Passar a limpo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
>>> Nerd oriented news
>>> 13 de Agosto #digestivo10anos
>>> O cão da meia-noite
Mais Recentes
>>> A Engenharia de Custos na Viabilidade Econômica de Empreendimentos Industriais de Sérgio Conforto & Mônica Spranger pela Taba Cultural (2011)
>>> Documento de Aparecida de Conselho Episcopal Latino-Americano pela Paulus (2011)
>>> Caminho da sabedoria, caminho da paz de Dalai Lama pela L&Pm (2009)
>>> Montanha-russa de Martha Medeiros pela L&Pm (2009)
>>> Perdão. A Chave Para a Liberdade de Adriana Machado pela Dufaux (2015)
>>> Baudelaire de Jean-Baptiste Baronian pela L&Pm (2010)
>>> O Mundo Contemporâneo - Relações Internacionais 1945-2000 de Demétrio Magnoli pela Moderna (2002)
>>> Paulo, um homem em Cristo de Ruy Kremer pela Feb (2011)
>>> Páginas de espiritismo cristão de Rodolfo Calligaris pela Feb (2021)
>>> Crepúsculo dos ídolos de Friedrich Nietzsche pela L&Pm (2009)
>>> Senhor e servo & outras histórias de Leon Tolstoi pela L&Pm (2009)
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R. Frizzell pela Imprensa da Fé (2021)
>>> O Ladrão e os Cães de Naguib Mahfuz pela L&pm Pocket (2008)
>>> O Leão da Neve de Richard Jones pela Carochinha (2018)
>>> O Livro da Selva de Rudyard Kipling pela L&pm Pocket (2001)
>>> O Despertar Do Sonho de Luiz Carlos Amorim pela Rosa dos Tempos (2001)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia Histórias de Deuses e Heróis de Thomas Bulfinch pela Casa dos Livros (2006)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia - Histórias de Deuses e Heróis de Thomas Bulfinch pela Ediouro (2006)
>>> O Revólver De Maigret de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia: Histórias de Deuses e Heróis de Thomas Bulfinch pela Ediouro (2003)
>>> O Livro do Bem Coisas para Você Fazer e Deixar Seu Dia Mais Feliz de Ariane Freitas; Jessica Grecco pela Gutenberg (2015)
>>> O Amigo De Infância De Maigret de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> O Despertar Ante a Obsessão de Públio Carisio de Paula pela Minas Grafica (2003)
>>> O Livro dos Dinossauros 50 Perguntas Com Todas as Respostas de Jo Connor; Moira Butterfield pela Girassol (2012)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Petit (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/11/2009
Passar a limpo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos

Embora eu quisesse muito aprender a escrever, não foi por isso que minha letra se tornou bonita. Nunca foi, mas logo no início era algo entre o ilegível e a garatuja mal-assombrada. Durante alguns meses, professores e parentes sentiram a dificuldade dos paleógrafos, ao tentar revelar escritos enigmáticos e parecidos com eletroencefalogramas intraduzíveis.

Depois de uns meses tentando me convencer de que era necessário que alguém interpretasse meus garranchos, a professora prescreveu: caderno de caligrafia. Ao que minha mãe respondeu de forma imediata, comprando uma brochura com umas pautas irregulares. Aquilo me lembrava partituras, onde também se escreve com altos e baixos, mas a ideia era "regularizar" minha letra, melhorar-lhe o desenho, a legibilidade, abrir o "olho", arredondá-la, até porque ter letra feia não pega bem para uma moça. É mole?

Atirei-me a caligrafar. Diariamente, pegava meu caderninho e saía a copiar textos e nomes de pessoas naquelas pautas assimétricas. Redondo, pezinho, altura da letra, alcançava a linha mais alta, a barriga do g, a alça do o, o corte do t, as curvas do v. Dias e dias em cima daquelas pautas. Não se podia contar a ninguém. Era um caso entre nós, segredo entre moças. Será que homens fariam caligrafia?

Depois de algum tempo, os resultados já eram óbvios. Minha letra-rabisco havia se convertido em uma letra redonda, robusta e segura. No fundo, eu não sabia o que aquilo queria dizer. A letra nos transforma? Em que medida a letra tem a ver com minha identidade? Lá estava eu exibindo minha rotunda caligrafia, armada e quase ornamental. A professora e a mãe estavam orgulhosas. Eu não ligava muito, embora soubesse que agora poderiam me ler.

Fico pensando: por que eu fazia uma letra feia e riscada? O pai médico teria alguma influência nisso? A vontade edípica de escrever as receitas dele? Ou era mesmo um modo de manter meus escritos em relativo segredo, dando muito trabalho ao leitor que quisesse, de fato, deslindar meu esfíngico traço?

Durante muitos anos, escrevi a mão. Até hoje tenho problemas com lápis. Adoro canetas, especialmente as azuis. O sonho de muitos anos foi obter a permissão dos professores para escrever a caneta, sobre pautas regulares, algo que só se fazia quase na quarta série. Nem mesmo as manchas da tinta nos dedos me incomodavam. A fluidez da esferográfica me animava muito mais do que o atrito do grafite na folha. Além disso, tenho mãos leves, que escrevem claro demais.

Operar com essas tecnologias sobre papel poroso me dava um prazer indisfarçável. Gastava cadernos de trás para frente, anotando ideias rompantes, ensaios de poemas, uns poucos desenhos (essa modalidade nunca foi meu forte), recados para quem não deveria lê-los. Agendas me acompanham até hoje e sem elas fico sem chão. Precisam ser de papel, que não dão pau e ninguém quer furtá-las. Mantive diários até a adolescência e fiz brochuras e mais brochuras de poemas.

Ao longo da produção de minhas monografias acadêmicas (bacharelado, mestrado e doutorado), mantive bloquinhos e cadernetas no criado-mudo, para quando me assaltavam aquelas ideias muito próximas da solução de meus problemas ou da resolução de meus questionamentos. Minhas hipóteses, minhas indicações de livros e autores, minhas citações preferidas ficaram todas ali. Um detetive com um lápis poderia recuperar meus trajetos intelectuais rabiscando os avessos de minhas páginas riscadas.

A máquina de escrever foi um entreposto. Depois de costurar os textos com agulhas, era como dar-lhes acabamento mais simétrico e regular com tipos presos a hastes. Duas coisas me irritavam: a fita gasta (dando aspecto irregular à cor do texto, o que hoje acho um charme) e o momento em que as hastes se enganchavam, atrasando meu "passar a limpo". Há anos não faço isso: "passar a limpo", como se fora suja a escrita a mão.

Calcular margens e separações silábicas era difícil na máquina. Se no manuscrito eu aprendera certa arquitetura das palavras na linha, sem precisar hifenizá-las com tanta frequência, essa conta me parecia mais complexa no papel branco sem pautas. Minha letra caligráfica era enorme, gastava folhas com pouco texto, meus colegas riam da minha facilidade em entregar calhamaços, já que cada pauta acomodava apenas quatro ou cinco palavras. A máquina me trouxe alguma concisão e o gosto de ver a página composta.

A máquina era o acabamento. Anotado o texto e feito o recheio, era necessário ver o texto composto, margeado, emoldurado e sólido. Dava gosto. Ainda dá. Não é à-toa que escrever no computador tem um gosto que só quem gosta de publicação entende o que é.

Dia desses conversava com uma escritora de verdade, dessas premiadas. Fazia um serviço para ela e, de repente, me deu vontade de saber: "como você escreve? Anota primeiro ou vai direto?". A curiosidade me veio porque a vi batucar um notebook importado, enquanto consultava uma agendinha surrada de papel. Que cena linda. O livro dela dependera de muita pesquisa histórica, então imaginei que deveria haver ali qualquer método de anotar. Que fosse o tradicional ou aquele sonhado por Vannevar Bush, em 1945, mas deveria existir algum. E ela exibiu as anotações a lápis dentro da agenda, enquanto me dizia que o computador era para uma fase mais final.

No mesmo dia, observava uma professora de Biologia escrever umas coisas sobre um evento. Anotava critérios de classificação, nomes de alunos e categorias de prêmios, com uma belíssima e arredondada letra, coisa que minha mãe ou minha avó chamariam de "letra de professora" e que desconfiei ter sido cunhada no caderno de caligrafia. Não tive coragem de perguntar. Ao contrário do que pensam por aí, muitos professores de Biologia têm boa letra e sabem desenhar muito bem, assim como professores de Física ou de Geometria. É fascinante, pelo menos como arranjo estético.

Engenheiros, por exemplo, o que são engenheiros? Solucionadores de problemas, em geral, sociais. Não são homens da racionalidade emburrecida e estereotipada. Engenheiros precisam saber se comunicar verbal e graficamente. Está nos documentos de formação da área deles. Ou seja: estamos diante de um profissional que precisa desenvolver várias competências de comunicação. Pobre sou eu que só me dediquei às pautas dos cadernos e que mal traço um desenho de menina e casinha.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/11/2009


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Questões de Direito Econômico
Ives Gandra da Silva Martins
Revista dos Tribunais
(1998)



Perdôo-te
Amália Domingos Soler
Lge
(1997)



Ensinando ginástica para crianças - 10A
Peter H. Werner
Manole
(2015)



O Caso Colombo
Máqui
Scipione
(1995)



Balzac e a Costureirinha Chinesa
Dai Sijie
Objetiva
(2000)



Pelas Ondas do Rádio
Claudia Moraes de Souza
Alameda
(2014)



Como eu era antes de você
Jojo Moyes
Intrínseca
(2013)



Armadilha da identidade
Asad Haider
Veneta
(2021)
+ frete grátis



Almanaque Jedi - Guia do Universo Star Wars Feito por Fãs para Fãs
Brian Moura e Henrique Granado
Leya
(2015)



O Carteiro e o Poeta
Antonio Skármeta
Record
(1996)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês