Knutilidade Pública | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/4/2007
Knutilidade Pública
Verônica Mambrini

+ de 2600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ou Knut, um ursinho em defesa do bom jornalismo


Ilustra por Guga Schultze

Se você ainda não ouviu falar em Knut, possivelmente você estava em outro planeta nas últimas semanas. Agora, se você já ouviu falar em Knut e não se comoveu, ou não deu pelo menos um sorriso por trás da sisudez necessária em tantos momentos cotidianos, você possivelmente não tem coração. Knut, o ursinho polar que foi rejeitado pela mãe e criado por um funcionário do zoológico de Berlim, virou uma celebridade internacional.

O currículo de Knut cresceu muito mais rápido do que ele: o fofo ursinho polar nasceu em 5 de dezembro de 2006 num zoológico alemão, e menos de um ano depois, no último 23 de março, a ONU anunciou que o urso-bebê será "garoto-propaganda" de uma conferência das Nações Unidas sobre a proteção das espécies, em 2008. No mesmo dia, posou para fotos com Sigmar Gabriel, ministro do Partido Social-Democrata na Alemanha (que afirmou que o bebê-urso é "um doce"), em evento com mais de 100 jornalistas do mundo todo presentes. Depois da comoção geral causada pelas opiniões de um grupo de ativistas alemães de direitos dos animais, que acreditam que o urso nunca se integrará entre os seus, Knut ganhou seu próprio programa de TV: Knut, das Eisbärbaby, ou, em tradução livre, "Knut, o urso polar bebê". Ah, Knut também tem sua página na Internet e um blog. Mas afinal, o maior mérito de Knut é ter nascido: há mais de 30 anos não nascia nenhum filhote de urso polar no zoológico de Berlim.

Toda essa atenção não é para menos: se você fosse foto-repórter, resistiria a essa bolinha de pêlos graciosa? Claro que não! É fofura demais, agravada pela comoção que causa saber que ele foi rejeitado pela mãe, uma ursa de circo da antiga Alemanha Oriental. Pois bem: a imprensa realmente não resistiu. Knut é retratado quase como um cachorrinho de estimação coletivo, amigo dos alemães e, quiçá, da Humanidade. Nenhuma foto aponta para o urso anti-social e deslocado do seu ambiente que os ativistas ambientais advertiram que com o tempo o ursinho se converterá. Knut, sem muito esforço, trabalha por uma boa causa: cada vez mais, chama a atenção das pessoas para a questão dos animais em extinção e rapidamente, se transforma num símbolo de esperança para árduas batalhas ambientais. Já foram vendidos cerca de 2,4 mil ursinhos de pelúcia Knut. Eu também, entre um Knut de pelúcia e um Al Gore de pelúcia, ficaria com o doce quadrúpede, em nome dessa causa. Nada pessoal contra Al Gore.

Há um motivo a mais para celebrarmos a fofura de Knut: entre tantos feitos, em sua epopéia o ursinho também parte em defesa do bom jornalismo. E o que é mais notório: o faz sem nem perceber. Todo mundo sabe o que é jornalismo, pelo menos de um modo prático; a maioria das pessoas percebe também a diferença entre um artigo de opinião e uma notícia, por exemplo. Mas algumas sutilezas ficam a cargo de especialistas - não necessariamente jornalistas, mas também (e sobretudo) teóricos de comunicação. E Knut é a estrela-mor dos últimos dias quando a categoria é um determinado tipo de notícia, o fait-divers.

O fait-divers é uma história que: 1) foge às classificações de editorias, ao não se enquadrar facilmente nas seções de notícias às quais estamos acostumados a ler, como Política, Cultura, Economia ou Cidades; 2) trata de uma história de interesse humano, como um drama familiar, uma aberração da natureza, curiosidade científica ou bizarrice comportamental; 3) a história reportada no fait-divers não tem dimensão histórica (o dono dessa última idéia é o teórico francês Roland Barthes); por exemplo, um assassinato passional cairá no esquecimento, enquanto um assassinato político sobrevive em outros contextos, fora da página policial do jornal. Essa falta de perenidade histórica é triste: Knut, daqui a algum tempo, será esquecido ou talvez trocado por outros bichos fofos. Como o "carinhoso" casal de lontras de Vancouver que nadava de mãos dadas. O fait-divers se aproxima da anedota, foge do contexto da realidade. É sempre imprevisível, pitoresco e muitas vezes bizarro. Qual é, então, sua importância? A principal, creio, é de atrair leitores. Por esmiuçar e jogar no terreno do público instintos, paixões (e por que não perversões?) humanos, esse tipo de notícia sempre terá, em qualquer sociedade letrada, seu público cativo. Em outras palavras, se jogarmos o fait-divers no mesmo balaio do jornalismo dito sério, podemos entender que ele tem o dom de chamar a atenção até de quem geralmente passa longe do caderno de economia ou cidades do jornal. Em tempos de notícias de repercussão e alcance globais, ele tem até seção própria em grandes portais de notícias. Geralmente os jornalistas não gostam muito de escrever fait-divers; mas esse gênero é considerado um mal necessário. Mas afinal, é bem melhor tratar da indiscutível candura de um urso-polar bebê do que da bizarrice de gêmeos siameses ou cabritos de duas cabeças - uma evolução dos tempos, que reflete os interesses dos leitores. Mas é inegável que essas notícias, escabrosas ou não, tragam à frente da tevê, da tela do computados ou das páginas impressas bem mais leitores do que o mais primoroso artigo de política ou economia é capaz. E com leitores, vem a publicidade, necessária para pagar salários. Outros modelos de jornalismo - como esse próprio Digestivo - tornam a notícia uma commodity, e o fait-divers um gênero desnecessário. De todo modo, quem trabalha com hard news ainda vai precisar conviver com Knut por algum tempo.

Há quem defenda que esse gênero não se define pelo assunto, e sim pela narrativa: o modo sensacionalista de tratar os fatos, puxando pelo escândalo, pelos aspectos bizarros ou pitorescos, é o que faria o fait-divers. Assim, um escândalo político pode ser contado pelas tintas do melodrama e assim, migrar para o plano das futilidades a serem substituídas ciclicamente na mídia. O quão fresco está na nossa memória o escândalo do Mensalão? Quem saberá lembrar em detalhes a "novela" acompanhada por inquéritos e noticiários inteiros e satirizada à exaustão? Um dos motivos para o esquecimento tão precoce é esse olhar sobre a notícia, que se nutre de paixões e de escândalo para substituí-lo assim que o episódio se esgota emocionalmente.

Fugimos do mundo-cão para cair no mundo-urso.


Verônica Mambrini
São Paulo, 23/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
03. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2007
14h52min
Veronica, acho que você tem razão em muitas coisas. O que começou como notícia virou entretenimento - como muitas outras notícias por aí. Afinal, entretenimento vende mais jornal do que notícia (vide a abordagem sobre o resultado do desfile das escolas de samba dentro de um escândalo de proporções e prejuízos sociais muito maiores, nesta questão da máfia dos caça níqueis). Apesar disso, o Knut não deixa de ser um ursinho muito fofo, que proporciona momentos de verdadeira ternura. Tomo a liberdade de colocar aqui um link para um vídeo dele no YouTube. Dura 7 minutos, mas vale a pena. Com toda sua fofura, Knut também pode inspirar notícias relevantes nos cadernos de economia. No início de abril, por exemplo, as acões do zoológico alemão que hospeda o ursinho mais que dobraram. Ah, e Knut virou marca registrada.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês