A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
>>> Boca Migotto lança livro sobre cinema gaúcho durante o 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor muito mata
>>> Garganta profunda
>>> Monte Sinai (reeditado)
>>> Antonio Candido
>>> O Rosto de Cristo
>>> A morte absoluta
>>> Eleições na quinta série
>>> Desenrock-se
>>> Tabus do Orkut
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Toda Sua de Sylvia Day e Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Aqueles de Brasília de Rubens Ferneda pela Giostri (2013)
>>> Os Pensadores - Piaget de Jean Piaget pela Abril Cultural (1978)
>>> Revista Martha Stewart Weddings - Number 78 de Martha Stewart pela Martha Stewart (2016)
>>> Mais Esperto Que o Diabo de Napoleon Hill pela Cdg (2014)
>>> Se Eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente de Rubem Alves pela Verus (2006)
>>> S.O.S - Dinâmica de Grupo de Albigenor; Rose Militão pela Qualitymark (2003)
>>> Venha Ver o por do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (1999)
>>> Leitura Dinamica de Melchisedech Dominiciano Reis pela Intittuto Universal Brasileiro
>>> Busque Dentro de Você de Chade-Meng Tan pela Novas Ideias (2014)
>>> Mentes Perigosas - O Psicopata Mora ao Lado de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Futebol ao Sol e à Sombra de Eduardo Galeano pela L&pm (2015)
>>> Acima de Tudo o Amor de Henrique Prata pela Gente (2012)
>>> Psicoterapias - Cognitivo-Comportamentais de Bernard Rangé pela Artmed (2001)
>>> O Ateneu - Série Bom Livro de Raul Pompéia pela Atica
>>> Los pueblos indios de México - Evolucíon Crítica de su Concepto y Realidad Social de Carlos Montemayor pela Debolsillo (2008)
>>> Manual do Advogado - advocacia prática, civil, trabalhista e criminal 31ª ed. de Valdemar P. da Luz pela Manole (2019)
>>> Historia Da America Latina de Piere Chaunu pela Editorial Universitária de Buenos Aires (1964)
>>> El Cuento Hispanoamericano: Antologia Critico-Historica de Seymour Menton pela Fondo de Cultura Económica (1993)
>>> Correspondência - Linguagem & Comunicação de Odacir Beltrão pela Atlas (1981)
>>> Contabilidade Industrial de Varios Autores pela Atlas (1974)
>>> Historia contemporánea de América Latina de Tulio Halperín Donghi pela ‎ Alianza; (1989)
>>> Factoring no Brasil de Luiz Lemos Leite pela Atlas (1993)
>>> A Hora do Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Ftd (1999)
>>> América latina II - La época colonial de Richard Konetzke pela Siglo XXI (1977)
COLUNAS

Terça-feira, 25/7/2017
A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3000 Acessos



A editora Iluminuras acaba de publicar A noite de um iluminado, de Pedro Maciel. O que está em jogo nesse romance é uma questão vital para a literatura contemporânea. Como lidar com o espelho quebrado da realidade e sua multiplicação de cacos e dos ecos desses cacos? É essa a obsessão da literatura verdadeiramente contemporânea, a de descobrir uma linguagem que poderia exprimir algo próximo desse mundo de miríades de pequenos átomos quebrados. Construir uma espécie de vitral com o que sobrou de nossas certezas aos pedaços, como sugeriu o dramaturgo Gerald Thomas.

Libertado das limitações das construções lógicas, científicas e da análise factual, que muitas vezes toma a mente dos escritores preocupados em dar conta da “realidade”, a literatura de Pedro Maciel se projeta como possibilidade ou tentativa de uma nova e genuína expressividade. Sem a ambição da totalidade como guia, o narrador não ocupa mais o lugar do sujeito que emite enunciados fechados, como se fosse um portador da verdade. Se para nós essa forma de se relacionar com a existência é quase um pesadelo kafkiano, para Pedro Maciel é o contrário: “Para mim, o pesadelo é um oráculo”. (p. 115)

Se seu romance (essa palavra, no caso de A noite de um iluminado, não tem relação alguma com o tradicional romance) tem como guia as estrelas, o que ele capta delas não é nenhum norte, pois o que ele vê são “reflexos das estrelas que se extinguiram há milênios”. São esses reflexos que perpassam a mente do narrador em tantas interrogações quanto respostas ao longo do livro.

Não há dúvida de que a riqueza do romance de Pedro Maciel também deriva das experiências no campo das reflexões do narrador a respeito da própria insuficiência da nossa linguagem tradicional. À permutabilidade das experiências da vida, sua literatura responde se distanciando deliberadamente do chamado “discurso objetivo” e da chamada “realidade objetiva”. Para isso, coloca o narrador sempre em crise com a criação, consigo mesmo e com o leitor.

Se os fenômenos da realidade não podem ser abarcados como um todo, resta-lhe comungar com as indeterminações. E o livro se articula a partir de questões que vão se sobrepondo, como se um espelho quebrado pudesse, dentro de cada caco, reproduzir o próprio caos da quebradeira. Para isso, Maciel forja construções que resultam num manancial imagético surpreendente.

Em Notas sobre literatura, Adorno vaticina: “Se o romance quiser continuar fiel à sua herança realista, e dizer como o mundo realmente é, deverá renunciar a um realismo que, na medida em que reproduz a fachada, contribui apenas para favorecer a sua função de produzir ilusões.”

Adorno está falando daquele romance específico da era burguesa que sofre no século XX uma tremenda crise, não conseguindo mais dominar artisticamente a existência. Não basta mais, portanto, a linguagem do relato, já que a narrativa se tornou impossível com a desintegração da identidade da experiência no pós-guerra. Com isso, acreditava o teórico da Escola de Frankfurt, os melhores romancistas seriam justamente os que apresentam as soluções mais inteligentes para essa “crise da narrativa”. Não sendo possível uma realidade filtrada e harmonicamente falsificada (na sua suposta possível compreensão), resta uma forma de exposição que não tem mais uma preocupação sistemática, na medida em que o autor apresenta fragmentariamente e/ou livremente suas ideias.

É nesse sentido que cada ideia dentro do livro de Pedro Maciel é uma soma de diversas percepções, de perguntas que vêm e vão, retornando dentro do reflexo dos cacos miúdos que se multiplicam, se encontram e se desencontram, somando-se infinitamente em derivadas que ecoam aquilo que, por si, já era um eco. Parece que estamos navegando dentro das formulações de Guimarães Rosa no seu Grande Sertão, que, aliás, seria o instrumento mais eficaz para se entender essa nova literatura: “O que falei foi exato? Mas teria sido? Agora, acho que nem não. São tantas horas de pessoas, tantas coisas em tantos tempos, tudo miúdo recruzado.”

Talvez as palavras de outro escritor, Martin Walser, em seu Unicórnio, também nos ajude a definir bem a experiência literária de Pedro Maciel: “Necessitaria de antipalavras. Palavras para a lembrança apresentam-se como um eco. Mas o eco é o próprio som, o MESMO ruído, lançado de volta ao meu ouvido.”

Um romance como esse não nos dá o norte, ao contrário, demonstra que o mapa celeste se recompõe a cada momento, já que o brilho de uma estrela não é mais o que existe, mas o que existiu. Tempo e espaço cósmicos são o laboratório dessa literatura, que não faz mais perguntas à “realidade do mundo”, mas à linguagem celeste da poesia, um espaço novo e aberto às perguntas fundamentais sobre a razão de nossa existência e um novo sentido para a escritura do romance.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/7/2017


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
04. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
05. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto - 5/9/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Projetos Transportes Vol 9
Comissão Mista Brasil/estados Unidos para o Desenv
Não Indicada
(1953)



Um Portal no Tempo
Manoel Bertozzi
Del Rey
(2010)



Uma Oficina de Atores: a Escola de Arte Dramatica de Alfredo Mesq
Armando Sergio da Silva
Edusp
(1989)



Biologia 1 Manual do Mestre
Vivian L. Mendonça
Ajs
(2016)



Por Que Sonhei Com Isso?
Lauri Quinn Loewenberg
Best Seller
(2017)



Envolvido Pela Luz
Betty J. Eadie
Nova Era
(1997)



Minha Mae, Meu Mundo - Versao Pocket
Anderson Cavalcante; Simone Paulino
Gente
(2008)



Um Homem Invencível
Jack London
Peninsular
(1944)



O Ponto de Vista do Outro (lacrado)
Jurandir Freire Costa
Garamond
(2010)



Teste de Q. I. para Auto Avaliação
Alfred W. Munzert
Ediouro
(1981)





busca | avançada
54465 visitas/dia
2,0 milhão/mês