Edmund Wilson e os chatos da literatura | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pense nos brasileiros
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira A Concubina de Morris West pela Circulo do Livro (2024)
>>> A Neta Da Maharani de Maha Akhtar pela Primavera Editorial (2009)
>>> José Saramago - Rota De Vida de Joaquim Vieira pela Livros Horizonte (2018)
>>> Livro Ensino de Idiomas Memoirs of a Geisha de Arthur Golden pela Pearson (2008)
>>> The Wordsworth Collection Of Classic Short Stories de Rosemary Gray pela Wordsworth Editions Ltd (1996)
>>> Uma Vida com Propósitos: Você Não Esta Aqui Por Acaso de Rick Warren pela Vida (2003)
>>> O Assassinato E Outras Histórias de Anton Tchekhov pela Cosac & Naify (2002)
>>> Os Portões Do Inferno de Andre Gordirro pela Fabrica 231 (2015)
>>> Coleção 2 Livros Prática das Pequenas Construções de Alberto de Campos Borges pela Edgard Blucher (1978)
>>> Livro Literatura Brasileira Eu Não Sei Ter de Marcelo Candido pela Virgiliae (2011)
>>> A Ultima Casa Da Rua Needless de Catriona Ward pela Fisicalbook (2024)
>>> Escravos E Rebeldes Nos Tribunais Do Império: Uma História Social Da Lei De 10 De Junho De 1835 de Ricardo Figueiredo Pirola pela Ministério Da Justiça, Arquivo Nacional, (2015)
>>> A caminho de Wigan de George Orwell pela Nova Fronteira (1986)
>>> Livro Esoterismo Despertar um Guia para a Espiritualidade sem Religião de Sam Harris pela Companhia das Letras (2015)
>>> Engenhocas Da Moral de Manoela Pedroza pela Ministério Da Justiça, Arquivo Nacional (2011)
>>> Contabilidade Rural de José Carlos Marion pela Atlas (2007)
>>> Descubra o Maior Poder do Mundo de Tiago Brunet pela Vida (2018)
>>> Livro Administração A Organização Humana de Rensis Likert pela Atlas (1975)
>>> Dando um jeito no jeitinho (2 vol) de Karla Cristina de Araújo Faria pela Gaylussac
>>> Livro Psicologia Sonhos Lúcidos Uma Iniciação ao Mundo dos Feiticeiros. de Florinda Donner pela Nova era /record (1993)
>>> O convento de Sto. Antonio do Rio de Janeiro - Sua história, memórias, tradições com 43 estampas de Frei Basilio Rower pela Vozes (1954)
>>> Dois estudos de processo de Napoleão Nunes Maia Filho pela Ufc (2002)
>>> A Biologia Da Crença de Bruce H. Lipton pela Butterfly (2007)
>>> Coleção Como Reconhecer a Arte 5 Livros Gótica + Rococó + Mesopotâmica + Chinesa de Maria Cristina Gozzoli; Flavio Conti; Sabatino Moscati pela Martins Fontes (1987)
>>> Stress e Qualidade de Vida no Trabalho de Ana Maria Rosi pela Atlas
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 3/2/2010
Edmund Wilson e os chatos da literatura
Julio Daio Borges
+ de 6000 Acessos
+ 8 Comentário(s)




Digestivo nº 452 >>> Chatos literários sempre existiram. O problema é que, com a internet, eles ampliaram seu alcance. Esteja on-line, e mostre algum interesse por literatura, para receber spams de "originais" por e-mail, indicações de blogs literários de poesia (com rima) e até livros ruins de autores independentes (pelo correio). Chatos são inventivos e, em matéria de tecnologia, engrossam a massa implorando atualmente por atenção. De súbito, porém, um "aviso" do crítico norte-americano Edmund Wilson (1895-1972), um dos mais célebres do século passado, circulou a partir do blog de Timothy Ferriss. Nele, percebemos que os chatos literários são antigos, e vêm importunando a crítica, com seus pedidos, há décadas (apesar de, sempre publicamente, desfazerem dela). Está escrito em letra de forma: "Edmund Wilson lamenta ser impossível para ele...". Seguido de uma lista das mais inoportunas solicitações literárias de todos os tempos: "Ler manuscritos". Wilson não procurava ter novos "gênios" à vista. "Escrever artigos sobre livros". Também: "Escrever prefácios e apresentações". "Emitir pareceres [favoráveis]". E, para completar: "Fazer qualquer tipo de trabalho editorial" (leia-se: envolvendo livros). Mais adiante: "Participar de concursos literários [julgando obras]". "Tomar parte em congressos de escritores". E, para encerrar: "Participar de simpósios ou 'painéis' de qualquer sorte". Em seguida: "Fazer palestras ou discursos". "Dar cursos". Ou, pior: "Falar no rádio [sobre literatura] ou aparecer na televisão". Na sequência: "Responder a questionários [sobre literatura]" (para estudantes que não querem fazer sua lição de casa). E, radicalizando: "Dar entrevistas". Edmund Wilson também dizia ser-lhe "impossível": "Doar seus livros para bibliotecas". E (item polêmico): "Dar autógrafos a desconhecidos". Por último, Wilson jamais poderia: "Fornecer informações sobre si mesmo". E "fornecer retratos de si mesmo". Se ainda restasse alguma dúvida, o último item: "Fornecer opiniões sobre literatura ou outros assuntos". Com um adendo, manuscrito (e assinado): "Não falo em público mesmo se me oferecerem uma grande soma". Edmund Wilson, se ainda vivesse, não teria celular, nem e-mail... Dois anacronismos que, se aplicados a chatos literários, deixam-nos hoje em dúvida...!
>>> Edmund Wilson regrets that it is impossible for him to...
 
Julio Daio Borges
Editor
Quem leu esta, também leu essa(s):
01. 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier (Música)
02. O mensalão, 5 anos depois, pelo Valor Econômico (Imprensa)
03. O dilúvio informacional, segundo a Economist (Imprensa)
04. Programação especial de 40 anos da TV Cultura (Televisão)
05. 5º Encontro de Cordas na Mantiqueira (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2010
15h26min
Mas os literatos nem sempre. Tem chato de galocha em todo lugar. Especialmente aqueles que se chateiam. Chato também é aquele que chateia outro chato. E chato é prá de chateação! Lembro-me de dois chatos da década de 80/90, que a todos chateavam por não serem considerados literatos. Ambos passaram mais de cinco anos chateando, e nesta chatice eu citaria Paulo Coelho e Mônica Buonfiglio como exemplos. Paulo conseguiu sua primeira edição que tocou o Alquimista Collor de Melo, que declarou estar lendo tal livro, ele, o presidente. Céus, foi uma bomba, para acionar o mago marqueteiro, os resultados os chatos já conhecem. Com Mônica Buonfiglio, os chatos não perdoaram e ela montou com seu pai a própria editora para a chateação de muitos chatos. E este chato que vos chateia, precisou de muito mais, para não ser chateado, mas continuar a ser um chato aos chateadores tão chateados. Pois é, a littera atura o que para muitos é apenas chatice. Não é fácil ser um Bonsai, eles gostam de brilhar.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
4/2/2010
04h03min
Hehehe, gostei desse texto. Eu não gosto de chatos literários na medida em que não gosto de pentelhar quem quer que seja. Quando percebo que estou chateando alguém, começo a me sentir péssimo - e sumo! O que tem valor não precisa ser forçado, empurrado. Irá prevalecer de um jeito ou de outro. Que o diga o baú do Fernando Pessoa... Abração!
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
4/2/2010
06h44min
O chato de galocha declarado: Eu escrevia sem pretensão de ser escritor, mas, certa vez, apareceu um chato em minha casa e, remexendo em meus rascunhos, este amigo, chato ou não, disse que eu tinha o dom da criatividade e passou a me incentivar a dar continuidade à obra! Como na época eu não dispunha de muito tempo, passei a comentar e importunar outros amigos pedindo sugestões; mas não parei por aí: após terminar a obra passei a importunar as editoras para fazerem uma avaliação dela, e depois de muito custo, chatices e engodos, meu primeiro livro foi publicado, então voltei a importunar meus amigos, vizinhos e conhecidos para comprá-lo! Até que, há poucos dias, recebi um e-mail do Digestivo Cultural; divulgando o sorteio de livro: e como sou um escritor chato com mania de leitura, pretendo concorrer ao livro, e oferecer uma de minhas obras para sorteio, caso consigam conviver com tamanha chatice! Mas depois de toda esta chatice, aproveito para deixar meu exemplo de paciência.
[Leia outros Comentários de João Cirinio Gomes]
4/2/2010
17h01min
O chato literário nada mais é que um dos representantes mais expressivos do que eu sempre chamei de "o chato cultural" - aquele que, em palestras (na hora aberta às perguntas), cita pelo menos 7 referências - uma a uma; que, em eventos musicais, debate sobre "a música enquanto fenômeno..." - e por aí vai. Ninguém merece esses tipos em sua vida!
[Leia outros Comentários de Cássia]
4/2/2010
22h42min
Esse que você, Cássia, chama de "chato cultural" vai um pouco além do "chato literário", que ao menos produz alguma coisa. O "chato cultural", que eu chamo de "culturaholic" (procure meu conto no Google, "O Culturaholic"), é uma figura ainda mais cabotina e irrelevante, porque crê possuir um conhecimento universal e nunca cria nada. É apenas um chato dotado dum conhecimento variado e presunçoso, sem qualquer unidade, a qual é a irmã da universalidade... ;-)
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
7/2/2010
13h13min
Muito chato o texto do Julio, mas redondamente bom. Era necessário que alguém tocasse nessa questão (a do "chato literário"). Julio foi no cerne dela. Cássia e Yuri aludem pertinentemente ao caso do "chato cultural" ou "culturaholic". Sou um tipo de "culturaholic", pois nada crio; só com uma diferença: minha cultura universal é paupérrima. Falo sem modéstia. Mas, devido ao interesse que tenho pela leitura, esporadicamente me chegam, de pessoas conhecidas, livros de contos, de poesias, romances e até de História para que eu comente. Como em nada disso sou autoridade, isso eu alego, mas há sempre os insitentes por uma opinião. Aí é onde está o problema: se disser que não gostei, é a vez do chato ser eu; se disser o contrário, posso não estar sendo muito sincero. Que fazer?
[Leia outros Comentários de Pedro C. de Melo]
7/2/2010
18h56min
Antes de descrever o chato, devo dizer que o elegante nunca é chato, o famoso nunca é chato. Um cara mal vestido tentando assinaturas contra a matança de ratos não conseguiu uma só, dias depois o mesmo cara, bem trajado e no mesmo lugar, fez nova tentativa, conseguiu centenas de assinaturas, viram a diferença? Não mudei o assunto, é só para dizer que em todos os seguimentos é a mesma coisa. Às vezes um escritor que não tem a quem recorrer, tem mesmo que ser chato. É extremamente fácil uma pessoa que tudo caiu de paraquedas e no colo, dar certo, aí fica achando todo mundo um chato. Vejo escritores famosos chatos, mas ninguém ousa a chamar de chato. No Brasil tem um nordestino que é um mala, passou de chato e todo mundo acha o máximo. Quem já foi chato, tem mesmo é que ajudar o chato da vez.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
25/2/2010
12h00min
Resumo do texto do Ed Wilson: "não me chateiem com o tema sobre o qual escrevo, porque sou importante demais para perder tempo com o entorno da crítica literária (palestras, midia, estudantes)..." Além de gênio, um arrogante. Muito chato isso.
[Leia outros Comentários de SLeo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De alma para alma
Huberto Rohden
Martin Claret
(2007)



Guia de Personagens Dos Reinos de Ferro - Vol. 1
Joe Martin e Matt Wilson
Jambô
(2006)



Roi At Work
Jack J. Phillips; Patricia Pulliam Phillips
Natl Book Network
(2005)



Manual do Turista Brasileiro -
Lúcio Martins Rodrigues e Bebel Enge
Aleph
(2000)



Livro Administração Estágio Supervisionado e Trabalho de Conclusão de Curso
Manolita Correa Lima; Silvio Olivo
Senac
(2007)



Imagens De Satélite Para Estudos Ambientais
Teresa Gallotti Florenzano
Oficina De Textos
(2002)



Livro Filosofia O Vermelho e o Negro Parte 2 Coleção Mestres Pensadores
Stendhal
Escala



História do Direito
Vicente Bagnoli e Outros
Campus
(2009)



História da Riqueza do Homem
Leo Huberman
Ltc
(1986)



Amor Maior
Michell Paciletti - Espírito Llino
Correio Fraterno
(2018)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês