Edmund Wilson e os chatos da literatura | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 3/2/2010
Edmund Wilson e os chatos da literatura
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos
+ 8 Comentário(s)




Digestivo nº 452 >>> Chatos literários sempre existiram. O problema é que, com a internet, eles ampliaram seu alcance. Esteja on-line, e mostre algum interesse por literatura, para receber spams de "originais" por e-mail, indicações de blogs literários de poesia (com rima) e até livros ruins de autores independentes (pelo correio). Chatos são inventivos e, em matéria de tecnologia, engrossam a massa implorando atualmente por atenção. De súbito, porém, um "aviso" do crítico norte-americano Edmund Wilson (1895-1972), um dos mais célebres do século passado, circulou a partir do blog de Timothy Ferriss. Nele, percebemos que os chatos literários são antigos, e vêm importunando a crítica, com seus pedidos, há décadas (apesar de, sempre publicamente, desfazerem dela). Está escrito em letra de forma: "Edmund Wilson lamenta ser impossível para ele...". Seguido de uma lista das mais inoportunas solicitações literárias de todos os tempos: "Ler manuscritos". Wilson não procurava ter novos "gênios" à vista. "Escrever artigos sobre livros". Também: "Escrever prefácios e apresentações". "Emitir pareceres [favoráveis]". E, para completar: "Fazer qualquer tipo de trabalho editorial" (leia-se: envolvendo livros). Mais adiante: "Participar de concursos literários [julgando obras]". "Tomar parte em congressos de escritores". E, para encerrar: "Participar de simpósios ou 'painéis' de qualquer sorte". Em seguida: "Fazer palestras ou discursos". "Dar cursos". Ou, pior: "Falar no rádio [sobre literatura] ou aparecer na televisão". Na sequência: "Responder a questionários [sobre literatura]" (para estudantes que não querem fazer sua lição de casa). E, radicalizando: "Dar entrevistas". Edmund Wilson também dizia ser-lhe "impossível": "Doar seus livros para bibliotecas". E (item polêmico): "Dar autógrafos a desconhecidos". Por último, Wilson jamais poderia: "Fornecer informações sobre si mesmo". E "fornecer retratos de si mesmo". Se ainda restasse alguma dúvida, o último item: "Fornecer opiniões sobre literatura ou outros assuntos". Com um adendo, manuscrito (e assinado): "Não falo em público mesmo se me oferecerem uma grande soma". Edmund Wilson, se ainda vivesse, não teria celular, nem e-mail... Dois anacronismos que, se aplicados a chatos literários, deixam-nos hoje em dúvida...!
>>> Edmund Wilson regrets that it is impossible for him to...
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2010
15h26min
Mas os literatos nem sempre. Tem chato de galocha em todo lugar. Especialmente aqueles que se chateiam. Chato também é aquele que chateia outro chato. E chato é prá de chateação! Lembro-me de dois chatos da década de 80/90, que a todos chateavam por não serem considerados literatos. Ambos passaram mais de cinco anos chateando, e nesta chatice eu citaria Paulo Coelho e Mônica Buonfiglio como exemplos. Paulo conseguiu sua primeira edição que tocou o Alquimista Collor de Melo, que declarou estar lendo tal livro, ele, o presidente. Céus, foi uma bomba, para acionar o mago marqueteiro, os resultados os chatos já conhecem. Com Mônica Buonfiglio, os chatos não perdoaram e ela montou com seu pai a própria editora para a chateação de muitos chatos. E este chato que vos chateia, precisou de muito mais, para não ser chateado, mas continuar a ser um chato aos chateadores tão chateados. Pois é, a littera atura o que para muitos é apenas chatice. Não é fácil ser um Bonsai, eles gostam de brilhar.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
4/2/2010
04h03min
Hehehe, gostei desse texto. Eu não gosto de chatos literários na medida em que não gosto de pentelhar quem quer que seja. Quando percebo que estou chateando alguém, começo a me sentir péssimo - e sumo! O que tem valor não precisa ser forçado, empurrado. Irá prevalecer de um jeito ou de outro. Que o diga o baú do Fernando Pessoa... Abração!
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
4/2/2010
06h44min
O chato de galocha declarado: Eu escrevia sem pretensão de ser escritor, mas, certa vez, apareceu um chato em minha casa e, remexendo em meus rascunhos, este amigo, chato ou não, disse que eu tinha o dom da criatividade e passou a me incentivar a dar continuidade à obra! Como na época eu não dispunha de muito tempo, passei a comentar e importunar outros amigos pedindo sugestões; mas não parei por aí: após terminar a obra passei a importunar as editoras para fazerem uma avaliação dela, e depois de muito custo, chatices e engodos, meu primeiro livro foi publicado, então voltei a importunar meus amigos, vizinhos e conhecidos para comprá-lo! Até que, há poucos dias, recebi um e-mail do Digestivo Cultural; divulgando o sorteio de livro: e como sou um escritor chato com mania de leitura, pretendo concorrer ao livro, e oferecer uma de minhas obras para sorteio, caso consigam conviver com tamanha chatice! Mas depois de toda esta chatice, aproveito para deixar meu exemplo de paciência.
[Leia outros Comentários de João Cirinio Gomes]
4/2/2010
17h01min
O chato literário nada mais é que um dos representantes mais expressivos do que eu sempre chamei de "o chato cultural" - aquele que, em palestras (na hora aberta às perguntas), cita pelo menos 7 referências - uma a uma; que, em eventos musicais, debate sobre "a música enquanto fenômeno..." - e por aí vai. Ninguém merece esses tipos em sua vida!
[Leia outros Comentários de Cássia]
4/2/2010
22h42min
Esse que você, Cássia, chama de "chato cultural" vai um pouco além do "chato literário", que ao menos produz alguma coisa. O "chato cultural", que eu chamo de "culturaholic" (procure meu conto no Google, "O Culturaholic"), é uma figura ainda mais cabotina e irrelevante, porque crê possuir um conhecimento universal e nunca cria nada. É apenas um chato dotado dum conhecimento variado e presunçoso, sem qualquer unidade, a qual é a irmã da universalidade... ;-)
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
7/2/2010
13h13min
Muito chato o texto do Julio, mas redondamente bom. Era necessário que alguém tocasse nessa questão (a do "chato literário"). Julio foi no cerne dela. Cássia e Yuri aludem pertinentemente ao caso do "chato cultural" ou "culturaholic". Sou um tipo de "culturaholic", pois nada crio; só com uma diferença: minha cultura universal é paupérrima. Falo sem modéstia. Mas, devido ao interesse que tenho pela leitura, esporadicamente me chegam, de pessoas conhecidas, livros de contos, de poesias, romances e até de História para que eu comente. Como em nada disso sou autoridade, isso eu alego, mas há sempre os insitentes por uma opinião. Aí é onde está o problema: se disser que não gostei, é a vez do chato ser eu; se disser o contrário, posso não estar sendo muito sincero. Que fazer?
[Leia outros Comentários de Pedro C. de Melo]
7/2/2010
18h56min
Antes de descrever o chato, devo dizer que o elegante nunca é chato, o famoso nunca é chato. Um cara mal vestido tentando assinaturas contra a matança de ratos não conseguiu uma só, dias depois o mesmo cara, bem trajado e no mesmo lugar, fez nova tentativa, conseguiu centenas de assinaturas, viram a diferença? Não mudei o assunto, é só para dizer que em todos os seguimentos é a mesma coisa. Às vezes um escritor que não tem a quem recorrer, tem mesmo que ser chato. É extremamente fácil uma pessoa que tudo caiu de paraquedas e no colo, dar certo, aí fica achando todo mundo um chato. Vejo escritores famosos chatos, mas ninguém ousa a chamar de chato. No Brasil tem um nordestino que é um mala, passou de chato e todo mundo acha o máximo. Quem já foi chato, tem mesmo é que ajudar o chato da vez.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
25/2/2010
12h00min
Resumo do texto do Ed Wilson: "não me chateiem com o tema sobre o qual escrevo, porque sou importante demais para perder tempo com o entorno da crítica literária (palestras, midia, estudantes)..." Além de gênio, um arrogante. Muito chato isso.
[Leia outros Comentários de SLeo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO PENAL - VOLUME 2 - PARTE ESPECIAL
JULIO FABBRINI MIRABETE
ATLAS
(2003)
R$ 9,50



VENTO NOTURNO
CHARLES DICKENS
CLUBE DO LIVRO
(1975)
R$ 7,00



BIBLIORAMA BRINCANDO E APRENDENDO
SILVIO NAKANO
A D SANTOS
(2006)
R$ 10,00



COMISSÃO COORDENADORA DE ESTUDOS DO NORDESTE - ESTUDO 01
ARENA (ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL)
SENADO FEDERAL
(1971)
R$ 19,82



ISTO É 2030 - MÉDIUNS
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
TRÊS
(2008)
R$ 9,00



DETECÇÃO DE BATIMENTOS CARDÍACOS UTILIZANDO FPGA
ALEXANDRE TOMAZATI OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



REVOLUÇÕES DE INDEPENDÊNCIAS E NACIONALISMOS NAS AMÉRICAS
MARCO A. PAMPLONA; MARIA E. MADER ORG - VOL 2
PAZ E TERRA
(2008)
R$ 15,00



CULTURA E OPULÊNCIA DO BRASIL
ANDRÉ JOÃO ANTONIL
PROGRESSO
(1955)
R$ 29,70



ATLÂNTIDA: O GENE
A. G. RIDDLE
GLOBO ALT
(2015)
R$ 9,00



CONHECIMENTO QUE CONDUZ À VIDA ETERNA
NAO CONSTA
WATCHTOWER
(1995)
R$ 4,90





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês