Um livro para Fernando Morais | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
>>> Obra de paranaense radicada no Amazonas está entre as finalistas do prêmio Jabuti 2018
>>> Festival Dansk!!BR 10 anos de colaboração Dinamarca - Brasil
>>> Terapeuta de Ambientes Miguel Heilborn ministra palestra no Clube Hebraica, em São Paulo
>>> Livro Politicamente Incorreto da Virgem Maria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> Casa de couro III
>>> Nó de Ventos
>>> Letra & Música
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> Filmes on-line
>>> A Trilogia de Máximo Górki
>>> Apresentação
>>> A Estratégia de Barack Obama, por Libert e Faulk
>>> O som na cabeça
>>> Kasabian - Re-Wired
>>> Zicartola
Mais Recentes
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> Migração e Mão-de-obra: Retirantes Cearenses na Economia Cafeeira... de Paulo Cesar Gonçalves pela Humanitas (2006)
>>> Italianos Sob a Mira da Polícia Polícia Política de Viviane Teresinha dos Santos pela Humanitas (2008)
>>> Catatau de Paulo Leminski pela Iluminuras (2010)
>>> Armagedom em Retrospecto de Kurt Vonnegut pela Lpm (2018)
>>> Democracia Sindical no Brasil de Ericson Crivelli pela LTr (2000)
>>> Instituições de Direito Civil - Volume 1 de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense/Gen (2010)
>>> Maçonaria - Coletânea de Trabalhos dos Anais de 10 Anos - Acomp. CD de Loja Francisco Xavier Ferreira pela Grande Oriente do Rio Grande do Sul (2007)
>>> Prática de Contratos e Instrumentos Particulares de Antonio Celso Pinheiro Franco e Celina Raposo do Amaral Pinheiro Franco pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> O Livro do Travesseiro de Sei Shonagon pela 34 (2018)
>>> O Homem Que Ri de Victor Hugo pela Liberdade (2014)
>>> Responsabilidade Civil - Lei 10.406, de 10.01.2002 de Arnaldo Rizzardo pela Forense (2006)
>>> Contratos e Regulamentações Especiais de Trabalho de Alice Monteiro de Barros pela LTr (2001)
>>> O Poder da Arte de Schama, Simon pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Sudário de John Benville pela Biblioteca Azul (2015)
>>> O violão azul de John Benville pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Os infinitos de John Benville pela Nova Fronteira (2011)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia das Letras (2010)
>>> Box Fernando Pessoa: Ficções do interlúdio, Mensagem & Livro do desassossego de Fernando Pessoa pela Novo Século (2018)
>>> O leão e o chacal mergulhador de Anônimo pela Globo (2009)
>>> O Livro de Orações de Equipe da Editora Eco pela Eco (1973)
>>> Jeito de Ser de Marenos Schmidt e Cláudia Bruscagin Schwantes pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Há Poder em Suas Palavras de Don Gossett pela Vida (1993)
>>> Nada É Impossível Para Deus de Jocymar Fonseca pela Casa Nazareno de Publicações (2003)
>>> Quando o Falar É Ouro de Guiomar de Oliveira Albanesi pela Vida & Consciência (2008)
>>> A gazeta esportiva ilustrada nº295 de Fundação Cásper Libero pela Cásper Libero (1966)
>>> Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Feb (1990)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1946)
>>> Instruções Psicofônicas de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1962)
>>> Amarás de Xavier de Chalendar pela Edições Paulinas (1967)
>>> Cristo em Retalhos de Lambert Noben Mo pela Edições Paulinas (1982)
>>> Luz Acima de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1984)
>>> Mãe: Antologia Mediúnica de Francisco Cândido Xavier pela Casa Ed. O Clarim (1971)
>>> Senzala de Salvador Gentile pela Instituto de Difusão Espírita (1992)
>>> Motoqueiros no Além de Eurícledes Formiga pela Instituto de Difusão Espírita (1996)
>>> Síntese de O Livro dos Espíritos de B. Godoy Paiva pela Edições Feesp (1978)
>>> Sulco de Josemaría Escrivá pela Quadrante (1987)
>>> Bezerra de Menezes: Ontem e Hoje de Equipe da Feb pela Feb (2000)
>>> Lições Para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2008)
>>> Vida e Atos dos Apóstolos de Cairbar Schutel pela Casa Ed. O Clarim (1981)
>>> Mente, Corpo e Destino de Katsumi Tokuhisa pela Seicho-no-ie (1984)
>>> Estudando a Mediunidade de Martins Peralva pela Feb (1975)
>>> Escuta, Meu Filho de Corina Novelino pela Instituto de Difusão Espírita (1991)
>>> Anjos cabalisticos de Monica buonfiglio pela Rodar (2018)
>>> O zahir de Paulo coelho pela Gold (2018)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediouro (2018)
>>> Alameda do sexo de Carlos frança pela Sorvil (2018)
>>> Direitos e garantias no processo penal brasileiro de Rogerio laura tucci pela Saraiva (2018)
>>> Contra o abuso dos bancos de Jonair nogueira martins pela Cs (2018)
>>> Arte no xadrez moderno de Barnie f. winkelman pela Hemus (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/1/2014
Um livro para Fernando Morais
Guilherme Pontes Coelho

+ de 2400 Acessos

Sabe o que eu gostaria de ler? Um livro-reportagem do Fernando Morais sobre os cidadãos presos pela Polícia Pré-Crime de Washington, D.C., entre os anos de 2048 e 2054. É óbvio que a ideia de uma polícia que prende um cidadão já julgado antes mesmo de cometer um crime é muito errada, daí muita gente inquestionavelmente inocente, apesar de assombradas por intenções mortíferas, ter ido presa. Intenções, apenas. Quem conversaria com essas pessoas melhor que Fernando Morais?

A partir de 2048, começa a operar em Washington o tal Departamento de Polícia Pré-Crime, um portento de engenharia de Estado que livrou a cidade de homicídios. Se, por algum acaso, você discute com um companheiro de trabalho e, de forma um pouco mais intensa, lhe passa pela cabeça arrancar uma pia do banheiro e arremessá-la na cabeça do colega, lá estaria a polícia para prendê-lo na hora em que você estivesse segurando a pia, fazendo força para arrancá-la da parede (se a pia não fosse digital). Você diria que jamais mataria um colega, que só estava nervoso, que queria quebrar alguma coisa, a pia, por exemplo, para se acalmar antes de levar o problema, um erro de cálculo numa planilha qualquer ou uma discordância insignificante sobre quadribol, para o seu superior ou para o gerente de recursos humanos. Você estava apenas nervoso, seria seu argumento. Mas a polícia teria certeza absoluta de outra coisa. Você ceifaria a vida de um analista contábil colega de trabalho, arremessando uma pia Deca ou Icasa no crânio dele. Antes que a vida de um pai ou uma mãe de família cessasse, lá estaria a polícia, para encarcerar, invariavelmente, outro pai ou outra mãe de família. A polícia chegaria rápido.

Numa mistura de baixa ciência humana com a então alta tecnologia (naquela época, a identificação retinóica estava no auge de seu desenvolvimento, e as ruas já haviam encontrado uma forma de burlar o mecanismo: remoção total dos globos oculares, reinserção integral de globos traficados), a Polícia Pré-Crime funcionava por conta de três humanos especiais, os Pré-Cognitivos, três jovens telepaticamente intercomunicáveis, Agatha, Arthur e Dashiel, que viviam exclusivamente para o funcionamento do sistema policial. Eles jamais saiam do quartel do Departamento, nem se comunicavam, no sentido tradicional do termo, com outros seres humanos. Eles viviam imersos numa solução iônica primitiva, com vestimentas impermeáveis, e foram alimentados e cuidados por um único funcionário durante toda a vigência do programa. Os pré-cogs, como também eram conhecidos, estavam conectados à rede de computadores da polícia. A propósito, esta conexão em nada se assemelha à ligação fermiônica que temos hoje: eles ainda usavam eletrodos. Conectados, os pré-cogs previam em imagens os futuros homicídios. Estas eram imagens projetadas em simples telas de LCD suspensas no "templo", a sala onde eles permaneceram naqueles anos. As mesmas imagens eram automaticamente transmitidas para as lâminas de memória, um artefato que tem se provado insubstituível desde então, e redramatizadas e reeditadas na interface gestual, um dispositivo obsoleto mesmo naquela época, como já dizia então o ilustre e hoje esquecido Jakob Nielsen. Quando um crime era previsto, duas esferas de madeira eram pronta e mecanicamente confeccionadas pelo painel de controle do "templo". Uma, a primeira, com o nome da vítima, a segunda, com o do perpetrador. Madeira era o veículo ideal onde inscrever os nomes da vítima por causa das ranhuras intrínsecas a cada esfera. Seria impossível, e foi, falsificar uma previsão dos pré-cogs. Cada previsão era inscrita numa esfera distinta, como se cada previsão tivesse sua própria impressão digital. As esferas vinham nas cores marrom, para homicídios premeditados, e vermelha, para não-premeditados. A ideia de usar madeira foi de um dos agentes, cujo pai era marceneiro.

Todo o funcionamento interno daquela polícia era incrível, uma descrição pormenorizada dela não caberia aqui nesta coluna. Para conhecer melhor os procedimentos da Polícia Pré-Crime, recomendo Órfãos do Futuro, o incrível documentário que Eduardo Coutinho fez sobre os Pré-Cognitivos, que, depois do encerramento daquela polícia, se isolaram em local desconhecido, só tendo concedido entrevistas para a película de Coutinho. Morreram logo depois. Também recomendo a leitura de Hineman Against Nature, biografia da doutora Iris Hineman, a cientista precursora da tecnologia pré-crime, escrita por David Remnick. A doutora também ganhou um ótimo perfil de Daniela Pinheiro para revista piauí.

A história de como a Pré-Crime encerrou suas atividades é conhecida, ganhou até um filme romantizado, dirigido por Steven Spielberg e estrelado pelo lendário Tom Cruise, chamado Minority Report. Cruise interpretou o capitão John Anderton, um viciado em Clarity que morreu de overdose logo depois que a Pré-Crime fora fechada. No filme, Anderton volta para sua esposa e eles vivem felizes para sempre. Mas o filme é fiel quanto ao motivo por que Anderton entrou para a nova unidade policial: o desaparecimento insolúvel do seu filho, Sean.

O que não mereceu até agora nem filme, nem documentário, nem livro, foi a vida pós-Pré-Crime dos futuros perpetradores ex-detentos. Alguns foram monitorados pela polícia por alguns anos depois de 2054, por já terem cometido crimes menores antes, mas a maioria daqueles detentos nunca matou uma mosca. Foram presos por crimes que efetivamente não chegaram a cometer. Foram presos por homicídio, sem jamais terem assassinado ninguém. Eles chegaram a ser reinseridos na sociedade? Como a família lidou com absolvição deles? Muitos dos homicídios previstos, sobretudo os não-premeditados, eram entre familiares. Por que nunca nenhum detento processou o Estado? O êxodo dos ex-detentos para outras cidades foi voluntário ou involuntário? Enfim, tenho muitas perguntas, queria saber mais sobre eles. Taí uma dica de livro, Fernando Morais.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 23/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
03. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
04. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
05. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
05. O retorno à cidade natal - 24/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EDUCAÇÃO BATISTA NO BRASIL UMA ANÁLISE COMPLEXA
JOSÉ NEMÉSIO MACHADO
CBB
(1999)
R$ 8,00



PROGRAMAÇÃO JAVA PARA WIRELESS
ÉRICO TAVARES DE MATTOS
DIGERATI
(2005)
R$ 7,00



FORMULÁRIO MÉDICO FARMACÊUTICO
JOSÉ ANTONIO DE OLIVEIRA BATISTUZZO E MASAYUKI ITAYA E YUKIKO ETO
TECNOPRESS
(2002)
R$ 130,00



VIDAS DE ESTADISTAS AMERICANOS - 1º VOLUME - 2ª EDIÇÃO
HENRY THOMAS; DANA LEE THOMAS
GLOBO
(1957)
R$ 10,00



GESCHICHTEN AUS DEM FABELWALD VON DEN TIEREN, ZWERGEN UND RIESEN
TONY WOLF (ILLUSTRATOR)
PESTALOZZI VERLAG
(1984)
R$ 29,90



UM MUNDO TRANSPARENTE
MORRIS WEST
RECORD
(1983)
R$ 7,00



TOBRUK A CHAVE DO EGITO
JAMES W. STOCK
RENES
(1973)
R$ 10,00



CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS E DO PBF
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL
MINISTÉRIO DO DENSENVOLVIMENT
(2008)
R$ 23,90



8 VITAL RELATIONSHIPS FOR THE GROWING CHRISTIAN
HADDON W. ROBINSON - R. LARRY MOYER
BIBLE BELIEVERS CASSETTES
(1982)
R$ 35,00



A NUVEM ENVENENADA
A. CONAN DOYLE
NEWTON COMPTON BRASIL
R$ 8,99





busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês