Um livro para Fernando Morais | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
21259 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Bem longe
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS

Quinta-feira, 23/1/2014
Um livro para Fernando Morais
Guilherme Pontes Coelho

+ de 2400 Acessos

Sabe o que eu gostaria de ler? Um livro-reportagem do Fernando Morais sobre os cidadãos presos pela Polícia Pré-Crime de Washington, D.C., entre os anos de 2048 e 2054. É óbvio que a ideia de uma polícia que prende um cidadão já julgado antes mesmo de cometer um crime é muito errada, daí muita gente inquestionavelmente inocente, apesar de assombradas por intenções mortíferas, ter ido presa. Intenções, apenas. Quem conversaria com essas pessoas melhor que Fernando Morais?

A partir de 2048, começa a operar em Washington o tal Departamento de Polícia Pré-Crime, um portento de engenharia de Estado que livrou a cidade de homicídios. Se, por algum acaso, você discute com um companheiro de trabalho e, de forma um pouco mais intensa, lhe passa pela cabeça arrancar uma pia do banheiro e arremessá-la na cabeça do colega, lá estaria a polícia para prendê-lo na hora em que você estivesse segurando a pia, fazendo força para arrancá-la da parede (se a pia não fosse digital). Você diria que jamais mataria um colega, que só estava nervoso, que queria quebrar alguma coisa, a pia, por exemplo, para se acalmar antes de levar o problema, um erro de cálculo numa planilha qualquer ou uma discordância insignificante sobre quadribol, para o seu superior ou para o gerente de recursos humanos. Você estava apenas nervoso, seria seu argumento. Mas a polícia teria certeza absoluta de outra coisa. Você ceifaria a vida de um analista contábil colega de trabalho, arremessando uma pia Deca ou Icasa no crânio dele. Antes que a vida de um pai ou uma mãe de família cessasse, lá estaria a polícia, para encarcerar, invariavelmente, outro pai ou outra mãe de família. A polícia chegaria rápido.

Numa mistura de baixa ciência humana com a então alta tecnologia (naquela época, a identificação retinóica estava no auge de seu desenvolvimento, e as ruas já haviam encontrado uma forma de burlar o mecanismo: remoção total dos globos oculares, reinserção integral de globos traficados), a Polícia Pré-Crime funcionava por conta de três humanos especiais, os Pré-Cognitivos, três jovens telepaticamente intercomunicáveis, Agatha, Arthur e Dashiel, que viviam exclusivamente para o funcionamento do sistema policial. Eles jamais saiam do quartel do Departamento, nem se comunicavam, no sentido tradicional do termo, com outros seres humanos. Eles viviam imersos numa solução iônica primitiva, com vestimentas impermeáveis, e foram alimentados e cuidados por um único funcionário durante toda a vigência do programa. Os pré-cogs, como também eram conhecidos, estavam conectados à rede de computadores da polícia. A propósito, esta conexão em nada se assemelha à ligação fermiônica que temos hoje: eles ainda usavam eletrodos. Conectados, os pré-cogs previam em imagens os futuros homicídios. Estas eram imagens projetadas em simples telas de LCD suspensas no "templo", a sala onde eles permaneceram naqueles anos. As mesmas imagens eram automaticamente transmitidas para as lâminas de memória, um artefato que tem se provado insubstituível desde então, e redramatizadas e reeditadas na interface gestual, um dispositivo obsoleto mesmo naquela época, como já dizia então o ilustre e hoje esquecido Jakob Nielsen. Quando um crime era previsto, duas esferas de madeira eram pronta e mecanicamente confeccionadas pelo painel de controle do "templo". Uma, a primeira, com o nome da vítima, a segunda, com o do perpetrador. Madeira era o veículo ideal onde inscrever os nomes da vítima por causa das ranhuras intrínsecas a cada esfera. Seria impossível, e foi, falsificar uma previsão dos pré-cogs. Cada previsão era inscrita numa esfera distinta, como se cada previsão tivesse sua própria impressão digital. As esferas vinham nas cores marrom, para homicídios premeditados, e vermelha, para não-premeditados. A ideia de usar madeira foi de um dos agentes, cujo pai era marceneiro.

Todo o funcionamento interno daquela polícia era incrível, uma descrição pormenorizada dela não caberia aqui nesta coluna. Para conhecer melhor os procedimentos da Polícia Pré-Crime, recomendo Órfãos do Futuro, o incrível documentário que Eduardo Coutinho fez sobre os Pré-Cognitivos, que, depois do encerramento daquela polícia, se isolaram em local desconhecido, só tendo concedido entrevistas para a película de Coutinho. Morreram logo depois. Também recomendo a leitura de Hineman Against Nature, biografia da doutora Iris Hineman, a cientista precursora da tecnologia pré-crime, escrita por David Remnick. A doutora também ganhou um ótimo perfil de Daniela Pinheiro para revista piauí.

A história de como a Pré-Crime encerrou suas atividades é conhecida, ganhou até um filme romantizado, dirigido por Steven Spielberg e estrelado pelo lendário Tom Cruise, chamado Minority Report. Cruise interpretou o capitão John Anderton, um viciado em Clarity que morreu de overdose logo depois que a Pré-Crime fora fechada. No filme, Anderton volta para sua esposa e eles vivem felizes para sempre. Mas o filme é fiel quanto ao motivo por que Anderton entrou para a nova unidade policial: o desaparecimento insolúvel do seu filho, Sean.

O que não mereceu até agora nem filme, nem documentário, nem livro, foi a vida pós-Pré-Crime dos futuros perpetradores ex-detentos. Alguns foram monitorados pela polícia por alguns anos depois de 2054, por já terem cometido crimes menores antes, mas a maioria daqueles detentos nunca matou uma mosca. Foram presos por crimes que efetivamente não chegaram a cometer. Foram presos por homicídio, sem jamais terem assassinado ninguém. Eles chegaram a ser reinseridos na sociedade? Como a família lidou com absolvição deles? Muitos dos homicídios previstos, sobretudo os não-premeditados, eram entre familiares. Por que nunca nenhum detento processou o Estado? O êxodo dos ex-detentos para outras cidades foi voluntário ou involuntário? Enfim, tenho muitas perguntas, queria saber mais sobre eles. Taí uma dica de livro, Fernando Morais.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 23/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
03. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
04. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. A morte de Michael Jackson, um depoimento - 5/8/2009
05. O retorno à cidade natal - 24/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUASE-SONHOS & TRADUZIDO DA NOITE
JEAN-JOSEPH RABEARIVELO
KALANGO
(2009)
R$ 29,00



O DIABO E O EXORCISMO
ELIAS VELLA
PALAVRA DE PRECE
(2005)
R$ 23,00
+ frete grátis



BÁLSAMO ESPIRITUAL: ALÍVIO E CONFORTO PARA MOMENTOS DIFÍCEIS DA VIDA...
ORSON PETER CARRARA
MYTHOS
(2012)
R$ 19,90



MANGÁ HITMAN - MATADOR POR ACASO 1
HIROSHI MUTOU
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 8,99



NEM TUDO QUE É SÓLIDO DESMANCHA NO AR
JORGE MIGUEL MARINHO
VOZES
(2000)
R$ 7,50



O SONHO DE CHUVISQUINHO
TONY FONSECA
POEMA
R$ 8,00



MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO - POESIA - 3ª ED.
CLEONICE BERARDINELLI (ORG.)
AGIR
(1974)
R$ 10,00



SE ARREPENDIMENTO MATASSE
ALMA CERVANTES
NOVOS TALENTOS
(2013)
R$ 15,00



A RELIGIÃO DO DIABO - PLANETA Nº 21
EDITORA TRÊS
TRÊS
(1974)
R$ 5,00



CANALETTO - GÊNIOS DA PINTURA Nº 89
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1967)
R$ 8,00





busca | avançada
21259 visitas/dia
1,1 milhão/mês