Treliças bem trançadas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/7/2019
Treliças bem trançadas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1500 Acessos

Não era fácil vê-los. Sabe aquelas estantes de madeira que têm portas de ripas trançadinhas? São portas de treliça e eram assim as que abrigavam os poucos livros que tínhamos em casa. Era mania da minha mãe: guardar tudo, tudinho, até biscoito. Chavear tudo. Toda prateleira tinha uma porta; toda porta tinha uma chave; toda chave tinha um ganchinho de por cadeado; todo cadeado era fechado; e os molhos de chaves pareciam arbustos cheios de galhos. Era assim a estante onde alguns livros ficavam guardados. Pela fresta estreita, na verdade uns quadradinhos, dava para ver algumas lombadas, nem sempre dava para ler o título.

Um lance de escadas abaixo, ficava uma outra estante, esta toda aberta, de prateleiras aeradas, com uma porção de gavetinhas pequeninas sob uma dezena ou duas de livrões, dos de capa dura, muitas folhas e fotografias de gente doente. Eram esses os livros de trabalho do meu pai, que a gente abria escondido para ver peles horrorosas, crianças horrendas e nomes difíceis de pronunciar.

Não havia outros livros em casa, em parte alguma. Não havia um cômodo com o nome de “biblioteca” e nem um espaço dedicado à leitura, propriamente. Havia, sim, um lugar que chamávamos de “escritório”, mas ele se misturava a outras coisas e funções, como um quarto ou uma sala de música.

Nesse mesmo cômodo misto, havia uma outra estante, que, com o tempo, foi se enchendo de enciclopédias desatualizadas e de CDs. Foram ficando ali os livros que usávamos nas pesquisas de escola, tão malfeitas e tão comuns. Era só copiar alguma coisa, por nome na capa, grampear e levar para a professora. Chamavam a isso de “pesquisa”. Longe de ser verdade. E pior: acho que não mudou muito. Hoje é até mais fácil copiar e colar, imprimir, por nome na capa e levar em papel A4. O que precisa mesmo... não mudou tanto.

Lembro-me de sentir um pouco de inveja ao ouvir um amigo dizer, para todo lado a que ia, que tinha em casa, quando criança, um cômodo chamado “biblioteca”. E eu logo imaginava um lugar lindo, atrás de um portal meio mágico, que era possível atravessar e sentir-se bem e inteligente lá dentro. Para compensar, certa vez ouvi uma amiga dizer, com o maior orgulho, que jogava todos os livros que encontrava em casa fora. “Minha casa não é depósito, não é biblioteca”. Assim mesmo, como se fosse terrível ter esses volumes em casa, disponíveis, gastando espaço de sei lá o quê.

Pelas frestas da madeira treliçada, eu sentia um enorme desejo de folhear aquelas obras que estavam ali. Eu sabia que não eram literárias nem nada. Eram, provavelmente, tratados de sociologia ou alguma antropologia, mas me despertavam para a leitura. Sem chance. Ninguém sabe onde fica a chave? Será que era para não ficarmos subversivos? Bem capaz. Ou era apenas mania de trancamento? Onde já se viu livro sequestrado? Cárcere privado. E nós... alheios, alienados.

Um dia, pensei comigo, bem decididamente: vou ter uma biblioteca minha, com os livros do meu desejo. E eu sabia, não sei como, que esse era um trabalho de resultados lentos, bem lentos. Podia chamar de “investimento”, algo assim, coisas que valem muito e que rendem bastante. Era o que eu pensava, sem nenhuma metáfora econômica. Mas não sei, tristemente, qual foi o primeiro item desse empreendimento. Não me lembro dos livros que comecei a juntar e nem em que lugar eles foram parar. Talvez eu tenha começado pelos volumes que a escola mandou ler e que minha mãe achou por bem comprar. Isso, sim, ela fazia com gosto, sem pestanejar. Um, dois, cinco. Ficavam sob minha guarda os meus e os dos meus irmãos, que davam menos importância às aquisições. Nem notavam quando eu catava cada título e juntava a outros, como numa coleção, salvando o mundo. Nem reivindicavam posse nem nada. E eu ficava bem feliz.

Juntando assim e depois comprando outros em sebos, com o dinheiro do lanche, é que começou a se formar uma biblioteca. Modesta, é claro, mas já era uma. Sem escadarias e tapetes e estantes imponentes, mas era sim. E com o tempo, sabe-se lá quanto, acabei adquirindo uma estante. Oh, uma estante! Era dessas de metal, abertas, onde os livros cabem e de que as traças não gostam. Ficou ali, num espaço do quarto de dormir, como um esqueleto deslocado, perto da cama e de uma mesinha. Uma estante, que foi ficando pouca, pequena, insuficiente, com livros em fila dupla e outros deitados por cima dos que estavam de pé. Livros que pediram uma outra estante, também preta, só que mais estreita, onde os livros fizeram novas filas e pareciam se reproduzir. Era isso mesmo, não era? Não é assim que se forma uma biblioteca?

Com o passar dos anos, esses livros e essas estantes foram tomando o espaço de tudo, quase expulsando a cama, os outros objetos, e os textos que esses livros carregavam foram ocupando a minha cabeça e eu fui ficando misturada com a biblioteca, a pequena biblioteca, e fui me sentindo parte dela e ela, parte de mim. Não é assim?

Repare: começou com uma curiosidade, depois virou um desejo, daí passou a um projeto e então tomou uma proporção tal que ocupou toda a minha vida. Os livros que eu li se mexem dentro da minha cabeça, dão asas à minha imaginação, enfeitam meus pensamentos, mas também me dão ideias para uns livros que eu comecei a fazer. Ah, sim, uma hora eu comecei a querer fazer meus próprios livros. E eles vão ficando em estantes na minha casa, mas também nas casas dos outros, de gente que eu nem conheço. E o que eu posso desejar? Que outras crianças fiquem curiosas, desejosas e que queiram também se misturar aos livros, bem misturadas.

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/7/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
02. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019
02. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto - 15/3/2019
03. Como medir a pretensão de um livro - 10/5/2019
04. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
05. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição - 7/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DO VALOR DA CAUSA E SUA IMPUGNAÇÃO
LUIZ CLAUDIO AMERISE SPOLIDORO
LEJUS
(1997)
R$ 5,00



MEMORIAS REVISITADAS: O INSTITUTO AGGEU MAGALHAES NA VIDA DE SEUS
ANTONIO TORRES MONTENEGRO E TANIA FERNANDES
FIOCRUZ
(1997)
R$ 17,82



TURISMO IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS
AMALIA INES G. DE LEMOS
HUCITEC
(1996)
R$ 10,00



A SOCIOLOGIA DA VIDA ECONÔMICA
NEIL J. SMELSER
BIBLIOTECA PIONEIRA
R$ 11,00



ANTOLOGIA - AMOR ENTRE LETRAS
VÁRIOS AUTORES
ALL PRINT
(2011)
R$ 8,30



AS AVENTURAS DE ALENCAR ALMEIDA
GUILHERME AZEVEDO
V
(2005)
R$ 4,20



A SEMÂNTICA DE DAVIDSON
JONATAN HENRIQUE PINHO BONFIM
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CASE SOLARI LOCALI
PETER VAN DRESSER
FRANCO MUZZIO & C
(1979)
R$ 20,00



MENINO ANTIGO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSÉ OLYMPIO
(1974)
R$ 10,00



GUIA INTERNET DE CONECTIVIDADE
CYCLADES BRASIL
CYCLADES
(1996)
R$ 4,00





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês