Feedback | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/9/2005
Feedback
Julio Daio Borges

+ de 5100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Entre os muitos trabalhos de um editor que nunca aparecem, estão os feedbacks. A cada texto publicado no Digestivo Cultural, por exemplo, corresponde um ou mais feedbacks. Em teoria, se você dirige uma publicação, tem de apontar os caminhos para as pessoas que escrevem - tem de, pelo menos, dizer se elas estão erradas ou certas, a cada matéria. Não adianta, depois, você dizer que a orquestra foi prum lado e que o solista foi pro outro - se você não fez o seu papel de maestro. Mas é um trabalho que não aparece; porque no Digestivo Cultural, por exemplo, você não lê os meus feedbacks - você apenas lê os textos e pode concluir talvez, indiretamente, por eles, que existe uma amarração interna (ou uma tentativa de...).

Do mesmo jeito, numa empresa. Hoje, eu tento ser um bom "chefe", no sentido de dizer às pessoas sinceramente o que penso do trabalho delas - mas sei, por experiência própria, que isso raramente acontece. Em geral, as pessoas deixam os feedbacks se acumularem e dão um feedback negativo de uma vez - em forma de bronca; o feedback positivo fica subentendido na falta de qualquer outro feedback. Por exemplo: no meu primeiro estágio numa empresa, logo nas primeiras semanas, recebi um feedback do dono, dando conta de que o meu chefe, na época, estava muito impressionado com o meu empenho (feedback positivo); quase um ano depois, em compensação, voltei de uma semana de provas na faculdade e fiquei sabendo - por esse mesmo dono - que eu deveria procurar outro estágio, pois não estavam contentes com o meu desempenho (feedback negativo). Ou seja: entre o feedback positivo e o negativo, passaram-se quase doze meses e - salvo alguns "humpfs", outras interjeições e outros muxoxos - eu não tive nenhuma indicação, objetiva, de que estava à beira da dispensa.

Já no meu primeiro emprego, eu uma vez recebi um "alerta" porque, segundo o meu chefe direto, eu estava "lendo muito jornal" (o alerta vinha do chefe do meu chefe). Depois, passados alguns meses, quando eu pedi para sair - porque havia recebido a oferta de outro emprego -, ouvi do chefe do chefe do meu chefe (o superintendente) que eu era muito elogiado e que eles (os chefes todos) lamentavam muito a minha saída naquele momento... Ou seja: mesmo sabendo que esse feedback positivo não mudaria em nada a minha decisão, de sair da empresa, eu gostaria de ter tido outros feedbacks no meio do caminho (entre o do jornal e o do elogio repentino).

E no meu segundo emprego, eu tive basicamente dois chefes: um, bastante sênior, que acompanhava marginalmente o meu trabalho e achava tudo uma maravilha; e outro, muito júnior, que usava a técnica do morde-e-assopra: premiava seus funcionários com muitas "chicotadas" no dia-a-dia, fazia piadinhas depreciativas e anunciava aos berros, para o departamento inteiro, quando alguém ameaçava tirar férias (e, ah, promovia aumentos em situações extremas, sempre que um subordinado ameaçava enlouquecer). Eu, naturalmente, adorava o chefe sênior e detestava o chefe júnior. Quando o sênior se mandou, eu e meus colegas ficamos lamentando, pelos anos subseqüentes, a sua saída; enquanto que falamos com pesar, até hoje, sobre o comportamento do chefe júnior, como se fosse uma época de bastante sofrimento (embora houvesse, claro, algumas recompensas). Ou seja: por que os dois extremos em uma mesma empresa? E por que o famoso RH não tomava nenhuma providência?

No Digestivo, como chefe, eu já sofri dando e recebendo feedbacks. No início, dava feedbacks mais gerais (e broncas genéricas também); concluí, depois de um tempo, que não dava certo. Parti então para feedbacks pessoais, e quase nenhuma mensagem em caráter genérico - funcionou bem, embora consumisse muito mais tempo, fosse mais trabalhoso e árduo (principalmente quando eu tinha de chamar a atenção de alguém). Hoje, com o Digestivo crescendo, e eu assumindo outras funções que não a de editor apenas, me vejo procurando o meio-termo. Lógico que, em qualquer situação, as pessoas preferem ser tratadas individualmente, mas do mesmo modo que os colaboradores de uma empresa exigem special treatment, eu descobri, a duras penas, que, mais do que eles, quem exige isso são os clientes...

Um "cliente" que não parece muito evidente para quem pensa no Digestivo Cultural é o Leitor. Como todo autor jovem estreando na profissão, no começo eu mandei uma banana para o Leitor. Escrevia, respondia, até discutia, mas não estava muito preocupado - os feedbacks eram obtusos e o Leitor, salvo raríssimas exceções, era aquele sujeito que não entendia o que eu estava escrevendo; como poderia me aconselhar? E cansei de ver essa mesma postura principalmente em Colunistas jovens: eles geralmente anseiam por Comentários (na verdade, por consagração), mas, quando vêm as respostas, não sabem lidar com feedbacks vários e preferem solenemente ignorar.

A internet, infelizmente, criou uma dependência quantitativa, em termos de feedback, com relação ao que se publica nela. Aqui no Digestivo, por exemplo, todos nos fiamos pelo número de acessos e pelo número de Comentários - é a única ferramenta a promover resposta imediata ao que se escreve, e a aplacar a ansiedade de quem escreve. Acontece, porém, que alguns dos melhores feedbacks que já recebi, escrevendo, foram dados "ao vivo", de maneira qualitativa, às vezes tempos, às vezes anos depois. Por conta disso, hoje eu procuro extrair o máximo das pessoas, que me lêem, em conversas - e quando alguém me diz que leu tal Colunista e achou isso e aquilo, eu devolvo: "Então escreva pra ele, diga isso a ele, ele precisa saber...".

O grande salto acontece, no meu ponto de vista, quando você retira o aspecto "pessoal" de qualquer feedback. Quando você trata aquilo como "informação bruta", para orientar melhor o que vem fazendo. Um dos jeitos de se conseguir isso, no caso de um feedback escrito, é não tomar a coisa literalmente, digo ao pé da letra - e ficar tentando entender o que pode estar por trás daquele registro, qual a "emoção de fundo", quais as linhas gerais, as correntes, o Zeitgeist. É uma visão "macro" em vez de "micro". Exemplo prático: para quem realiza um único trabalho, um feedback negativo pode ser a morte; mas, para quem realiza vários, não. Quando você toma conta de uma empresa, no meu caso o Digestivo, tende a enxergar o panorama global e não levar toda e qualquer picuinha a sério (nem dá tempo); já quando o seu universo se restringe unica e exclusivamente a você, qualquer ataque te atinge em cheio, porque você não relativiza (nem consegue). Conselho de amigo (sei que, na linguagem, hoje estou bem corporativo): diversifique o seu portfolio. Dá certo.

Como prestador de serviços (falo de Parceiros, Anunciantes, Patrocinadores...), sou todo ouvidos. E prefiro ouvir uma reclamação a não ouvir nada. Se o meu trabalho não agrada, não funciona ou não atinge os objetivos, eu preciso saber do que se trata - onde está a minha falha - para poder aperfeiçoar sempre. Não me incomodo que um cliente venha e vá embora (no começo, é a morte, mas depois, você percebe, é a lei da vida), o que me incomoda é ele sair e entrar sem acrescentar nada ao meu trabalho. Gostou? Não gostou? Detestou? Por quê? Eu preciso saber. Porque quando vier um outro, assim, desse jeito, eu não quero repetir os mesmos erros, eu não quero prometer o que não vou cumprir, não quero entregar nada aquém do esperado, entende?

Como profissional da era da internet, passei tempo demais confiando no e-mail. Uma das maiores características do e-mail é o silêncio. O silêncio aparece numa situação difícil: a pessoa não sabe o que responder e responde com o seu silêncio. Você entende aquilo como um "não" e a coisa fica por isso mesmo. Hoje eu sou chato no sentido de ir atrás das respostas (continuo falando aqui dos meus clientes). Se recebi um "nada" (ou um silêncio) a uma Proposta enviada por e-mail, ligo e pergunto: "Recebeu? Não recebeu? O que achou?". Prefiro um não na cara (ou por telefone) do que um silêncio. "Está caro? Está barato? Era isso mesmo? Não era? Por quê?" Eu preciso saber!

Esta Coluna, portanto, tem uma razão de ser. Pessoalmente (e profissionalmente), eu acho que falta feedback. Os maiores mal-entendidos, os maiores problemas de comunicação, as maiores brigas têm sua origem na falta de feedback. Se as pessoas soubessem (antes), não chegariam a determinados extremos - ou não deixariam que a coisa acontecesse dessa (ou daquela) maneira. Claro que, ainda assim, muita gente, munida das mais variadas informações, prefere deixar a bomba estourar ou deixar a situação degringolar - por comodismo, por opção, por falta de coragem; mas que não seja, então, pela ausência de feedback.

Logo, Leitor: se você não gosta, escreva. Se gosta, escreva também. Ligue, xingue, mas - como dizem os americanos - have your say... Você, Parceiro: mesma coisa. Você, amigo: igualmente. Eu tenho uma dificuldade tremenda em não externar o que penso ou em não deixar estampado na face (quando me contam, ou me mostram, ou me pedem simplesmente uma opinião). Sei que não é a regra; sei que custa para muita gente - mas não deve ser assim... E corra atrás de feedbacks, você também. E procure saber o que pensam de você (e do seu trabalho, e da sua empresa). Peça avaliações. E reavaliações. Esclareça aspectos obscuros. Levante outros pontos de vista. Não fique no escuro; não deixe as pessoas no escuro. O diálogo sempre dá mais trabalho (do que o silêncio) mas, no final, é melhor para todo mundo.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/9/2005


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2005
21h14min
É isso aí, meu amigo virtual: pra não ficar no escuro, contente com seu artigo, deixo aqui o meu abraço. ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
23/9/2005
23h34min
Correto, caro Julius, você deve ter bem claro que feedback é na verdade o que você escolheu e logo vem as consequencias que podem ser boas ou não. Agora mesmo tive uma discórdia com minha futura esposa, discutimos e nos desejamos boa noite, eu te amo... Se não tivessemos tido a "briguinha" só restaria boa noite, te amo.
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
26/9/2005
14h15min
Fala, Julio, tudo bem por aí? Verdade o que você disse – como é importante um feedback! Os positivos e negativos, não importa, serão sempre "positivos". E disso não posso reclamar de você – sempre recebi os seus valiosos feedbacks. Grande abraço, Palha
[Leia outros Comentários de Palha]
26/9/2005
23h45min
É, Julio, acho que mais sacrificante que um feedback negativo é a espera pelo feedback. Eu, como novo colunista no Digestivo, sinto isso demais, aquela ansiedade de saber se as pessoas estão lendo e o questionamento sobre por que lêem o que se achou que não chamaria atenção e parecem ignorar o que a gente esperava dar um estouro.. Mas é a vida, e seguimos nela! Acho que faz parte. Abraços, bela coluna.
[Leia outros Comentários de Marcelo Miranda]
27/9/2005
15h19min
É tão difícil receber um feedback qualitativo. Os leitores mais ardorosos em comentar e mandar email são aqueles sujo sangue ferveu porque eles discordam de tudo que você escreveu. É lamentável. É raro um leitor que gostou de parte ou do todo comentar de forma útil, criticando o que precisa ser criticado, dando sugestões construtivas ou simplesmente dizendo "concordo – ou não concordo – mas valeu a leitura".
[Leia outros Comentários de DaniCast]
28/9/2005
22h40min
Concordo, Julio. O principal problema é instigar outras pessoas - sobretudo "superiores" ainda acostumados à mania de dar ordens - a encarar da mesma maneira. Tenho presenciado algumas situações dessas até na universidade, um ambiente que deveria respirar debate, respeito, feedback. Por sinceridade demais, comprometimento demais, uma certa "tagarelice" demais diante de situações que precisavam ser revistas, teve gente que caiu, e caiu feio. Existe muito reacionarismo, de todos os lados, e a questão é como uma pessoa que ouve e responde lidará com quem não discute, apenas se mune de um tacape, rechaça a opinião, fecha a cara e faz uma espécie de terrorismo silencioso enquanto seu posicionamento não for acatado. Para se sentir seguro (e piorar a coisa), há ainda quem acate, e as vezes são muitos. Parece seguro matar a dignidade de retrucar sobre o silêncio de quem faz questão de tapar os ouvidos. Isto acontece a torto e direito no meio empresarial, na vida a dois, no balcão do comércio, infelizmente. Fora isto, teu feedback aos leitores está ótimo, Julio. É interessante acompanhar não só os "resultados" do Digestivo, mas também o making of desta "empresa", sempre nas tuas palavras.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês