Auto-análise | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Defesa dos Rótulos
>>> A história de cada livro
>>> O poeta do pesadelo e do delírio
>>> Além do Mais em 2004
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
Mais Recentes
>>> Quintino Cunha e Outros: Antologia Cultural de Plautus Cunha (encontro das águas rios negro e solimões pela Angelo Accetti (1974)
>>> Química Geral Volume I de Ricardo Feltre pela Atual (1996)
>>> Piloto de Guerra - biblioteca do espírito moderno vol 15 de Antoine de Saint-Exupéry tradução de Monteiro Lobato pela Companhia das Letras (1943)
>>> Matemática - Ciência e Aplicações 1 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2001)
>>> Matemática Ciência e Aplicações 2 Ensino Médio de Gelson Iezzi-osvaldo Dolce pela Atual (2004)
>>> Biologia Segundo Grau e Vestibulares de Albino Fonseca pela Ática (1980)
>>> Economia - Micro e Macro de Marco Antonio Sandoval de Vasconcelos pela Atlas (2002)
>>> Estatística Aplicada Economia, Administração e Contabilidade de John E. Freund - Gary A. Simon pela Bookman (2000)
>>> Martini Seco - série rosa dos ventos de Fernando Sabino pela Ática (1987)
>>> Estatística - Coleção Schaum de Murray R. Spiegel pela McGraw-Hill do Brasil (1971)
>>> Administração de Recursos Humanos - Fundamentos Básicos de Idalberto Chiavenato pela Atlas (2003)
>>> Trabalhadores - Profissões do Brasil de Humberto Medeiros - Patrícia Henriques Mafra pela Aon (2008)
>>> A Polícia Que Queremos de João Carlos Pereira pela Do Autor (2011)
>>> Os 27 desafios que todo chefe deve enfrentar de Bruce Tulgan pela Sextante (2015)
>>> Design para crescer - aprenda com a Coca-Cola sobre escala e agilidade de David Butler - Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Implantando uma Empresa de Cesar Simões Salim e outros pela Elsevier - Campus (2011)
>>> Competências - conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna de Joel Souza Dutra pela Atlas (2013)
>>> Um novo jeito de trabalhar de Laszlo Bock pela Sextante (2015)
>>> Pipeline de Desempenho de Stephen Drotter pela Campus (2011)
>>> Nocaute - Como contar sua historia no disputado ringue das redes sociais de Gary Vaynerchuk pela Hsm (2016)
>>> Liderança - a inteligência emocional na formação do líder de sucesso de Daniel Goleman pela Objetiva (2015)
>>> Excelência em atendimento ao cliente de Alexandre Luzzi Las Casas pela M.books (2012)
>>> 100 Maneiras de motivar as pessoas de Steve Chandler - Scott Richardson pela Sextante (2008)
>>> Lições de Impacto e Inovação - O executivo transformador no jogo da indústria de Jeffrey J. Fox - Robert Reiss pela Rocco (2014)
>>> ( Re ) Descobrindo A Matriz Nine Box de Rogerio Leme pela Qualitymark (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/9/2004
Auto-análise
Julio Daio Borges
+ de 5100 Acessos

Você acredita ter mais dificuldades em se relacionar do que a média das pessoas da sua idade? Em outras épocas, a resposta seria peremptória: "Não". Hoje perdi o parâmetro. O que significa ter facilidade para se relacionar? Significa relacionar-se com muitas pessoas? Se for isso, confesso que "me relaciono" com muito menos gente hoje. São "relações", talvez, em maior número, mas bem mais superficiais (do que antes).

Você tem dificuldade em confiar nas pessoas? Mais uma vez, em outras épocas, a resposta seria "não". É natural que de "confiantes" (jovens) vamos passando a "desconfiados" (adultos) e, finalmente, terminamos "medrosos" (velhos). Mas eu não sei se é, necessariamente, uma questão de idade. Existem fases em que as apostas em jogo obrigam a uma "corrida solitária", a um isolamento e, portanto, a um grau maior de "desconfiança". Enfim: sim, eu já confiei mais, e em mais pessoas.

Você prefere estar sozinho do que na companhia de outras pessoas? Sim, já preferi. A sociabilização forçada, digamos, em certas idades (escola, faculdade, trabalho) despertam, em sujeitos como eu, um anseio pela solidão. Pela paz de espírito, melhor dito. Porque a solidão, quando acontece, não é agradável, nem desejável. Hoje, às vezes, sinto solidão - talvez no trabalho - e percebi que é muito diferente do desejo (de antes) de estar só.

É verdade que você não se deixa afetar por críticas nem por elogios? Já fui mais indiferente a tudo isso. E já fui mais afetado, também. Vamos dizer que, atualmente, eu procuro uma resposta. Não sei se boa, não sei se má. Uma resposta apenas. Um sinal. Porque o silêncio, o desprezo (do verbo "des-prezar"), a própria indiferença é muito pior do que a crítica mais contundente. Você sentir que o seu esforço foi em vão, que o seu trabalho é como se não tivesse existido... Pode haver algo pior?

As pessoas consideram você frio e distante? Provavelmente. Algumas. Ocorre que, mesmo em reuniões sociais, às vezes, costumo entrar em órbita - em torno do meu próprio eixo. Às vezes, também, me desligo de uma conversa local e passo a captar uma outra, distante. (Principalmente quando esta última parece mais interessante.) Não sei o porquê do fenômeno. Fotossíntese? Powersave on? Screensaver? Certamente, não indica menosprezo. Eu não costumo perder nenhuma palavra. Sou bom ouvinte. E, geralmente, guardo.

Seu jeito de ser é considerado excêntrico pelos outros? Provavelmente, também. E, possivelmente, funciono dentro de uma lógica própria. Não acredito em "intuição" (e nem nesse palavreado esotérico), mas sei o que é feeling. E se o meu feeling não é bom sobre determinada coisa, não faço. Por mais que as razões sejam as melhores. E, do mesmo modo, se o meu feeling não é bom sobre aquela hora, não adianta me pressionar. (Aliás, até trabalho bem sob pressão - mas não é por escolha.) Então meu raciocínio, no limite, não respeita muito os argumentos dos outros. Preciso também do meu feeling; principalmente para grandes decisões. (Pode chamar isso de teimosia, se quiser.)

Você toma decisões sem pensar nas conseqüências? Já tomei. Quem não tomou? (Pois quem não tomou deveria tomar.) O meu problema é que o futuro, na minha cabeça, é mais uma abstração. Não levo a sério. Estou tão ocupado com o presente - e apostando tanto nesse feeling (pergunta de antes) -, sou tão dedicado ao que faço, que, internamente, penso no melhor, e desejo o melhor. Só. No final, tudo se acerta - imagino. "Mas e no meio tempo?", você pode perguntar. Estou aprendendo a trabalhar com o "por enquanto". Aceito que é mais realista.

Você tende a levar as coisas a ferro e fogo? Já levei mais. Acho que é parte do desenvolvimento do ser humano, tornar-se mais político. No bom sentido. Como todo idealista, fui bastante radical - e me recusava a dançar conforme a música. Hoje danço. Mas, para depois, comandar a orquestra - e o toca-discos. Se você levar as suas convicções até as últimas conseqüências, vai ter de fazer tudo sozinho. Porque as pessoas têm suas próprias idéias. E você precisa delas. Já banquei o eremita também (leia isso como metáfora). Mas cansei.

Você tem obsessão por ordem e perfeição? Não vou dizer que não tenho. Não concebo um trabalho sem um mínimo de ordem. E não concebo um bom trabalho sem um mínimo de perfeição. Se você escolher a desordem, vai ter mais trabalho para fazer a mesma coisa; e se você escolher a imperfeição, vai ter de fazer de novo. Então, para que ir contra essas duas coisas? Realmente, não consigo discutir em outros termos. Talvez seja uma limitação. (E uma imperfeição.)

Você prefere ficar quieto a dizer algo de estúpido? Sim, claro. Então, quando falo alguma coisa, as pessoas olham arregaladas. Como se eu fosse fazer um grande pronunciamento. Às vezes, acho que fui piorando com os anos. Escrevo coisas que não diria, por exemplo. (Já pensou, fazer esta auto-análise em público?) Mas, como disse no começo, estou retomando meu contato com as outras formas de comunicação. Sinto saudade de sentar com os amigos para falar bobagem (sei que isso é chavão). É chato quando as pessoas esperam de você sempre algo solene. É uma camisa-de-força. Prefiro me relacionar com desconhecidos então.

Você já foi chamado de arrogante? Sim, sim. Talvez não seja a palavra exata. Mas devem ter perguntado: "Quem é esse bolha, para dar essas opiniões?". Ou então a clássica: "Quem ele pensa que é?". Talvez esse negócio de emitir opinião seja uma compulsão. You just can't help it. Quando vai ver, já foi. Fui bem mais crítico, em relação a pessoas, em outras ocasiões. Ataques pessoais, agora vejo, são coisa de principiante. Procuro um certo apuro. Uma sofisticação. E, nesse sentido, quanto mais específico, melhor.

Você transfere aos outros algumas decisões importantes? Algo me diz que sim, mas não sei de onde isso vem. Talvez nos meus arroubos de amor-próprio eu perca a visão de conjunto, e transfira a responsabilidade para outro alguém. Os homens são mais autocentrados e as mulheres, socialmente, mais capazes de ver o todo. (Valores "teóricos" contra valores "sociais", li uma vez.) Na verdade, quem se expõe está convidando os outros para compor uma nova imagem de si mesmo - e para decidir, a partir desse momento...

Você tem dificuldade de jogar coisas fora, mesmo que elas estejam velhas e não sirvam mais para nada? Depende. Às vezes é preciso diminuir o lastro para conseguir caminhar. Não dá para carregar a casa nas costas. Mas, como todo mundo, me arrependi de separar alguns objetos, e de me desfazer deles depois. A lembrança é dolorosa, mas a separação, inevitável. Será que, por exemplo, eu vou me arrepender desta auto-entrevista (quando ela estiver feia, suja e desbotada)? E será que sou (serei) a pessoa mais habilitada para julgar?

Para ir além

Faça você também sua auto-análise. (O meu resultado: obsessivo-compulsivo [alto], esquizóide [médio] e o resto [baixo].)


Julio Daio Borges
São Paulo, 17/9/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
02. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
03. Influências da década de 1980 de Guilherme Carvalhal
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corrupção ou esperança de Daniel Bushatsky


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
04. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira Inferno
Dan Browm
Arqueiro
(2016)



Livro Infanto Juvenis A Colcha de Retalhos
Conceil Correa da Silva e Nye Ribeiro Silva
Do Brasil
(1995)



A garota americana (Vol. 1)
Meg Cabot
Galera
(2004)



Construir o Homem e o Mundo
Michel Quoist
Livraria Duas Cidades
(1973)



Longe de Manaus
Francisco José Viegas
Record
(2007)



Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim...
Paulo Sergio Valle
Litteris
(2008)



Histórias e Conversas de Mulher
Mary Del Priore
Planeta
(2013)



Livro Infanto Juvenis Novo Final da História
Mirna Pinsky
Companhia das Letras
(2004)



Contabilidade para Administradores
Helio de Paula Leite
Atlas
(1997)



O Legado de um Pai
João Rubens Fagundes; Michelle Werder
Meta
(2016)





busca | avançada
205 mil/dia
2,9 milhões/mês