Mulher-Flamingo | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/10/2013
Mulher-Flamingo
Marilia Mota Silva

+ de 4000 Acessos

A seção de roupas de meninas, nas lojas de departamentos, é irresistível! Uma profusão de brilhos, frufrus, filós, princesinhas que despertam sorrisos, delicadeza, indulgência .

A seção de meninos é sóbria, menor, menos colorida. Camisetas, calças, bermudões, roupas práticas. Privilegiam o conforto, convidam à liberdade, à ação.

No setor de brinquedos para meninas, imperam as fadinhas, bonequinhas, pratinhos, casinhas, coisinhas para se enfeitar, incontáveis tons rosinha.

Na área dos meninos: jogos variados, bonecos de montar, super-heróis, armas, carros, engrenagens, cores neutras predominam. Ação, competição, destreza, poder.

As meninas, muitas vezes, se entendiam de faceirices e brilhos. Querem roupas confortáveis, brinquedos, tênis de menino, que são mais resistentes, mais duráveis.

Os meninos muitas vezes gostam de brilhos, corações, enfeites, cor-de-rosa, mas são cortados pelos pais, em sussurro apressado, que não admite resposta: "Isso é coisa de menina".

Emular a classe superior é compreensível. Mulher pode usar calças, terninhos. Mas homem não usa saia. Imitar o inferior é proibido, a não ser no carnaval, como deboche.

No entanto, homens sempre se enfeitaram. Fotos antigas mostram perucas de cachos portentosos, caras empoadas, malhas colantes, botinhas de pelica, punhos rendados. E cocares, corpos pintados, brincos, colares. Tatuagens e piercings. Superman usa calçola vermelha por cima da malha justa, blusa colada, capa dramática. Sobriedade não é, nunca foi, inerente à masculinidade.

Meninos e meninas, bem pequenos, antes que os programemos, calçam os sapatos do pai ou os de salto da mãe, indiferentemente. Os dois querem pintar as unhas, por presilhas nos cabelos. Os dois gostam de dormir com bichinhos de pelúcia, levá-los no colo, brincar com eles.

Do mesmo jeito, as meninas correm e viram cambalhota e patinam, e gostam de competir. Mas nós ensinamos a elas que seu sucesso será medido pelo amor e aprovação alheia. Assim fica difícil que ela se torne uma pessoa emocionalmente independente, capaz de lutar por mudanças, capaz de fazer uma oposição séria, enfrentar polêmicas, o que implica conflito e exige resistência.

Agências de propaganda, comércio, mídia, toda a sociedade trabalha intensamente nesse sentido. No mundo da ficção, é a mesma coisa. Personagens femininas em filmes para crianças são minoria. Minoria bem inexpressiva, embora elas sejam metade da humanidade: nos filmes, teatro, histórias em quadrinhos, para cada quatro ou cinco meninos, aparece uma menina - na melhor das hipóteses. Como protagonistas, a proporção é pior ainda.

No comércio, bonequinhas com medidas físicas distorcidas por fetiches ou perversões de quem as cria, levam as crianças a sonhar com padrões de beleza inalcançáveis: "Pernas que não acabam", clichê em cinco de cada seis descrições modernas da mulher atraente. "Pernas que não acabam"! Que tanto medo eles tem do ângulo em que as pernas terminam! Criam fantasias de mulher-flamingo, pernas longas e finas ligadas diretamente a um peito massivo. Muitas mulheres, no empenho de agradar a todo custo, estufam as partes onde as querem gordas, apesar do risco das cirurgias, do desconforto de ter bolsas de plástico costuradas dentro do corpo, com prazo de validade, ao mesmo tempo em que se submetem a dietas radicais para ficar magras onde as querem magras. Que diferença há entre nós e as chinesas de pés deformados, costume antigo que, com razão, nos choca? Se há diferença, não é a nosso favor.

Aqui não vai nenhuma critica a quem recorre a qualquer recurso para se sentir bem consigo mesmo. Nem me excluo disso. Cada um sabe o grau de sofrimento que o leva a pagar qualquer preço na busca de uma imagem que o faça sentir-se adequado, aceito. O que quero comentar é a cultura que nos leva a isso.

Preparamos mal nossas crianças, e começamos muito cedo, como se não bastassem a carga cultural, a memória genética. E o processo é consistente, nos acompanha vida afora. As revistas femininas, por exemplo, aquela baboseira de sempre, como ficar bonita, como conquistar seu homem. A "mão invisível do mercado" (nem tão invisível assim) também atua dessa forma, com uma pressão irresistível que define as normas, a moda, empurrando meninos e meninas para a repetição de padrões e valores que sabotam boa parte de sua personalidade.

Outro dia, saí para comprar um vestido para ir a um casamento. Percorri um shopping de pé a ponta: todas as vitrines de lojas femininas exibiam vestidos muito curtos, muito justos, muito decotados. Vestidos feitos para expor o máximo possível do corpo, como se exibe um produto, uma mercadoria. Roupas que desumanizam, apelam para sensações básicas e afastam a possibilidade de um relacionamento normal, entre pessoas.

Vestidos deselegantes porque obrigam a pessoa a estar sempre se ajeitando, decote pra cima, saia que insiste em subir, para baixo. Para completar o pacote, vestidos de festa pedem sapatos altos. É raro ver uma mulher que ande com equilíbrio e segurança em cima de saltos fininhos e muito altos. Mesmo modelos experientes, no curto espaço da passarela, sem buracos ou pedras de calçamento, caem com frequência, torcem os tornozelos. E os joanetes e a dor nos pés que resultam disso. Uma moda meio bárbara!

Nesse casamento a que fui, as madrinhas, seis jovens com vestidos e sapatos idênticos, como é o costume aqui, caminharam, uma após outra, pelo corredor central da igreja, precedendo a noiva. Esses momentos, com as flores, a música, costumam ser bonitos, mas causa desconforto ver as jovens transformadas em seres claudicantes, os rostos tensos, concentrados no esforço de se equilibrar nos saltos.

Que diferença dos homens! Confortáveis, elegantes, mesmo os muito obesos ou mal construídos, considerando os padrões davincianos. Ternos não exibem o corpo como mercadoria. Ao contrário, favorecem a auto-confiança, realçam a pessoa, seu jeito de ser, seu charme.

E assim vamos, consumindo alegremente o que o mercado nos oferece; perpetuando, sem questionar, a sociedade de castas, em que vivemos.


Marilia Mota Silva
Washington, 16/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
05. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. O Nome Dele - 7/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos Que Outros Tempos Não Apagam.
Cecília Silva
Taba Cultural
(2001)



Um Dia Feliz
Nilson Denadai
Pandorga
(2008)



Atm Internetworking With Atm Volume III
Uyless Black
Prentice Hall Series
(1998)



Dona Vitória da Paz
Fábio Gusmão
Planeta
(2006)



Au-au. Três Contos de Cão
Jõao do Rio Rudyard Kipling
Dantes
(2004)



Escola Bíblica de Formação de Líderes - 2º Ano Trimestre 2
Não Informado
Do Autor



Cae Practice Tests Plus
Alan Stanton
Longman
(2000)



Petir Glossaire des Thèmes Diconographie Chrétienne Vol 2
Jean Cabanot
Confluences
(1996)



Comment Apprend-on Quon Va Être Publié?
Revista Décapage Tome 53
Flammarion
(2015)



Reflexões Sobre o Novo Código de Processo Civil
Carlos Roberto de Castro Jatahy e Outros
Fgv
(2016)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês