2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
>>> Abc de las Naciones Unidas de Naciones Unidas pela Naciones Unidas
COLUNAS

Sexta-feira, 22/3/2019
2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4400 Acessos

Não vou fazer a crítica literária. A ideia não é essa. Portanto, podem se assossegar os senhores e as senhoras donos da palavra sobre os livros e as leituras. Não quero ocupar esse lugar. Mas é que pode ocorrer a uma leitora qualquer, como eu, um desejo incontido de comentar suas leituras. Não pode? A leitura, não raro, nos move do lugar, nos provoca, e se ela o faz, talvez acelere as partículas que movem o desejo da escrita. Pode ser. A mim sempre ocorreu isso, desde a infância, quando tomava um livro, lia-o e dele derivavam ideias que não podiam ficar contidas. Era hora de escrever. E guardar. Ou escrever e enunciar. É isto. Continua sendo assim.

Histórias nada sérias

E nas aventuras de leitora entre os livros que aguardam na estante encontrei Histórias nada sérias, de Maria Valéria Rezende, uma de nossas mais notáveis escritoras vivas. Autora de romances premiados, publicando por grupos editoriais grandes e dona de um fôlego impressionante para a narrativa, Maria Valéria não tirou os pés do chão. Histórias nada sérias é o resultado da compilação de contos escritos ao longo de oficinas de escrita que acontecem em João Pessoa, Paraíba. A dinâmica é lançar temas, como estupro, cicatriz, lenda pessoal ou barulho, só para alguns exemplos, e, a partir disso, produzir contos. O livro, então, é uma coletânea desses contos, 24, mais exatamente, que surpreendem menos ou mais, conforme a expectativa e o gosto do leitor ou da leitora. Alguns textos são muito curtos, outros têm duas ou três páginas de livro.

Alguns contos deixei anotados, uns para usar em oficinas, porque merecem uma discussão editorial, além de literária; outros deixei silentes, porque nem tudo se conecta com o que queremos ou somos. Em alguns casos, me vi uma leitora surpreendida. A inteligência narrativa é sempre algo a se admirar. E como é interessante lidar com uma Maria Valéria na voz da contista e outra na voz da romancista.

Merece destaque o fato de que a publicação é da pequena Escaleras (2017), editora capitaneada pela também escritora Débora Gil Pantaleão, desde a capital paraibana. Com trabalho gráfico profissional, Histórias nada sérias se soma a um catálogo de autores contemporâneos, e Maria Valéria Rezende, é claro, empresta capital simbólico à iniciativa editorial corajosa que é, quase sempre, manter uma pequena editora.

Impossível como nunca ter tido um rosto

Na mesma vibe da edição limitada, desta vez por autopublicação, andei com os olhos pregados em Impossível como nunca ter tido um rosto, do poeta mineiro Ricardo Aleixo, uma das vozes mais relevantes dos versos nacionais, com direito a apresentações em outros países, em outras línguas. O livro, sem ficha catalográfica ou ISBN, mas com prefácio de Dirceu Villa, reúne 33 poemas nascidos entre 2010 e 2015, conforme aponta a informação nas primeiras páginas do volume. Longilíneo, de capa negra e riscos vermelhos, o livro de Aleixo traz por dentro a força do poeta que conheço há tempos, em sua impressionante missão cirúrgica com as palavras. Enquanto luta com elas, também dança; afinal, uma espécie de capoeira.

Em alguns poemas parei. Parei mais. Levantei a cabeça, como ensinou a leitura de Roland Barthes, uns anos atrás. Porque alguns poemas se comunicaram comigo de maneira contundente, caso de “Queridos dias difíceis”, que não me sai das impressões e para o qual quero gravar um vídeo. Soou-me um hino à resistência e à coragem. Uma provocação das boas, talvez. Marquei vários outros, dobrando os cantinhos das páginas, conforme gosto de fazer; vincando o papel com minha respiração, que não é a mesma de quando vivo sem ler poesia.

Ricardo Aleixo tem vários livros publicados por pequenos selos editoriais e no regime da autopublicação, mas é preciso dar relevo ao conhecimento de edição que ele acumula. Além de poeta, é tantas outras coisas, incluindo-se editor, de si e de outros, que é impossível não reparar no cuidado com a edição deste título. O projeto, aliás, assim como a tipografia ficam a cargo de Mário Vinícius, estudioso da edição em Minas Gerais. Primores à parte, Impossível... é antecessor de outros livros, numa trilha que levou o poeta ao catálogo da respeitável Todavia, editora que pode levar o autor a outras esferas e outros voos.

E mais

Vieram e virão mais livros na sequência. Alguns com o efeito de me instar ao comentário, outros talvez não. Há leituras que provocam movimentações internas, aceleram partículas, atiçam, como diria minha avó. É com isso que conto quando escolho ser uma leitora de literatura contemporânea. Ou de literatura, simplesmente. O que não chover no molhado será meu texto preferido, porque não pretendo gastar meu tempo apenas com o que eu poderia antever ou adivinhar. Faz parte da leitura literária lidar com o espanto: da ideia e do texto.

***

Abaixo, o poeta Ricardo Aleixo nos Encontros de Interrogação, Itaú Cultural, em 2016, com poemas de Impossível como nunca ter tido um rosto





Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/3/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. Treliças bem trançadas - 26/7/2019
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende - 13/9/2019
03. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019
05. Crônica em sustenido - 5/7/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Cinco Sóis - uma Experiência de Quase Morte
Munir Zalaf
Ceac
(2010)



Direito Tributário Contemporâneo
Sacha Calmon, Misael Derzi, Humberto T Junior
Revista dos Tribunais (sp)
(1997)



A Coragem de Mudar Em Educacao 3ª Edição
Esther Pillar Grossi
Vozes
(2000)



Louis Ii de Bavière
Pierre Combescot
Edition Speciale
(1972)



Violência, Menores, Idosos e Acidentados no Trabalho
Revista Lua Nova, Vol 3 - Nº 2 de 1986
L&pm
(1986)



Amor, Otário Amor: Historias da Vida a 2. 0
Leo Luz
Astral Cultural
(2016)



Tropa Nerds Mamãe é de Marte
Michael Buckley
V e R
(2012)



Premier Dictionnaire En Images
Pierre Fourré
Bertrand
(1962)



América Linguagem e Sociedade: Outros Ensaios
Eduardo Portella (com Dedicatória) e Outros
Ufrj (rj)
(1993)



A Universidade Possível
Jacques Marcovitch
Futura
(1998)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês