Mulher-Flamingo | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
Mais Recentes
>>> O cachorro Skoz - Cão ao mar
>>> O cachorro Skoz - Passeio no ar
>>> Seu cliente pode pagar mais - 3ª edição
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
>>> A Evocação do Zé Batalha - uma História Afro-brasileira - Teatro Rural
>>> Na Relva da Tua Lembrança
>>> The Quest For Paradise - Visions of Heaven and Eternity in the World's Myths and Religions
>>> Assombrações e Coisas do Além
>>> Dicas Úteis Para Uma Vida Fútil
>>> Coiote
>>> Mães Que Mudaram o Mundo
>>> Quem é Lou Sciortino?
COLUNAS

Quarta-feira, 16/10/2013
Mulher-Flamingo
Marilia Mota Silva

+ de 3500 Acessos

A seção de roupas de meninas, nas lojas de departamentos, é irresistível! Uma profusão de brilhos, frufrus, filós, princesinhas que despertam sorrisos, delicadeza, indulgência .

A seção de meninos é sóbria, menor, menos colorida. Camisetas, calças, bermudões, roupas práticas. Privilegiam o conforto, convidam à liberdade, à ação.

No setor de brinquedos para meninas, imperam as fadinhas, bonequinhas, pratinhos, casinhas, coisinhas para se enfeitar, incontáveis tons rosinha.

Na área dos meninos: jogos variados, bonecos de montar, super-heróis, armas, carros, engrenagens, cores neutras predominam. Ação, competição, destreza, poder.

As meninas, muitas vezes, se entendiam de faceirices e brilhos. Querem roupas confortáveis, brinquedos, tênis de menino, que são mais resistentes, mais duráveis.

Os meninos muitas vezes gostam de brilhos, corações, enfeites, cor-de-rosa, mas são cortados pelos pais, em sussurro apressado, que não admite resposta: "Isso é coisa de menina".

Emular a classe superior é compreensível. Mulher pode usar calças, terninhos. Mas homem não usa saia. Imitar o inferior é proibido, a não ser no carnaval, como deboche.

No entanto, homens sempre se enfeitaram. Fotos antigas mostram perucas de cachos portentosos, caras empoadas, malhas colantes, botinhas de pelica, punhos rendados. E cocares, corpos pintados, brincos, colares. Tatuagens e piercings. Superman usa calçola vermelha por cima da malha justa, blusa colada, capa dramática. Sobriedade não é, nunca foi, inerente à masculinidade.

Meninos e meninas, bem pequenos, antes que os programemos, calçam os sapatos do pai ou os de salto da mãe, indiferentemente. Os dois querem pintar as unhas, por presilhas nos cabelos. Os dois gostam de dormir com bichinhos de pelúcia, levá-los no colo, brincar com eles.

Do mesmo jeito, as meninas correm e viram cambalhota e patinam, e gostam de competir. Mas nós ensinamos a elas que seu sucesso será medido pelo amor e aprovação alheia. Assim fica difícil que ela se torne uma pessoa emocionalmente independente, capaz de lutar por mudanças, capaz de fazer uma oposição séria, enfrentar polêmicas, o que implica conflito e exige resistência.

Agências de propaganda, comércio, mídia, toda a sociedade trabalha intensamente nesse sentido. No mundo da ficção, é a mesma coisa. Personagens femininas em filmes para crianças são minoria. Minoria bem inexpressiva, embora elas sejam metade da humanidade: nos filmes, teatro, histórias em quadrinhos, para cada quatro ou cinco meninos, aparece uma menina - na melhor das hipóteses. Como protagonistas, a proporção é pior ainda.

No comércio, bonequinhas com medidas físicas distorcidas por fetiches ou perversões de quem as cria, levam as crianças a sonhar com padrões de beleza inalcançáveis: "Pernas que não acabam", clichê em cinco de cada seis descrições modernas da mulher atraente. "Pernas que não acabam"! Que tanto medo eles tem do ângulo em que as pernas terminam! Criam fantasias de mulher-flamingo, pernas longas e finas ligadas diretamente a um peito massivo. Muitas mulheres, no empenho de agradar a todo custo, estufam as partes onde as querem gordas, apesar do risco das cirurgias, do desconforto de ter bolsas de plástico costuradas dentro do corpo, com prazo de validade, ao mesmo tempo em que se submetem a dietas radicais para ficar magras onde as querem magras. Que diferença há entre nós e as chinesas de pés deformados, costume antigo que, com razão, nos choca? Se há diferença, não é a nosso favor.

Aqui não vai nenhuma critica a quem recorre a qualquer recurso para se sentir bem consigo mesmo. Nem me excluo disso. Cada um sabe o grau de sofrimento que o leva a pagar qualquer preço na busca de uma imagem que o faça sentir-se adequado, aceito. O que quero comentar é a cultura que nos leva a isso.

Preparamos mal nossas crianças, e começamos muito cedo, como se não bastassem a carga cultural, a memória genética. E o processo é consistente, nos acompanha vida afora. As revistas femininas, por exemplo, aquela baboseira de sempre, como ficar bonita, como conquistar seu homem. A "mão invisível do mercado" (nem tão invisível assim) também atua dessa forma, com uma pressão irresistível que define as normas, a moda, empurrando meninos e meninas para a repetição de padrões e valores que sabotam boa parte de sua personalidade.

Outro dia, saí para comprar um vestido para ir a um casamento. Percorri um shopping de pé a ponta: todas as vitrines de lojas femininas exibiam vestidos muito curtos, muito justos, muito decotados. Vestidos feitos para expor o máximo possível do corpo, como se exibe um produto, uma mercadoria. Roupas que desumanizam, apelam para sensações básicas e afastam a possibilidade de um relacionamento normal, entre pessoas.

Vestidos deselegantes porque obrigam a pessoa a estar sempre se ajeitando, decote pra cima, saia que insiste em subir, para baixo. Para completar o pacote, vestidos de festa pedem sapatos altos. É raro ver uma mulher que ande com equilíbrio e segurança em cima de saltos fininhos e muito altos. Mesmo modelos experientes, no curto espaço da passarela, sem buracos ou pedras de calçamento, caem com frequência, torcem os tornozelos. E os joanetes e a dor nos pés que resultam disso. Uma moda meio bárbara!

Nesse casamento a que fui, as madrinhas, seis jovens com vestidos e sapatos idênticos, como é o costume aqui, caminharam, uma após outra, pelo corredor central da igreja, precedendo a noiva. Esses momentos, com as flores, a música, costumam ser bonitos, mas causa desconforto ver as jovens transformadas em seres claudicantes, os rostos tensos, concentrados no esforço de se equilibrar nos saltos.

Que diferença dos homens! Confortáveis, elegantes, mesmo os muito obesos ou mal construídos, considerando os padrões davincianos. Ternos não exibem o corpo como mercadoria. Ao contrário, favorecem a auto-confiança, realçam a pessoa, seu jeito de ser, seu charme.

E assim vamos, consumindo alegremente o que o mercado nos oferece; perpetuando, sem questionar, a sociedade de castas, em que vivemos.


Marilia Mota Silva
Washington, 16/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
02. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
03. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton
04. Um mês depois de Julio Daio Borges
05. É Tabu, Ninguém Quer Saber de Marilia Mota Silva


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. Mulher-Flamingo - 16/10/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO AMOROSO DE CURITIBA
MARCIO RENATO DOS SANTOS
CASARÃO DO VERBO
(2014)
R$ 30,00



O DOM DE CURAR E A CHAVE DA BOA- NOVA NOVO PENTECOSTES- VOLUMES 8 E 13
VÁRIOS AUTORES E GEORGE KOSICK
LOYOLA
(1979)
R$ 12,00



RATIONAL-EMOTIVE THERAPY WITH ALCOHOLICS AND SUBSTANCE ABUSERS
ALBERT ELLIS, JOHN F. MCINERNEY, RAYMOND DIGIUSEPPE E RAYMONG J. YEAGER
PERGAMON PRESS
(1989)
R$ 45,30
+ frete grátis



GUARDIÕES DE SONHOS: O ENSINO BEM-SUCEDIDO DE CRIANÇAS AFRO-AMERICANAS, OS
GLORIA LADSON-BILLINGS
AUTÊNTICA
(2008)
R$ 41,83



OSTRACADILHOS
GEORGIANA GUINLE
STRAVAGANTE
(1991)
R$ 10,00



BURACOS BRANCOS
JOHN GRIBBIN
FRANCISCO ALVES
(1985)
R$ 19,00



FUGIR
JEAN-PHILIPPE TOUSSAINT
BERTRAND BRASIL
(2008)
R$ 19,00



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
SEXTANTE
(2018)
R$ 10,00



FANGIRL
RAINBOW ROWELL
PAN MACMILLAN
(2014)
R$ 20,00



ANJOS- SERES DE LUZ, MENSAGEIROS CELESTES, PROTETORES DOS HOMENS
PAOLA GIOVETTI
SICILIANO
(1995)
R$ 20,00





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês