Tarantino, Quentin | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/9/2012
Tarantino, Quentin
Humberto Pereira da Silva

+ de 2900 Acessos



O cinema americano traz imediatamente à mente a ideia de cinema comercial e Hollywood a Meca de filmes produzidos como qualquer mercadoria posta no mercado. Por conseguinte, filmes americanos, mais que de qualquer outro país, são concebidos como produtos da indústria cultural. Ocorre que esse lugar comum, ainda que verdadeiro, não dá conta de um contra exemplo como o diretor Quentin Tarantino. Seus filmes satisfazem a exigências da indústria, mas, igualmente, são produzidos com uma liberdade criativa que encontra poucos paralelos nas últimas décadas.

Tarantino, portanto, desperta curiosidade. Como ele consegue usar as engrenagens da indústria e, ao mesmo tempo, se impor com um tipo de cinema autoral que faz o próximo Tarantino ser aguardado na mesma medida que um Blockbuster? Para apreciadores e curiosos pelo seu cinema, está à disposição "Quentin Tarantino" (Ed. LeYa, 384 pág.), organizado por Paul Woods, que lançou pela mesma editora "O estranho mundo de Tim Burton".

O livro de Woods recolhe textos originalmente publicados à época do lançamento de seus filmes; portanto, sua recepção crítica no calor da hora. Com isso, se oferece ao leitor caminhos para se entender o impacto de sua filmografia e, na mesma medida, como se forjou a imagem de um diretor cujo filme seguinte está sempre envolto em segredos e expectativas: só para lembrar, dele aguarda-se "Django Livre" (no Brasil, lançamento previsto para 18 de janeiro de 2013). O livro inclui também depoimentos dele próprio e de vários jornalistas que desnudam momentos de sua vida pessoal, suas influências e o que o motivou a conceber cenas que se tornaram emblemáticas à sua maneira de filmar.

Vale acentuar que se trata de um livro que realça, na mesma proporção, a desconstrução de lendas que cercam sua carreira e a construção da imagem de diretor fetiche da cultura pop. Assim, mostra-se que não é bem verdadeira a história de que sua cultura cinematográfica resume-se ao tempo em que trabalhava como balconista na Vídeo Archives. Mostra-se igualmente que é falsa a lenda de que ele saiu da locadora e, da noite para o dia, fez "Cães de Aluguel", ascendeu ao estrelato e tornou-se referência para a cultura pop e o cinema pós-moderno.

Depoimentos do próprio Tarantino - e de pessoas ligadas a ele - esclarecem que antes de "Cães de Aluguel" (1992) ele já estava ligado ao cinema. Sua intenção inicial era se tornar ator. É assim que ele desponta na série "Super Gatas" em meados dos anos 80, como imitador de Elvis Presley. Concomitante ao trabalho na Vídeo Archives, ele escrevia roteiros, como o de "Amor à Queima Roupa", e não media esforços para obter dinheiro o suficiente para dirigi-los. No entanto, suas tentativas de dirigir seu próprio filme não foram bem sucedidas: os direitos de "Amor à Queima Roupa" foram vendidos por uma bagatela e, lançado em 1993, acabou sendo dirigido por Tony Scott.

No livro é interessante notar, então, não só o universo no qual Tarantino circulava como as dificuldades que encontrou para conseguir dinheiro e finalmente dirigir "Cães de Aluguel". Além de "Amor à Queima Roupa", ele escreveu e vendeu os direitos dos roteiros de "Assassinos por Natureza" (1994), que acabou dirigido por Oliver Stone, e "Um Drink no Inferno" (1996), dirigido por Robert Rodriguez. "Cães de Aluguel" não teve a mesma sorte destes porque surgiu em seu caminho o ator Harvey Keitel, Tarantino já tinha um nome razoavelmente conhecido pela participação nas "Super Gatas" e dinheiro obtido com a venda de seus roteiros.

"Cães de Aluguel" catapultou imediatamente o nome de Tarantino ao cenário internacional. Exibido no Festival de Cinema Independente de Sundance, foi eleito o melhor filme independente de todos os tempos pela revista Empire. O que se tem a partir de então é o caminho que Tarantino tomou para absorver a recepção de seu filme de estreia, impor condições para realização de seus filmes seguintes e, principalmente, alimentar a aura de enfant gâté do cinema americano. Nesse sentido, o livro traz elementos para se apreender que ele forjou uma imagem que não dissocia seu nome e seus filmes, ou seja, há uma marca, uma etiqueta que garante a publicização de seu filme seguinte.

Segue-se com isso a facilidade com que Tarantino pessoalmente se envolve nos aspectos mais comezinhos da produção de um filme. De um lado, ele é dotado de uma sensibilidade rara para captar os anseios de um público que o toma por ícone: após "Jackie Brown" (1997), muitos achavam que sua verve havia espirado, mas "Kill Bill" (2004), realizado sete anos depois, selou as desconfianças. De outra parte, não se pode perder de vista que numa atividade tão segmentada como a indústria do cinema, ele destaca-se como diretor, roteirista, produtor e ator.

A habilidade para circular nos diversos níveis da indústria é em grande parte a razão pela qual Tarantino consegue realizar filmes com sua etiqueta. Ele controla aspectos como publicização e distribuição sem se submeter a caprichos meramente mercadológicos. Essa habilidade, quando se pensa em cinema independente, é rara. Dos diretores consagrados do cinema americano, Woody Allen é outra referência que transita em diversos níveis da indústria. Mas, convenhamos, o orçamento de seus filmes é menor que os de Tarantino e seu projeto de cinema menos arriscado. Enquanto Tarantino se renova, Allen praticamente repete a formula dos filmes anteriores.

"Quentin Tarantino" de Paul Woods, com isso, deve ser lido com atenção à cozinha, ou bastidores, e não à análise ou interpretação da obra. Os artigos e depoimentos do livro mostram um personagem da cultura pop. Um leitor ávido pela análise de filmes como "Pulp Fiction" (1994) ou "Bastardos Inglórios" (2009) se decepcionará. Mesmo quando o livro trata das diversas influências, referências e homenagens nos filmes de Tarantino, isso não vai além do que é amplamente divulgado e forma uma cultura comum sobre o seu cinema.

Deve-se ter em mente, contudo, que a atenção à cozinha não implica em futilidades ou picuinhas. A leitura do livro de Woods oferece dados importantes para se entender como um jovem cinéfilo se impôs num universo tão seletivo como a indústria de cinema. Por si só, esta seria uma boa razão para lê-lo, mas há outra que considero mais relevante: Tarantino será lembrado em grande parte porque impôs seu estilo num espaço cultural em que teve liberdade para fazer filmes sem sofrer grandes coerções.

Na trajetória de Tarantino, portanto, uma grande dose de loteria, mas o lugar que ocupa resulta de determinação e ousadia. Em debate recente entre diretores, produtores e distribuidores publicado pela Revista de Cinema , Fernando Meirelles, depois do fracasso comercial de "Xingu", que ele produziu, abandonou o projeto de "Grande sertão: veredas" com o argumento de que não terá público. "Quentin Tarantino" de Woods talvez nos ensine a pensar, na mesma medida, nas diferenças de temperamento cultural entre Brasil e Estados Unidos e nas razões por que Tarantino é cultuado, enquanto Meirelles é servil aos imperativos da indústria.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 12/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim é... de Marta Barcellos
02. A Feira do Livro de Porto Alegre de Marcelo Spalding
03. Fragilidade, teu nome é ser humano! de Paulo Polzonoff Jr


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PSICANÁLISE ENTRE DOIS NARCISOS; NARCISO, ÉDIPO E O OUTRO
TEMPO PSICANALÍTICO, Nº 1 E 2, VOL 7 DE 1984
SOC PSICANÁLISE IRACY DOYLE
(1984)
R$ 15,28



CANÇÃO DO MAR
PAT CONROY
CIRCULO DO LIVRO
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIVRO DE VISITAS
MÁRCIO TÁVORA
BRAZILBIZZ
(2014)
R$ 16,51



RETIRO COM PE. SLAVKO NO BRASIL
PE. SLAVKO
LOYOLA
(1989)
R$ 30,00



A MORTE DO PLANETA (PENTALOGIA #4)
J. W. ROCHESTER; WERA KRIJANOWSKAIA
BOA NOVA / LUMEN
(1997)
R$ 15,00



MEU DOMINGO COM CRISTO B-3
PE JOSÉ GERALDO RODRIGUES
SANTUÁRIO
(1986)
R$ 5,00



ARQUIVOS DO NORTE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



DO-IN (LIVRO COMPLETO)
MARGO GEESDORF
RIGEL
(1973)
R$ 15,00



A LUA DE YAKUZA: SURPREENDENTES REVELAÇÕES DA FILHA DE UM GÂNGSTER
SHOKO TENDO
ESCALA
(2010)
R$ 12,00



DOM JOÃO VI NO BRASIL 1808-1821 SEGUNDO VOLUME
OLIVEIRA LIMA
JOSÉ OLYMPIO
(1945)
R$ 377,06





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês