A múmia de seios intumescidos | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/10/2002
A múmia de seios intumescidos
Adriana Baggio

+ de 6200 Acessos

As histórias relacionadas ao Egito Antigo sempre nos fascinaram. Nossa imaginação é povoada de múmias, faraós, tesouros, pirâmides. No colégio, as aulas sobre a história da jóia do Nilo tinham mais chances de atrair a atenção dos alunos: mais interessante decorar as dinastias e seus faraós do que a lista de presidentes do Brasil.

O francês Christian Jacq, doutor em estudos egiptológicos, deve ter percebido esse filão. O autor lançou uma série de romances baseados em fatos reais sobre o Egito Antigo, que "se nutrem desta [sua] discreta erudição", como diz a orelha de um desses livros. É uma pena que essa erudição seja assim tão discreta. Pelos seus conhecimentos, Christian Jacq teria muito mais a acrescentar nas obras que escreveu até agora. No entanto, o que para algumas pessoas poderia representar uma qualidade a mais em um romance histórico - a possibilidade de unir lazer com conhecimento -, para outras se resumiria em um atestado de chatice. E nesse caso, talvez as séries de romances "Ramsés" e "A Pedra da Luz" não estivessem nas listas de bestsellers do Brasil e do mundo.

"A Rainha Sol" (Bertrand do Brasil, 2002) segue a mesma receita dos livros da série "Ramsés". A história é ambientada no Egito Antigo, conta a história de jovens nobres e tem pitadas de erotismo, suspense e romance. Até aí tudo bem, a receita parece boa. O que depõe contra o livro é superficialidade com que esses assuntos são tratados. Parece um Sidney Sheldon do tempo dos faraós. Nada contra Sidney Sheldon, seu estilo e as centenas de seguidores dessa fórmula de sucesso. O problema é que se esperaria mais de um romance escrito por um historiador.

"A Rainha Sol" conta a história da princesa Akhesa, terceira filha do faraó Akhenaton. Recordando as aulas de história, Akhenaton foi o faraó que tentou estabelecer o monoteísmo na religião egípcia, para tentar diminuir o poder e a ganância dos sacerdotes tebanos. A religião politeísta permitia aos sacerdotes ditar as regras para a adoração dos deuses, incluindo oferendas de tesouros para os templos, sob a guarda deles. Akhenaton resolveu acabar com a festa e declarou Aton, o sol, como único deus, e o faraó como seu único representante na terra.

Akhenaton era casado com Neferiti, cujas representações nos fazem deduzir que deve ter sido uma das mulheres mais belas do antigo Egito. Dessa união nasceram três filhas, sendo Akhesa a mais jovem. Diversos acontecimentos funestos, intrigas políticas e familiares fazem a princesa casar-se com Tutankhamon após a morte de Akhenaton, e ambos assumem o comando do Egito. Ambos, sim. Pelas leis egípcias, apenas um casal poderia governar o império - o faraó e a grande esposa real. Tanto Akhesa quanto Tutantkhamon não passam de adolescentes quando assumem o trono. Pela história, enquanto a grande esposa está interessadíssima nas artimanhas do governo e tenta aprimorar cada vez mais suas habilidades de estadista, o príncipe é retratado como um adolescente afoito, cujos hormônios desregulados fazem com que que só consiga se interessar pelas noites de amor ao lado da mulher.

Para retratar a vida íntima desses personagens o escritor baseou-se em alguns fatos, mas também deve ter cometido uma série de "licenças". O que mais irrita é que tanto Akhesa neste livro, quanto Ramsés em "O Filho da Luz", são adolescentes extremamente precoces. Aos catorze anos, ambos são descritos com tendo uma sabedoria e uma maturidade pouco verossímeis para a idade. É fácil de entender. Como encaixar personagens reais da história em uma trama fictícia, que envolve traições, intrigas e relações que talvez não tenham acontecido com essas pessoas? É mais provável que as maquinações de Akhesa para manter o poder e as tórridas noites de amor descritas nos livros tenham acontecido com personagens anônimos, menos nobres. Mas aí, qual seria a graça?

O "estilo Sidney Sheldon" - apelo gratuito ao erotismo, a idealização das mulheres e dos homens, a pouca verossimilhança dos comportamentos - está presente logo no começo do livro, e já dá o tom da história. Descrições como a que se segue continuam por todo o texto:

Com os olhos de um verde suave, Akhesa contemplou longamente o Sol daquela manhã de fim de inverno, bola de fogo que dava a vida aos seres, tocando-os com seus raios. A moça não se cansava daquele espetáculo grandioso que acalmava suas angústias. Naquele instante, apreciava-o ainda mais. Seus jovens seios intumesceram-se com um legítimo orgulho. Aos quatorze anos, Akhesa era uma magnífica jovem morena, de corpo delgado e bem-feito. Sentia-se adulta, libertada das preocupações da infância. Os folguedos da adolescência já não lhe interessavam. Em seu espírito e em seu coração ocorrera uma grande metamorfose.

A metamorfose de que trata este trecho é a chegada da primeira menstruação da adolescente. Bem, só se no Egito Antigo as meninas sentiam-se adultas e libertas de angústias com essa idade. Na verdade, é justamente por essa época que as angústias começam a aparecer.

Outro ponto: não seria possível encontrar outro motivo para os seios da princesa se intumescerem? A impressão que dá é que o autor fez questão de apresentar estes elementos logo no começo do livro - a idealização, o erotismo - para não perder o leitor. E o leitor que está atrás disso não se decepciona. A linha continua a mesma até o final. Qualquer acontecimento serve de pretexto para exaltar a beleza, a inteligência e a forte personalidade da princesa. Algum diferença em relação às heroínas contemporâneas?

O ponto positivo do livro é que é possível pescar algumas informações sobre os hábitos e costumes da época. Só fica a dúvida de até que ponto essas informações são a versão do historiador ou do romancista. Vale a pena também prestar atenção nas notas de rodapé que indicam a localização de alguns templos citados na história. Com o auxílio do mapa do início do livro, fica mais fácil contextualizar o espaço dos acontecimentos descritos.

Não dá para esperar muito de "A Rainha Sol" em termos de conteúdo. Mas o livro pode ser uma ótima distração para quem aprecia o gênero. Se você está cansado da vida real e já enjoou de Sidney Sheldon, arrisque-se na "discreta erudição" de Christian Jacq. Só cuidado com a múmia de Akhesa - ela deve estar se revirando no sarcófago.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 24/10/2002


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULHERES PODEROSAS NO TRABALHO
ELIZABETH HILTS
ACADEMIA
(2013)
R$ 14,00



EDUCAÇÃO E REFLEXÃO
PIERRE FURTER
VOZES
(1976)
R$ 4,00



A SENHA DO MUNDO
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
RECORD
(2006)
R$ 25,90



BALA NA AGULHA
MARCELO RUBENS PAIVA
SICILIANO
(1992)
R$ 15,00



A VIAGEM
JOÃO DUARTE DE CASTRO
EME
(1989)
R$ 7,90



IMPOSTO DE RENDA DAS EMPRESAS
HIROMI HIGUCHI FÁBIO HIROSHI HIGUCHI ET AL...
ATLAS
(2011)
R$ 15,00



PRINCÍPIOS DA FÍSICA 2
PEDRO CARLOS DE OLIVEIRA

(1993)
R$ 5,50



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



O ORÁCULO DE JAMAIS
ALTINO DO TOJAL
INCM
(2005)
R$ 44,70



HOMEM-ARANHA SUPERIOR - SEM SAÍDA! - JUNTE-SE À REVOLUÇÃO - Nº 006
MARVEL
PANINI COMICS
(2014)
R$ 10,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês