide (1987)
>>> O Mistério de Marie Rogêt de Edgar Allan Poe pela Ftd (1990)
>>> Os ibejis e o carnaval de Helena Theodoro pela Pallas (2019)
>>> Saber Atual: A álgebra moderna de M. Queysanne e A. Delachet pela Difusão Européia do Livro
>>> Errar é humano... Perdoar é canino! de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2010)
>>> 365 dias com a Bíblia - um texto para cada dia de Seleção de Paulo Sérgio Bazaglia pela Paulinas (1992)
>>> Cachorros do Céu de Wilson Bueno pela Planeta (2005)
>>> Denúncia Espontânea Em Direito Tributário de Antonio Sebastião Paloni pela Ágá Juris e Distribuidora (2000)
>>> Pequena Filocalia, o Livro Clássico da Igreja Oriental de José Comblin pela Paulus (2009)
>>> Experiência Mística de Lourenço da Ressurreição de Alexandre Sergio da Rocha pela Lotus do Saber (2000)
>>> O Caminho das Estrelas de Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho ; Antonio Carlos pela Petit (2016)
>>> O Evangelho de Judas - O Texto Perdido que Revolucionou a História do Cristianismo de Rodolphe Kasser, Marvin Meyer e Gregor Wurst pela Prestígio (2006)
>>> A Grande Sacerdotisa de Nadir Gomes pela Girassol (2007)
>>> Encontros com o Griot Sotigui Kouyate de Isaac Bernat pela Pallas (2013)
>>> Xangô de Ildásio Tavares pela Pallas (2022)
>>> Iansã – Rainha Dos Ventos E Tempestades de Helena Theodoro pela Pallas (2009)
>>> O Texto Argumentativo de Adilson Citelli pela Scipione (1994)
>>> Passageiros da Vida de Roberto Monteiro de Andrade pela Fundação Gutenberg de Artes Gráficas (2005)
>>> O Lar que tudo suporta ( Pocket ) de L. Aguiar Valvassoura pela Casa Nazarena (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/1/2011
A aura da música
Luiz Rebinski Junior

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Confesso que demorei muito pra entender cinco por cento do que li daquele sujeito alemão chamado Walter Benjamin. Tão cruel quanto tentar fazer um semi-adolescente desvendar o mistério da (provável) traição de Capitu, é mandar um estudante de comunicação xerocar um capítulo de A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Mas, se o curso de jornalismo não me foi de muita serventia, a biblioteca da faculdade onde estudei me prestou grande serviço. Morei lá por um tempo. Passei mais horas estirado nos sofás que rodeiam as estantes do que nos bancos da sala de aula. Desbravei aleatoriamente aquelas estantes, fazendo listas de livros - "a ler" - sem nenhum critério. A maioria dos livros não indicada pelos teóricos da comunicação. Ainda bem. Mas entre Cem anos de solidão aqui, O processo ali, arranjava um tempinho de meu ócio criativo para Max Weber, José Marques de Mello e os amiguinhos de Benjamin, os homens da tal Escola de Frankfurt, que todo mundo da comunicação já xerocou, mas poucos, pouquíssimos, leram. E um punhado ainda menor entendeu o que leu. Faço parte dessa leva.

Mas um conceitozinho ficou. Aquele que diz que a arte do século XX perdeu a aura, não tem mais o mesmo valor do que aquilo que foi feito em escala não-industrial. Realmente não sei se o senhor Benjamin está certo ou errado, se a simples reprodução de uma obra tira dela o seu valor e se isso faz de Andy Warhol menos artista do que Caravaggio, por exemplo. Mas, pensando nesse conceito, me veio à cabeça a questão da crise do disco. Para quem foi acostumado a valorizar o que ouvia, essa feira livre que virou a música é, no mínimo, estranha.

Eu sou do tempo em que se gravava fita cassete. Isso não faz muito tempo, mas a rapidez da tecnologia é tamanha, que um inocente K7 hoje já soa como piada. Então eu vivia atrás de amigos que tivessem grandes acervos de LPs para escutar artistas que conhecia por meio das revistas de música. Isso quer dizer que, para eu escutar determinado disco, era preciso, no mínimo, gastar sola de sapato. Às vezes até mesmo implorar para um amigo não muito próximo a gravação de um disco raro, que poucos tinham. Cheguei até a pagar para que me gravassem um disco em uma fita. Pura humilhação em nome da música. Então, pra mim é muito estranho ter a discografia de uma banda ao meu alcance sem nenhum esforço. Claro que não estou reclamando de ter acesso aos discos que, antes do download, eu sonhava em escutar. Não é isso, baixo sem dó aquilo que me interessa. Sei que tem o lance dos direitos autorais, que é uma questão complicada, mas baixo música com o mesmo espírito com que gravava minhas fitas cassetes, então não me considero um criminoso ou pirata. Uma questão de democracia cultural, pra mim. Também não estendo uma barraquinha na esquina para ganhar grana com os discos que pego na internet, no máximo gravo um cedezinho para um amigo.

É muito bom ter a História da música ao alcance das mãos, mas a verdade é que isso banalizou a música. Dia desses um figurão da indústria disse que a música havia virado um assessório pra iPod. Eu penso nisso desde que comecei a escutar música no novo formato e queria ter verbalizado isso antes do tal sujeito. Então, se fosse pra resumir o que virou a música na era digital, acho que essa frase definiria bem o que tá acontecendo.

Um disco hoje é apenas um cartão de visita de um músico ou banda. Uma espécie de portfólio bem custoso. Já tive a oportunidade de acompanhar a gravação de um disco de uma banda independente. Em geral, os caras tocam nos piores moquifos por um ou dois anos até economizar a grana necessária para fazer o disco. Quando o trabalho fica pronto, a banda o distribui de graça para um monte de gente em troca de uma hipotética divulgação. Os discos vendidos em shows não pagam a cerveja nem o custo do transporte dos equipamentos.

E com a velha guarda da música nacional, aqueles acostumados com o conforto das antigas gravadoras, não é muito diferente. Nando Reis, dia desses, se queixava, dizendo que o artista se ferra pra fazer um disco e, quando fica pronto, ninguém compra/escuta.

Mas então, diante dessa zona toda, me pergunto se as pessoas gostam menos de música hoje do que há vinte anos. A venda de disco tem relação com o consumo? As pessoas continuam amando música, mesmo não querendo mais pagar por ela? Eu desconfio que as pessoas ainda amem a música, só que mantêm uma relação diferente com ela, menos apegada. Só pode ser. As pessoas não querem mais saber quem foi o saxofonista que tocou com Van Morrison em It's too late stop now, o discaço ao vivo do irlandês. Pouco interessa que foi gravado em 1974 com a Caledonian Soul Orchestra, formada por dez músicos excepcionais. O cidadão quer mais é achar "Gloria" rapidamente e jogá-la na vala comum de seu iPod, mesmo que corra o risco de deixar para trás canções ainda mais antológicas. O rito da música parece que ficou reservado àqueles que não se iniciaram com o download.

E isso não tem nada a ver com aqueles caras mais radicais, que só escutam LPs e são ratos de sebo. Qualquer piá de bermudão e camisa de flanela nos anos 1990 queria ter os discos do Nirvana. Ou pelo menos parte deles. Mas hoje, se um emo pudesse escolher, pagando pouco, entre uma pasta com músicas no computador e uma estante com CDs, o que ele escolheria? Também acho que a culpa é da própria indústria, que deu um tiro no pé quando extorquiu os consumidores com seus preços criminosos. Quando quis recuar, baixando seus produtos, já era tarde. Talvez hoje a questão seja irreversível. Mesmo que os discos sejam vendidos a preços justos, não sei se voltariam ao patamar de vendas do passado.

Mas acho que só a questão da grana não explica essa espécie de revolução social que se abateu sobre a música. Há algo que não nos foi explicado ainda. E que talvez só saberemos o que é no dia em que essa nova onda passar.

Para ir além
Leia também "Para mim e para você, o CD teve vida curta".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 26/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. À primeira estrela que eu vejo de Ana Elisa Ribeiro
03. Aos cérebros novidadeiros de Carla Ceres
04. Você vem sempre aqui? de Ana Elisa Ribeiro
05. A filosofia mínima de Luís Augusto Fischer de Marcelo Spalding


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
02. O beatle George - 23/2/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2011
16h46min
Caro Luiz, tenho duas recomendações de leitura para você: "Indústria Fonográfica - um estudo antropológico", publicado pela Editora da Unicamp, e "O Lado B - A produção fonográfica independente brasileira", publicado pela Annablume. Os dois restringem o estudo do panorama da indústria fonográfica ao âmbito brasileiro.
[Leia outros Comentários de Tiago Pavan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Deus Será Que Existe? Quem é Ele?
Douglas Ferreira Barros
Moderna
(1997)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)



Vitória
Lia Zatz
Planeta Jovem
(2004)



A dança dos possuídos
Joanne Greenberg
Imago
(1983)



Os Assados
Espiral da Boa Cozinha
Globo



O Presidente Precioso
Jhonson Dr. Spencer
Record



Introdução aos Estudos Sociais
Irene Mello Carvalho
Fgv
(1970)



Cresça- Náo Envelheça
Doroth Carnegie
Record
(1956)



Os Beijos de Lênin
Yan Lianke
Record
(2018)



Turma da Monica Jovem - Num. 29-o Mundo do Contra - Parte 1 de 2
Mauricio de Souza
Panini
(2010)





busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês