O dizer e o fazer em política | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2008

Quarta-feira, 1/10/2008
O dizer e o fazer em política
Luiz Rebinski Junior

+ de 2600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em um de seus já famosos discursos improvisados, em 2006, o presidente Lula disse que, se uma pessoa muito idosa ainda é de esquerda, é porque tem algum tipo de problema. Segundo o presidente, "a evolução da espécie" em política, não está nem na esquerda nem na direita, caminha para o centro. A frase, como quase tudo que Lula diz, teve muita repercussão e despertou a ira de comunistas históricos, que se sentiram ofendidos pelo fato do presidente associar falta de maturidade à ideologia socialista. Até Oscar Niemeyer se manifestou, fazendo questão de enfatizar sua fé no comunismo depois de ― naquela época ― quase um século de vida.

A frase pode ser interpretada como apenas mais uma fanfarronice do presidente, mas também é possível encontrar nela algum sentido quando se passa em revista o currículo de alguns nomes que hoje dão as cartas na política nacional. A começar pelo próprio Lula ― que quando soltou a frase polêmica explicava que nos anos 1970 criticava o então ministro da economia Delfim Netto e, após assumir o governo, mudou de opinião ―, sua postura radical dos primeiros anos de política em nada lembra o líder comedido de hoje. Do visual desgrenhado da eleição de 1989 sobrou pouca coisa, para não dizer nada. Assim como seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso, que, ao final do mandato, também não era o mesmo de quando escreveu Dependência e desenvolvimento na América Latina, seu livro mais importante, escrito a quatro mãos com o chileno Enzo Faletto em 1969. O "esqueçam o que escrevi", supostamente dito por FHC em 1993 (ele nega veemente até hoje que tenha dito a frase), quando ainda nem era presidente, ajuda a explicar o fosso que separa a retórica política das ações práticas de um governante. Líderes que ascenderam à presidência movidos por um sentimento de mudança e depois se mostraram aquém da esperança neles depositada não são poucos. A América Latina é pródiga em exemplos desse tipo. Incentivados pela vitoriosa Revolução Cubana em 1959, movimentos políticos em todo o continente floresceram à sombra do êxito dos barbudos que destronaram Fulgencio Batista e implantaram o socialismo em Cuba. Trinta anos depois de uma revolução parecida com a cubana, quando o ditador Anastásio Somoza foi derrubado, em 1979, a Nicarágua vê hoje um dos heróis do levante sandinista sucumbir às mesmas armadilhas políticas que os ditadores que dominaram o país em boa parte do século XX. Líder da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), Daniel Ortega voltou ao poder depois de deixar o cargo em 1990. Na presidência desde 2006, Ortega é hoje acusado de sufocar qualquer tipo de oposição a seu governo, exatamente como os caudilhos da família Somoza que ele e outros líderes da FSLN tanto combateram. Outros exemplos em diferentes continentes não faltam. O Zimbábue é hoje um país arrasado, com uma hiperinflação estratosférica, que não consegue se livrar de um ditador que está no poder há 30 anos. Robert Mugabe, presidente do país, chegou ao poder com a missão de acabar com a desigualdade imposta pelos colonizadores britânicos, mas só conseguiu alimentar o caos com um discurso socialista tacanho e atrasado.

Os fracassos de governos apontados como "salvadores" trazem consigo, sempre, um sentimento de desesperança frente a possibilidades de mudança que nunca se confirmam. No Brasil este sentimento de decepção veio à tona não faz muito tempo, quando o último baluarte da ética, o PT, se juntou aos demais partidos na vala comum da corrupção, após os incidentes do mensalão.

E é exatamente este sentimento de desconfiança que vem à tona sempre que uma nova eleição se aproxima. E o descompasso de discursos pouco articulados com a realidade só aumenta o receio dos eleitores, que no fundo têm a certeza de que muito pouco do que é dito antes das eleições se confirmará mais tarde. Isso porque, hoje, não é possível nem mesmo saber o grau de conhecimento que os postulantes a cargos públicos têm dos problemas mais imediatos da população. O horário político obrigatório, na televisão e no rádio, é um show de horrores, em que até mesmo os mais capacitados candidatos parecem se igualar àqueles que só estão atrás das benesses que o Estado proporciona a quem deveria servir a população ― talvez o temor de ser ridicularizado explique por que as pessoas mais capacitadas estão fora da política, optando por carreiras na iniciativa privada. Isso dificulta a decisão daqueles que só têm a televisão e o rádio como meio de comunicação. Como votar em um vereador que resume, em uma frase, a sua linha de ação nos próximos quatro anos? É pouco inteligente pensar que a população não percebe que tudo faz parte de um jogo mal elaborado, em que a democracia é escamoteada por um teatro com atores de segunda linha. Nem mesmo as campanhas para cargos majoritários fogem da falta de clareza de idéias. Os debates, apinhados de nanicos que só querem fazer figura para depois barganhar cargos em estatais, servem para pouco, também. Persiste, assim, a impressão de que não há um candidato com projeto de governo amplo, que dê cabo às principais carências da sociedade. O que se ouve são números esparsos, soprados por assessores, que não respondem como e de que forma solucionarão as demandas da população.

Quase que uma loteria, a vitória em uma eleição é uma forma de arrumar a vida, ter um emprego fixo e estável, regalias, bom salário e comodidade. O paraíso na terra. Não importa se o vereador não tem o mínimo de conhecimento da cidade, não tem formação adequada e, o que é muito comum, nem desconfia de qual seja o papel da vereança no município. Política virou profissão. Uma pessoa deveria estar vereador, prefeito ou deputado, e não ser vereador, prefeito ou deputado. Mas o objetivo é sempre a perpetuação. Se possível, entre gerações.

Mas deve haver, sempre, uma maneira de romper com esse esquema nebuloso e viciado que virou o sistema político. O conformismo, certamente, é a pior das escolhas. A resignação é uma solução triste, ou melhor, uma não-solução. A manifestação e a informação, ainda que soem ingênuas e românticas hoje em dia, são as únicas vias que apontam alguma chance contra a barbárie e a ignorância que se impõe no andar de cima da sociedade. Só assim os discursos não serão esquecidos e as promessas lembradas, dificultando a mudança de postura de quem se comprometeu em fazer diferente.

Voto não deveria ser obrigatório, mas todos deveriam votar. Isso porque política é algo que vai muito além do ato de votar. Política faz parte da vida cotidiana, está em qualquer ação do indivíduo. Manter a fé na política ― não necessariamente nos políticos ― é querer fazer da rua, do bairro, da cidade e do país onde moramos um lugar mais decente e justo.

Mas para que isso aconteça, além da urgente reforma política que o país necessita, é preciso informação acessível a todos, o que depende, lógico, de ações políticas coerentes e sérias. Só assim a democracia, o mais perfeito dos imperfeitos modelos, terá alguma chance de êxito.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 1/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Eleições 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/10/2008
10h49min
Parabéns, Luiz Rebinski!, pelo excelente texto. Você trabalhou com precisão e concisão um tema urgente do nosso tempo; trata-se de um texto informativo e educativo! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA DA ENERGIA: FUNDAMENTOS ECONÔMICOS, EVOLUÇÃO HISTÓRICA E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL
HELDER QUEIROZ PINTO JUNIOR (ORG.), EDMAR FAGUNDES DE ALMEIDA, JOSÉ VITOR BOMTEMPO, MARIANA IOOTTY, RONALDO GOULART BICALHO
CAMPUS / ELSEVIER
(2007)
R$ 40,00



PRIMEIRA ANTOLOGIA DA ORDEM DOS VELHOS JORNALISTAS
ANTONIO CARLOS TORTORO; E OUTROS
OUTROS
(2005)
R$ 5,00



PRÁTICA DIREITO DE FAMÍLIA E REGISTRO CIVIL DA PESSOA NATURAL
OZÉIAS J SANTOS
VALE DO MOGI
(2008)
R$ 200,00



PRINCIPE PEDRO E O URSINHO
MCKEE, DAVID
MARTINS
R$ 37,40



VIDA AMOR RISO
OSHO
GENTE
R$ 12,00



A HORA DAS SOMBRAS
LUIZ ANTONIO AGUIAR
ATUAL
(1995)
R$ 18,00



A VOZ DO MERCADO
VINCENT P. BARBOSA / GERALD ZALTMAN
MAKRON BOOKS / HBS PRESS
(1992)
R$ 10,00



MINHAS GALERIAS E MEUS PINTORES - 3994
DANIEL_HENRY KAHNWEILER / FRANCIS CRÉMIEUX
L&PM
(1989)
R$ 10,00



MANUEL DE PHYSIOLOGIE 2 VOLS 1 E 2
J. MUELLER
CHEZ J B BAILLIÉRE
(1851)
R$ 337,00



VISUALIZING PROJECT MANAGEMENT
KEVIN FORSBERG, HAL MOOZ, HOWARD COTTERMAN
WILEY
(2000)
R$ 60,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês