Dilapidare | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/4/2017
Dilapidare
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2000 Acessos

Circulam pelas ruas semiobscurecidas madrugada adentro, empurrando carrinhos de supermercado ou puxando carroças improvisadas. Ainda que possam não ser vistos, seus intentos são pressentidos, talvez como os primeiros habitantes daqui no início de tudo.

Eles perceberam aquele edifício de um andar recém-abandonado, displicentemente deixado, sem seguranças, com cofres vazios e pesados, documentos bancários e ali foram esquadrinhando, escarafuncharam e decidiram que dali poderia sair alguma coisa. Na verdade, muita; e quem sabe até as paredes, se possível fosse levá-las e tirar algum proveito.

Transformaram-se em lesmas, circulando na escuridão com seus corpos de ventosa. Fizeram-se como animais, numa fome de lucro. Tornaram-se sanguessugas a se esgueirar pelos vidros, metais, fios, esganados de gula. Papéis revirados, excrementos, no quebra-quebra não há cuidados. Nem capricho, pois aqui é um microcosmos de um todo vilipendiado. Poderia-se dizer que uma sorte de força natural vingou torta, em um avesso mais ambicioso. Como se um passo maior que a perna quisesse ser sempre dado.

Seus rostos estão secos, seus olhos esvaziados, mas bem abertos, famélicos. Agora, trazem lá de dentro uma coleção de gavetas. Tudo o que tinha grande volume foi saqueado, além das estruturas da construção, e agora se ocupam com muito afinco das pequenezas. O aprendizado foi com o pau-brasil, o aperfeiçoamento se deu com o ouro, as pedras preciosas e um solo gentil. Esta é uma floresta, melhor, esta é uma caverna, não, esta é uma terra raspada com o restante das unhas.

Em frente, passam jovens e crianças com fones de ouvido e skates, lixeiros jogam por cima dos ombros sacos pretos e pesados no caminhão de lixo. A cada desmanche, retornam na direção do grande viaduto. A madrugada abafa como um veludo preto gritos e marteladas. Então vêm à luz do dia, tão desavergonhados que já se sentem. Talvez porque a claridade facilite o serviço e, de todos os modos, ninguém ousa os incomodar.

E num início de noite, antes de seu retorno, surgem outros. Estes vêm com placas de metal soldar, lacrar o esqueleto com ruído e luzes brancas de fogos de artifício. O que poderá nascer desse abandono? Algo novo, uma bárbara natureza que com crueza tomará conta ao seu próprio modo, de chuva, brotos, baratas e ratos, até essa lembrança ser engolida pela morte de todos os habitantes que a presenciaram.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 27/4/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
02. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
05. Livrarias de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2017
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros - 14/12/2017
02. Vocês, que não os verei mais - 2/2/2017
03. Bruta manutenção urbana - 7/12/2017
04. Minha finada TV analógica - 6/4/2017
05. Da varanda, este mundo - 10/8/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio de Janeiro Verso e Reverso
José de Alencar
Serv Nac Teatro
(1972)



Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica
Kenneth L. Bontrager
Guanabara
(1999)



Não Há Silêncio Que Não Termine
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos Jc
(1996)



Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Ouro Olímpico a História do Marketing dos Aros
Marcus Vinicius Freire e Deborah Ribeiro
Casa da Palavra
(2006)



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)



Ínri Tité - 1ª Edição
Babalorisa Mauro Tosun
Pallas
(2014)



O Divino, o Santo e a Senhora
Carlos Rodrigues Brandão
Funarte
(1978)



Responsabilidade do Estado pela Não Duração Razoável do Processo
Danielle Annoni
Abdr
(2009)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês