Edmund Wilson e os chatos da literatura | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
>>> Homenagem ao Pianista Nelson Freire, Grátis, 5/12, no Morumbi
>>> Carlos Dala Stella lança novo livro e completa trilogia
>>> Jam Brasil traz o melhor da música instrumental de 13 a 18/12 de graça
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Berlim, o passado arrancado à força
>>> Propostas discordantes no jornalismo
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
Mais Recentes
>>> Pedagogias do Século XXI de Jaume Sebarroja Carbonell pela Penso (2016)
>>> As Sete Linhas da Umbanda de Janaina Azevedo Corral pela Universo dos Livros (2010)
>>> Didática da Matemática - Reflexões Psicopedagógicas de Cecilia Parra, Irma Saiz, Delia Lerner pela Artmed (1996)
>>> Moderna Plus Biologia 1 Aprova Enem de Obra Coletiva pela Moderna (2015)
>>> Leonardo da Vinci de Christiane Weidemann pela Prestel (2010)
>>> Orixás na Umbanda - As Origens, as lendas, os cantos e os rituais de cada orixá na umbanda de Janaina Azevedo pela Universo dos Livros (2010)
>>> Direito Público Contemporâneo - Ensaios Críticos – Vol II (lacrado) de Bruno Soeiro Vieira, Frederico Antônio Oliveira pela Lumen Juris (2017)
>>> Uma Amizade de Ouro de Marcia Kupstas pela Ftd (2016)
>>> Voo de Rapina (poesias) de Piero Eyben pela Horizonte (2014)
>>> A Loja Der Tudo Jeff Bezos e a era da Amazon de Brad Stone pela Intrínseca (2019)
>>> Cowabunga - Desventuras de Ex-surfista de Ana Paula Seixlack pela Benvirá (2014)
>>> Novíssimo Manual do Estudante - Ilustrado Vol 3 de Paulo de Oliveira pela Li Bra
>>> Moderna Plus Biologia 1 Parte III de Amabis Martho pela Moderna
>>> Charadinhas - Dizeres de Vários Autores pela Ciranda Cultural
>>> Conecte Live Química 2 Caderno de Estudos de João Usberco e outros pela Saraiva Plurall (2018)
>>> Os Sentidos de Elizabeth Avila Ferrari pela Brasileitura
>>> Sistema Respiratório Corpo Humano de Elizabeth Ávila pela Todolivro
>>> Maria de Rodrigo Alvarez pela Globo Livros (2015)
>>> Muitas Línguas, uma Língua de Domício Proença Filho pela José Olympio (2017)
>>> Moderna Plus - Biologia 1 Parte II de Amabis Martho pela Moderna
>>> Enciclopédia do Cinema Brasileiro - 2ª Edição (lacrado) de Fernão Pessoa Ramos, Luiz Felipe Miranda pela Senac Sp (2000)
>>> A invasão das salsichas gigantes de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2001)
>>> Conhecimento Judaico II - Coleção Judaica 6 de Nathan Ausubel pela A. Koogan (1989)
>>> Sinfonia de Objetos de Paulo de Freitas Costa pela Iluminuras (2000)
>>> Conecte Live Química 2 Parte 2 de João Usberco e outros pela Saraiva (2018)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 3/2/2010
Edmund Wilson e os chatos da literatura
Julio Daio Borges

+ de 5300 Acessos
+ 8 Comentário(s)




Digestivo nº 452 >>> Chatos literários sempre existiram. O problema é que, com a internet, eles ampliaram seu alcance. Esteja on-line, e mostre algum interesse por literatura, para receber spams de "originais" por e-mail, indicações de blogs literários de poesia (com rima) e até livros ruins de autores independentes (pelo correio). Chatos são inventivos e, em matéria de tecnologia, engrossam a massa implorando atualmente por atenção. De súbito, porém, um "aviso" do crítico norte-americano Edmund Wilson (1895-1972), um dos mais célebres do século passado, circulou a partir do blog de Timothy Ferriss. Nele, percebemos que os chatos literários são antigos, e vêm importunando a crítica, com seus pedidos, há décadas (apesar de, sempre publicamente, desfazerem dela). Está escrito em letra de forma: "Edmund Wilson lamenta ser impossível para ele...". Seguido de uma lista das mais inoportunas solicitações literárias de todos os tempos: "Ler manuscritos". Wilson não procurava ter novos "gênios" à vista. "Escrever artigos sobre livros". Também: "Escrever prefácios e apresentações". "Emitir pareceres [favoráveis]". E, para completar: "Fazer qualquer tipo de trabalho editorial" (leia-se: envolvendo livros). Mais adiante: "Participar de concursos literários [julgando obras]". "Tomar parte em congressos de escritores". E, para encerrar: "Participar de simpósios ou 'painéis' de qualquer sorte". Em seguida: "Fazer palestras ou discursos". "Dar cursos". Ou, pior: "Falar no rádio [sobre literatura] ou aparecer na televisão". Na sequência: "Responder a questionários [sobre literatura]" (para estudantes que não querem fazer sua lição de casa). E, radicalizando: "Dar entrevistas". Edmund Wilson também dizia ser-lhe "impossível": "Doar seus livros para bibliotecas". E (item polêmico): "Dar autógrafos a desconhecidos". Por último, Wilson jamais poderia: "Fornecer informações sobre si mesmo". E "fornecer retratos de si mesmo". Se ainda restasse alguma dúvida, o último item: "Fornecer opiniões sobre literatura ou outros assuntos". Com um adendo, manuscrito (e assinado): "Não falo em público mesmo se me oferecerem uma grande soma". Edmund Wilson, se ainda vivesse, não teria celular, nem e-mail... Dois anacronismos que, se aplicados a chatos literários, deixam-nos hoje em dúvida...!
>>> Edmund Wilson regrets that it is impossible for him to...
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Jeff Jarvis atacando Rupert Murdoch no Guardian (Imprensa)
02. Música em 2009 (Música)
03. Milk, por Sean Penn e Gus Van Sant (Cinema)
04. A revolução dos q-bits, de Oliveira e Vieira (Além do Mais)
05. Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2010
15h26min
Mas os literatos nem sempre. Tem chato de galocha em todo lugar. Especialmente aqueles que se chateiam. Chato também é aquele que chateia outro chato. E chato é prá de chateação! Lembro-me de dois chatos da década de 80/90, que a todos chateavam por não serem considerados literatos. Ambos passaram mais de cinco anos chateando, e nesta chatice eu citaria Paulo Coelho e Mônica Buonfiglio como exemplos. Paulo conseguiu sua primeira edição que tocou o Alquimista Collor de Melo, que declarou estar lendo tal livro, ele, o presidente. Céus, foi uma bomba, para acionar o mago marqueteiro, os resultados os chatos já conhecem. Com Mônica Buonfiglio, os chatos não perdoaram e ela montou com seu pai a própria editora para a chateação de muitos chatos. E este chato que vos chateia, precisou de muito mais, para não ser chateado, mas continuar a ser um chato aos chateadores tão chateados. Pois é, a littera atura o que para muitos é apenas chatice. Não é fácil ser um Bonsai, eles gostam de brilhar.
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
4/2/2010
04h03min
Hehehe, gostei desse texto. Eu não gosto de chatos literários na medida em que não gosto de pentelhar quem quer que seja. Quando percebo que estou chateando alguém, começo a me sentir péssimo - e sumo! O que tem valor não precisa ser forçado, empurrado. Irá prevalecer de um jeito ou de outro. Que o diga o baú do Fernando Pessoa... Abração!
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
4/2/2010
06h44min
O chato de galocha declarado: Eu escrevia sem pretensão de ser escritor, mas, certa vez, apareceu um chato em minha casa e, remexendo em meus rascunhos, este amigo, chato ou não, disse que eu tinha o dom da criatividade e passou a me incentivar a dar continuidade à obra! Como na época eu não dispunha de muito tempo, passei a comentar e importunar outros amigos pedindo sugestões; mas não parei por aí: após terminar a obra passei a importunar as editoras para fazerem uma avaliação dela, e depois de muito custo, chatices e engodos, meu primeiro livro foi publicado, então voltei a importunar meus amigos, vizinhos e conhecidos para comprá-lo! Até que, há poucos dias, recebi um e-mail do Digestivo Cultural; divulgando o sorteio de livro: e como sou um escritor chato com mania de leitura, pretendo concorrer ao livro, e oferecer uma de minhas obras para sorteio, caso consigam conviver com tamanha chatice! Mas depois de toda esta chatice, aproveito para deixar meu exemplo de paciência.
[Leia outros Comentários de João Cirinio Gomes]
4/2/2010
17h01min
O chato literário nada mais é que um dos representantes mais expressivos do que eu sempre chamei de "o chato cultural" - aquele que, em palestras (na hora aberta às perguntas), cita pelo menos 7 referências - uma a uma; que, em eventos musicais, debate sobre "a música enquanto fenômeno..." - e por aí vai. Ninguém merece esses tipos em sua vida!
[Leia outros Comentários de Cássia]
4/2/2010
22h42min
Esse que você, Cássia, chama de "chato cultural" vai um pouco além do "chato literário", que ao menos produz alguma coisa. O "chato cultural", que eu chamo de "culturaholic" (procure meu conto no Google, "O Culturaholic"), é uma figura ainda mais cabotina e irrelevante, porque crê possuir um conhecimento universal e nunca cria nada. É apenas um chato dotado dum conhecimento variado e presunçoso, sem qualquer unidade, a qual é a irmã da universalidade... ;-)
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
7/2/2010
13h13min
Muito chato o texto do Julio, mas redondamente bom. Era necessário que alguém tocasse nessa questão (a do "chato literário"). Julio foi no cerne dela. Cássia e Yuri aludem pertinentemente ao caso do "chato cultural" ou "culturaholic". Sou um tipo de "culturaholic", pois nada crio; só com uma diferença: minha cultura universal é paupérrima. Falo sem modéstia. Mas, devido ao interesse que tenho pela leitura, esporadicamente me chegam, de pessoas conhecidas, livros de contos, de poesias, romances e até de História para que eu comente. Como em nada disso sou autoridade, isso eu alego, mas há sempre os insitentes por uma opinião. Aí é onde está o problema: se disser que não gostei, é a vez do chato ser eu; se disser o contrário, posso não estar sendo muito sincero. Que fazer?
[Leia outros Comentários de Pedro C. de Melo]
7/2/2010
18h56min
Antes de descrever o chato, devo dizer que o elegante nunca é chato, o famoso nunca é chato. Um cara mal vestido tentando assinaturas contra a matança de ratos não conseguiu uma só, dias depois o mesmo cara, bem trajado e no mesmo lugar, fez nova tentativa, conseguiu centenas de assinaturas, viram a diferença? Não mudei o assunto, é só para dizer que em todos os seguimentos é a mesma coisa. Às vezes um escritor que não tem a quem recorrer, tem mesmo que ser chato. É extremamente fácil uma pessoa que tudo caiu de paraquedas e no colo, dar certo, aí fica achando todo mundo um chato. Vejo escritores famosos chatos, mas ninguém ousa a chamar de chato. No Brasil tem um nordestino que é um mala, passou de chato e todo mundo acha o máximo. Quem já foi chato, tem mesmo é que ajudar o chato da vez.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
25/2/2010
12h00min
Resumo do texto do Ed Wilson: "não me chateiem com o tema sobre o qual escrevo, porque sou importante demais para perder tempo com o entorno da crítica literária (palestras, midia, estudantes)..." Além de gênio, um arrogante. Muito chato isso.
[Leia outros Comentários de SLeo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brasileiros no Sinistro Triângulo das Bermudas
Arthur Oscar Saldanha da Gama
Biblioteca do Exército
(1984)



Minha Cruz, Minha Luz
Dauny Fritsch; William
EME
(2010)



Crustaceos - Versao Pocket
Danusia Barbara
Senac Rio
(2008)



A Gramática do Concursando
José Almir Fontella Dornelles
Vestcon
(2010)



Na Crise Global - as Oportunidades do Brasil e a Cultura da Esperança
João Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(2009)



Horizonte de Eventos
Daisy Xavier
Arte e Design
(2018)



Seis Estudos de Psicologia
Jean Piaget
Forense
(1971)



O Amor Verdadeiro
Tânia Leite Motta
Provo Gráfica
(1999)



Quem Falou Isso? uma Parábola de Negócios
Ray Dizazzo
Record
(2003)



Desestatização e Terceirização
Gina Copola
Ndj
(2006)





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês