Aqui o sol nasce primeiro | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
>>> A excelência do espírito
>>> O paulistano cordial
>>> É possível conquistar alguém pela escrita?
>>> Ensaio.Hamlet e a arte de se desconstruir quimeras
>>> John Fante: literatura como heroína e jazz
>>> Imprensa em 2002
>>> Oswald de Andrade e o homem cordial
>>> Computadores, iPads e colheres de pau
Mais Recentes
>>> Arte brasileira de Circulo do Livro pela Circulo do Livro (1988)
>>> Galeria Nacional - Londres de Enciclopédia dos Museus pela Melhoramentos (1969)
>>> The Bolshoi Ballet de Yuri Slonimsky pela Foreign (1990)
>>> Gênios da Pintura: Veronese 21 de Luís Carta e Outros pela Abril Cultural (1967)
>>> Frank Lloyd Wright - Volume 1 de Gianluca Gelmini pela Folha de São Paulo (2011)
>>> Censo Cultural - São Paulo 1990 : Interior e Litoral de Secretaria de Estado da Cultura pela sec de Estado da Cultura (1990)
>>> 1000 Desenhos para quem não sabe desenhar - um verdadeiro dicionário de desenhos de Jean Arestein pela Ediouro grupo coquetel (1989)
>>> Madeira : Raiz do Brasil de Renato Brunello pela Caixa Cultural (2003)
>>> O Chamado da Floresta de Jack London pela Atica (1995)
>>> Que Azar, Godofredo! de Alexandre Azevedo pela Atual (1989)
>>> Dingono, o Pigmeu de Rogério Andrade Barbosa pela Melhoramentos (1997)
>>> É Difícil de Entender, Vô! de Nelson Albissú pela Atual (1993)
>>> The World God Made de Alyce Bergey pela Arch (1965)
>>> The True Story of Romeo and Juliet Stage 4 de Eduardo Amos pela Moderna (1997)
>>> Alfabetto - Autobiografia Escolar de Betto pela Atica (2002)
>>> O Portão Vermelho Romance Duma Terra Distante de Lin Yutang pela Pongetti (1958)
>>> Hidroterapia e Outros Tratamentos Naturais de Antônio Natanael de Paiva pela Casa (2003)
>>> Aventura na Serra do Mar de Fernando José de Souza pela Casa Publicadora Brasileira (1905)
>>> 24 Estudos de Execução Fácil para Piano de Pozzoli pela Ricordi (2000)
>>> Hanon o Pianista Virtuoso de A Schott pela Ricordi (1984)
>>> Sete Povos das Missoes de Walter Vetillo; Eduardo Vetillo pela Cortez (2012)
>>> Iniciação ao Violão Volume II de Henrique Pinto pela Ricordi (2000)
>>> Grandes Compositores e Suas Histórias de Hannelore Bucher pela Bucher (2004)
>>> Exercícios de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (2000)
>>> A Técnica Diária do Pianista de E. Pozzoli pela Ricordi (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/11/2001
Aqui o sol nasce primeiro
Adriana Baggio

+ de 6700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

O mar nunca esteve tão lindo como nesses últimos dias. Está de uma cor verde azulada pra lá de convidativa. Na hora do almoço a maré baixa, e mostra uma grande faixa de areia, branca e limpa, já que há poucos banhistas. Tenho a sorte de morar em frente a essa paisagem, e na hora do almoço dá vontade de atravessar a rua, correr pela areia e cair na água. E no começo da noite, quando a lua está cheia, ilumina toda a praia e forma um reflexo dourado no mar. Todas essas vezes que admiro a beleza desta cidade, me pergunto porque João Pessoa é tão desprezada pelo turismo.

Mas não sou apenas eu a questionar. A imprensa, os empresários, o governo, todos debatem e se debatem em busca de uma explicação e de uma saída para o problema. Segundo um artigo em um jornal diário desta semana, a Paraíba perde em turismo até para o Piauí. Que me desculpem os moradores deste estado pela preposição utilizada. Apenas reproduzo o que diz o artigo. A comparação negativa com o Piauí se deve ao fato de que sua capital não fica no litoral, ao contrário de todas as outras do Nordeste, e o litoral também não tem o mesmo apelo que o de outros estados.

Antes de tentar responder a questão da nossa baixa estima turística, gostaria de argumentar sobre o potencial que a Paraíba apresenta. Temos mais de 130 km de litoral formado por baías, enseadas, praias bravas, praias mansas, praias com falésias, praias com recifes, bancos de areia, pedras, enfim, todos os elementos que agregam beleza e interesse a uma praia. Temos até uma praia de nudismo, que por sinal recebe visitantes que ficam por lá mesmo e nem chegam à capital. No interior, a Paraíba guarda antigos engenhos de açúcar e marcas mais históricas ainda, como as pegadas de dinossauro e pinturas rupestres. Sem falar no turismo sertanejo, no qual o próprio clima e aspecto geográfico são atrações para pessoas que moram em locais de vegetação verde a abundante. Existem ainda regiões para a prática de esportes radicais, outro apelo para turismo temático. Ou seja, a Paraíba está repleta de atrações naturais.

João Pessoa tem um charme, a meu ver, que é conservar alguns aspectos de uma cidade calma, tranqüila. Ao contrário de outras capitais nordestinas, como Maceió, por exemplo, a orla pessoense ainda conserva ares de praia mesmo. Existe uma lei de zoneamento que proíbe a construção de grandes edifícios na orla. Assim, a beira da praia conta com casas das décadas de 50, 60 e 70 junto com novas residências, prédios baixos, hotéis e pousadas, bares e restaurantes. Tem cara de cidade para morar, e não para visitar. Por mais que isso pareça desencorajador turisticamente, acredito que na realidade é um diferencial. As pessoas que viajam querem conhecer novos lugares justamente pela diferença em relação a seus locais de origem. Quando se começa a ter uma pasteurização na paisagem, perde-se também a identidade.

Tantos aspectos positivos às vezes perdem seu destaque em contraste com a falta de estrutura e serviços que a cidade apresenta. Já adianto que sempre há exceções, mas no geral, os estabelecimentos pecam no serviço. Garçons, vendedores, balconistas, todos precisam de mais treinamento e melhores condições de trabalho. Se nos restaurantes "da cidade" já existem problemas, naqueles que ficam à beira mar a coisa é pior ainda. Na verdade são grandes bares, com barracas na areia, que servem a cerveja quente, o coco gelado quente, e a comida fria. O som é muito alto, é difícil conseguir a atenção do garçom e os banheiros... bem, isso nem se fala. Mas parece que pouca gente se importa, porque esses lugares vivem cheios. Mas pergunto: vivem cheios de turistas? Acho que não. Um turista mal atendido talvez nem tenha a oportunidade de voltar para o bar, pela brevidade de sua visita, mas com certeza vai desencorajar seus amigos que por acaso estejam pensando em visitar João Pessoa. É essa falta de visão no futuro que acho uma das principais causas do problema turístico daqui. Parece que os empresários e comerciantes vivem para o hoje, mas esquecem de construir a boa imagem de seu estabelecimento e de sua cidade.

Um outro problema apontado é a falta de grandes hotéis e resorts, em comparação com Bahia e Pernambuco, que investem firme neste segmento. Talvez a Paraíba não deva tentar seguir por essa linha. Penso que seria muito mais efetivo assumir a identidade de uma cidade calma, tranqüila e hospitaleira. O turismo estadual deve seguir pelo mesmo caminho. Um dos preceitos básicos do marketing é que, se for difícil concorrer em determinada categoria, inaugure outra e seja pioneiro! Preceitos esses que o pessoal do marketing da PBTUR, órgão estadual de turismo, deveria conhecer e aplicar. Mas aí entra outro problema, de raízes mais profundas e efeitos devastadores: cargos como o de Diretor do Marketing da PBTUR, por exemplo, são usados como moeda de troca por favores políticos. E a Paraíba sente até hoje o maltrato causado pela má administração política do estado.

Em contrapartida, quem trata bem seu produto turístico é a cidade de Campina Grande, segunda maior do estado, e rival da capital tanto em relação à população quanto politicamente (o atual prefeito de Campina Grande, Cássio Cunha Lima, filho do senador "pistoleiro" Ronaldo Cunha Lima, é arquiinimigo do governador do estado, José Maranhão). Campina Grande está descobrindo seu nicho e é responsável por grandes eventos de alcance nacional, sem tentar concorrer com outros destinos mais fortes e famosos, mas "inaugurando" ou potencializando suas próprias categorias no mercado turístico. Para que tentar brigar com Recife ou Salvador durante o Carnaval? Nesta época, Campina Grande promove o Encontro da Nova Consciência, um evento ecumênico, que reúne gente de todas as religiões e de várias partes do Brasil do exterior. A cidade fica lotada, os hotéis ficam lotados... O carnaval de Campina – a Micarande – é fora de época, e também lota a cidade. No meio do ano a cidade tem o São João (o maior do mundo, dizem eles) e um Festival de Inverno, também com ótimos resultados turísticos.

A iniciativa de Campina deveria servir de exemplo para a organização turística da Paraíba toda. A começar pelo marketing. Enquanto Campina batizou sua festa junina de "O Maior são João do Mundo", um slogan que está gravado na cabeça de muita gente (como todos os bons slogans), a Paraíba teve 38 campanhas de incentivo ao turismo durante 41 anos de atuação da PBTUR. Como é que alguém vai gravar uma "marca" que muda quase todo ano?

Com base nessa reflexão toda que está aí, me convenço que, além dos problemas políticos e financeiros, falta identidade para a Paraíba deslanchar como destino turístico. Não existem profissionais qualificados trabalhando nisso. Para encerrar este texto e para dar um exemplo da incompetência que eu propago: na lista telefônica (de responsabilidade da incompetentíssima Telemar), o número divulgado para informações turísticas, tanto em João Pessoa quanto em Campina Grande, é o mesmo. Mas o pior é que esse número é de um restaurante de comida árabe, delicioso, por sinal. Por infelicidade, o restaurante fechou. Não sei de quem eu tenho mais pena: do novo dono do telefone ou do coitado do turista que liga para pedir informações.


Adriana Baggio
Curitiba, 8/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro
02. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
03. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
04. Preconceitos de Daniel Bushatsky
05. 2010 e os meus álbuns musicais de Rafael Fernandes


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
04. Marmitex - 1/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/11/2001
13h26min
Adriana, Fui a João Pessoa, por acaso, a trabalho e me apaixonei pela cidade. Volto, como turista, sempre que posso. A lua, refletida no mar, na Ponta do Seixas, é uma das imagens mais impressionantes que trago na memória. É uma pena, realmente, que a cidade não aproveite este potencial. Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
9/11/2001
10h09min
Adriana, sou da família Baggio também, como sei que são poucos no Brasil, gostaria de manter contato para saber nosso grau de parentesco. Obrigada
[Leia outros Comentários de Daniela]
9/11/2001
13h10min
Ana, fico feliz em saber que você gostou daqui! "Adotei" a cidade, valorizando seus pontos positivos. E o luar aqui realmente é muito lindo, muito romântico. Volte sempre prá cá!
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
9/11/2001
13h12min
Oi Daniela Sou curitibana, meu pai é da Lapa, uma cidade a 70 km de Curitiba. Não sei muito sobre a origem da família aqui no Brasil, mas tenho o maior interesse em descobrir. Você é de onde?
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
3/3/2002
20h34min
Adriana, o q aconteceu foi falta de investimentos ao longo dos anos por parte dos administradores locais. A cidade não tinha uma iluminação decente. Veja, por exemplo, a rua que passa em frente à estação rodoviária, totalmente esquecida pela Saelpa! Não permitiam a construção de equipamentos à beira mar; Não abriam novas vias de acesso às praias do sul ou do norte; os órgãos de turismo locais não divulgavam o lugar; os hotéis da cidade não faziam parceria com as grandes agências de turismo (elas divulgariam a cidade nas grandes revistas e jornais do País); some-se a isto o q você citou acima: mais uma vez, a FALTA DE INVESTIMENTOS em treinamento daqueles q atendem diretamente ao turista. Felizmente, nos últimos anos, a cidade parece ter recebido investimentos significativos em sua infraestrutura turística, o que, a médio prazo, permitirá q ela se transforme num destino bem procurado. Morei em JP de 84 a 92 e sempre leio os jornais locais via internet. A cidade é, de fato, apaixonante!!
[Leia outros Comentários de Francisco Costa (SP)]
4/3/2002
11h35min
Francisco A cidade é realmente apaixonante. E é até por isso que dá tanta pena de ver o turismo mal trabalhado por aqui. Mas acho que você tem razão: os investimentos estão acontecendo, mesmo que lentamente. Mas o que ainda falta é um trabalho profissional na área de turismo. Os cargos nos órgãos responsáveis por essa parte ainda são ocupados por pessoas não preparadas. Espero que mude!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lições de Princesa
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



O Bonde e a Linha - um Perfil de J. Carlos
Cássio Loredano
Capivara
(2002)



Exploring the Earth and the Cosmos
Isaac Asimov (capa Dura)
Crown Publishers
(1982)



Assistência Jurídica no Processo Penal: Garantia para a Efetivida
Berenice Maria Giannella
Revista dos Tribunais
(2002)



A Cor da Poesia
Gladis Lacerda
Oficina
(2001)



Pierre Verger - Fotografias para Não Esquecer
Roberto Linsker - Pierre Verger
Terra Virgem
(2009)



Grupos y Sociedad: Iniciacion a La Psicosociologia de los Grupos
Michel Cornation
Tiempo Nuevo (caracas)
(1969)



Le Jardin Dacclimatation
Yves Navarre
Flammarion
(1980)



As Equilibristas
Bruna Gasgon
Jardim dos Livros
(2012)



Minha gravidez dia a dia - 365 dias de um ano muito especial
demian sterman ; mariano rozenberg
Vergara & Riba
(2013)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês