Knutilidade Pública | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/4/2007
Knutilidade Pública
Verônica Mambrini

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ou Knut, um ursinho em defesa do bom jornalismo


Ilustra por Guga Schultze

Se você ainda não ouviu falar em Knut, possivelmente você estava em outro planeta nas últimas semanas. Agora, se você já ouviu falar em Knut e não se comoveu, ou não deu pelo menos um sorriso por trás da sisudez necessária em tantos momentos cotidianos, você possivelmente não tem coração. Knut, o ursinho polar que foi rejeitado pela mãe e criado por um funcionário do zoológico de Berlim, virou uma celebridade internacional.

O currículo de Knut cresceu muito mais rápido do que ele: o fofo ursinho polar nasceu em 5 de dezembro de 2006 num zoológico alemão, e menos de um ano depois, no último 23 de março, a ONU anunciou que o urso-bebê será "garoto-propaganda" de uma conferência das Nações Unidas sobre a proteção das espécies, em 2008. No mesmo dia, posou para fotos com Sigmar Gabriel, ministro do Partido Social-Democrata na Alemanha (que afirmou que o bebê-urso é "um doce"), em evento com mais de 100 jornalistas do mundo todo presentes. Depois da comoção geral causada pelas opiniões de um grupo de ativistas alemães de direitos dos animais, que acreditam que o urso nunca se integrará entre os seus, Knut ganhou seu próprio programa de TV: Knut, das Eisbärbaby, ou, em tradução livre, "Knut, o urso polar bebê". Ah, Knut também tem sua página na Internet e um blog. Mas afinal, o maior mérito de Knut é ter nascido: há mais de 30 anos não nascia nenhum filhote de urso polar no zoológico de Berlim.

Toda essa atenção não é para menos: se você fosse foto-repórter, resistiria a essa bolinha de pêlos graciosa? Claro que não! É fofura demais, agravada pela comoção que causa saber que ele foi rejeitado pela mãe, uma ursa de circo da antiga Alemanha Oriental. Pois bem: a imprensa realmente não resistiu. Knut é retratado quase como um cachorrinho de estimação coletivo, amigo dos alemães e, quiçá, da Humanidade. Nenhuma foto aponta para o urso anti-social e deslocado do seu ambiente que os ativistas ambientais advertiram que com o tempo o ursinho se converterá. Knut, sem muito esforço, trabalha por uma boa causa: cada vez mais, chama a atenção das pessoas para a questão dos animais em extinção e rapidamente, se transforma num símbolo de esperança para árduas batalhas ambientais. Já foram vendidos cerca de 2,4 mil ursinhos de pelúcia Knut. Eu também, entre um Knut de pelúcia e um Al Gore de pelúcia, ficaria com o doce quadrúpede, em nome dessa causa. Nada pessoal contra Al Gore.

Há um motivo a mais para celebrarmos a fofura de Knut: entre tantos feitos, em sua epopéia o ursinho também parte em defesa do bom jornalismo. E o que é mais notório: o faz sem nem perceber. Todo mundo sabe o que é jornalismo, pelo menos de um modo prático; a maioria das pessoas percebe também a diferença entre um artigo de opinião e uma notícia, por exemplo. Mas algumas sutilezas ficam a cargo de especialistas - não necessariamente jornalistas, mas também (e sobretudo) teóricos de comunicação. E Knut é a estrela-mor dos últimos dias quando a categoria é um determinado tipo de notícia, o fait-divers.

O fait-divers é uma história que: 1) foge às classificações de editorias, ao não se enquadrar facilmente nas seções de notícias às quais estamos acostumados a ler, como Política, Cultura, Economia ou Cidades; 2) trata de uma história de interesse humano, como um drama familiar, uma aberração da natureza, curiosidade científica ou bizarrice comportamental; 3) a história reportada no fait-divers não tem dimensão histórica (o dono dessa última idéia é o teórico francês Roland Barthes); por exemplo, um assassinato passional cairá no esquecimento, enquanto um assassinato político sobrevive em outros contextos, fora da página policial do jornal. Essa falta de perenidade histórica é triste: Knut, daqui a algum tempo, será esquecido ou talvez trocado por outros bichos fofos. Como o "carinhoso" casal de lontras de Vancouver que nadava de mãos dadas. O fait-divers se aproxima da anedota, foge do contexto da realidade. É sempre imprevisível, pitoresco e muitas vezes bizarro. Qual é, então, sua importância? A principal, creio, é de atrair leitores. Por esmiuçar e jogar no terreno do público instintos, paixões (e por que não perversões?) humanos, esse tipo de notícia sempre terá, em qualquer sociedade letrada, seu público cativo. Em outras palavras, se jogarmos o fait-divers no mesmo balaio do jornalismo dito sério, podemos entender que ele tem o dom de chamar a atenção até de quem geralmente passa longe do caderno de economia ou cidades do jornal. Em tempos de notícias de repercussão e alcance globais, ele tem até seção própria em grandes portais de notícias. Geralmente os jornalistas não gostam muito de escrever fait-divers; mas esse gênero é considerado um mal necessário. Mas afinal, é bem melhor tratar da indiscutível candura de um urso-polar bebê do que da bizarrice de gêmeos siameses ou cabritos de duas cabeças - uma evolução dos tempos, que reflete os interesses dos leitores. Mas é inegável que essas notícias, escabrosas ou não, tragam à frente da tevê, da tela do computados ou das páginas impressas bem mais leitores do que o mais primoroso artigo de política ou economia é capaz. E com leitores, vem a publicidade, necessária para pagar salários. Outros modelos de jornalismo - como esse próprio Digestivo - tornam a notícia uma commodity, e o fait-divers um gênero desnecessário. De todo modo, quem trabalha com hard news ainda vai precisar conviver com Knut por algum tempo.

Há quem defenda que esse gênero não se define pelo assunto, e sim pela narrativa: o modo sensacionalista de tratar os fatos, puxando pelo escândalo, pelos aspectos bizarros ou pitorescos, é o que faria o fait-divers. Assim, um escândalo político pode ser contado pelas tintas do melodrama e assim, migrar para o plano das futilidades a serem substituídas ciclicamente na mídia. O quão fresco está na nossa memória o escândalo do Mensalão? Quem saberá lembrar em detalhes a "novela" acompanhada por inquéritos e noticiários inteiros e satirizada à exaustão? Um dos motivos para o esquecimento tão precoce é esse olhar sobre a notícia, que se nutre de paixões e de escândalo para substituí-lo assim que o episódio se esgota emocionalmente.

Fugimos do mundo-cão para cair no mundo-urso.


Verônica Mambrini
São Paulo, 23/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Click, de Bill Tancer de Rafael Rodrigues
02. A crise da pauta de Débora Costa e Silva
03. Jovens blogueiros, envelheçam (extras) de Rafael Rodrigues


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2007
14h52min
Veronica, acho que você tem razão em muitas coisas. O que começou como notícia virou entretenimento - como muitas outras notícias por aí. Afinal, entretenimento vende mais jornal do que notícia (vide a abordagem sobre o resultado do desfile das escolas de samba dentro de um escândalo de proporções e prejuízos sociais muito maiores, nesta questão da máfia dos caça níqueis). Apesar disso, o Knut não deixa de ser um ursinho muito fofo, que proporciona momentos de verdadeira ternura. Tomo a liberdade de colocar aqui um link para um vídeo dele no YouTube. Dura 7 minutos, mas vale a pena. Com toda sua fofura, Knut também pode inspirar notícias relevantes nos cadernos de economia. No início de abril, por exemplo, as acões do zoológico alemão que hospeda o ursinho mais que dobraram. Ah, e Knut virou marca registrada.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acorda Brasil
Gilberto Vieira Cotrim
Saraiva
(1989)



Turismo Ecológico Bahia Brasil
Editora Isto é
Isto é
(2004)



Procurando Firme
Ruth Rocha
Ática
(1996)



Abra e descubra! como funciona o computador?
Alex Frith e Rosie Dickins
Usborne
(2016)



Maria breve introdução à mariologia
José Lélio Mendes Ferreira
Santuário
(2000)



Bio Volume Único Teste de Vestibulares e Enem
Sonia Lopes
Saraiva



A Pequena Sereia
Disney
Edelbra



Dedinhos Agitados A Menor das Raposas Um Livro Fantoche
The Clever Factory
TodoLivro



Tank Too
Masoud Golsorkhi
Thames & Hudson
(2006)



Os Ásperos Tempos Vol Xiii
Jorge Amado
Martins
(1971)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês