Amor, sublime Amor | Isabella Ypiranga Monteiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/10/2013
Amor, sublime Amor
Isabella Ypiranga Monteiro

+ de 2900 Acessos

Era uma vez um homem e uma mulher. Eles se apaixonam, se casam, têm uma filha e são felizes para sempre. Seria mesmo uma linda história caso não sucumbíssemos todos ao tempo e fôssemos obrigados a lidar com o que implica essa característica, porém incógnita "eternidade" dos contos de fadas. Diferentemente do que sugere o título, Amor (Amour no original), coprodução de 2012 entre Áustria, França e Alemanha, não tem nada a ver com um romance açucarado. Graças ao roteiro pé no chão e à direção primorosa, ambos do austríaco Michael Haneke, em 127 minutos, aquilo que costumamos chamar de "o sentimento mais bonito do mundo" nos é enfiado goela abaixo de forma avassaladora.

Vencedor da Palma de Ouro em Cannes, além do Oscar e do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro do ano passado, o longa narra os dias que se seguem na vida de um octogenário casal de professores de música aposentado - interpretado por Emmanuelle Riva, magnífica atriz indicada pela Academia, e Jean-Louis Trintignant, brilhante em cena - depois que Anne sofre um derrame e passa a depender de Georges para cumprir tarefas simples. Quando aqueles que antes se completavam precisam aprender a conviver com os restos do que costumavam ser um para o outro, seus laços de afeto são severamente postos à prova.

Conhecido como um cineasta não comercial e por abordar assuntos que causam desconforto em sua obra, Haneke, que receberá o Prêmio Príncipe de Astúrias das Artes no dia 25 de outubro, na Espanha, provoca novamente uma plateia cada vez mais habituada aos aprazíveis desfechos das tramas hollywoodianas. Embora tenha revelado não intencionar fazer uma fita política, Amor chegou a levantar alguns debates sobre a eutanásia por onde foi visto. Não se trata mesmo disso. Segundo o próprio realizador, o tema central da produção é "como enfrentar o sofrimento daquele que se ama". Para dar veracidade a esse argumento, optou por uma edição lenta, quase sem cortes, e pela total ausência de trilha sonora incidental. Foi além. Transportou o público para o lar dos protagonistas, núcleo dos acontecimentos e, curiosamente, uma reconstrução minuciosa da casa onde viveu na infância. A escolha oportuna do cenário - um antigo apartamento parisiense, cheio de interligações entre amplos cômodos que facilitam a circulação dos intérpretes - possibilita ao espectador acompanhar cada passo da ação.

Outro truque usado pelo diretor está no posicionamento inteligente das câmeras que, ora nos aproxima dos diálogos entre marido e mulher - com direito a closes que expõem toda a intimidade da dupla - ora nos afasta deles - como se só conseguíssemos ouvir suas conversas e observá-los de um aposento diferente de onde estão. Não à toa, o meio primeiro plano e o plano médio foram adotados para a filmagem nessas horas. Eles ajudam a conferir o distanciamento adequado a uma testemunha intrusa dos fatos. A sequência que melhor evidencia tal perspectiva é a que começa com Anne e Georges chegando a casa depois de um concerto, preocupados com possíveis marcas de arrombamento na porta. A lente, convenientemente disposta no interior do apartamento, não deixa dúvidas: somos nós os invasores. Ao permitir que o público espie de perto o drama vivido pelos personagens, Haneke constrói um longa angustiante do início até o fim.

De fato, Amor é tão nu e cru que pode decepcionar os sentimentais à espera de verter lágrimas no decorrer da projeção. O soco no estômago, no entanto, é suavizado com algumas doses de analgésico. Aqui, a mesma câmera responsável pelo choque de realidade também impregna a tela de certo lirismo. Exemplo disso é a tomada em que Anne é colocada na cadeira de rodas elétrica pelo marido logo após urinar na cama. O modo como o constrangimento da esposa com a situação é capturado - através dos movimentos simultâneos do cinegrafista e da cadeira - é de uma genialidade poucas vezes vista no cinema. Outras cenas são ainda recheadas de simbolismos, como as já clássicas em que Georges imagina a mulher saudável ao piano ou sonha com o hall do edifício inundado, além daquelas que mostram pombos entrando pela janela do apartamento. Mais que deixarem margem para diversas interpretações, assim como, aliás, a própria conclusão do filme, elas oferecem um pouco de beleza à história.

Houve quem criticasse o título da produção por não definir bem seu conteúdo. É provável que grande parte dos espectadores encontre dificuldade em engolir a seco tamanho flagelo, perpetuado por uma série de decisões equivocadas, sob a chancela de "amor". Talvez seja demasiado doloroso ver a relação bem sucedida do casal de protagonistas perecer, à medida que remédios, enfermeiras e trocas de acusações se instalam em um lar antes tão farto de música e cumplicidade. Pode ser complicado constatar a sutil indiferença de uma filha (Isabelle Huppert no papel de Eva), mais interessada em resolver seus problemas financeiros do que em acalentar os pais durante a doença. Mas basta um olhar ponderado para notar que sim, é possível encontrar poesia até nos momentos amargos da vida. Aqueles em que, embora o coração siga carregado de sentimento pelo nosso objeto de desejo, precisamos priorizar o lado prático. Como nos premiados Caché e A fita branca, Haneke propõe uma reflexão, sem julgamentos moralistas, sobre quem é vítima e algoz nessa tragédia palpável para muitos e tenta, de maneira magistral, nos fazer enxergar que altruísmo e egoísmo não são necessariamente autoexcludentes quando se fala de amor. Sublime!


Isabella Ypiranga Monteiro
Rio de Janeiro, 7/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. O Bigode de Carina Destempero
03. O caso Luis Suárez de Humberto Pereira da Silva
04. Era uma vez de Carina Destempero
05. Senhorita K de Carina Destempero


Mais Isabella Ypiranga Monteiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INSTITUIÇÕES DE PROCESSO CIVIL
RENATO RIOTARO TAKIGUTHI
SARAIVA
(1977)
R$ 7,00



A ROLETA DA VIDA
JACKIE COLLINS
RECORD
(1987)
R$ 8,00



PLURALIDADE SINDICAL
AMAURI CESAR ALVES
LTR
(2015)
R$ 40,00



MODERNISMO MOVIMENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA
CHARLES HARRISON
EDITORIAL PRESENÇA
(2001)
R$ 37,77



SOCIOBIOLOGIA OU BIO-SOCIOLOGIA VOL. 4 DO TRATADO DO SER VIVO
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 35,00



ATLAS DE CIRUGÍA DE LA MAMA
SAMUEL A. WELLS JR. V. LEROY YOUNG DOROTHY
MOSBY COMPANY
(1995)
R$ 149,00



A ESTRATÉGIA DOS SIGNOS
LUCRÉCIA DALÉSSIO FERRARA
PERSPECTIVA
(1986)
R$ 30,00



REPRESSÃO PENAL DA GREVE
CHRISTIANO FRAGOSO
IBCCRIM
(2009)
R$ 24,99



BRANCA DE NEVE - CONTOS DE GRIMM
GRIMM
ÁTICA
(2008)
R$ 10,00



OS MILITARES NO PODER 1 - CASTELO BRANCO
CARLOS CASTELLO BRANCO - 3ª EDIÇÃO
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 24,28





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês