2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Dicionário Jurídico Tributário de Eduardo Marcial Ferreira Jardim pela Dialética (2005)
>>> Pão Nosso de Chico Xavier pela Feb (2019)
>>> O caso do hotel Bertram / o misterioso caso de styles de Agatha Christie pela Best Bolso (2010)
>>> Teoria da personalidade na sociedade de massa - A contribuição de Gramsci de Dario Ragazzini pela Autores Associados (2005)
>>> Ética de Spinoza pela Autêntica (2009)
>>> A origem da desigualdade entre os homens de Jean-Jacques Rousseau pela Penguin e Companhia das Letras (2017)
>>> A dominação masculina - a condição feminina e a violência simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> História da Sexualidade - 1. A vontade de saber de Michel Foucault pela Editora Paz e Terra (2020)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-chul Han pela Editora Vozes (2015)
>>> O mito de Sísifo de Albert Camus pela Edições Bestbolso (2022)
>>> Os sete pilares da sabedoria de T E Lawrence pela Circulo do livro
>>> P.S.: Ainda Amo Você de Jenny Han pela Intrínseca (2016)
>>> Escandalo na sociedade de Harold Robbins pela Circulo do livro
>>> O vale do medo de Arthur Conan Doyle pela Ediouro (2006)
>>> O veu pintado de Somerset Maugham pela Circulo do livro
>>> Se houver amanhã / Nada dura para sempre vira-vira de Sidney Sheldon pela Best Bolso (2010)
>>> Doze anos de escravidão de Solomon Northup pela Penguin Books (2014)
>>> Livro dos sonhos de Jorge Luis Borges pela Circulo do livro
>>> Enterrem meu coração na curva do rio de DeeBrown pela Circulo do livro
>>> Confie em mim de Harlan Coben pela Sextante (2009)
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/3/2019
2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5000 Acessos

Não vou fazer a crítica literária. A ideia não é essa. Portanto, podem se assossegar os senhores e as senhoras donos da palavra sobre os livros e as leituras. Não quero ocupar esse lugar. Mas é que pode ocorrer a uma leitora qualquer, como eu, um desejo incontido de comentar suas leituras. Não pode? A leitura, não raro, nos move do lugar, nos provoca, e se ela o faz, talvez acelere as partículas que movem o desejo da escrita. Pode ser. A mim sempre ocorreu isso, desde a infância, quando tomava um livro, lia-o e dele derivavam ideias que não podiam ficar contidas. Era hora de escrever. E guardar. Ou escrever e enunciar. É isto. Continua sendo assim.

Histórias nada sérias

E nas aventuras de leitora entre os livros que aguardam na estante encontrei Histórias nada sérias, de Maria Valéria Rezende, uma de nossas mais notáveis escritoras vivas. Autora de romances premiados, publicando por grupos editoriais grandes e dona de um fôlego impressionante para a narrativa, Maria Valéria não tirou os pés do chão. Histórias nada sérias é o resultado da compilação de contos escritos ao longo de oficinas de escrita que acontecem em João Pessoa, Paraíba. A dinâmica é lançar temas, como estupro, cicatriz, lenda pessoal ou barulho, só para alguns exemplos, e, a partir disso, produzir contos. O livro, então, é uma coletânea desses contos, 24, mais exatamente, que surpreendem menos ou mais, conforme a expectativa e o gosto do leitor ou da leitora. Alguns textos são muito curtos, outros têm duas ou três páginas de livro.

Alguns contos deixei anotados, uns para usar em oficinas, porque merecem uma discussão editorial, além de literária; outros deixei silentes, porque nem tudo se conecta com o que queremos ou somos. Em alguns casos, me vi uma leitora surpreendida. A inteligência narrativa é sempre algo a se admirar. E como é interessante lidar com uma Maria Valéria na voz da contista e outra na voz da romancista.

Merece destaque o fato de que a publicação é da pequena Escaleras (2017), editora capitaneada pela também escritora Débora Gil Pantaleão, desde a capital paraibana. Com trabalho gráfico profissional, Histórias nada sérias se soma a um catálogo de autores contemporâneos, e Maria Valéria Rezende, é claro, empresta capital simbólico à iniciativa editorial corajosa que é, quase sempre, manter uma pequena editora.

Impossível como nunca ter tido um rosto

Na mesma vibe da edição limitada, desta vez por autopublicação, andei com os olhos pregados em Impossível como nunca ter tido um rosto, do poeta mineiro Ricardo Aleixo, uma das vozes mais relevantes dos versos nacionais, com direito a apresentações em outros países, em outras línguas. O livro, sem ficha catalográfica ou ISBN, mas com prefácio de Dirceu Villa, reúne 33 poemas nascidos entre 2010 e 2015, conforme aponta a informação nas primeiras páginas do volume. Longilíneo, de capa negra e riscos vermelhos, o livro de Aleixo traz por dentro a força do poeta que conheço há tempos, em sua impressionante missão cirúrgica com as palavras. Enquanto luta com elas, também dança; afinal, uma espécie de capoeira.

Em alguns poemas parei. Parei mais. Levantei a cabeça, como ensinou a leitura de Roland Barthes, uns anos atrás. Porque alguns poemas se comunicaram comigo de maneira contundente, caso de “Queridos dias difíceis”, que não me sai das impressões e para o qual quero gravar um vídeo. Soou-me um hino à resistência e à coragem. Uma provocação das boas, talvez. Marquei vários outros, dobrando os cantinhos das páginas, conforme gosto de fazer; vincando o papel com minha respiração, que não é a mesma de quando vivo sem ler poesia.

Ricardo Aleixo tem vários livros publicados por pequenos selos editoriais e no regime da autopublicação, mas é preciso dar relevo ao conhecimento de edição que ele acumula. Além de poeta, é tantas outras coisas, incluindo-se editor, de si e de outros, que é impossível não reparar no cuidado com a edição deste título. O projeto, aliás, assim como a tipografia ficam a cargo de Mário Vinícius, estudioso da edição em Minas Gerais. Primores à parte, Impossível... é antecessor de outros livros, numa trilha que levou o poeta ao catálogo da respeitável Todavia, editora que pode levar o autor a outras esferas e outros voos.

E mais

Vieram e virão mais livros na sequência. Alguns com o efeito de me instar ao comentário, outros talvez não. Há leituras que provocam movimentações internas, aceleram partículas, atiçam, como diria minha avó. É com isso que conto quando escolho ser uma leitora de literatura contemporânea. Ou de literatura, simplesmente. O que não chover no molhado será meu texto preferido, porque não pretendo gastar meu tempo apenas com o que eu poderia antever ou adivinhar. Faz parte da leitura literária lidar com o espanto: da ideia e do texto.

***

Abaixo, o poeta Ricardo Aleixo nos Encontros de Interrogação, Itaú Cultural, em 2016, com poemas de Impossível como nunca ter tido um rosto





Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/3/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paisagem interna agreste de Elisa Andrade Buzzo
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
03. A vida se elabora no Ano Novo de Elisa Andrade Buzzo
04. Geração X-Tudo de Adriane Pasa
05. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. Treliças bem trançadas - 26/7/2019
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende - 13/9/2019
03. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
04. Crônica em sustenido - 5/7/2019
05. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boa Nova
Chico Xavier
feb
(2010)



Dicionario Ilustrado Ingles-portugues
Tony Wolf
Moderna
(2003)



A Serra do Mar e a Baixada
Samuel Murgel Branco
Moderna
(1992)



O Que é Corpo
Jose A. Gaiarsa
Brasiliense
(1986)



doutor Goebbels
Roger Manvell e Heinrich
madras
(2012)



Divorcio e Separação 2 Volumes 8ª Edição
Yussef Said Cahali
Revista dos Tribunais
(1995)



Paiva Chaves - e as Janelas de Sua Mente
Armando L M de Paiva Chaves
Bibliex
(2010)



Pique
Regis Castro
Cupolo
(1982)



Natureza e Agroquimicos
Samuel Murgel Branco
Moderna
(2012)



OP genter
Tom Clancy
Record
(1997)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês