Passar a limpo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/11/2009
Passar a limpo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos

Embora eu quisesse muito aprender a escrever, não foi por isso que minha letra se tornou bonita. Nunca foi, mas logo no início era algo entre o ilegível e a garatuja mal-assombrada. Durante alguns meses, professores e parentes sentiram a dificuldade dos paleógrafos, ao tentar revelar escritos enigmáticos e parecidos com eletroencefalogramas intraduzíveis.

Depois de uns meses tentando me convencer de que era necessário que alguém interpretasse meus garranchos, a professora prescreveu: caderno de caligrafia. Ao que minha mãe respondeu de forma imediata, comprando uma brochura com umas pautas irregulares. Aquilo me lembrava partituras, onde também se escreve com altos e baixos, mas a ideia era "regularizar" minha letra, melhorar-lhe o desenho, a legibilidade, abrir o "olho", arredondá-la, até porque ter letra feia não pega bem para uma moça. É mole?

Atirei-me a caligrafar. Diariamente, pegava meu caderninho e saía a copiar textos e nomes de pessoas naquelas pautas assimétricas. Redondo, pezinho, altura da letra, alcançava a linha mais alta, a barriga do g, a alça do o, o corte do t, as curvas do v. Dias e dias em cima daquelas pautas. Não se podia contar a ninguém. Era um caso entre nós, segredo entre moças. Será que homens fariam caligrafia?

Depois de algum tempo, os resultados já eram óbvios. Minha letra-rabisco havia se convertido em uma letra redonda, robusta e segura. No fundo, eu não sabia o que aquilo queria dizer. A letra nos transforma? Em que medida a letra tem a ver com minha identidade? Lá estava eu exibindo minha rotunda caligrafia, armada e quase ornamental. A professora e a mãe estavam orgulhosas. Eu não ligava muito, embora soubesse que agora poderiam me ler.

Fico pensando: por que eu fazia uma letra feia e riscada? O pai médico teria alguma influência nisso? A vontade edípica de escrever as receitas dele? Ou era mesmo um modo de manter meus escritos em relativo segredo, dando muito trabalho ao leitor que quisesse, de fato, deslindar meu esfíngico traço?

Durante muitos anos, escrevi a mão. Até hoje tenho problemas com lápis. Adoro canetas, especialmente as azuis. O sonho de muitos anos foi obter a permissão dos professores para escrever a caneta, sobre pautas regulares, algo que só se fazia quase na quarta série. Nem mesmo as manchas da tinta nos dedos me incomodavam. A fluidez da esferográfica me animava muito mais do que o atrito do grafite na folha. Além disso, tenho mãos leves, que escrevem claro demais.

Operar com essas tecnologias sobre papel poroso me dava um prazer indisfarçável. Gastava cadernos de trás para frente, anotando ideias rompantes, ensaios de poemas, uns poucos desenhos (essa modalidade nunca foi meu forte), recados para quem não deveria lê-los. Agendas me acompanham até hoje e sem elas fico sem chão. Precisam ser de papel, que não dão pau e ninguém quer furtá-las. Mantive diários até a adolescência e fiz brochuras e mais brochuras de poemas.

Ao longo da produção de minhas monografias acadêmicas (bacharelado, mestrado e doutorado), mantive bloquinhos e cadernetas no criado-mudo, para quando me assaltavam aquelas ideias muito próximas da solução de meus problemas ou da resolução de meus questionamentos. Minhas hipóteses, minhas indicações de livros e autores, minhas citações preferidas ficaram todas ali. Um detetive com um lápis poderia recuperar meus trajetos intelectuais rabiscando os avessos de minhas páginas riscadas.

A máquina de escrever foi um entreposto. Depois de costurar os textos com agulhas, era como dar-lhes acabamento mais simétrico e regular com tipos presos a hastes. Duas coisas me irritavam: a fita gasta (dando aspecto irregular à cor do texto, o que hoje acho um charme) e o momento em que as hastes se enganchavam, atrasando meu "passar a limpo". Há anos não faço isso: "passar a limpo", como se fora suja a escrita a mão.

Calcular margens e separações silábicas era difícil na máquina. Se no manuscrito eu aprendera certa arquitetura das palavras na linha, sem precisar hifenizá-las com tanta frequência, essa conta me parecia mais complexa no papel branco sem pautas. Minha letra caligráfica era enorme, gastava folhas com pouco texto, meus colegas riam da minha facilidade em entregar calhamaços, já que cada pauta acomodava apenas quatro ou cinco palavras. A máquina me trouxe alguma concisão e o gosto de ver a página composta.

A máquina era o acabamento. Anotado o texto e feito o recheio, era necessário ver o texto composto, margeado, emoldurado e sólido. Dava gosto. Ainda dá. Não é à-toa que escrever no computador tem um gosto que só quem gosta de publicação entende o que é.

Dia desses conversava com uma escritora de verdade, dessas premiadas. Fazia um serviço para ela e, de repente, me deu vontade de saber: "como você escreve? Anota primeiro ou vai direto?". A curiosidade me veio porque a vi batucar um notebook importado, enquanto consultava uma agendinha surrada de papel. Que cena linda. O livro dela dependera de muita pesquisa histórica, então imaginei que deveria haver ali qualquer método de anotar. Que fosse o tradicional ou aquele sonhado por Vannevar Bush, em 1945, mas deveria existir algum. E ela exibiu as anotações a lápis dentro da agenda, enquanto me dizia que o computador era para uma fase mais final.

No mesmo dia, observava uma professora de Biologia escrever umas coisas sobre um evento. Anotava critérios de classificação, nomes de alunos e categorias de prêmios, com uma belíssima e arredondada letra, coisa que minha mãe ou minha avó chamariam de "letra de professora" e que desconfiei ter sido cunhada no caderno de caligrafia. Não tive coragem de perguntar. Ao contrário do que pensam por aí, muitos professores de Biologia têm boa letra e sabem desenhar muito bem, assim como professores de Física ou de Geometria. É fascinante, pelo menos como arranjo estético.

Engenheiros, por exemplo, o que são engenheiros? Solucionadores de problemas, em geral, sociais. Não são homens da racionalidade emburrecida e estereotipada. Engenheiros precisam saber se comunicar verbal e graficamente. Está nos documentos de formação da área deles. Ou seja: estamos diante de um profissional que precisa desenvolver várias competências de comunicação. Pobre sou eu que só me dediquei às pautas dos cadernos e que mal traço um desenho de menina e casinha.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THÉRAPEUTIQUE DES CLINIQUES DE LA FACULTÉ DE PARIS
M. LAIGNEL LAVASTINE I
SOCIÉTÉ D ÉDITIONS SCIENTI
(1913)
R$ 70,03



HORÓSCOPO CHINÊS
ADRIANA ANDRADE
CAMINHOS DA HARMONIA
(2007)
R$ 7,90



MARCO E APOLO
CRISTINA PORTO E WALTER ONO
FTD
(1999)
R$ 5,00



SOCIOLOGIA DO DIREITO:FENOMENO JURIDICO COMO FATO SOCIAL
F. A. DE MIRANDA ROSA
J. ZAHAR
(2001)
R$ 40,00



PHYSIOLOGY OF THE VESTIBULAR ANALYZER
V. V. PARIN YEMEL YANOV
NASA TECHNICAL
(1970)
R$ 38,50



ELIAS À NEW YORK
REZA BARAHENI
Ï¿½DITIONS)
(2004)
R$ 57,28



VASCO- MEMÓRIAS DE UM PRECURSOR DA GLOBALIZAÇÃO
CLAUDIO LACHINI
BARCAROLLA
(2009)
R$ 6,00



O HOMEM DA MASCARA BRANCA
ROBERT WARD
RECORD
(1978)
R$ 6,00



A REVOLUÇÃO PSICANALÍTICA
MARTHE ROBERT
MORAES (LISBOA)
(1968)
R$ 26,28



TERRA NEGRA: UMA VIAGEM PELA RÚSSIA PÓS COMUNISTA
ANDREW MEIER
GLOBO
(2005)
R$ 18,90





busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês