Perdidos em 2006 | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Seriados made in the USA
>>> American Horror Story: Asylum
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A semente da impunidade
>>> Não existem autores novos
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
Mais Recentes
>>> Armas Secretas Alemãs - Plataforma para Marte de Brian Ford pela Renes (1973)
>>> Lart de Conjuguer Dictionnaire - a Arte de Conjugar de Bescherelle pela Itatiaia (1959)
>>> Armas da Infantaria de John Weeks pela Reines (1974)
>>> Estado-maior Alemão História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial Politica 5 de Barrt Leach pela Renes (1975)
>>> Patton Nº 6 Líderes- História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de Charles Whiting/ Edmond Jorge pela Renes (1975)
>>> Divisões Panzer os Punhos de Aço - História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de K. J. Macksey pela Renes (1974)
>>> O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de La Mancha de Dom Quixote de la Mancha pela Abril Coleções (2010)
>>> Graça radical: Curtir a vida é viver com Deus de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2021)
>>> Barbarossa - a Invasão da Rússia - Campanhas 3 de John Keegan pela Renes (1974)
>>> Kit Saga Crepúsculo 4 Livros de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Ponte aérea para a China de William J. Koenig pela Renes (1977)
>>> Histórias do Modernismo de Ivan Marques pela Scipicione (2011)
>>> Mísseis Ar-ar e Antitanque - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Mísseis Ar-ar e Antitanque - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra: Marinha Soviética Volume 2 de John Jordan pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra: Marinha Soviética Volume 1 de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Submarinos Convencionais e Com Mísseis - Guias de Armas de Guerra de Nova Cultural pela Nova Cultural (1982)
>>> BIOLOGIA - volume único de Armênio Uzunian e Ernesto Birner pela Harbra (2004)
>>> Guias de Armas de Guerra : Tanques da Segunda Guerra Mundial de Nova Cultural pela Nova Cultural (1983)
>>> Guias de Armas de Guerra - Usaf a Moderna Força Aerea dos Eua de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra - Usaf a Moderna Força Aerea dos Eua de Nova Cultural pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra Caças e Aviões de Ataque Modernos de Novo Cultural pela Novo Cultural (1986)
>>> Caças dos Eua e Aeronaves de Ataque - Volume I - Guias de Armas de Guerra de Barry Wheeler pela Nova Cultural (1986)
>>> Caças da Otan - Volume II - Guias de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Guias de Armas de Guerra - Aviação Naval de Carmo Chagas pela Nova Cultural (2000)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Segunda-feira, 29/1/2007
Perdidos em 2006
Gian Danton

+ de 2700 Acessos

Quando recebi o convite para participar mais uma vez do especial do Digestivo Cultural sobre os melhores do ano, acabei me vendo numa situação delicada: não conseguia me lembrar de nada realmente importante. Assim, convoquei uma reunião familiar. Meu filho Alexandre sugeriu o filme do Superman, de Brian Singer.

De fato, foi um bom filme, com algo importante em um filme de super-heróis: tinha equilíbrio entre momentos introspectivos e cenas de ação. Mas talvez a maior contribuição do Brian Singer tenha sido nos levar a procurar nas locadoras o filme antigo.

Para meu prazer, redescobri que o primeiro filme, dirigido pelo Richard Donner, era de fato uma obra-prima. Tinha tudo que um bom filme de super-heróis deveria ter: ficção-científica (resgatando a origem do gênero), ótimas interpretações (Christopher Reeve era perfeitamente heróico como Super-homem e absolutamente paspalho como Clark Kent); ação; introspecção. E, para meu desprazer, redescobri o quanto Richard Lester estragou a franquia, primeiro piorando o segundo filme da série, que já tinha sido iniciado por Donner, e finalmente colocando uma pedra de esquecimento sobre o terceiro filme, talvez a maior bomba de todos os tempos. Dentro do gênero, claro.

Mas era para falar dos melhores de 2006 e nós já estávamos discutindo sobre um filme da década de 1970. Se no cinema não houve nada tão importante (pelo menos que tenha chegado em Macapá), que tal nos quadrinhos? Aí lembrei dos lançamentos de quadrinho europeu da editora Panini. Uma obra-prima atrás da outra. A mais inovadora delas é uma HQ escrita e desenhada por um brasileiro, Leo, que se cansou dos editores brasileiros e foi ser astro na Europa. Trata-se de Aldebaran. A história se passa em um planeta distante da Terra, composto quase que só de água, cujos habitantes perderam há dezenas de anos contato com os terráqueos.

Algo começa a acontecer no mar, que ocupa quase toda a superfície do planeta. Animais gigantes começam a fugir da água preferindo morrer na praia a enfrentar um perigo desconhecido. Em alguns pontos a água se transforma numa espécie de gelatina viva capaz de sugar barcos e navios para o fundo do oceano. Os personagens principais, três jovens sobreviventes de uma vila destruída pelo fenômeno, precisam salvar suas vidas e ao mesmo tempo descobrir o que está acontecendo. Nisso se envolvem com cientistas perseguidos pelo Estado, com religiosos déspotas e com um simpático trambiqueiro.

Adelbaran é uma daquelas histórias que nos intrigam a cada página e nos deixam mais e mais curiosos a cada quadrinho. Aquilo que, na linguagem dos roteiristas dos quadrinhos, chamamos de ganchos são sutis, ao contrário do quadrinho norte-americano, que costuma apresentar ganchos explícitos. Em uma seqüência, por exemplo, uma cientista é ferida e torna-se necessário amputar sua mão. Quando ela está fazendo o curativo, podemos observar que seus dedos estão renascendo. O leitor atencioso percebe e logo se indaga que mistério é aquele.

É através desses pequenos mistérios que Adelbaran vai se revelando aos leitores num roteiro que poucas vezes vi nos quadrinhos. E a história é boa não só pelo roteiro, mas também pelo desenho competente de Leo, que consegue ser acadêmico e, ao mesmo tempo, criativo.

Para melhorar, a Panini lançou a história em um álbum relativamente barato (R$ 22,90, com duas histórias) e com ótima qualidade gráfica.

Entre os lançamentos da Panini também merece destaque Blueberry, de Charlier e Moebius. Não se trata exatamente de um début nas terras tupiniquins. O famoso tenente já havia sido lançado no Brasil pelas editoras Vecchi e Abril, mas nunca com tanta qualidade editorial. Charlier foi um dos melhores roteiristas europeus de todos os tempos e Blueberry é sua obra máxima.

O personagem é um soldado beberrão e jogador inveterado vivendo aventuras em pleno velho oeste. O roteirista sabe manejar como ninguém os diálogos, colocando-os a serviço de uma boa história (ao contrário de alguns autores mais recentes, como Brian Michael Bendis, que colocam os bons diálogos a serviço apenas de seus egos inflamados).

Nessa edição de estréia, Blueberry está na mesa de jogo. Passa a história toda assim, enquanto ao redor dele acontecem mil e uma coisas e diversos personagens secundários são explorados pelo roteiro. Uma história que se passa numa mesa de jogo pode parecer um pretexto para evitar uma trama bem elaborada, mas é justamente o oposto que ocorre. Mil e uma tramas desfilam pelas páginas e vão convergir para a tal mesa de jogo.

A Panini fez uma ótima opção editorial publicando a história em lombada quadrada e colorida (a Abril lançou a maior parte das histórias de Blueberry em preto e branco). O traço de Moebius (que na época assinava Giraud) ganha muito valor com a cor bem aplicada. Cada página é um quadro que pode ser observado e deleitado tanto pela bela cor quanto pelo detalhismo do desenho ou pela bela composição. Moebius é considerado o melhor desenhista da escola franco-belga e Charlier o roteirista mais eclético, rivalizando apenas com Goscinny (de Asterix). A união dos dois só poderia ser um delírio para os neurônios.

Mas será que apenas nos quadrinhos houve boas novidades? Voltamos à reunião familiar.

Então alguém veio com uma lembrança realmente importante. Se o cinema não teve grandes novidades, a televisão trouxe uma obra cujos efeitos irão repercutir por décadas: a série Lost.

Antes de mais nada, Lost mostrou que uma idéia ruim pode se tornar genial e só por isso já valia a pena. Uma série de TV sobre sobreviventes de um acidente aéreo tinha tudo para se tornar a coisa mais chata que a telinha já apresentou (sem falar que a trama acabaria no momento em que eles fossem resgatados), mas a idéia de transformar a ilha em uma miscelânea de mistérios insolúveis salvou tudo. Lost quebrou vários paradigmas. Entre eles o de que os flashbacks não funcionam na televisão. Outro é de que esse meio não suporta uma trama complexa.

Lost uniu bom roteiro com direção competente e atuações convincentes, mas o que realmente prendeu os espectadores na cadeira foram os muitos mistérios que deram origem às mais variadas teorias. Tentar descobrir o que está acontecendo na ilha é um belo exercício para os neurônios e me faz lembrar a época em que estava sendo lançado no Brasil a série em quadrinhos V de Vingança. A cada número aumentava a discussão sobre quem de fato era V. Ainda hoje, na comunidade da HQ no Orkut, esse assunto dá pano para manga.

O único defeito foi o horário em que a Globo apresentou a atração, em plena madrugada, um horário que parece ter sido escolhido para não dar audiência. Mas por outro lado, isso só mostrou o futuro no qual a televisão aberta já não tem tanto poder. Muita gente preferiu assistir em DVD ou baixar os episódios da internet. Como resultado, muita gente já assistiu até mesmo a segunda temporada, que ainda não foi exibida pela Globo.

Lost mostrou o quanto estavam equivocados os críticos dos meios de comunicação de massa que decretaram que a televisão era o meio mais pobre e que jamais poderia apresentar novidades ou obras de maior fôlego. É uma boa razão para olhar para trás e dizer: 2006 valeu a pena.


Gian Danton
Goiânia, 29/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Curso superior de auto-ajuda empresarial de Pilar Fazito


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2007
01. Os meninos da rua Paulo - 13/8/2007
02. Orwell na pior em Paris e Londres - 8/3/2007
03. Wikipedia e a informação livre - 2/5/2007
04. Logan's run - 21/5/2007
05. Lugar Nenhum - 31/12/2007


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1970 - 1980 One Hundred Greatest Hits Piano-vocal-guitar
Vários
Wise Publications
(1980)



Virei empresário. E agora?
Beth Martins
Literare Books International
(2017)



Promoção de Vendas - o Gatilho do Marketing
Paulino da San Pancrazio
Futura
(2000)



Mosaico do Sentir
Fernando Hernadez Junior
Gente
(2004)



Qual É a Cor do Amor
Patrícia Senna e Emerson Pontes
Prazer de Ler
(2011)



Para um Homem de êxito
Lídia Maria Riba
Vergara & Riba
(2007)



The Finale Primer
Bill Purse
Miller Freeman Books
(1998)



ética Em Ginecologia e Obstetricia
Varios Autores
Cadernos Cremesp
(2011)



Concerto Duas para Vozes
Fernando Lara Michael Nicolau
Annablume
(2008)



Above Paris
Robert Cameron
Cameron
(1985)





busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês