O dizer e o fazer em política | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS >>> Especial Eleições 2008

Quarta-feira, 1/10/2008
O dizer e o fazer em política
Luiz Rebinski Junior

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em um de seus já famosos discursos improvisados, em 2006, o presidente Lula disse que, se uma pessoa muito idosa ainda é de esquerda, é porque tem algum tipo de problema. Segundo o presidente, "a evolução da espécie" em política, não está nem na esquerda nem na direita, caminha para o centro. A frase, como quase tudo que Lula diz, teve muita repercussão e despertou a ira de comunistas históricos, que se sentiram ofendidos pelo fato do presidente associar falta de maturidade à ideologia socialista. Até Oscar Niemeyer se manifestou, fazendo questão de enfatizar sua fé no comunismo depois de ― naquela época ― quase um século de vida.

A frase pode ser interpretada como apenas mais uma fanfarronice do presidente, mas também é possível encontrar nela algum sentido quando se passa em revista o currículo de alguns nomes que hoje dão as cartas na política nacional. A começar pelo próprio Lula ― que quando soltou a frase polêmica explicava que nos anos 1970 criticava o então ministro da economia Delfim Netto e, após assumir o governo, mudou de opinião ―, sua postura radical dos primeiros anos de política em nada lembra o líder comedido de hoje. Do visual desgrenhado da eleição de 1989 sobrou pouca coisa, para não dizer nada. Assim como seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso, que, ao final do mandato, também não era o mesmo de quando escreveu Dependência e desenvolvimento na América Latina, seu livro mais importante, escrito a quatro mãos com o chileno Enzo Faletto em 1969. O "esqueçam o que escrevi", supostamente dito por FHC em 1993 (ele nega veemente até hoje que tenha dito a frase), quando ainda nem era presidente, ajuda a explicar o fosso que separa a retórica política das ações práticas de um governante. Líderes que ascenderam à presidência movidos por um sentimento de mudança e depois se mostraram aquém da esperança neles depositada não são poucos. A América Latina é pródiga em exemplos desse tipo. Incentivados pela vitoriosa Revolução Cubana em 1959, movimentos políticos em todo o continente floresceram à sombra do êxito dos barbudos que destronaram Fulgencio Batista e implantaram o socialismo em Cuba. Trinta anos depois de uma revolução parecida com a cubana, quando o ditador Anastásio Somoza foi derrubado, em 1979, a Nicarágua vê hoje um dos heróis do levante sandinista sucumbir às mesmas armadilhas políticas que os ditadores que dominaram o país em boa parte do século XX. Líder da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), Daniel Ortega voltou ao poder depois de deixar o cargo em 1990. Na presidência desde 2006, Ortega é hoje acusado de sufocar qualquer tipo de oposição a seu governo, exatamente como os caudilhos da família Somoza que ele e outros líderes da FSLN tanto combateram. Outros exemplos em diferentes continentes não faltam. O Zimbábue é hoje um país arrasado, com uma hiperinflação estratosférica, que não consegue se livrar de um ditador que está no poder há 30 anos. Robert Mugabe, presidente do país, chegou ao poder com a missão de acabar com a desigualdade imposta pelos colonizadores britânicos, mas só conseguiu alimentar o caos com um discurso socialista tacanho e atrasado.

Os fracassos de governos apontados como "salvadores" trazem consigo, sempre, um sentimento de desesperança frente a possibilidades de mudança que nunca se confirmam. No Brasil este sentimento de decepção veio à tona não faz muito tempo, quando o último baluarte da ética, o PT, se juntou aos demais partidos na vala comum da corrupção, após os incidentes do mensalão.

E é exatamente este sentimento de desconfiança que vem à tona sempre que uma nova eleição se aproxima. E o descompasso de discursos pouco articulados com a realidade só aumenta o receio dos eleitores, que no fundo têm a certeza de que muito pouco do que é dito antes das eleições se confirmará mais tarde. Isso porque, hoje, não é possível nem mesmo saber o grau de conhecimento que os postulantes a cargos públicos têm dos problemas mais imediatos da população. O horário político obrigatório, na televisão e no rádio, é um show de horrores, em que até mesmo os mais capacitados candidatos parecem se igualar àqueles que só estão atrás das benesses que o Estado proporciona a quem deveria servir a população ― talvez o temor de ser ridicularizado explique por que as pessoas mais capacitadas estão fora da política, optando por carreiras na iniciativa privada. Isso dificulta a decisão daqueles que só têm a televisão e o rádio como meio de comunicação. Como votar em um vereador que resume, em uma frase, a sua linha de ação nos próximos quatro anos? É pouco inteligente pensar que a população não percebe que tudo faz parte de um jogo mal elaborado, em que a democracia é escamoteada por um teatro com atores de segunda linha. Nem mesmo as campanhas para cargos majoritários fogem da falta de clareza de idéias. Os debates, apinhados de nanicos que só querem fazer figura para depois barganhar cargos em estatais, servem para pouco, também. Persiste, assim, a impressão de que não há um candidato com projeto de governo amplo, que dê cabo às principais carências da sociedade. O que se ouve são números esparsos, soprados por assessores, que não respondem como e de que forma solucionarão as demandas da população.

Quase que uma loteria, a vitória em uma eleição é uma forma de arrumar a vida, ter um emprego fixo e estável, regalias, bom salário e comodidade. O paraíso na terra. Não importa se o vereador não tem o mínimo de conhecimento da cidade, não tem formação adequada e, o que é muito comum, nem desconfia de qual seja o papel da vereança no município. Política virou profissão. Uma pessoa deveria estar vereador, prefeito ou deputado, e não ser vereador, prefeito ou deputado. Mas o objetivo é sempre a perpetuação. Se possível, entre gerações.

Mas deve haver, sempre, uma maneira de romper com esse esquema nebuloso e viciado que virou o sistema político. O conformismo, certamente, é a pior das escolhas. A resignação é uma solução triste, ou melhor, uma não-solução. A manifestação e a informação, ainda que soem ingênuas e românticas hoje em dia, são as únicas vias que apontam alguma chance contra a barbárie e a ignorância que se impõe no andar de cima da sociedade. Só assim os discursos não serão esquecidos e as promessas lembradas, dificultando a mudança de postura de quem se comprometeu em fazer diferente.

Voto não deveria ser obrigatório, mas todos deveriam votar. Isso porque política é algo que vai muito além do ato de votar. Política faz parte da vida cotidiana, está em qualquer ação do indivíduo. Manter a fé na política ― não necessariamente nos políticos ― é querer fazer da rua, do bairro, da cidade e do país onde moramos um lugar mais decente e justo.

Mas para que isso aconteça, além da urgente reforma política que o país necessita, é preciso informação acessível a todos, o que depende, lógico, de ações políticas coerentes e sérias. Só assim a democracia, o mais perfeito dos imperfeitos modelos, terá alguma chance de êxito.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 1/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
02. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
03. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
05. A jornada do herói de Gian Danton


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Eleições 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/10/2008
10h49min
Parabéns, Luiz Rebinski!, pelo excelente texto. Você trabalhou com precisão e concisão um tema urgente do nosso tempo; trata-se de um texto informativo e educativo! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês