Contos Gauchescos chega ao cinema | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/11/2012
Contos Gauchescos chega ao cinema
Marcelo Spalding

+ de 3700 Acessos

Já escrevi aqui no Digestivo sobre o centenário de Contos Gauchescos, mas volto ao tema porque foi lançado neste mês em alguns cinemas aqui do Rio Grande do Sul, ainda em comemoração aos 100 anos de lançamento da obra, o filme Contos Gauchescos, com direção de Henrique de Freitas Lima.

O filme traz cinco episódios com cerca de 25 minutos cada um (quando reunidos, chegam a 1 hora e 40 minutos, tempo ideal para exibição em cinemas). O primeiro desses episódios é um documentário sobre Simões Lopes Neto, e os demais são versões cinematográficas para os contos O cabelo da china, O jogo do osso, Contrabandista e No manantial.


Clipe do filme


O que de imediato impressiona o espectador, em especial se gaúcho ou gaudério, é a beleza das fotografias e a meticulosa reconstituição dos cenários e figurinos de época. Edu Amorim, o diretor de fotografia, valoriza o vasto pampa gaúcho com planos abertos que harmonizam na tela o azul do céu e o verde do pampa, cenário invariavelmente rasgado por belos cavalos e cavaleiros. O diretor de cena Pedro Zimmermann, por sua vez, trabalha com poucos cenários fechados para cada história, mas reconstrói esses cenários em detalhes que ajudam a resgatar o tempo representado pelas palavras de Simões.

Essa riqueza da ambientação revela, inclusive, uma parte do conto que só tínhamos em uma região incerta de nossa imaginação, surpreendendo, por vezes, o espectador que seja também leitor de Simões. Ocorre que a linguagem do cinema requer, por óbvio, a imagem, algo que nem a linguagem literária utilizada por Simões e nem a oralidade de Blau Nunes, por sua vez representada por Simões, priorizam, já que na oralidade, apesar de não haver o texto escrito, materializado, a narrativa se faz apenas de palavras, entonações, gestos, cabendo ao ouvinte criar em seu imaginário os rostos, cenários, expressões.

Por essa perspectiva, qualquer versão cinematográfica de uma obra literária é uma leitura possível da obra, jamais definitiva. A literatura comparada tem trabalho com a ideia de que toda adaptação é uma espécie de tradução, valendo-se do significado do termo em latim traducere, que significa “levar além”.

O risco de uma análise subjetiva como essa, portanto, é analisarmos uma obra cinematográfica pela leitura que fizemos da obra literária, considerando esse ou aquele personagem mais ou menos “fiel” ao texto.

Ainda assim, podemos afirmar que o leitor de Simões Lopes Neto se sentirá “vendo o texto”, pois Henrique de Freitas Lima procura manter seu roteiro apoiado no texto de Simões, algo que talvez seja possível pela própria estética do autor, que antes desse clássico foi um profícuo autor de peças teatrais. Assim, o encadeamento das cenas, a visibilidade das histórias já está no texto e o diretor soube levá-las à cena, preservando aspectos estruturais como a narratividade, a linguagem e o ponto de vista narrativo.

Do ponto de vista narrativo, a escolha de manter o foco narrativo do texto de Simões nas cenas capitais, mesmo que por vezes não tal foco fosse o mais comum para o cinema, também acrescenta muito ao filme. Vale citar, como exemplo, a cena em que a família toda de Jango Jorge observa sua chegada na estância, depois de muito atraso. Na cena anterior, Jango percebe o cerco dos castelhanos e o perigo iminente, partindo em disparada com seus amigos. Aí há um corte e vemos a família de Jango olhando para o horizonte, feliz com a chegada do homem. E a câmera permanece acompanhando os olhares daquela gente que, à medida que vê o cavalo se aproximando com Jango caído sobre ele, se desespera com o prenúncio da tragédia.

Tal inversão de foco narrativo traz um ganho de sutileza ao conto porque, assim como ocorre no conto, transforma o clímax não no tiro levado pelo herói, mas no desespero causado na família. Até porque as histórias de Simões não são histórias de guerras, tiros e assassinatos, são histórias de amor, ciúme, medo e desespero. Como os clássicos de todos os tempos e gentes. Como Shakespeare, Goethe, Machado.

Além disso, o narrador conduzindo os contos com seu linguajar peculiar, por vezes surgindo em background no meio da história, as tomadas longas e por vezes acompanhadas apenas da música ou do som ambiente e a precisão dos diálogos também ajudam a manter os contos próximos de uma estética simoneana.

A maior crítica, se cabe fazer alguma, é exatamente à ausência de tantos contos representativos do livro, em especial Trezentas Onças e talvez, em tempos ecológicos, O Boi Velho. Não que as histórias escolhidas não sejam importantes, mas as quatro têm em comum a tristeza, a morte, o desfecho trágico, passando para quem tem ali o primeiro contato com Simões que essa é a tônica de seus contos. Trezentas Onças, por exemplo, que inclusive inicia o livro, apresenta Blau com uma história comezinha, quase um chiste, culminando naquele ingênuo final feliz que abre caminho para as tragédias seguintes.

É evidente, porém, que era preciso fazer escolhas para levar a cabo um projeto tão audacioso como a filmagem de Contos Gauchescos, e o saldo é largamente positivo pela seriedade e qualidade do trabalho. Verdade que agora muitos e muitos alunos conhecerão Simões pelas telas. E alguns talvez o conheçam apenas pelas telas.

De nossa parte, ver uma obra centenária transformada em uma longa-metragem deve ser motivo de saudação tanto por revelar o renovado interesse pela obra quanto por demonstrar o vigor da produção cinematográfica gaúcha, gênero que produzirá as obras que serão motivos de efemérides movimentadas daqui a cem anos.



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 30/11/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
02. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
03. As manifestações sobre o transporte público em SP de André Simões
04. A Jornada de Literatura de Passo Fundo de Marcelo Spalding
05. A memória vegetal de Gian Danton


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2012
01. Figuras de linguagem e a escrita criativa - 21/12/2012
02. Capacidade de expressão X capacidade linguística - 30/3/2012
03. O centenário de Contos Gauchescos - 17/2/2012
04. Literatura, Interação e Interatividade - 24/8/2012
05. 3 dicas para a escrita criativa - 12/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês