Tarantino, Quentin | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/9/2012
Tarantino, Quentin
Humberto Pereira da Silva

+ de 2900 Acessos



O cinema americano traz imediatamente à mente a ideia de cinema comercial e Hollywood a Meca de filmes produzidos como qualquer mercadoria posta no mercado. Por conseguinte, filmes americanos, mais que de qualquer outro país, são concebidos como produtos da indústria cultural. Ocorre que esse lugar comum, ainda que verdadeiro, não dá conta de um contra exemplo como o diretor Quentin Tarantino. Seus filmes satisfazem a exigências da indústria, mas, igualmente, são produzidos com uma liberdade criativa que encontra poucos paralelos nas últimas décadas.

Tarantino, portanto, desperta curiosidade. Como ele consegue usar as engrenagens da indústria e, ao mesmo tempo, se impor com um tipo de cinema autoral que faz o próximo Tarantino ser aguardado na mesma medida que um Blockbuster? Para apreciadores e curiosos pelo seu cinema, está à disposição "Quentin Tarantino" (Ed. LeYa, 384 pág.), organizado por Paul Woods, que lançou pela mesma editora "O estranho mundo de Tim Burton".

O livro de Woods recolhe textos originalmente publicados à época do lançamento de seus filmes; portanto, sua recepção crítica no calor da hora. Com isso, se oferece ao leitor caminhos para se entender o impacto de sua filmografia e, na mesma medida, como se forjou a imagem de um diretor cujo filme seguinte está sempre envolto em segredos e expectativas: só para lembrar, dele aguarda-se "Django Livre" (no Brasil, lançamento previsto para 18 de janeiro de 2013). O livro inclui também depoimentos dele próprio e de vários jornalistas que desnudam momentos de sua vida pessoal, suas influências e o que o motivou a conceber cenas que se tornaram emblemáticas à sua maneira de filmar.

Vale acentuar que se trata de um livro que realça, na mesma proporção, a desconstrução de lendas que cercam sua carreira e a construção da imagem de diretor fetiche da cultura pop. Assim, mostra-se que não é bem verdadeira a história de que sua cultura cinematográfica resume-se ao tempo em que trabalhava como balconista na Vídeo Archives. Mostra-se igualmente que é falsa a lenda de que ele saiu da locadora e, da noite para o dia, fez "Cães de Aluguel", ascendeu ao estrelato e tornou-se referência para a cultura pop e o cinema pós-moderno.

Depoimentos do próprio Tarantino - e de pessoas ligadas a ele - esclarecem que antes de "Cães de Aluguel" (1992) ele já estava ligado ao cinema. Sua intenção inicial era se tornar ator. É assim que ele desponta na série "Super Gatas" em meados dos anos 80, como imitador de Elvis Presley. Concomitante ao trabalho na Vídeo Archives, ele escrevia roteiros, como o de "Amor à Queima Roupa", e não media esforços para obter dinheiro o suficiente para dirigi-los. No entanto, suas tentativas de dirigir seu próprio filme não foram bem sucedidas: os direitos de "Amor à Queima Roupa" foram vendidos por uma bagatela e, lançado em 1993, acabou sendo dirigido por Tony Scott.

No livro é interessante notar, então, não só o universo no qual Tarantino circulava como as dificuldades que encontrou para conseguir dinheiro e finalmente dirigir "Cães de Aluguel". Além de "Amor à Queima Roupa", ele escreveu e vendeu os direitos dos roteiros de "Assassinos por Natureza" (1994), que acabou dirigido por Oliver Stone, e "Um Drink no Inferno" (1996), dirigido por Robert Rodriguez. "Cães de Aluguel" não teve a mesma sorte destes porque surgiu em seu caminho o ator Harvey Keitel, Tarantino já tinha um nome razoavelmente conhecido pela participação nas "Super Gatas" e dinheiro obtido com a venda de seus roteiros.

"Cães de Aluguel" catapultou imediatamente o nome de Tarantino ao cenário internacional. Exibido no Festival de Cinema Independente de Sundance, foi eleito o melhor filme independente de todos os tempos pela revista Empire. O que se tem a partir de então é o caminho que Tarantino tomou para absorver a recepção de seu filme de estreia, impor condições para realização de seus filmes seguintes e, principalmente, alimentar a aura de enfant gâté do cinema americano. Nesse sentido, o livro traz elementos para se apreender que ele forjou uma imagem que não dissocia seu nome e seus filmes, ou seja, há uma marca, uma etiqueta que garante a publicização de seu filme seguinte.

Segue-se com isso a facilidade com que Tarantino pessoalmente se envolve nos aspectos mais comezinhos da produção de um filme. De um lado, ele é dotado de uma sensibilidade rara para captar os anseios de um público que o toma por ícone: após "Jackie Brown" (1997), muitos achavam que sua verve havia espirado, mas "Kill Bill" (2004), realizado sete anos depois, selou as desconfianças. De outra parte, não se pode perder de vista que numa atividade tão segmentada como a indústria do cinema, ele destaca-se como diretor, roteirista, produtor e ator.

A habilidade para circular nos diversos níveis da indústria é em grande parte a razão pela qual Tarantino consegue realizar filmes com sua etiqueta. Ele controla aspectos como publicização e distribuição sem se submeter a caprichos meramente mercadológicos. Essa habilidade, quando se pensa em cinema independente, é rara. Dos diretores consagrados do cinema americano, Woody Allen é outra referência que transita em diversos níveis da indústria. Mas, convenhamos, o orçamento de seus filmes é menor que os de Tarantino e seu projeto de cinema menos arriscado. Enquanto Tarantino se renova, Allen praticamente repete a formula dos filmes anteriores.

"Quentin Tarantino" de Paul Woods, com isso, deve ser lido com atenção à cozinha, ou bastidores, e não à análise ou interpretação da obra. Os artigos e depoimentos do livro mostram um personagem da cultura pop. Um leitor ávido pela análise de filmes como "Pulp Fiction" (1994) ou "Bastardos Inglórios" (2009) se decepcionará. Mesmo quando o livro trata das diversas influências, referências e homenagens nos filmes de Tarantino, isso não vai além do que é amplamente divulgado e forma uma cultura comum sobre o seu cinema.

Deve-se ter em mente, contudo, que a atenção à cozinha não implica em futilidades ou picuinhas. A leitura do livro de Woods oferece dados importantes para se entender como um jovem cinéfilo se impôs num universo tão seletivo como a indústria de cinema. Por si só, esta seria uma boa razão para lê-lo, mas há outra que considero mais relevante: Tarantino será lembrado em grande parte porque impôs seu estilo num espaço cultural em que teve liberdade para fazer filmes sem sofrer grandes coerções.

Na trajetória de Tarantino, portanto, uma grande dose de loteria, mas o lugar que ocupa resulta de determinação e ousadia. Em debate recente entre diretores, produtores e distribuidores publicado pela Revista de Cinema , Fernando Meirelles, depois do fracasso comercial de "Xingu", que ele produziu, abandonou o projeto de "Grande sertão: veredas" com o argumento de que não terá público. "Quentin Tarantino" de Woods talvez nos ensine a pensar, na mesma medida, nas diferenças de temperamento cultural entre Brasil e Estados Unidos e nas razões por que Tarantino é cultuado, enquanto Meirelles é servil aos imperativos da indústria.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 12/9/2012


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 19,90
+ frete grátis



RAICES FILOSOFICAS DE LA PSICOLOGIA
HENRYK MISIAK
TROQUEL
(1964)
R$ 60,00



CAESAR: A NOVEL
COLLEEN MCCULLOUGH
WILLIAM MORROW
(1997)
R$ 40,00



PROMETEU OS HOMENS E OUTROS MITOS
MENELAOS STEPHANIDES
ODYSSEUS
(2004)
R$ 14,00



TUDO AO MESMO TEMPO AGORA
JEAN WYLLYS
GIOSTRI
(2009)
R$ 4,00



A PERCEPÇÃO ALÉM DAS DIMENSÕES DA MENTE
ROBERTO JEROME FISICHELLA
ÍCONE
(1992)
R$ 16,00



CAMINHO SUAVE: CARTILHA - ALFABETIZAÇÃO PELA IMAGEM - 132ª EDIÇÃO
BRANCA ALVES DE LIMA
CAMINHO SUAVE
(2015)
R$ 45,60



AUTODOMÍNIO E O DESTINO COM OS CICLOS DA VIDA - 4642
SPENCER LEWIS
RENES
(1983)
R$ 10,00



A AVENTURA SUPREMA (A EXPERIÊNCIA DO CAMINHO DE SIDDHA YOGA
PETER HAYES
NOVA ERA
(1994)
R$ 4,40



NOS BASTIDORES DA ALMA
NILZA HELENA KFOURI
PSY
(1997)
R$ 4,00





busca | avançada
55141 visitas/dia
1,1 milhão/mês