Viena expõe obra radical de Egon Schiele | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Inner Work - A Chave do Reino Interior de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1989)
>>> Clássicos do Mundo Corporativo de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> Manual do Empregador Doméstico Prático de Eliane Maria Silva De Macedo pela Saraiva (2000)
>>> Cliente Nunca Mais de Telma Teixeira de Oliveira Almeida pela Casa da Qualidade (1997)
>>> A arte de separar-se de Edoardo Giusti pela Nova Fronteira (1987)
>>> Contribuições a uma Teoria de Personalidade de S. Elyseu Jr. pela Alínea (1996)
>>> Feminilidade - Perdida e Reconquistada de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> A Espiral em busca do infinito de Glória Kreinz e Crodowaldo Pavan pela Njr (2021)
>>> Anjos Cabalísticos de Monica Buonfiglio pela Própria (1993)
>>> Como a criança pensa de Ruth M. Beard pela Ibrasa (1976)
>>> A Força das Pirâmides de Max Toth e Greg Nielsen pela Record (1976)
>>> Deuses, Espaçonaves e Terra - Provas de Däniken de Erich Von Däniken pela Círculo do livro (1977)
>>> O Erotismo Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Circulo do livro (1992)
>>> Uma nova era para educação da humanidade de Nelson Ruas Santanna pela Caravela (1995)
>>> O Último Olimpiano - Volume 5. Série Percy Jackson e os Olimpianos EAN: 9788580575439 de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Documento de teresopolis de Vários Autores pela Cbcisc (1968)
>>> Lições de Ciência Política e Teoria do Estado de Espedito Pinheiro de Souza pela Mackenzie (2000)
>>> Bozza del testo della regola de Giuseppini del Murialdo pela Congregazione di san giuseppe (2005)
>>> A Batalha do Labirinto - Volume 4. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Nero de Alexandre Dumas pela Saraiva (1952)
>>> A Maldição do Titã - Volume 3. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> O Mar de Monstros - Volume 2. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
COLUNAS

Terça-feira, 2/5/2017
Viena expõe obra radical de Egon Schiele
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos



De Viena, especial para o digestivocultural.

A magnitude da pintura de Egon Schiele, um dos mais importantes artistas modernistas de Viena, está representada em duas grandes exposições em Viena. Os museus Albertina e o Leopold Museum (que agrupa a maior coleção de Schiele do mundo) expõem uma enorme quantidade de desenhos, aquarelas, pinturas e esboços que perpassam por toda a carreira do artista. Há cartazes por toda a cidade chamando o público para apreciar a desconcertante e impudica arte de Schiele.

Desde seus autoretratos, em que se metamorfoseia em um agrupamento de músculos esqueléticos e ossos com gestos retorcidos, angustiados e depressivos, até sua percepção do erotismo infantil e juvenil de meninas que expõem sua genitália despudoradamente, seja se masturbando ou apenas abrindo as pernas para o público, essas exposições reúnem a maior parte da obra do artista, com trabalhos pertencentes a coleções particulares e acervos dos próprios museus.



A relação entre erotismo e depressão parece ser a tônica maior de sua obra. A desconfiguracão do corpo através das posturas simplesmente retorcidas e contraídas para dentro de si mesmas ou causada pelo mergulho nos prazeres eróticos, marca uma ruptura drástica com a tradição do corpo asséptico, racional e ideal da representação clássica. Estamos na Viena de Freud, que descobriu a sexualidade infantil e o inferno do inconsciente (esse caldeirão fervente dos desejos reprimidos).

Para desvelar os universos da psique humana e liberar as forças irracionais do desejo, Schiele mergulha numa poética da erotização das linhas, do esmaecimento das cores, apelando para a fluidez tanto de uma como de outra. O resultado é espantoso. A aparente delicadeza das figuras faz transbordar a libido dos personagens, exibindo o traçado de corpos mergulhados em prazer e angústia sexual e existencial.

Diferente de Gustav Klimt, que cria atmosferas também sexuais, mas iluminadas por dourados decorativos e sutis que não nos perturba, Schiele apresenta a crise da consciência sexual diante da descoberta do corpo inibido e das limitações impostas a esse corpo pela finitude da vida biológica.

Era necessário uma nova pintura para representar a vazão da irracionalidade exposta por Freud à sua Viena fin de siècle. E essa pintura explodiu na arte de Egon Schiele e alguns outros pintores, como foi o caso de Oscar Kokoschca e também de poetas e romancistas vienenses (alguns declaradamente leitores e seguidores das ideias de Freud).



A beleza da obra de Schiele resplandece ainda hoje e nos perturba de igual maneira. Nos apresenta um desenho e uma pintura que é fruto de uma cultura que encarou a tensão entre desejo e civilização. A mesma civilização que Freud brilhantemente expôs em seu ensaio "A civilização e seus descontentes".

Não só a representação dos temas eróticos liberava ou tensionava o desejo contido dos espectadores reprimidos de Schiele, mas a qualidade de seus traços sinuosos e libidinosos e as cores das peles das mulheres rosadas e avermelhadas de prazer proporcionavam a mesma liberdade.

Junto com a representação da angústia da liberação dos corpos aos seus prazeres e a representação das práticas "perversas" que tanto a sexualidade livre como a culpada podem proporcionar, o modernismo de Schiele também se libertou da linha platônica que produzia um desejo metafísico em oposição ao mundo carnal solicitado por Nietzsche e Freud e que extravasou no expressionismo europeu.



A própria persona de Schiele tem um lugar especial na sua obra. As experimentações revolucionárias no domínio do autoretrato nos permitem ver a luta do artista consigo mesmo, a arte e o mundo.



Delicadeza, angústia, prazer e depressão encarnaram na forma da pintura de Schiele, como também passaram a existir no coração do homem moderno: aquele que se tornou ciente de sua finitude, de sua perversão, da sua brutalidade e violência como condição intrínseca ao animal humano. A arte estava pronta para olhar dentro da fera. E nós, quando estaremos prontos?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/5/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dois palmos de céu de Rafael Lima


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
04. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto - 5/9/2017
05. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The (diblos) Notebook: a Novel
James Merrill
Dalkey
(1994)



Muito Além dos Índices. Crônicas, História e Entrelinhas da Infla
Salomão Quadros
Fgv
(2008)



Expedição: Em Busca dos Dinossauros: uma Viagem Em Busca do Passa
Denise Gonçalves (textos e Edição)
Supernova (sp)
(2003)



Estilhaços
Guido Fidelis
Rg
(2011)



Sic Est in Provérbio: Assim Diz o Provérbio
Carlos Bachinski
Juruá
(2006)



Obra Poética de Carlos Drummond de Andrade 3
Carlos Drummond de Andrade
José Olímpio
(1983)



Lacoustique Appliquée
Jean Jacques Matras
Presses Universitaires
(1969)



A Little Piece of Ground
Elizabeth Laird
Macmillan
(2003)



A Epopeia das Misericórdias
Niversindo Antonio Cherubin
São Camilo
(2014)



Censis 33º Rapporto Sulla Situazione Sociale del Paese
Fondazione Censis
Fondazione Censis (roma)
(1999)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês