Pergunte às tartarugas | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
>>> O fim da revista Bravo!
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS

Sexta-feira, 14/3/2008
Pergunte às tartarugas
Tais Laporta

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não é sem motivo que o Irã é tão prestigiado nos festivais internacionais de cinema. O país chega a produzir uma média de 70 filmes por ano e está entre os 12 maiores produtores de películas do mundo. É presença quase obrigatória em Cannes, Berlim e Veneza, embora o que chegue por lá seja uma seleção de filmes mais "artísticos", que representam apenas 20% do bolo cinematográfico iraniano. Os outros 80% seguem o padrão Hollywood.

Mas os números acima não explicam, sozinhos, como um país que está no centro dos conflitos que afligem o Oriente Médio é capaz de chamar a atenção para cenários quase sempre distantes da realidade ocidental. Há um crescente interesse pelo trabalho dos diretores iranianos (entre eles Abbas Kiarostami e Mohsen Makhmalbaf), talvez porque eles consigam injetar no circuito comercial filmes produzidos a custos relativamente baixos e, ainda assim, premiadíssimos.

A razão para tantos aplausos pode estar não apenas no choque ocidente/oriente, um chamariz natural. Ainda mais depois dos atentados de 11 de setembro, quando a atenção mundial se voltou para o Oriente, questionando sua cultura, farejando o Islã e associando, erroneamente, a religião muçulmana ao anti-semitismo. Se o atrativo dos filmes iranianos fosse somente o "diferente" ou a temática de guerra, os noticiários já bastariam para saciar essa curiosidade, haja vista a cobertura constante da mídia sobre os conflitos na região.

O que faz o Irã orgulhar-se de seus filmes como produtos de exportação ― ao lado do petróleo e de tapetes suntuosos ― são ingredientes difíceis de copiar, presentes talvez no filme Tartarugas podem voar (Lakposhtha Hâm Parvaz Mikonand, 2004), do curdo-iraniano Bahman Ghobadi, já disponível em DVD. O terceiro longa-metragem do diretor, produzido em parceria com o Iraque, mostra um campo de refugiados curdos, na fronteira entre Irã e Turquia, poucos dias antes da invasão norte-americana ao país de Saddam Hussein. Lá vivem idosos e crianças, entre cabanas e destroços de guerra, cujos parentes foram assassinados pelo regime do ditador iraquiano.

Isolados pela vastidão do território, os refugiados aguardam ansiosos por notícias sobre a possível guerra no país, na esperança de serem libertados da opressão do regime. O único contato com o mundo exterior são as antenas de TV, usadas para sintonizar as notícias internacionais. E quem instala esses equipamentos é um engenhoso menino de 13 anos, apelidado de Satélite (Soran Ebrahim), que ganha respeito e poder entre os curdos ao adquirir uma antena no mercado-negro da região ― a Santa Ifigênia de lá.

Movidos por uma ingenuidade sem tamanho, os habitantes pensam que terão acesso a alguma informação privilegiada sobre a invasão dos EUA no Iraque. A começar, a incompreensão da língua inglesa os impede de entender os noticiários, restritos a palavras indecifráveis e à imagem de um homem chamado George W. Bush. Eles mal sabem o que significa a palavra EUA, o que demonstra um total isolamento e desamparo frente à própria realidade.

Satélite lidera um grupo de crianças mutiladas por minas terrestres, muitas delas sem pernas e braços, e quase todas órfãs de pai e mãe. Elas trabalham para desarmar minas escondidas e vendê-las a comerciantes em troca da sobrevivência. Brincam entre destroços de armas e velhos tanques de guerra. Um zoom mais profundo em três crianças que chegam ao vilarejo ― a garota Agrin (Avaz Latif), de 14 anos, seu irmão sem braços e um bebê cego ― é suficiente para mostrar um passado trágico.

O interessante é que Bahman Ghobadi documenta uma realidade dolorosa com olhos imparciais, colocando atrás da ficção um relato jornalístico, sem perder o tom poético e a tensão típicos de filmes iranianos. Antes de se dirigir como uma crítica política ou social, o filme tem elementos que denunciam, por si só, a situação das minorias étnicas perseguidas no Iraque. Os curdos nunca encontraram seu chão no mundo. São 36 milhões de pessoas espalhadas em países nada receptivos, entre os quais Irã, Iraque, Turquia, Armênia e Síria. O campo de refugiados no filme é uma ínfima parcela desse contingente.

Por terem sido quase dizimados por Saddam, os curdos viam a chegada dos americanos como uma possível salvação. Quando os primeiros aviões se aproximam do refúgio, a população é surpreendida por uma chuva de papéis, cuja mensagem disfarça a dureza de uma guerra. "Dias melhores virão. É o fim da miséria, do infortúnio e da pobreza. Nós somos os seus melhores amigos e irmãos. Os que estão contra nós são nossos inimigos. Faremos deste país um paraíso", anunciam os EUA.

O que se segue à mensagem de paz é um cenário de terror que os filmes ocidentais, por mais que invistam em efeitos especiais, jamais serão capazes de reproduzir. Talvez porque Tartarugas podem voar não se cubra de maquiagens e consiga passar bem longe de um suspense caricato ou forçoso. É um filme com alta carga dramática, capaz de dispensar qualquer artificialidade. Não por acaso venceu o Hugo de Prata na Mostra Internacional de Chicago e levou o prêmio da audiência na Mostra Internacional de São Paulo.

Cinema e jornalismo
A cobertura da guerra no Iraque (e de outros conflitos no Oriente Médio) é fria e habitual, a ponto de não provocar mais reação. Mortes e explosões cansam a vista. Nesse contexto, talvez pelas lentes do cinema iraniano esteja a visão menos distorcida de uma guerra, sob a ótica de quem menos a compreende. É naquilo que o jornalismo se mostra impotente, que filmes como Tartarugas podem voar tiram o espectador da indiferença.


Tais Laporta
São Paulo, 14/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
03. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
04. O que aprender com Ian McEwan - 4/1/2008
05. Qual é O Segredo? - 18/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2008
14h39min
gostei da matéria, realmente muito boa!!
[Leia outros Comentários de marcelo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL FANTASMA PROVECHOSO Y OTROS CUENTOS (EM ESPANHOL) LITERATURA INGLESA)
DANIEL DEFOE
COLIHUE
(2004)
R$ 5,00



CADERNOS DO CHDD - ANO 6 - Nº 10 - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
CHDD
(2007)
R$ 8,00



LA GUERRA CIVIL ESPAÑOLA 2
HUGH THOMAS
GRIJALBO
(1978)
R$ 31,16



TEX Nº 255 - ARMADILHA MORTÍFERA
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1991)
R$ 5,67



ALEGRIA E TRIUNFO
LOURENÇO PRADO
O PENSAMENTO
R$ 7,00



PORCA MEMÓRIA - RECORDAÇÕES GASTRONÔMICAS DE UM PAR DE SUÍNOS
HASIER ETXBERRIA & DAVID DE JORGE
SENAC
(2008)
R$ 10,00



TRAPEZUNGA - UMA FÁBULA DA ABOLIÇÃO
CHICO ALENCAR
MODERNA
(1995)
R$ 12,00



HISTÓRIA DA IGREJA
D. GRANDI / A. GALLI
PAULISTAS
(1964)
R$ 34,00



PROCESSO PENAL - PARTE GERAL
ALEXANDRE CEBRIAN A. REIS / VICTOR E. RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(1999)
R$ 9,00



OS FILHOTES
MARIO VARGAS LLOSA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 15,00





busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês