Digestivo nº 226 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
60396 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Sombras Persas (IV)
>>> I’ve been up, I’ve been down
>>> Sombras Persas (VIII)
>>> 8 de Agosto #digestivo10anos
>>> Situação da poesia hoje
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> United States of Brazil
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> A Onda, de Dennis Gansel
Mais Recentes
>>> Minhas Aventuras na América do Sul de Gerson Galli pela Visei (2021)
>>> O livro do silêncio: Livro 1 da trilogia deuses de dois mundos de Pj Pereira pela Planeta (2018)
>>> Dia 21 de Kass Morgan pela Record (2015)
>>> The 100 - Os Escolhidos de Kass Morgan pela Record (2014)
>>> A Terceira Visão de Lobsang Rampa pela Nova Era (2005)
>>> O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota de Olavo de Carvalho pela Record (2013)
>>> O Cirurgião de Tess Gerritsen pela Record (2013)
>>> A Honra do Poderoso Prizzi de Richard Condon pela Record (1982)
>>> O Amante do Vulcão de Susan Sontag pela Cia. das Letras (1992)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrísica (2014)
>>> A primeira Impressão é a que Fica. de Ann Damarais pela Sextante (2005)
>>> Bruxas e Bruxos de James Patterson pela Novo Conceito (2013)
>>> Amor de Puta de Ricardo Daumas pela Sensus (2016)
>>> Somos Todos Inocentes de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (2000)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> A Solidão do Espinho de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Grimpow de Rafael Abalos pela Ediouro (2006)
>>> O Complo de Heather Graham pela Harlequin (2006)
>>> Despertar de um Imperio de Sam Bourne pela Suma (2010)
>>> A Promessa de Halan Coben pela Arx (2008)
>>> Técnico em Informática de Antonio Álvaro de Assis Moura e equipe da editora pela Etb (2014)
>>> O Uno e o Múltiplo nas Relações entre as Áreas do Saber de Maria L. Martinelli Maria Lucia R. Salma Tannus M. pela Cortez (2001)
>>> Coletânea Martinista - Escritos Esotéricos Cristãos Livro III de Escola Internacional de Estudos Esotéricos pela Ágora Hermética (2013)
>>> Coletânea Martinista - Escritos Esotéricos Cristãos Livro II de Escola Internacional de Estudos Esotéricos pela Ágora Hermética (2013)
>>> Introdução à Teoria da Literatura de Antonio Augusto Soares Amora pela Cultrix (1994)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 13/5/2005
Digestivo nº 226
Julio Daio Borges

+ de 5100 Acessos




Imprensa >>> O rigor do experimentalismo
A maior incógnita sobre o futuro da Bravo!, em mais de 6 anos de publicação, surgiu quando a revista migrou da editora D’Ávila para a Abril. A garantia era de que, além da arvorezinha-símbolo na capa, nada seria alterado. Para a maioria dos leitores da revista, a aparência, efetivamente, não mudou, embora o meio jornalístico assistisse a algumas trocas de comando em pouco tempo, que preocupavam, além de admiradores do veículo, colaboradores veteranos. Depois de certa tempestade, a bonança chegou por meio de Luiz Felipe D’Ávila, que, além de óbvio fundador da revista, assumiu a diretoria Jovem&Cultura da Abril e abrigou a Bravo! sob seu guarda-chuva. Ao que parece, a idéia é voltar ao princípio fundador da publicação e um dos sinais mais evidentes, e sensatos, foi fazer, já há alguns meses, de Michel Laub, ex-editor-sênior, diretor de redação. Afinal, todo mundo sabe dos anos de dedicação de Michel ao veículo e do seu incondicional envolvimento desde os primórdios, quando recebeu a indicação de Wagner Carelli por suas colaborações em Carta Capital. Pois, mais do que os 7 anos que se aproximam, a Bravo! recentemente comemora o lançamento de um suplemento, em papel jornal, só sobre livros. É, como não poderia deixar de ser, o Bravo!Livros, que teve sua “noite de autógrafos” em abril, na Casa do Saber. Além dos nomes conhecidos da revista, o suplemento de iniciais 16 páginas apresenta matérias traduzidas de outras publicações, como o The Guardian, e também de escritores como Salman Rushdie (uma das atrações confirmadas na Flip 2005). A inspiração é, naturalmente, o The New York Review of Books, pela apresentação e pelo formato tablóide, e a ambição é vender o Bravo!Livros separadamente em banca, nos próximos meses, a um preço quase popular. A intenção é, claro, louvável, e um contraponto à tão elaborada (plasticamente) Bravo! não poderia ser melhor. Sente-se, apenas, falta do contato com as novas gerações – até em matéria de colaboradores – mas, imagina-se, ser esse um fato plenamente contornável. Longa e próspera existência, então, ao suplemento literário da Bravo!, da Abril, de Luiz Felipe D’Ávila e de Michel Laub. [Comente esta Nota]
>>> Bravo!Livros
 



Internet >>> We the Media
O Olodum tá rico, o Olodum tá pobre (...) – o Olodum pirou de veeez. Bastaria substituir o “Olodum” pela “internet” no trecho acima e isso resumiria as conclusões do relatório “The State of the News Media”, elaborado pelo Project for Excellence in Journalism, da universidade de Columbia. A cada ano se espera que as avaliações e os prognósticos para a internet sejam favoráveis ou – ao menos – sólidos. Que nada! Continuam as dúvidas de antes. A internet é fonte de informação confiável? Para 50% das pessoas. Mas, de 2000 pra cá, a tendência está diminuindo e, não, aumentando. Para a internet, existe, finalmente, um modelo de negócio? Não, claro que não! O que é melhor, para os sites de notícia, abrir conteúdo ou fechar para assinantes? O Wall Street Journal diz que é fechar; e o Craigslist, site de classificados grátis que está roubando a função dos grandes jornais, diz que é melhor atingir mais pessoas, e viver de anúncios. Quem tem razão: quem mantém as redações on-line (embora elas sigam se desintegrando) ou quem substitui tudo por robôs? As pesquisas mostram que a audiência não percebe a diferença, e que os acessos ao Google News, onde nenhum ser humano faz a separação entre o trigo e o joio, estão disparando. As agências de notícias vão dominar o mercado ou as reportagens locais vão oferecer um contra-ataque? Sim e não (ou: nenhuma das anteriores). As agências crescem e os portais só fazem reproduzir seu material; do mesmo modo, destacam-se as iniciativas de se falar para uma pequena comunidade geográfica – e, obviamente, os blogs. Apesar da venda da Slate e da aparente concentração cada vez mais forte, no universo on-line, os weblogs foram a grande esperança, nas eleições americanas de 2004, para quem lamentava que fosse tudo acabar em Murdoch. O relatório, enfim, não está certo de nada – o que não é um alento; mas não é, tampouco (e felizmente), um decreto de que a internet será uma outra mídia e nada mais. [Comente esta Nota]
>>> The State of the News Media
 



Literatura >>> Hellbox
John O'Hara é um importante escritor americano, do princípio do século XX, quase inédito no Brasil. Essa informação, bastante comum na imprensa especializada, que divulgou BUtterfield 8, seu romance, pode gerar noções erradas em potenciais leitores. Ainda mais porque a protagonista de seu livro é Gloria Wandrous, uma moça norte-americana, amadurecendo entre a Lei Seca e a Depressão. O começo do século passado nos parece tão distante que a nossa tendência seria pensar nas personagens dos romances de Jane Austen, a grande escritora inglesa do século XIX. Acontece que Glória é extremamente atual. Troque as épocas, troque o cenário e ela poderia ter saído de uma rave ou de uma sessão de sexo grupal, descrita num conto da jovem autora Cecília Giannetti. Para nós, que estamos casando em média com 30 anos, Glória parece extremamente precoce: dormiu com praticamente toda a faculdade de Yale, teve posteriormente romances e aventuras variadas em Nova York e, finalmente, morreu acidentalmente aos 18, depois de alimentar um caso com um homem casado, com mais que o dobro da sua idade (ou, mais convencionalmente, com idade para ser seu pai). Liggett, Wenston Liggett. Ele também está, obviamente, localizado em algum lugar entre os anos 20 e os 30. Tem duas filhas, é um conquistador inveterado e, apaixonado, decide-se casar com Glória. Ao contrário, também, do que poderíamos pensar, o romance não é linear, o que o faz, mais uma vez, contemporâneo nosso. O elogio de Hemingway na capa da edição brasileira, pela José Olympio, não é à toa. John O'Hara é realmente grande e, como jornalista que foi, ou tentou ser, poderia servir de exemplo para os jornalistas-escritores de hoje. O contista mais longevo da New Yorker ainda tem muito que ensinar e a nossa esperança, agora, é que a editora despeje mais e mais O'Hara no mercado. [Comente esta Nota]
>>> BUtterfield 8 - John O'Hara - 304 págs. - José Olympio | Mais e melhores posts
 



Música >>> Mais que palavras
Secretário do livro e da loucura (como amigos, fraternalmente, o chamavam), morreu Waly Salomão. E a nação tratou de esquecê-lo a.s.a.p. (as soon as possible). (Ou foi impressão?) Não Juarez Maciel, que vinha gestando, com Salomão, composições que só agora vêm à luz. No CD Nove Cores, o primeiro não instrumental de sua carreira de músico. Foi Leandro Carvalho, o genial violonista, que uma vez confessou seu pendor – talvez inevitável – para a canção. É quase sina de quem compõe temas sem letra no Brasil. Mais dia menos dia, vai ter de enfrentar a tradição verbal do cancioneiro brasílico. E Juarez Maciel o fez muito bem. Pegando mestres da letra, como Waly, pegando seu irmão, Pedro, poeta, pegando outros craques como Guilherme Mansur. Além da tradição das bem-feitas capas de Guto Lacaz, que nortearam seus precedentes álbuns, Juarez manteve a cama tão agradável, eximiamente arranjada e despretensiosa de suas experiências solo e com o Grupo Muda. Só por isso, o CD já valeria a pena. Mas ele também canta. Sobressai-se com desenvoltura de delicadas armadilhas que seus parceiros preparam: “Pirâmides do Egito/ Quinta Avenida/ Machu Picchu/ Trafalgar/ Cataratas/ Manhattan” (com Waly Salomão); “Cédulas de zero cruzeiro, cordões,/ Anéis de ouro e areia, rodos,/ Malhas da liberdade, porta-bandeira/ Estojo de geometria, obscura luz, e ainda:/ Loucura razão, dados, ku kka ka kaka.../ Ô, vais querer um sermão da montanha?” (com Guilherme Mansur). São bem-humorados quebra-cabeças que, a princípio, assustam. Mas, na segunda ou terceira audição, vão caindo na cadência sóbria e constante de Juarez Maciel. E, à maneira de instrumentistas que palpitavam na porção palavra da composição, deve haver seu dedo biográfico em, por exemplo, “Máquina zero”, narrando passos nostálgicos pelas strasse de Berlim – onde morou muitos anos. Há alguns poucos, aliás, trocou impressões, no idioma de Goethe, com Luís Antônio Giron (este queixando-se de não ter com quem praticar...). Brincadeiras à parte, Juarez encara com a mesma fleuma e com o mesmo entusiasmo os altos e baixos da indústria fonográfica nacional. Ele se move na mesma inspiração daqueles cujas obras o público, pouco amadurecido (ainda infantilizado), não aprecia direito mas que, como semente, vingam e frutificam. Pois “cedo madruga/ pra acordar presente”. [Comente esta Nota]
>>> Juarez Maciel
 
>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM POLEMIZA NO WEBINSIDER

Em resposta ao artigo "Jornalista virou commodity. Aceite e aja.", de Julio Daio Borges, a estudante de jornalismo Viviane Barbosa assina "Ano que vem serei jornalista. Cheguei tarde?", no Webinsider.

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* O lado escuro do universo: Matéria escura e energia escura
Rogério Rosenfeld
(Ter., 10/5, 19hs., CN)
* Mitos, um saber infindável
Rachel Gazolla, Carmen Junqueira e Marcelo Perine
(Qua., 11/5, 19h30, CN)
* O que é ser um jovem escritor contemporâneo
Martin Page
(Ter., 17/5, 19h30, CN)

>>> Palestras
* De funcionário para revolucionário
Ricardo Jordão Magalhães
(Ter., 10/5, 19h30, VL)
* Pedagogia da Diversidade
Maria Sirley dos Santos
(Ter., 17/5, 19h30, VL)
* Auto-estimulação e adolescentes
Henrique Klajner
(Qua., 19/5, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Drogas: Aspectos Penais e Criminais - Miguel Reale Jr.
(Seg., 9/5, 18h30., CN)
* Memória - Ana Maria Maaz Acosta Alvarez, Anita Taub, Isabel Albuquerque Maranhão de Carvalho e Mônica Sanches Yassuda
(Qua., 11/5, 18h30, VL)
* Elas, as pioneiras do Brasil
Hebe Canuto da Boa-Viagem de Andrade Costa
(Qua., 11/5, 18h30, CN)
* Identidade e alteridade em Clarice Lispector
Daniela Mercedes Khan
(Seg., 16/5, 18h30, VL)
* Jerusalém & São Paulo
Marta Francisca Topel
(Qua., 18/5, 18h30, CN)

>>> Shows
* Todos os Sentidos - Adriana Godoy
(Sáb., 14/5, 19hs., VL)
* Espaço Aberto - Nicole Borger
(Dom., 15/5, 18hs., VL)
* Jelly Roll Morton - Traditional Jazz Band
(Sex., 22/5, 20hs., VL)
* A Palhaçada do Século - Mamma Monstro
(Dom., 22/5, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural


>>> DIGESTIVO 5 ANOS

Como uma das resoluções do "Digestivo 5 anos", a partir deste Digestivo de nº 226, as Newsletters, com Notas semanais de Julio Daio Borges, passam a ser fechadas e a circular nas sextas-feiras (antes eram fechadas com data de quarta-feira da semana posterior). Assim, evitam-se novas confusões com o calendário e também com os Comentários sobre Notas ainda não publicadas. As Notas dos Digestivos, portanto, seguirão só depois de terem ido ao ar, ao longo da semana, no site. Logo, este Digestivo específico antecipa, pela última vez, as Notas da semana que vem. Ao mesmo tempo, não circula na próxima semana (que fica sem Newsletter, como não acontecia há anos...) e congrega os eventos, da Livraria Cultura, de quinze dias.
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Corpo Humano no Tempo
Kenneth Jon Rose
Mcgraw Hill
(1989)



Vencendo as Barreiras do Infinito
Fátima Moura
Celd
(2003)



Enfermagem Pediatrica
Cecilia Helena de Siqueira Sigaud
Epu
(1996)



Auditoria Jurídica Apontamento para o Moderno Exercício da Advocacia
Jayme Vita Roso
Hammulabi
(2003)



Cairbar Schutel e a Mediunidade Missionária
Aziz Cury
Elevacao
(2010)



La Palabra de Dios, los Derechos Humanos y El Pueblo de Dios
Metodista
Metodista
(1981)



Fundamentos Economicos das Politicas de Defesa da Concorrencia
Jorge Fernandes
Singular
(2003)



Históricas Políticas
Obras Completas de J. M. Vargas Vila
Ramón Sopena



Livro dos Sonetos: 1500 - 1900
Sérgio Faraco
L e Pm
(2002)



Estações
Gabriel Chalita
Globo
(2010)





busca | avançada
60396 visitas/dia
2,2 milhões/mês