Um presidente relutante | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
Mais Recentes
>>> Cristãos Hoje de N. Maccari pela Paulinas (1976)
>>> Salmos de Edgard Armond pela Aliança (1979)
>>> Lobas, Lobos e Afins - a Eterna Busca da Liberdade... de Solange Torino pela Virgo (2001)
>>> Vida, Morte e Destino de Maria Fernanda S. e Edson Olivari de Castro pela Cia Ilimitada (1992)
>>> Rezas, Orações e Preces de Varios Autores pela Rita Carneti (1992)
>>> Como Falar em Publico e Influenciar Pessoas no Munndo dos Negócios de Dale Carnegie pela Record (1962)
>>> Uma Jornada Interior de Sara Mariott pela Pensamento (1993)
>>> Jovens e Adultos Dominical Fidelidade de Varios Autores pela Betel
>>> O Manual da Felicidade de Pe. Alberto Luiz Gambarini pela Ágape (2008)
>>> Como Enfrentar o Stress de Marilda Novaes Lipp e Colaboradores pela Ícone (1990)
>>> Auxiliares Invisíveis de C. W. Leadbeater pela Pensamento (1997)
>>> Oito Passos para Você ter Saúde de Ana Maria Freitas pela N/a
>>> O Livro do Destino de Herman Kirchenhoffer pela Círculo do Livro (1978)
>>> Eles Voltaram de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1982)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Edward Bach pela Pensamento (2006)
>>> Encontros, Desencontros e Reencontros de Florangela M. Desidério pela Paulinas (1982)
>>> Cavaleiro da Concórdia de Manoel Jacintho Coelho pela Racional (1988)
>>> Fátima, Aurora do Terceiro Milênio de João S. Clá Diaz pela Associação Cultural Nossa Senhora de Fátima (2000)
>>> I Ching, O Livro das Mutações de Juan Echenique Pérsico pela Melhoramento (2012)
>>> O Encontro, os mais Belos Encontros de Cristo de João Mohana pela Agir (1979)
>>> Boca de Forno de Olga Diniz de Castro pela Santo Alberto Artes Graficas
>>> Ginástica Cerebral de Paul E. Dennison pela Século xxi (2000)
>>> Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1999)
>>> Evangelho no Lar de Maria T. Compri pela Feesp (1991)
>>> Guia do Outro Mundo de Ornella Volta pela Hemus (1973)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/8/2006
Um presidente relutante
Lisandro Gaertner

+ de 5000 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Luís chega em casa. Tira o paletó e desafrouxa a gravata que nunca quis usar. Vai à cozinha, pega uma garrafa de caninha da roça e despeja o conteúdo num copinho comemorativo. Lê, com dificuldade, os dizeres no lado do copo:"Parabéns, pela sua escolha para presidente da empresa". Senta no sofá. Liga a TV procurando um programa sertanejo, mas não encontra. TV a cabo só tem cultura, história e programas legendados. Ô, coisa chique, pensa. Marisa, que estava no quarto, chega:

- E aí, Luís? Tudo bem?
- Tudo.
- Como foi a entrevista?
- Que entrevista?
- A entrevista de trabalho pra ver se você vai continuar no cargo.
- Ah, Marisa, nem me fala...
- Foi mal assim?
- Ô...
- Mas o que aconteceu, Luís? Me conta.
- Tá. Vou te contar, mas depois eu não quero ouvir nem uma palavra sobre isso. OK?
- Calma aí. Isso eu não posso prometer.
- Como assim?
- Luís, você ficou vinte anos me enchendo o saco. Vou ser presidente da empresa, as pessoas precisam de mim, só comigo tudo vai mudar, coisa e tal. Agora, que você finalmente conseguiu, só sabe beber, viajar a troco de nada, reclamar da vida e falar mal dos outros. Você acha que eu não tenho o direito de te cobrar alguma coisa a respeito disso?
- Tá, Marisa. Mas, hoje, eu só vou falar disso uma vez. Tá bom?
- Tá. Por hoje passa. Conta, então.
- Bom, a entrevista começou bem, mas eu meio que me enrolei.
- O que houve?
- Primeiro, eu decidi fazer a entrevista lá no meu gabinete.
- Ué, mas todo mundo foi no estúdio da TV corporativa.
- Eu sei, mas, já que eu sou o presidente, achei que ia ficar melhor falar do meu gabinete.
- Pelo jeito não deu certo.
- Não deu mesmo. Acho que pegou malzão.
- E você se preparou?
- Como assim me preparei?
- Teus concorrentes, aquela menina mal vestida e o rapaz com cara de bunda, pareceram bem preparados.
- Bom, você tem razão. Eu devia ter me preparado, mas na hora pensei: "Pra quê eu preciso me preparar? Eu não sou o presidente?"
- Ai, meu Deus.
- O que houve, Marisa?
- Se você não se preparou, aposto que fez besteira, não fez? Não vai me dizer que você bebeu, Luís.
- Como?
- Meu Deus, você bebeu antes da entrevista, não bebeu, Luís?
- Só um pouquinho...
- Luís, desde o problema com aquele rapaz americano da comunicação, eu disse para você segurar a onda.
- Pôxa, mas eu não sou bêbado e ele ficou me caluniando. Todo funcionário da empresa curte tomar o seu gorozinho. Por que eu não posso tomar o meu?
- Porque nenhum funcionário tem a responsabilidade que você tem, Luís.
- Ah, se eu tivesse conseguido demitir aquele desgraçado do Larry... tudo seria diferente.
- Mas não é. E pior, ficou mal à beça pra você.
- Sei, sei.
- Mas e aí? O que você falou de mais? Foi algo sobre os seus amigos?
- Que amigos?
- Que amigos?! Aqueles que tavam envolvidos naquelas falcatruas...
- Ah, nessa eu me dei bem. Eu disse que tinha colocado todo mundo pra fora. Eu mesmo.
- Luís...
- O quê?
- Você mentiu de novo?
- Eu menti? O que tem de mentira nisso?
- Depois das cartinhas que você mandou quando eles foram demitidos, você acha que alguém ia acreditar mesmo nisso?
- Podem pensar o que quiserem, mas fui eu coloquei eles pra fora. E ponto final.
- Tá, vou fingir que acredito. Só falta você me dizer que repetiu mais uma vez aquela história de que não sabia de nada.
- Foi exatamente o que eu disse.
- Ai, Luís. Eu já te disse: essa história não cola.
- Pô, Marisa. Até você tá contra mim?
- Não. Eu não tô contra você, mas, às vezes, acho melhor pensar que você é bandido ao invés de bobo.
- Tá, então, eu fiz papel de bobo. De novo. Desculpa por eu não ser bandido.
- Deixa de drama e fala qual foi o grande problema.
- No final da entrevista, eu comecei a trocar as palavras. Falei que tinha diminuído salários, aumentado os custos. Na parte mais importante eu me perdi e passei o maior papel de otário. Me embananei todo. Sério.
- Ô, cachaça. Ai, Luís. Mas não se preocupa. Vamos ver se semana que vem você resolve essa história no debate.
- Ah, Marisa. Acho que não vou no debate, não.
- Não vai no debate? Você só pode estar brincando.
- O que é que tem?
- Se você não for no debate, todo mundo vai achar que você tem coisa pra esconder e não tem planos pra melhorar a empresa. Desse jeito, você vai perder o cargo.
- Que nada.
- Quer saber, eu acho que é isso mesmo que você quer. Você está querendo é perder esse cargo.
- Como assim? Eu tô na frente em todas as pesquisas.
- Eu te conheço, Luís. Você sempre foi um boa vida. Já tava aposentado quando aquele pessoal veio te meter essas idéias na cabeça. Principalmente o Zé.
- Que Zé?
- O Dirceu. Ele achava que uma empresa cheia de analfabetos só ia funcionar com um analfabeto no comando.
- Marisa, eu não sou analfabeto.
- Sei, mas comparando com o último presidente...
- O último presidente foi um horror, Marisa. Deixou os empregados na pior.
- E o que você fez de diferente?
- Bom, eu...
- Viu? Não fez nada. Só faltou deixar o povo todo que ele tinha colocado na empresa trabalhando. Seguiu tim tim por tim tim a cartilha que ele deixou.
- Calma, Marisa, você nem me deixa molhar o bico.
- Eu já entendi o seu problema, Luís.
- E qual é o meu problema, mulher?
- Você nunca quis ser presidente da empresa.
- Como assim?
- O teu lance era ficar reclamando dos patrões, mas sem fazer nada. Agora que assumiu o poder e teus amigos te deram uma rasteira, se revelando os bandidos que são, você está se sabotando para cair fora.
- Me sabotando?
- É, se sabotando. Eu estou lendo um livro sobre isso. Tem gente que, ao invés de abandonar as suas responsabilidades, começa a fazer besteira para os outros colocarem eles para fora. Sem coragem de assumir que escolheram algo que não queriam, deixam na mão dos outros a decisão de largar o osso.
- Que isso. Tá viajando, mulher.
- Tô viajando? Presta atenção. Desde o começo você só fez besteira. Falava besteira no palanque, defendia o empregado errado, queria mudar o regulamento X, colocava até os pobres dos aposentados pra virem se recadastrar na empresa. Mas, não importava o que você fizesse, ninguém te botou pra fora. Fosse outro, acho que já tinham corrido com ele no ato. Mas, com você, os empregados simpatizam. Então, todo mundo foi relevando, apesar de você mesmo querer sair do cargo.
- (...)
- Luís, o que houve?
- (...)
- Fala, homem.
- É, Marisa. Acho que você tem um pouco de razão. Eu nunca quis essa responsabilidade toda. Só achava bonito concorrer pra presidente. Você sabe, né? Eu, um funcionário pobre e sem estudo, querendo assumir a presidência da empresa. Era até meio poético. Mas quando ganhei e vi o pepino, senti vontade de abandonar o cargo várias vezes.
- E, agora, Luís. Vai desistir de concorrer?
- Agora é tarde demais. Ia ser a maior vergonha. Vamos ver se eu, sem perder a compostura, deixo os outros passarem na minha frente.
- E se não der certo e você ganhar?
- Sei lá, sempre dá pra fazer o que aquele meu amigo de copo fez.
- Que amigo de copo?
- O Jânio.


Lisandro Gaertner
Belo Horizonte, 18/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Orwell na pior em Paris e Londres de Gian Danton
02. As Mil e Uma Noites de Nélida de Luis Eduardo Matta


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/8/2006
00h53min
Coitada da Marisa... Coitada da empresa... E um aviso aos leitores: não leiam o Lisandro quando estiverem bebendo algo (sem trocadilho). Quase me engasgo e molho o monitor de café hehehe
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2006
20h42min
Excelente. Excelente. E inteligente.
[Leia outros Comentários de Junior Martuchelli]
22/8/2006
13h45min
Concordo com o Rafael Rodrigues sobre estar preparado para ler o Lisandro: nada que entorne, quebre, rasgue, entorte ou desmanche nas mãos ou proximidades do corpo. Só não pude rir por mais tempo porque me dei conta de que estava rindo de nós mesmos, funcionários dessa dolorosa empresa. Não fosse o "Departamento de Lazer" a seu cargo, seria uma total tragédia. Um grande beijo gargalhado.
[Leia outros Comentários de Versos & Acordes]
24/8/2006
17h46min
Pessoas que não votaram no Lula até agora não aceitaram o nordestino, bronco, sem-dedo... governando o nosso Brasil. Muita gente diz que votou e está arrependido. Eu não acredito que tenha votado mesmo. E se votou é daqueles que votaram no Collor, no Lula, no Maluf, etc., alternadamente. Ou seja: eleitor circunstancial, sem qualquer objetivo político-social. Abraços, Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
27/8/2006
15h51min
Texto que atingiu seu objetivo... Espero que a "massa" não tenha preconceito por uma opinião divergente.
[Leia outros Comentários de Giordano Vasconcelos]
28/8/2006
09h12min
Perfeito, Lisandro! Parabéns! Eu acho que a Marisa tem toda a razão. Se bem que o livro que ela está lendo deve ser do Paulo Coelho ou do Arnaldo Jabor... argh.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
28/8/2006
15h48min
Sou eleitor do Luís, mas não ganho nada atacando ou defendo sua pessoa... Vou votar nele novamente... nem por isso sou analfabeto. Rir é legal... continue escrevendo, Lisandro.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
30/8/2006
15h59min
Como pode ter gente tão insistente ainda? Votei no Lula e me arrependo, nunca votei no Maluf, nem no Collor, até porque não tinha idade pra isso quando eles foram candidatos. E outra: "a massa" não quer dizer abolutamente nada! Se a maioria resolve se atirar em alto mar, não significa que outros devem fazer o mesmo. Aliás, difícil crer na "massa" depois de observar um mundo tão decadente como o nosso, em que a grande maioria das pessoas realmente não tem critério algum pras coisas mais simples. Parabéns pelo excelente texto, Lisandro! Ótimo ponto de vista!
[Leia outros Comentários de Mateus]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Terra dos Peixes - Memórias de Rio das Ostras
Selma Rocha (2ª Ed.)
Prefeitura de Rio das Ostras
(1997)



Desejo Cigano: Sob o Fascínio da Linguagem Muda
Betânia Ferreira
Comunicarte (recife)
(1995)



Entre os Reinos de Gog e Magog
Sílvio Fiorani
Siciliano
(1994)



Meu Pai, Seu Porco e Eu
Jna Scheerer
Rocco
(2006)



Malditos Frutos do Nosso Ventre
Carlos Alberto Luppi
Ícone
(1987)



Direito Tributário e Finanças Públicas
Arché Interdisciplinar Nº 27 Vol. 9 de 2000
Univ Cândido Mendes
(2000)



Véu do Passado
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho/antônio Carlos
Lúmen
(1997)



Alô Você! Conquiste Seu Lugar
Evandro Guedes
AlfaCon
(2016)



Longitudes and Attitudes: Exploring the World After September 11
Thomas L. Friedman
Farrar Straus and Giroux
(2002)



Santa Cruz del Vale de los Caidos - Tourist Guide Book
Editorial Patrimonio Nacional (tenth Edition)
Patrimonio Nacional (madri)
(1974)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês