Pergunte às tartarugas | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
38609 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
Blogueiros
Mais Recentes
>>> LONDON LONDRES
>>> Lembrando a Tribo
>>> A grama do vizinho
>>> Um raio-x da violência
>>> Sobre o som e a fúria
>>> Comic Riffs
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Meu assassino
>>> Circo Roda Brasil
>>> Música do acaso
Mais Recentes
>>> To The Lighthouse de Virgina Woolf pela Wordsworth Classics (2002)
>>> La Jeune Fille À La Perle de Tracy Chevalier pela Folio (2014)
>>> Le Petit Nicolas de Sempé-Goscinny pela Folio (2012)
>>> The Rise of The Islamic State de Patrick Cockburn pela Verso (2015)
>>> The Wonderful Wizard of Oz de L. Frank Baum pela Barnes & Noble (2005)
>>> Gaudy Night de Dorothy L. Sayers pela Bourbon St Books (2012)
>>> The Murder of Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Harper (2002)
>>> Dicionário de Sonhos de Zolar pela Nova Era (2009)
>>> PODEROSA - Diário de Uma Garota que Tinha O Mundo Na Mão de Sérgio Klein pela Fundamento (2006)
>>> Um Plano Simples de Scott Smith pela Companhia das Letras (1993)
>>> Ruth Rocha Conta a Odisséia de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2006)
>>> Ruth Rocha Conta a Ilíada de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2007)
>>> As Aventuras do Barão de Munchausen de Rudolf Erich Raspe pela Iluminuras (2010)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> Mídia - Propaganda Política e Manipulação de Noam Chomsky pela Martins Fontes (2013)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2001)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2004)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> As Brumas de Avalon 4 - O Prisioneiro da Árvore de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 3 - O Gamo-Rei de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 2 - A Grande Rainha de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 1 - A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Política Para Não Ser Idiota de Mario Sergio Cortella, R. Janine Ribeiro pela Papirus (2007)
>>> Penelope de Marilyn Kaye pela Galera Record (2008)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela BestBolso (2010)
>>> Eu Sou Malala de Malala Yousafzai pela Companhia das Letras (2013)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2010)
>>> Histórias Brasileiras de Verão de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2002)
>>> Minhas Memórias de Lobato de Luciana Sandroni pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Diários do Vampiro - O Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2012)
>>> Diários do Vampiro - O Despertar de L. J. Smith pela Galera Record (2009)
>>> Minha Luta 1 - A Morte do Pai de Karl Ove Knausgaard pela Relógio D'Água (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2006)
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2005)
>>> As Mil e Uma Noites (Adaptação) de Julieta de Godoy Ladeira pela Scipione (2000)
>>> A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken de Jostein Gaarder & Klaus Hagerup pela Companhia das Letras (2003)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (2007)
>>> Til de José de Alencar pela Martin Claret (2012)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Iracema de José de Alencar pela Árica (2009)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2005)
>>> Segredos da Minha Vida em Hollywood de Jen Calonita pela Galera Record (2007)
>>> O Apanhador no Campo de Centeio de J. D. Salinger pela Editora do Autor
>>> Ilusões Perdidas de Honoré Balzac pela Companhia das Letras (2002)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2005)
>>> O Mistério das Bolas de Gude de Gilberto Dimenstein pela Papirus (2006)
>>> Pietr, O Letão de Georges Simenon pela Companhia das Letras (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/3/2008
Pergunte às tartarugas
Tais Laporta

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não é sem motivo que o Irã é tão prestigiado nos festivais internacionais de cinema. O país chega a produzir uma média de 70 filmes por ano e está entre os 12 maiores produtores de películas do mundo. É presença quase obrigatória em Cannes, Berlim e Veneza, embora o que chegue por lá seja uma seleção de filmes mais "artísticos", que representam apenas 20% do bolo cinematográfico iraniano. Os outros 80% seguem o padrão Hollywood.

Mas os números acima não explicam, sozinhos, como um país que está no centro dos conflitos que afligem o Oriente Médio é capaz de chamar a atenção para cenários quase sempre distantes da realidade ocidental. Há um crescente interesse pelo trabalho dos diretores iranianos (entre eles Abbas Kiarostami e Mohsen Makhmalbaf), talvez porque eles consigam injetar no circuito comercial filmes produzidos a custos relativamente baixos e, ainda assim, premiadíssimos.

A razão para tantos aplausos pode estar não apenas no choque ocidente/oriente, um chamariz natural. Ainda mais depois dos atentados de 11 de setembro, quando a atenção mundial se voltou para o Oriente, questionando sua cultura, farejando o Islã e associando, erroneamente, a religião muçulmana ao anti-semitismo. Se o atrativo dos filmes iranianos fosse somente o "diferente" ou a temática de guerra, os noticiários já bastariam para saciar essa curiosidade, haja vista a cobertura constante da mídia sobre os conflitos na região.

O que faz o Irã orgulhar-se de seus filmes como produtos de exportação ― ao lado do petróleo e de tapetes suntuosos ― são ingredientes difíceis de copiar, presentes talvez no filme Tartarugas podem voar (Lakposhtha Hâm Parvaz Mikonand, 2004), do curdo-iraniano Bahman Ghobadi, já disponível em DVD. O terceiro longa-metragem do diretor, produzido em parceria com o Iraque, mostra um campo de refugiados curdos, na fronteira entre Irã e Turquia, poucos dias antes da invasão norte-americana ao país de Saddam Hussein. Lá vivem idosos e crianças, entre cabanas e destroços de guerra, cujos parentes foram assassinados pelo regime do ditador iraquiano.

Isolados pela vastidão do território, os refugiados aguardam ansiosos por notícias sobre a possível guerra no país, na esperança de serem libertados da opressão do regime. O único contato com o mundo exterior são as antenas de TV, usadas para sintonizar as notícias internacionais. E quem instala esses equipamentos é um engenhoso menino de 13 anos, apelidado de Satélite (Soran Ebrahim), que ganha respeito e poder entre os curdos ao adquirir uma antena no mercado-negro da região ― a Santa Ifigênia de lá.

Movidos por uma ingenuidade sem tamanho, os habitantes pensam que terão acesso a alguma informação privilegiada sobre a invasão dos EUA no Iraque. A começar, a incompreensão da língua inglesa os impede de entender os noticiários, restritos a palavras indecifráveis e à imagem de um homem chamado George W. Bush. Eles mal sabem o que significa a palavra EUA, o que demonstra um total isolamento e desamparo frente à própria realidade.

Satélite lidera um grupo de crianças mutiladas por minas terrestres, muitas delas sem pernas e braços, e quase todas órfãs de pai e mãe. Elas trabalham para desarmar minas escondidas e vendê-las a comerciantes em troca da sobrevivência. Brincam entre destroços de armas e velhos tanques de guerra. Um zoom mais profundo em três crianças que chegam ao vilarejo ― a garota Agrin (Avaz Latif), de 14 anos, seu irmão sem braços e um bebê cego ― é suficiente para mostrar um passado trágico.

O interessante é que Bahman Ghobadi documenta uma realidade dolorosa com olhos imparciais, colocando atrás da ficção um relato jornalístico, sem perder o tom poético e a tensão típicos de filmes iranianos. Antes de se dirigir como uma crítica política ou social, o filme tem elementos que denunciam, por si só, a situação das minorias étnicas perseguidas no Iraque. Os curdos nunca encontraram seu chão no mundo. São 36 milhões de pessoas espalhadas em países nada receptivos, entre os quais Irã, Iraque, Turquia, Armênia e Síria. O campo de refugiados no filme é uma ínfima parcela desse contingente.

Por terem sido quase dizimados por Saddam, os curdos viam a chegada dos americanos como uma possível salvação. Quando os primeiros aviões se aproximam do refúgio, a população é surpreendida por uma chuva de papéis, cuja mensagem disfarça a dureza de uma guerra. "Dias melhores virão. É o fim da miséria, do infortúnio e da pobreza. Nós somos os seus melhores amigos e irmãos. Os que estão contra nós são nossos inimigos. Faremos deste país um paraíso", anunciam os EUA.

O que se segue à mensagem de paz é um cenário de terror que os filmes ocidentais, por mais que invistam em efeitos especiais, jamais serão capazes de reproduzir. Talvez porque Tartarugas podem voar não se cubra de maquiagens e consiga passar bem longe de um suspense caricato ou forçoso. É um filme com alta carga dramática, capaz de dispensar qualquer artificialidade. Não por acaso venceu o Hugo de Prata na Mostra Internacional de Chicago e levou o prêmio da audiência na Mostra Internacional de São Paulo.

Cinema e jornalismo
A cobertura da guerra no Iraque (e de outros conflitos no Oriente Médio) é fria e habitual, a ponto de não provocar mais reação. Mortes e explosões cansam a vista. Nesse contexto, talvez pelas lentes do cinema iraniano esteja a visão menos distorcida de uma guerra, sob a ótica de quem menos a compreende. É naquilo que o jornalismo se mostra impotente, que filmes como Tartarugas podem voar tiram o espectador da indiferença.


Tais Laporta
São Paulo, 14/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
02. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
03. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait
04. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry
05. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
04. O que aprender com Ian McEwan - 4/1/2008
05. Qual é O Segredo? - 18/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/3/2008
14h39min
gostei da matéria, realmente muito boa!!
[Leia outros Comentários de marcelo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MONOPÓLIO DO CRIME: OS ESTRANHOS LAPSOS DE LARRY LOMAN
EDGAR WALLACE
FRANCISCO ALVES
(1993)
R$ 21,28



SCENE DESIGN - A GUIDE TO THE STAGE (EM INGLÊS) - TEATRO - CENOGRAFIA
HENNING NELMS
DOVER PUBLICATIONS, INC. NEW YORK
(1970)
R$ 50,00



AMOR ALÉM DA VIDA
RICHARD MATHESON
BUTTERFLY
(2018)
R$ 13,00



EXPLICANDO A ARTE BRASILEIRA
LUCÍLIA GARCEZ & JÔ OLIVEIRA
EDIOURO
(2003)
R$ 20,00



VIVENDO O EVANGELHO - 2 VOLUMES
ANTONIO BADUY FILHO, ANDRE LUIZ
IDE
(2010)
R$ 50,00



O CAÇADOR DE PIPAS
KHALED HOSSEINI
NOVA FRONTEIRA
(2003)
R$ 10,00



A LEITURA DO JORNAL NA SALA DE AULA: DIALOGISMO E ALTERIDADE
EDILAINE VIEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O CRIME DO PADRE SÓRIO: MAÇONARIA E IGREJA CATÓLICA NO RIO GRANDE DO
LUIZ EUGÊNIO VÉSCIO
UFSM
(2001)
R$ 22,90



A ROUPA E A MODA (UMA HISTÓRIA CONCISA)
JAMES LAVER
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 45,00



DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO: FUNDAMENTO À PRÁTICA NO ENSINO RELIGIOSO
RUDINEI LASCH
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00





busca | avançada
38609 visitas/dia
1,1 milhão/mês