A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
Últimos Posts
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> Lulu Santos versus Faustão
>>> Aperte o play
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
Mais Recentes
>>> O Modernismo de Affonso Ávila pela Perspectiva (2002)
>>> Sempre é Tempo de Wanda A. Canutti pela Eme (2007)
>>> Não leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Gestão da Emoção de Augusto Cury pela Benvirá (2015)
>>> Sem medo de ser Feliz de José Carlos De Lucca pela Petit (1999)
>>> Schifaizfavoire de Mário Prata pela Planeta (2011)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbassi pela Gente (2004)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1998)
>>> Senhora de José de Alencar pela Ática (1996)
>>> Fome de Milagres de Virgil Gheorghiu pela Difusão Europeia do livro (1959)
>>> O Maior Vendedor do Mundo - 2ª parte de Og Mandino pela Record (1988)
>>> Monsehor Quixote 4ªed. de Graham Grene pela Record (1982)
>>> Mrs Polifaz e o Triângulo Dourado de Dorothy Gilman pela Casa Maria (1988)
>>> O Dossiê Pelicano de John Grisham pela Rocco (1993)
>>> Introdução à Economia Solidária de Paul Singer pela Perseu Abramo (2013)
>>> Tchapaiev - Coleção Romances do Povo - Direção de Jorge Amado de Dimitri Furmanov pela Vitoria (1954)
>>> O Dia do Chacal - Clássicos Modernos 6 de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1974)
>>> Drácula de Bram Stoker pela Nova Cultural (2002)
>>> Don Juan ou a Fascinante Vida de Lord Byron de André Maurois pela Nova Fronteira (1966)
>>> Resistência de Agnés Humbert pela Nova Fronteira (2008)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J. W. Rochester psicografado por Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Tutaméia - Terceiras Estórias de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1979)
>>> Dias Perdidos de Lúcio Cardoso pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Fauna Terrestre no Direito Penal Brasileiro de Luciana Caetano da Silva pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani/ Autografado pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Criação de Alister Mcgrath pela Hagnos (2011)
>>> Processo de Hermenêutica na Tutela Penal dos Direitos Fundamentais de Eugênio Pacelli de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Organismos Geneticamente Modificados de Marcelo Dias Varella/ Ana Flávia Barros- Platiau pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos (2002)
>>> O Eden Perdido de Poliana R. Ramos pela Casa Publicadora Brasileira (1974)
>>> Servidor Público: Doutrina e Jurisprudência/ Capa Dura de Reinaldo Moreira Bruno e Manolo del Olmo pela Del Rey/ Mandamentos (2006)
>>> O Homem no Teto de Jules Feiffer pela Companhia das Letras (1995)
>>> Mais Veja Como se Faz de Derek Fagerstrom / Lauren Smith pela Sextante (2013)
>>> O Grupo de Empresas no Direito do Trabalho de Carine Murta Nagem Cabral: Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Aspectos Semiológicos do Direito do Ambiente de Patrícia Bressan da Silva pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Mulheres de Marilyn French pela Rio Gráfica (1986)
>>> Politicos do Brasil de Fernando Rodrigues pela Publifolha (2006)
>>> Hermenêutica Jurídica Clássica de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Instituições de Direito Eleitoral (capa Dura) de Adriano Soares da Costa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A Fúria de John Farris pela Record (1980)
>>> O Quebra-Ossos - A Obstinação de um milionário louco agita o mundo do turfe de Dick Francis pela Nova Fronteira (1988)
>>> Caçada Sem Fim de Bryan Forbes pela Best Seller (1986)
>>> Nasce um povo de Michel Bergmann pela Vozes (2019)
>>> Teatro Flutuante 1º Vol. de Edna Ferber pela Saraiva (1962)
>>> Isso sim, é real ... de César Azambuja pela Do autor (2004)
>>> Viva Melhor! Com a Medicina Natural - Edição e Luxo de Luiz Carlos Costa pela Vida Plena Edições/ Sp. (1996)
>>> Noções de Psicofarmacoterapia na Prática de Jair Salim pela Educ/ EPU/ SP. (1987)
>>> O poder que vem do seu nome de Aparecida Liberato - Beto Junqueira pela Sextante (2005)
>>> Formulaire Cosmétique et Esthétique (Avec figures dans le texte)/ (Enc de Paul Gastou (Le Docteur) pela J.- B. Baillière/ Paris (1939)
COLUNAS

Terça-feira, 25/7/2017
A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1800 Acessos



A editora Iluminuras acaba de publicar A noite de um iluminado, de Pedro Maciel. O que está em jogo nesse romance é uma questão vital para a literatura contemporânea. Como lidar com o espelho quebrado da realidade e sua multiplicação de cacos e dos ecos desses cacos? É essa a obsessão da literatura verdadeiramente contemporânea, a de descobrir uma linguagem que poderia exprimir algo próximo desse mundo de miríades de pequenos átomos quebrados. Construir uma espécie de vitral com o que sobrou de nossas certezas aos pedaços, como sugeriu o dramaturgo Gerald Thomas.

Libertado das limitações das construções lógicas, científicas e da análise factual, que muitas vezes toma a mente dos escritores preocupados em dar conta da “realidade”, a literatura de Pedro Maciel se projeta como possibilidade ou tentativa de uma nova e genuína expressividade. Sem a ambição da totalidade como guia, o narrador não ocupa mais o lugar do sujeito que emite enunciados fechados, como se fosse um portador da verdade. Se para nós essa forma de se relacionar com a existência é quase um pesadelo kafkiano, para Pedro Maciel é o contrário: “Para mim, o pesadelo é um oráculo”. (p. 115)

Se seu romance (essa palavra, no caso de A noite de um iluminado, não tem relação alguma com o tradicional romance) tem como guia as estrelas, o que ele capta delas não é nenhum norte, pois o que ele vê são “reflexos das estrelas que se extinguiram há milênios”. São esses reflexos que perpassam a mente do narrador em tantas interrogações quanto respostas ao longo do livro.

Não há dúvida de que a riqueza do romance de Pedro Maciel também deriva das experiências no campo das reflexões do narrador a respeito da própria insuficiência da nossa linguagem tradicional. À permutabilidade das experiências da vida, sua literatura responde se distanciando deliberadamente do chamado “discurso objetivo” e da chamada “realidade objetiva”. Para isso, coloca o narrador sempre em crise com a criação, consigo mesmo e com o leitor.

Se os fenômenos da realidade não podem ser abarcados como um todo, resta-lhe comungar com as indeterminações. E o livro se articula a partir de questões que vão se sobrepondo, como se um espelho quebrado pudesse, dentro de cada caco, reproduzir o próprio caos da quebradeira. Para isso, Maciel forja construções que resultam num manancial imagético surpreendente.

Em Notas sobre literatura, Adorno vaticina: “Se o romance quiser continuar fiel à sua herança realista, e dizer como o mundo realmente é, deverá renunciar a um realismo que, na medida em que reproduz a fachada, contribui apenas para favorecer a sua função de produzir ilusões.”

Adorno está falando daquele romance específico da era burguesa que sofre no século XX uma tremenda crise, não conseguindo mais dominar artisticamente a existência. Não basta mais, portanto, a linguagem do relato, já que a narrativa se tornou impossível com a desintegração da identidade da experiência no pós-guerra. Com isso, acreditava o teórico da Escola de Frankfurt, os melhores romancistas seriam justamente os que apresentam as soluções mais inteligentes para essa “crise da narrativa”. Não sendo possível uma realidade filtrada e harmonicamente falsificada (na sua suposta possível compreensão), resta uma forma de exposição que não tem mais uma preocupação sistemática, na medida em que o autor apresenta fragmentariamente e/ou livremente suas ideias.

É nesse sentido que cada ideia dentro do livro de Pedro Maciel é uma soma de diversas percepções, de perguntas que vêm e vão, retornando dentro do reflexo dos cacos miúdos que se multiplicam, se encontram e se desencontram, somando-se infinitamente em derivadas que ecoam aquilo que, por si, já era um eco. Parece que estamos navegando dentro das formulações de Guimarães Rosa no seu Grande Sertão, que, aliás, seria o instrumento mais eficaz para se entender essa nova literatura: “O que falei foi exato? Mas teria sido? Agora, acho que nem não. São tantas horas de pessoas, tantas coisas em tantos tempos, tudo miúdo recruzado.”

Talvez as palavras de outro escritor, Martin Walser, em seu Unicórnio, também nos ajude a definir bem a experiência literária de Pedro Maciel: “Necessitaria de antipalavras. Palavras para a lembrança apresentam-se como um eco. Mas o eco é o próprio som, o MESMO ruído, lançado de volta ao meu ouvido.”

Um romance como esse não nos dá o norte, ao contrário, demonstra que o mapa celeste se recompõe a cada momento, já que o brilho de uma estrela não é mais o que existe, mas o que existiu. Tempo e espaço cósmicos são o laboratório dessa literatura, que não faz mais perguntas à “realidade do mundo”, mas à linguagem celeste da poesia, um espaço novo e aberto às perguntas fundamentais sobre a razão de nossa existência e um novo sentido para a escritura do romance.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Triste fim de meu cupcake de Elisa Andrade Buzzo
03. O fundamentalismo headbanger de Diogo Salles
04. Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens de Marcelo Spalding
05. Comunicado importante: TV mata! de Pilar Fazito


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
04. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
05. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESENVOLVIMENTISMO E NOVO DESENVOLVIMENTISMO EM BRESSER-PEREIRA
FELIPE MARUF QUINTAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



HORROR EM RED HOOK, O
H.P.LOVECRAFT
ILUMINURAS
(2015)
R$ 39,90



PODER S/A - HISTÓRIAS POSSÍVEIS DO MUNDO CORPORATIVO
BETO RIBEIRO
UNIVERSO DOS LIVROS
(2016)
R$ 18,99



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



PAISAGEM SONORA ENATIVA
ANDRÉ LUIZ GONÇALVES DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



ARACELLI MEU AMOR
JOSÉ LOUZEIRO
RECORD
(1976)
R$ 85,00



O CLUBE DOS ANJOS - GULA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(1998)
R$ 16,07



SILÊNCIO
JOSÉ RICARDO DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DOMA RACIONAL DE EQUINOS
WALNER JOSÉ DUARTE, JOSÉ MARTINS DA ROCHA
LK
R$ 83,00



CAPITALISMO TRANSIÇÃO
CHARLES PARAIN, PIERRE VILAR, G LEFEBVRE
MORAES
R$ 19,28





busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês