Um livro para Fernando Morais | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Plágio
>>> O filho eterno e seus prêmios literários
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
Mais Recentes
>>> Viagem ao Centro do Computador de Edith Modesto pela Ática (2000)
>>> A Rosa de Sarajevo de Margaret Mazzantini pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um Pedaço de TI de Patricia Bittencourt pela Ledriprint (2017)
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/1/2014
Um livro para Fernando Morais
Guilherme Pontes Coelho

+ de 2500 Acessos

Sabe o que eu gostaria de ler? Um livro-reportagem do Fernando Morais sobre os cidadãos presos pela Polícia Pré-Crime de Washington, D.C., entre os anos de 2048 e 2054. É óbvio que a ideia de uma polícia que prende um cidadão já julgado antes mesmo de cometer um crime é muito errada, daí muita gente inquestionavelmente inocente, apesar de assombradas por intenções mortíferas, ter ido presa. Intenções, apenas. Quem conversaria com essas pessoas melhor que Fernando Morais?

A partir de 2048, começa a operar em Washington o tal Departamento de Polícia Pré-Crime, um portento de engenharia de Estado que livrou a cidade de homicídios. Se, por algum acaso, você discute com um companheiro de trabalho e, de forma um pouco mais intensa, lhe passa pela cabeça arrancar uma pia do banheiro e arremessá-la na cabeça do colega, lá estaria a polícia para prendê-lo na hora em que você estivesse segurando a pia, fazendo força para arrancá-la da parede (se a pia não fosse digital). Você diria que jamais mataria um colega, que só estava nervoso, que queria quebrar alguma coisa, a pia, por exemplo, para se acalmar antes de levar o problema, um erro de cálculo numa planilha qualquer ou uma discordância insignificante sobre quadribol, para o seu superior ou para o gerente de recursos humanos. Você estava apenas nervoso, seria seu argumento. Mas a polícia teria certeza absoluta de outra coisa. Você ceifaria a vida de um analista contábil colega de trabalho, arremessando uma pia Deca ou Icasa no crânio dele. Antes que a vida de um pai ou uma mãe de família cessasse, lá estaria a polícia, para encarcerar, invariavelmente, outro pai ou outra mãe de família. A polícia chegaria rápido.

Numa mistura de baixa ciência humana com a então alta tecnologia (naquela época, a identificação retinóica estava no auge de seu desenvolvimento, e as ruas já haviam encontrado uma forma de burlar o mecanismo: remoção total dos globos oculares, reinserção integral de globos traficados), a Polícia Pré-Crime funcionava por conta de três humanos especiais, os Pré-Cognitivos, três jovens telepaticamente intercomunicáveis, Agatha, Arthur e Dashiel, que viviam exclusivamente para o funcionamento do sistema policial. Eles jamais saiam do quartel do Departamento, nem se comunicavam, no sentido tradicional do termo, com outros seres humanos. Eles viviam imersos numa solução iônica primitiva, com vestimentas impermeáveis, e foram alimentados e cuidados por um único funcionário durante toda a vigência do programa. Os pré-cogs, como também eram conhecidos, estavam conectados à rede de computadores da polícia. A propósito, esta conexão em nada se assemelha à ligação fermiônica que temos hoje: eles ainda usavam eletrodos. Conectados, os pré-cogs previam em imagens os futuros homicídios. Estas eram imagens projetadas em simples telas de LCD suspensas no "templo", a sala onde eles permaneceram naqueles anos. As mesmas imagens eram automaticamente transmitidas para as lâminas de memória, um artefato que tem se provado insubstituível desde então, e redramatizadas e reeditadas na interface gestual, um dispositivo obsoleto mesmo naquela época, como já dizia então o ilustre e hoje esquecido Jakob Nielsen. Quando um crime era previsto, duas esferas de madeira eram pronta e mecanicamente confeccionadas pelo painel de controle do "templo". Uma, a primeira, com o nome da vítima, a segunda, com o do perpetrador. Madeira era o veículo ideal onde inscrever os nomes da vítima por causa das ranhuras intrínsecas a cada esfera. Seria impossível, e foi, falsificar uma previsão dos pré-cogs. Cada previsão era inscrita numa esfera distinta, como se cada previsão tivesse sua própria impressão digital. As esferas vinham nas cores marrom, para homicídios premeditados, e vermelha, para não-premeditados. A ideia de usar madeira foi de um dos agentes, cujo pai era marceneiro.

Todo o funcionamento interno daquela polícia era incrível, uma descrição pormenorizada dela não caberia aqui nesta coluna. Para conhecer melhor os procedimentos da Polícia Pré-Crime, recomendo Órfãos do Futuro, o incrível documentário que Eduardo Coutinho fez sobre os Pré-Cognitivos, que, depois do encerramento daquela polícia, se isolaram em local desconhecido, só tendo concedido entrevistas para a película de Coutinho. Morreram logo depois. Também recomendo a leitura de Hineman Against Nature, biografia da doutora Iris Hineman, a cientista precursora da tecnologia pré-crime, escrita por David Remnick. A doutora também ganhou um ótimo perfil de Daniela Pinheiro para revista piauí.

A história de como a Pré-Crime encerrou suas atividades é conhecida, ganhou até um filme romantizado, dirigido por Steven Spielberg e estrelado pelo lendário Tom Cruise, chamado Minority Report. Cruise interpretou o capitão John Anderton, um viciado em Clarity que morreu de overdose logo depois que a Pré-Crime fora fechada. No filme, Anderton volta para sua esposa e eles vivem felizes para sempre. Mas o filme é fiel quanto ao motivo por que Anderton entrou para a nova unidade policial: o desaparecimento insolúvel do seu filho, Sean.

O que não mereceu até agora nem filme, nem documentário, nem livro, foi a vida pós-Pré-Crime dos futuros perpetradores ex-detentos. Alguns foram monitorados pela polícia por alguns anos depois de 2054, por já terem cometido crimes menores antes, mas a maioria daqueles detentos nunca matou uma mosca. Foram presos por crimes que efetivamente não chegaram a cometer. Foram presos por homicídio, sem jamais terem assassinado ninguém. Eles chegaram a ser reinseridos na sociedade? Como a família lidou com absolvição deles? Muitos dos homicídios previstos, sobretudo os não-premeditados, eram entre familiares. Por que nunca nenhum detento processou o Estado? O êxodo dos ex-detentos para outras cidades foi voluntário ou involuntário? Enfim, tenho muitas perguntas, queria saber mais sobre eles. Taí uma dica de livro, Fernando Morais.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 23/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
02. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
03. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
04. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
05. Marcador de página inteligente de Wellington Machado


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
05. O retorno à cidade natal - 24/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORÇA PARA VIVER
JAMIE BUCKINGHAM
BETÂNIA
(1987)
R$ 11,00



DICIONARIO OXFORD-ESCOLAR PARA ESTUDIANTES BRAS.
OBRA DA EDITORA
OXFORD DO BRASIL
(2016)
R$ 65,00



ICMS: TEORIA E PRÁTICA
JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO
DIALÉTICA
(2003)
R$ 10,00



HISTÓRIAS ALUCINANTES
MAURO JUDICE
PETIT
(1996)
R$ 4,90



COMO DESARROLLAR SUS PODERES PSIQUICOS
EVELYN M. MONAHAN
EDICOMUNICACÍON
(1990)
R$ 65,00



FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO
AMEDEO HERLITZKA
FREITAS BASTOS
(1944)
R$ 41,16



A PRIMEIRA VISTA
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
(2012)
R$ 15,00



GARATUJAS
GLORINHA MOURÃO SANDOVAL
JOÃO SCORTECCI
(1996)
R$ 50,00



OS BEBÊS E SUAS MÃES - 3799
D. W. WINNICOTT
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 30,00



NOS BASTIDORES DA TV
CARLOS HEITOR CONY, ANA LEE
GALERA RECORD
(2012)
R$ 20,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês