Toca Raul! | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> O terraço dos Benardini de Suzanne Prou pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Robin Hood A Lenda Da Liberdade - Série Deixa Que Eu Conto de Pedro Bandeira pela Moderna (paradidaticos) (2012)
>>> Estudos Espíritas de Divaldo Franco; Joana de Ângelis (Espírito) pela Feb (1983)
>>> Livro Religião Atos Introducao e Comentario de Howard Marshall pela Mundo Cristão (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Cortiço em Quadrinhos de Aluisio Azevedo pela Principis (2019)
>>> A Contadora De Historias de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2005)
>>> Nova Bíblia Viva de Vários Autores pela Mundo Cristão (2010)
>>> O poeta e o cavaleiro de Pedro Bandeira pela Ftd (1998)
>>> Livro Pedagogia Interdisciplinaridade Formação de Profissionais da Educação de Célia Maria Haas; Ecleide Cunico Furlanetto pela Pioneira (2000)
>>> Livro Infanto Juvenis O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> A Hora Da Verdade. Voo Livre de Pedro Bandeira pela Atica (paradidaticos) (1998)
>>> Livro Esportes Jogo Sujo O Mundo Secreto da Fifa Compra de Votos e Escândalo de Ingressos de Andrew Jennings pela Panda Books (2011)
>>> Emaranhados em mim - autografado de Fernanda Maia pela Ruja (2020)
>>> Dicionário Visual De Bolso 3 Em 1 de Dorling Kindersley pela Blucher (2011)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1987)
>>> Livro Auto Ajuda Quando Termina é Porque Acabou de Greg Behrendt / Amira Ruotola-behrendt pela Rocco (2006)
>>> Livro Música Song and Circumstance The Work of David Byrne from Talking Heads to the Present de Sytze Steenstra pela Continuum (2010)
>>> Lusco Fusco - Vida e morte de um desconhecido de Marcello Mathias pela Bertrand Brasil (1991)
>>> A violencia na contemporaneidade: o olhar da psicologia de Sandra amorim pela Crv (2015)
>>> Livro Filosofia Guia Politicamente Incorreto da Filosofia Ensaio de Ironia de Luiz Felipe Pondé pela Leya (2012)
>>> O ludico e a cognição de Margarete Bertolo Boccia pela Oikos (2014)
>>> Pantano De Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Cuba de Dorling Kindersley pela Publifolha (2004)
>>> Livro Artes A Arte de Fazer um Jornal Diário de Ricardo Noblat pela Contexto (2007)
>>> O Grande Conflito Ellen G White Uma Saga Milenar Novo de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/8/2009
Toca Raul!
Luiz Rebinski Junior
+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dia desses escrevi um textinho pro Digestivo falando das minhas influências, de autores e artistas que foram e são importantes para mim. Ou seja, uma coisa bem particular e, por isso mesmo, pouco interessante. Independente da importância, o lance é complicado, porque falar de dez ou quinze autores/artistas sempre vai ser uma traição com os muitos outros que ficaram de fora ― além do mais, esse tipo de lista nos faz parecer mais insignificantes do que já somos. Um desses caras que não apareceram na minha fajuta e incompleta listinha foi Raulzito. Por conta da efeméride dos 20 anos da morte do baianão, a vida do cara tá sendo destrinchada pela mídia, com capa na Rolling Stone nacional, edição especial da Caros Amigos, coluna do Nelson Motta no Jornal da Globo, livros pipocando, uma biografia que já tem cinco anos de gestação e um filme a ser lançado ainda este ano.

Os especialistas e saudosistas gostam de afirmar que Raul sempre fora tratado como o cachorro louco da música brasileira, um cara que não se enquadrava na MPB e era a legítima mosca na sopa, um intruso. Tudo bem, isso pode até ter sentido, mas é só olhar para lado pra constatar que é, também, uma meia verdade. Tá certo que no Brasil é preciso morrer pra ser notado. Até o Sarney, se morrer amanhã, pode correr o risco de ser lembrado como um político moderno e um escritor notável. Da mesma forma que Lennon, morto, virou símbolo de uma geração e McCartney, vivo, é apenas um músico com um passado brilhante.

Mas no caso do Raul isso parece um pouco diferente: não acho que a trajetória dele seja mais um daqueles exemplos em que o artista é amado pelo público e rechaçado pela crítica, como acontece com o parceiro mais famoso de Raulzito, Paulo Coelho, no meio literário, por exemplo. Raul sempre foi um artista popular, mas também ganhou muitas linhas elogiosas dos críticos por sua mistura, originalíssima, de rock com música nordestina. Claro que apanhou também, mas isso é do jogo. Então, tentar ver o Raul como uma ave desgarrada, que lutou contra tudo e contra todos para chegar ao seu objetivo, é querer colocar mais tempero no já recheado acarajé do baiano.

Raul Seixas foi e é importante não apenas por sua rebeldia juvenil, mas porque soube falar para muitas vozes sem perder um naco sequer da inquietação artística que sempre o moveu. Se não tá botando fé, faça um teste: coloque pra tocar "A maçã" e depois rode "Rock do diabo". São músicas completamente diferentes, de um artista de múltiplas vozes. "A maçã" é uma música brega, inclusive regravada por artistas bregas, de um pieguismo atroz, mas que na voz do Raul parece poesia. Já "Rock do diabo" é uma pancada no ouvido que só poderia ter sido escrita por alguém completamente diferente do compositor de "A maçã". Por essas e outras, o clichê da metamorfose ambulante sempre insiste em aparecer em um texto sobre Raul. Apareceu!

Os flertes com a cultura nordestina, com as modas de viola e com o som sertanejo (o de raiz, claro), deixaram a música de Raul Seixas tão próxima da cultura brasileira quanto da americana, já que o cantor nunca deixou a pegada rocker desgarrar de som. Raul foi fiel às suas origens e ao gênero que escolheu ainda adolescente até o fim. A panela do diabo, seu último disco, gravado com Marcelo Nova, traz um monte de roquinhos com aquele piano tão característico das músicas de Little Richards e Jerry Lee Lewis, dois pioneiros do rock que Raul amava. Nesse disco, há ainda outro elemento bastante peculiar do Raul artista: o humor crítico. "Pastor João e a igreja invisível" é uma música que nasceu atual e, parece, não envelhecerá tão cedo.

Outro fato que ajuda na manutenção da popularidade de Raul é que sua discografia tem um nível de regularidade impressionante. Raul não fez discos que se firmaram como grandes marcos da nossa discografia (Krig-há, bandolo! é geralmente citado como sua obra mais importante, mas não faz jus a esse título), mas sim dezenas de trabalhos com um bom nível de qualidade. Na discografia de Raul Seixas, não há clássicos absolutos, nem discos descartáveis. Mesmo os álbuns com raridades, como O Baú do Raul e Raul Rock Seixas, trazem canções interessantes não apenas para fãs. Com seu poder de comunicação, Raul trouxe para o rádio teorias obscuras, profetas e ideias malucas, mas também falou sobre coisas do cotidiano de uma maneira direta e simples. Assim, com a guitarra a tiracolo e um triangulo na mão, Raulzito conseguiu o mais difícil para um artista: agradar a um público tão plural quanto sua música.

Coloque, em um churrasco de família, um disco de Raul e verás. A sogra, quase entrando nos 60, vai cantarolar algum trecho de algum grande sucesso de Raul. É como o Roberto Carlos, ninguém passa incólume por ele, há sempre um refrão, uma frase solta ou mesmo um título de música no subconsciente esperando a hora de ser lembrado. Claro que ser popular não é garantia de qualidade, assim como o inverso também é verdadeiro. Mas, como diz Paulo Coelho no texto que escreveu para a Rolling Stone, o Raul ensinou a muita gente que "cultura popular não é, necessariamente, uma coisa negativa". E para quem gosta de música, esse tipo de pensamento deveria servir como mantra.

Em um país conhecido por se esquecer de sua História, é mais do que importante esse auê em torno da figura e da obra de Raulzito. A torcida agora é para que a biografia escrita pelo jornalista Edmundo Leite faça o que as dezenas de livros sobre o cantor ainda não fizeram: revelar a vida e a obra de Raulzito de forma isenta, sem as paixões tão características dos projetos que se atém a grandes ídolos.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 26/8/2009

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009
05. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2009
00h35min
Raul realmente nunca se afastou da cultura popular. Tanto é que Gilberto Gil tocou violão na canção "O dia em que a Terra parou" e a banda de Jackson do Pandeiro participou da gravação da música "Os números". Mas, com certeza, o mais impressionante da sua obra musical é ser executado tanto por Chitãozinho e Xororó quanto por Los Hermanos ou Tom Zé, e continuar soando como Raul Seixas...
[Leia outros Comentários de Fabio de Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras Maravilhosas do Capitão Cororan
Alfred Assolant
Companhia Nacional
(2007)



Diários do Vampiro Anoitecer
L.J. Smith
Galera
(2010)



As Certezas Perdidas da Psicanálise Clínica
Stefania Turillazzi Manfredi
Imago
(1998)



Guia da Paris Impressionista
Patty Lurie
Record
(1998)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Noite do Professor
Jean Pierre Gattégno
Companhia das Letras
(1995)



Amarras do Passado
Emile Rose
Harlequin
(2013)



Dom Casmurro - Coleção Literatura Brasileira - Nova Ortografia
Machado de Assis
Ciranda Cultural
(2008)



Mercado Financeiro Produtos e Serviços
Eduardo Fortuna
Qualitymark
(2002)



Livro Sociologia Dez Lições para o Mundo Pós-pandemia
Fareed Zakaria
Intrínseca
(2021)



Pedagogia Social - Educação e Trabalho...
Noêmia de Carvalho Garrido et al. (Org.)
Expressão e Arte
(2011)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês