Um presidente relutante | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
16866 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Orquestra Sinfônica de Jerusalém apresenta-se em São Paulo
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A falta de compromisso com a educação
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Papel do Produtor
>>> Experiências e Livros
>>> Brasilês - um idioma de muitos sotaques
>>> O turista imobiliário
>>> Edvaldo Pereira Lima
>>> Mais outro cais
>>> Um Furto
>>> Big Bang
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
Mais Recentes
>>> Sede de Plenitude
>>> Amor é Prosa Sexo é Poesia. Crônicas afetivas.
>>> A Imensidão dos Sentidos. Um estudo psicológico da sensibilidade humana.
>>> Abilio Diniz, Caminhos e Escolhas. O equilíbrio para uma vida mais feliz.
>>> Viagem ao centro do computador. Série Meu Computador.
>>> Cause Impacto! O que toda mulher precisa saber para transformar todo o seu potencial em resultados na vida e no trabalho.
>>> A Imaginação na Cura
>>> Infância
>>> Psicologia Esotérica - Volume II - Tomo I
>>> Astrologia Esotérica - Volume III - Tomo II
>>> Direito Previdenciário - Série Provas e Concursos
>>> Arquivologia - Para os concursos de técnico e analista dos tribunais
>>> Dicionário de português Schifaizfayvore: crônicas lusitanas (2ª ed.)
>>> Como educar seus pais.
>>> Sortilégios, Magia Negra e Sexo
>>> O Tarô do Amor - Não acompanha cartas.
>>> Seu Imóvel - Como comprar bem
>>> Medicina da Habitação - Como detectar e Neutralizar as ondas nocivas
>>> O Livro de Ouro da Prosperidade e Boa Sorte - Da sabedoria de Salomão
>>> Magia dos Dragões
>>> Practical Spellcraft - a first course in magic
>>> Coisas de homem e coisas de mulher
>>> A Magia das Formas-Pensamento - Um sistema comprovado de desenvolvimento
>>> Poções Mágicas - Como preparar e usar incensos caseiros, óleos.
>>> The Mystical Tarot - Livro de bolso
>>> Iniciação à Escrita Mágica Divina - A Magia Simbólica dos Tronos de Deus
>>> A Magia Divina de Rubens Saraceni - O Mago a revelação dos mistérios
>>> O Código da Escrita Mágica Simbólica
>>> Umbanda dos Pretos Velhos
>>> Os Leopardos de Kafka
>>> A Sombra Materna
>>> O Silêncio dos Amantes
>>> O Escorpião da Sexta-Feira
>>> Manejando bem a Palavra da Verdade (Rightly DividingtheWord of Truth)
>>> Iniciação à fonética e à fonologia (9ª ed.)
>>> Deutsch Perfekt- revistas
>>> O Movimento Modernista Verde, de Cataguases- MG: 1927-1929
>>> Cavaleiro da Lua - Na Noite
>>> Cavaleiro da Lua - Os Mortos se Levantam
>>> Cavaleiro da Lua - Dos Mortos
>>> Introdução à Sociologia
>>> Filosofia Série Novo Ensino Médio
>>> África e Brasil Africano
>>> Biologia das Populações 3 - Genética, Evolução Biológica, Ecologia
>>> Literatura Brasileira - Tempos, Leitores e Leituras
>>> Fundamentos da Filosofia - História e Grandes Temas
>>> A Face Pintada Em Pano de Linho
>>> Lógica para principiantes
>>> Grande e estranho é o mundo
>>> Descartes
COLUNAS

Sexta-feira, 18/8/2006
Um presidente relutante
Lisandro Gaertner

+ de 4200 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Luís chega em casa. Tira o paletó e desafrouxa a gravata que nunca quis usar. Vai à cozinha, pega uma garrafa de caninha da roça e despeja o conteúdo num copinho comemorativo. Lê, com dificuldade, os dizeres no lado do copo:"Parabéns, pela sua escolha para presidente da empresa". Senta no sofá. Liga a TV procurando um programa sertanejo, mas não encontra. TV a cabo só tem cultura, história e programas legendados. Ô, coisa chique, pensa. Marisa, que estava no quarto, chega:

- E aí, Luís? Tudo bem?
- Tudo.
- Como foi a entrevista?
- Que entrevista?
- A entrevista de trabalho pra ver se você vai continuar no cargo.
- Ah, Marisa, nem me fala...
- Foi mal assim?
- Ô...
- Mas o que aconteceu, Luís? Me conta.
- Tá. Vou te contar, mas depois eu não quero ouvir nem uma palavra sobre isso. OK?
- Calma aí. Isso eu não posso prometer.
- Como assim?
- Luís, você ficou vinte anos me enchendo o saco. Vou ser presidente da empresa, as pessoas precisam de mim, só comigo tudo vai mudar, coisa e tal. Agora, que você finalmente conseguiu, só sabe beber, viajar a troco de nada, reclamar da vida e falar mal dos outros. Você acha que eu não tenho o direito de te cobrar alguma coisa a respeito disso?
- Tá, Marisa. Mas, hoje, eu só vou falar disso uma vez. Tá bom?
- Tá. Por hoje passa. Conta, então.
- Bom, a entrevista começou bem, mas eu meio que me enrolei.
- O que houve?
- Primeiro, eu decidi fazer a entrevista lá no meu gabinete.
- Ué, mas todo mundo foi no estúdio da TV corporativa.
- Eu sei, mas, já que eu sou o presidente, achei que ia ficar melhor falar do meu gabinete.
- Pelo jeito não deu certo.
- Não deu mesmo. Acho que pegou malzão.
- E você se preparou?
- Como assim me preparei?
- Teus concorrentes, aquela menina mal vestida e o rapaz com cara de bunda, pareceram bem preparados.
- Bom, você tem razão. Eu devia ter me preparado, mas na hora pensei: "Pra quê eu preciso me preparar? Eu não sou o presidente?"
- Ai, meu Deus.
- O que houve, Marisa?
- Se você não se preparou, aposto que fez besteira, não fez? Não vai me dizer que você bebeu, Luís.
- Como?
- Meu Deus, você bebeu antes da entrevista, não bebeu, Luís?
- Só um pouquinho...
- Luís, desde o problema com aquele rapaz americano da comunicação, eu disse para você segurar a onda.
- Pôxa, mas eu não sou bêbado e ele ficou me caluniando. Todo funcionário da empresa curte tomar o seu gorozinho. Por que eu não posso tomar o meu?
- Porque nenhum funcionário tem a responsabilidade que você tem, Luís.
- Ah, se eu tivesse conseguido demitir aquele desgraçado do Larry... tudo seria diferente.
- Mas não é. E pior, ficou mal à beça pra você.
- Sei, sei.
- Mas e aí? O que você falou de mais? Foi algo sobre os seus amigos?
- Que amigos?
- Que amigos?! Aqueles que tavam envolvidos naquelas falcatruas...
- Ah, nessa eu me dei bem. Eu disse que tinha colocado todo mundo pra fora. Eu mesmo.
- Luís...
- O quê?
- Você mentiu de novo?
- Eu menti? O que tem de mentira nisso?
- Depois das cartinhas que você mandou quando eles foram demitidos, você acha que alguém ia acreditar mesmo nisso?
- Podem pensar o que quiserem, mas fui eu coloquei eles pra fora. E ponto final.
- Tá, vou fingir que acredito. Só falta você me dizer que repetiu mais uma vez aquela história de que não sabia de nada.
- Foi exatamente o que eu disse.
- Ai, Luís. Eu já te disse: essa história não cola.
- Pô, Marisa. Até você tá contra mim?
- Não. Eu não tô contra você, mas, às vezes, acho melhor pensar que você é bandido ao invés de bobo.
- Tá, então, eu fiz papel de bobo. De novo. Desculpa por eu não ser bandido.
- Deixa de drama e fala qual foi o grande problema.
- No final da entrevista, eu comecei a trocar as palavras. Falei que tinha diminuído salários, aumentado os custos. Na parte mais importante eu me perdi e passei o maior papel de otário. Me embananei todo. Sério.
- Ô, cachaça. Ai, Luís. Mas não se preocupa. Vamos ver se semana que vem você resolve essa história no debate.
- Ah, Marisa. Acho que não vou no debate, não.
- Não vai no debate? Você só pode estar brincando.
- O que é que tem?
- Se você não for no debate, todo mundo vai achar que você tem coisa pra esconder e não tem planos pra melhorar a empresa. Desse jeito, você vai perder o cargo.
- Que nada.
- Quer saber, eu acho que é isso mesmo que você quer. Você está querendo é perder esse cargo.
- Como assim? Eu tô na frente em todas as pesquisas.
- Eu te conheço, Luís. Você sempre foi um boa vida. Já tava aposentado quando aquele pessoal veio te meter essas idéias na cabeça. Principalmente o Zé.
- Que Zé?
- O Dirceu. Ele achava que uma empresa cheia de analfabetos só ia funcionar com um analfabeto no comando.
- Marisa, eu não sou analfabeto.
- Sei, mas comparando com o último presidente...
- O último presidente foi um horror, Marisa. Deixou os empregados na pior.
- E o que você fez de diferente?
- Bom, eu...
- Viu? Não fez nada. Só faltou deixar o povo todo que ele tinha colocado na empresa trabalhando. Seguiu tim tim por tim tim a cartilha que ele deixou.
- Calma, Marisa, você nem me deixa molhar o bico.
- Eu já entendi o seu problema, Luís.
- E qual é o meu problema, mulher?
- Você nunca quis ser presidente da empresa.
- Como assim?
- O teu lance era ficar reclamando dos patrões, mas sem fazer nada. Agora que assumiu o poder e teus amigos te deram uma rasteira, se revelando os bandidos que são, você está se sabotando para cair fora.
- Me sabotando?
- É, se sabotando. Eu estou lendo um livro sobre isso. Tem gente que, ao invés de abandonar as suas responsabilidades, começa a fazer besteira para os outros colocarem eles para fora. Sem coragem de assumir que escolheram algo que não queriam, deixam na mão dos outros a decisão de largar o osso.
- Que isso. Tá viajando, mulher.
- Tô viajando? Presta atenção. Desde o começo você só fez besteira. Falava besteira no palanque, defendia o empregado errado, queria mudar o regulamento X, colocava até os pobres dos aposentados pra virem se recadastrar na empresa. Mas, não importava o que você fizesse, ninguém te botou pra fora. Fosse outro, acho que já tinham corrido com ele no ato. Mas, com você, os empregados simpatizam. Então, todo mundo foi relevando, apesar de você mesmo querer sair do cargo.
- (...)
- Luís, o que houve?
- (...)
- Fala, homem.
- É, Marisa. Acho que você tem um pouco de razão. Eu nunca quis essa responsabilidade toda. Só achava bonito concorrer pra presidente. Você sabe, né? Eu, um funcionário pobre e sem estudo, querendo assumir a presidência da empresa. Era até meio poético. Mas quando ganhei e vi o pepino, senti vontade de abandonar o cargo várias vezes.
- E, agora, Luís. Vai desistir de concorrer?
- Agora é tarde demais. Ia ser a maior vergonha. Vamos ver se eu, sem perder a compostura, deixo os outros passarem na minha frente.
- E se não der certo e você ganhar?
- Sei lá, sempre dá pra fazer o que aquele meu amigo de copo fez.
- Que amigo de copo?
- O Jânio.


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 18/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? de Ana Elisa Ribeiro
02. Bem longe de Eduardo Mineo
03. Polêmicas de Alexandre Soares Silva
04. Animismo de Marina Marcondes Machado


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/8/2006
00h53min
Coitada da Marisa... Coitada da empresa... E um aviso aos leitores: não leiam o Lisandro quando estiverem bebendo algo (sem trocadilho). Quase me engasgo e molho o monitor de café hehehe
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
21/8/2006
20h42min
Excelente. Excelente. E inteligente.
[Leia outros Comentários de Junior Martuchelli]
22/8/2006
13h45min
Concordo com o Rafael Rodrigues sobre estar preparado para ler o Lisandro: nada que entorne, quebre, rasgue, entorte ou desmanche nas mãos ou proximidades do corpo. Só não pude rir por mais tempo porque me dei conta de que estava rindo de nós mesmos, funcionários dessa dolorosa empresa. Não fosse o "Departamento de Lazer" a seu cargo, seria uma total tragédia. Um grande beijo gargalhado.
[Leia outros Comentários de Versos & Acordes]
24/8/2006
17h46min
Pessoas que não votaram no Lula até agora não aceitaram o nordestino, bronco, sem-dedo... governando o nosso Brasil. Muita gente diz que votou e está arrependido. Eu não acredito que tenha votado mesmo. E se votou é daqueles que votaram no Collor, no Lula, no Maluf, etc., alternadamente. Ou seja: eleitor circunstancial, sem qualquer objetivo político-social. Abraços, Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
27/8/2006
15h51min
Texto que atingiu seu objetivo... Espero que a "massa" não tenha preconceito por uma opinião divergente.
[Leia outros Comentários de Giordano Vasconcelos]
28/8/2006
09h12min
Perfeito, Lisandro! Parabéns! Eu acho que a Marisa tem toda a razão. Se bem que o livro que ela está lendo deve ser do Paulo Coelho ou do Arnaldo Jabor... argh.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
28/8/2006
15h48min
Sou eleitor do Luís, mas não ganho nada atacando ou defendo sua pessoa... Vou votar nele novamente... nem por isso sou analfabeto. Rir é legal... continue escrevendo, Lisandro.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
30/8/2006
15h59min
Como pode ter gente tão insistente ainda? Votei no Lula e me arrependo, nunca votei no Maluf, nem no Collor, até porque não tinha idade pra isso quando eles foram candidatos. E outra: "a massa" não quer dizer abolutamente nada! Se a maioria resolve se atirar em alto mar, não significa que outros devem fazer o mesmo. Aliás, difícil crer na "massa" depois de observar um mundo tão decadente como o nosso, em que a grande maioria das pessoas realmente não tem critério algum pras coisas mais simples. Parabéns pelo excelente texto, Lisandro! Ótimo ponto de vista!
[Leia outros Comentários de Mateus]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTOIRE DE LA RÉVOLUTION FRANÇAISE 2
AUTOR MICHELET
BOUQUINS - ROBERT LAFFONT
(1979)
R$ 11,00



CINEMA: GUIA ILUSTRADO
RONALD BERGAN
JORGE ZAHAR
(2007)
R$ 29,00



MATTHEW LIPMAN E A FILOSOFIA PARA CRIANÇAS. TRÊS POLEMICAS
RENÊ JOSÉ TRENTIN SILVEIRA
AUTORES ASSOCIADOS
(2003)
R$ 17,00



NEURÓTICA. AUTORES JUDEUS ESCREVEM SOBRE SEXO.
ORGANIZAÇÃO DE MELVIN JULES BUKIET
IMAGO
(2001)
R$ 10,00



SPY DOG 05 - NA COLA DO FOGUETE
ANDREW COPE
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 12,00



A REFORMA DA NATUREZA/O MINOTAURO - MONTEIRO LOBATO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MONTEIRO LOBATO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 8,00



HISTÓRIA CONCISA DA LITERATURA BRASILEIRA
ALFRED BOSI
CULTRIX
(2001)
R$ 39,00



LOUCURAS DA ALMA
ANA CRISTINA VARGAS
VIDA / CONSCIÊNCIA
(2016)
R$ 18,00



INSIGHT
DANIEL. C. LUZ
D. C. LUZ
(1999)
R$ 19,90



100 ANOS DE CHICO XAVIER - FENÔMENO HUMANO E MEDIÚNICO
CARLOS A. BACCELLI
LEEPP
(2009)
R$ 18,59





busca | avançada
16866 visitas/dia
1,1 milhão/mês